História Prison Of Love - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Shawn Mendes
Personagens Justin Bieber
Tags Adúltero, Drama, Incesto, Justin Bieber, Possessão, Revelações Fortes, Romance, Suspense, Violencia
Visualizações 244
Palavras 2.912
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hi, Sweets. Bom, o que queremos dizer é que mil, mil, mil desculpas pela demora. Rebecca está com alguns problemas pessoais (família, escola, etc) e ela não vi poder ficar postando nos domingos, como vocês estão acostumados, então espero que não se incomodem pela demora dos capítulos, mas nós prometemos que vamos dá o nosso melhor para vocês não ficarem sem. Minha justificativa, é que no meu colégio agora está mais rígido, estou recebendo muitos trabalhos e demora bastante, sem dizer das provas. Algum de vocês deve ter visto que não estou entrando muito no site ou até mesmo nas minhas redes sociais, (Esse é meu Twitter: @mia_carson9). Esperamos que gostem do capítulo.

Capítulo 9 - He owns me- Part 3


Fanfic / Fanfiction Prison Of Love - Capítulo 9 - He owns me- Part 3

POV's Justin Bieber
Chegamos ao restaurante, Daniella ficou encantada com tudo, o que me deixava bastante feliz, vê-la sorrir melhorava o meu dia.  De alguma forma, gosto dela. Gosto dela por ser minha amiga, uma pessoa que posso confiar, mas por um lado, ela me irrita de um jeito inexplicável. Odeio ela com toda a minha força, mas também adoro seu jeito "irreverente". Minha bipolaridade não me deixa decidi meus sentimentos, eu gosto e odeio ela ao mesmo tempo. 
--Tem reserva?--A atendente pergunta, me tirando do transe. Olhei para ela, ou melhor, seus enormes seios. 
--Senhor Bieber?--Thomas me chama. Quando eu ia xingá-lo por ter me atrapalhado, ele balançou a cabeça para o lado esquerdo, indicando a direção da babá. Olhei para Daniella, por um momento, dando a visão de um homem conversando com ela. 
--Thomas...Fale com a atendente a nossa reserva. Tenho coisas a fazer.
POV's Daniella Martins
Ao entrar no  restaurante, fiquei tão distraída que acabei me esbarrando  em alguém, deixando a carteira da pessoa cair. Agachei-me para pegar a carteira. A pessoa também se agachou.
--O que um bombom faz fora da caixa?--Uma voz  soa familiar em meu ouvido. Quando olhei para o lado, vi que esse tal "alguém" é na verdade Ethan.
--Ethan?--Perguntei surpresa. Ele se levantou, com a carteira na mão, me joguei em seus braços, o abraçando forte.--E Mary? Sam? Como estão?
--Bem, graças a Deus. O que está fazendo aqui?
--Eu...--Quando eu iria responder Ethan, Justin vinha a nossa direção. Ethan percebeu meu nervosismo e olhou para aonde eu estava olhando. Ethan abraçou minha cintura com força.
--Pode nem deixar a vadia sozinha, que ela já vai se atirar no primeiro homem que ver.--Justin grita. Uma lágrima desce em minha bochecha, Ethan percebe e vai a direção de Bieber. 
--Ela não é nenhuma vadia.--Ethan me defende.
--Não estou falando com você, carpinteiro.--Justin debate.--Estou falando com essa qualquer, chamada Daniella Vadia Martins.
Não me segurei e botei tudo para fora. Uma lágrima atrás da outra. É muita humilhação e o pior de isso tudo é que não posso fazer nada. Minha vontade é de por Justin no seu devido lugar, sem precisar da ajuda de Ethan. Pense no seu emprego, Daniella. Pense em sua família, pensei. Percebi que tem muitas pessoas nos olhando, sussurrando uma com as outras. Essa foi a gota d'água, não irei permitir que um coitado possa me humilhar e eu aqui de cabeça baixa. Eu nunca fui assim. Nunca levei desaforo para casa, por que levaria hoje? Do nada Thomas aparece e sussurra algo no ouvido de Justin.
--Vamos para nossa mesa, Daniella. Esquece esse carpinteiro de merda para lá.--Justin disse e Thomas veio segurar meu braço. Puxei meu braço de volta com brutalidade e encarei Bieber.
--E se eu não quiser? Por acaso você manda em mim?--Gritei. Ethan se afastou, indo embora. Antes de eu dizer qualquer coisa, ele entrou no táxi, que está em frente ao restaurante. 
--Como disse?--Justin perguntou, incrédulo com meu tom de voz.--Não sei se lembra, mas eu sou o seu Dominador. Eu mando em você, querendo ou não.  Então, você não tem que querer nada, se eu lhe der uma ordem, espero que ela seja comprida. 
--Não me lembro de ter assinado o contrato de Submissa sua. --Cheguei mais perto dele, agachando-me a sua frente. O olhando séria.--Por que quer que eu seja sua submissa?--Perguntei. Mudando um pouco do assunto.
--Assuntos pessoais. Agora, se quiser viver mais um dia em sua vida, vamos a nossa mesa, jantar.--Ele olhou profundamente em meus olhos. 
--Não.--Levantei-me, cruzando os braços.
--Isso não foi uma pergunta. Se você não quer ir por bem...Vai por mal. THOMAS!--Thomas veio até novamente e pegou no colo. Tentei ao máximo me soltar, mas tudo que consegui foi um tapão na bunda, me fazendo gemer de dor. Justin riu da cena e mandou Thomas ir a nossa mesa.
Todos riam de mim baixinho, eu podia observar o largo sorriso em cada pessoa. Justin também percebeu e sorriu com isso.  Thomas me sentou na cadeira, a frente de Justin. E sentou-se do lado de Justin. Bufei irritada. Comecei a contar até dez,tentando ao máximo não fazer um escândalo e dá um tapa na casa desses dois filhos da puta.
--O que vai querer, Dani? Pode pedir o que quiser.--Justin perguntou, sorrindo amigável para mim. É incrível como a água muda para o vinho, pensei. 
--Hã...--Quando eu ia dizer algo, o garçom aparece, nós entregando os cardápios. Ele nós esperou ler, o que foi bem gentil. 
--O que vão querer?--O mesmo pergunta.
--Para mim, paeja e  uma garrafa de  vinho branco.  Para a dama, uma salada. .--Justin disse sorrindo. O garçom começou a anotar. 
--Na verdade--Comecei a dizer.--A dama aqui quer um strogonoffe de frango , com bastante batata palha e uma garrafa vinho seco.--Thomas me olhou por algum momento, negando com a cabeça. Mostrei o dedo do meio para ele e entreguei os cardápios para o garçom, quando ele acabou de anotar os pedidos.
--Obrigada.--Dei meu melhor sorriso para o garçom, que me retribuiu com um beijo na mão. Quando ele se retirou, Justin me olha desconfiado.
--Então, não vai conversar comigo?--Justin pergunta.--Tantos assuntos para por em dia.
--Ok. Por que você quer me quer como submissa?--Perguntei, cruzando os braços.
--Depois do jantar podemos ir ao cinema o que acha?--Ele pergunta, mudando totalmente o assunto.
--Por que você não vai tomar no cú?
--Por que você não vem tomar no meu cú?
--Você é um desgraçado.
--Quem era aquele cara que você estava conversando ao chegarmos?--Senti que ele já conhece Ethan. Mas só está fazendo cena.
--Pensei que o conhece para saber a profissão dele.
--Deve ser por que já o vi trabalhar um dia. Quem é ele? E de onde vocês se conhecem?
--Ele é um amigo meu. Conheci ele pela Mary. A antiga "escrava" de sua mãe.--Fechei a cara. Thomas não dizia nada, apenas observava atentamente para mim. 
--Gosto do seu vestido, ele lhe deixou mais sexy. As roupas que você usa para trabalhar não são as mais atraentes, parece que seu guarda-roupa vomitou arco íris em você.
--E você pode falar muita coisa de mim, né? Para uma pessoa quase da realeza, você se veste como um pivete, moleque de rua...--Me interrompi ao perceber que Mary Margaret está vindo a minha direção, Justin percebe e dá uma olhada para Thomas.
--Daniella!--Mary me abraçou.--Você ainda está viva, que ótima notícia. Achei que esse magoloide tivesse lhe matado.--Ela disse olhando para Justin.
--Como disse? Sabe com quem está falando?--Justin se intrometeu. 
--Sim, com  uma criança.
--O engraçado é que eu deixo de ser criança quando estou na cama. Já disse para a Daniella que já traiu seu marido para dormir comigo?--Mary engoliu em seco.
N-Não. Não pode ser. Com o pouco que convivi com Mary, tenho a certeza que ela não trairia David para ficar com Justin. 
--N-Não o escute Daniella. Ela só quer confundir sua cabeça.--Ela disse olhando no meus olhos. Justin riu pelo nariz.
--Eu só tinha dezesseis anos. Foi essa vagabunda que tirou minha virgindade. Ela abusou de mim.--Justin chegou mais perto de Mary. 
--Não o escute Dan...--Justin a cortou.
--Se estou mentindo ou confundindo sua cabeça, Dani, pergunte qualquer empregado da casa. Ou até mesmo vai em qualquer site pôrno, Mary sempre gravava e postava as gracinhas dela comigo para o mundo inteiro saber. Pena que minha mãe nem sabia o que era tecnologia naquela época.
--Daniella, eu juro que...--Eu a cortei. 
--Eu aqui igual besta, achando que você era uma pessoa boa. Sra. Pattie tem toda a razão do mundo para bater em você.--Eu disse, cuspindo as palavras. A empurrei para trás, para não ter contato físico com ela. Mary tentou se aproximar.--Fique longe de mim.--Mary fingiu que não ouviu e se aproximou um pouco mais. Mas Thomas a empurrou para longe.
--Não ouviu a minha garota? Fique longe dela.--Justin gritou. Dando ênfase no "minha".
Para não ter mais nenhuma confusão, Thomas levou Mary para fora do restaurante. Fiquei incrédula com a revelação. Uma regra importante da vida que esqueci : "As aparências enganam". Nosso jantar finalmente chegou, me tirando do transe..
--Thomas me ajude a comer!--Justin ordenou. Eu não disse nada, apenas comecei a comer, tentando não pensar no que Mary fez com Justin no passado.--Ei...Não pense nisso, está tudo bem.--Justin disse com uma voz mansa para mim. 
--Me sinto traída.--Desabafei, dando uma garfada no frango. Me fazendo revirar os olhos de tão bom que estava.
--Esquece isso, não quero que você fique sofrendo por algo fútil. Te ver triste acaba com meu dia.--Engasguei com minha própria saliva ao ouvir isso de Bieber. O olhei surpresa e ele apenas deu um sorriso amável, sonhando para meus lábios. Não pensei duas vezes em beijar Justin intensamente, cheguei perto dele e quando eu ia iniciar o beijo, Bieber nega.
--Até quando vamos continuar com a fase "só beijo"? Porra, não somos dois adolescentes apaixonados. Nossos dois adultos maduros, tire essa roupa e vamos foder loucamente na primeira cama que virmos.--Justin se altera. Thomas ri pelo nariz e ajuda Justin com a refeição. Dei um gole em minha bebida e fiquei o observando. Mal sabe Justin que ainda sou virgem. Por sorte aos meus quinze anos fiz anal com Patrick. Mas isso não justifica nada.
--Por que está me olhando desse jeito? Vai me dizer que ainda é virgem?--Bieber dá uma risada escandalosa, me deixando envergonhada. Nunca. Nunca mesmo, pensei em mentir em toda a minha vida, mas Justin pediu por isso.
--Eu não virgem, Justin. E eu aqui pensando que você sabia muito bem disso.--Tentei disfarçar. Bieber me olhou desconfiado.
--Ok. Se você realmente não é virgem, como diz. Não se importaria de foder comigo, não é?
--Nem um pouco.
--Minha mãe está em casa essa noite, então amanhã ás oito horas da noite quero você na minha cama.--Dizendo isso, Bieber deu uma piscada para mim.--E vamos ver se você realmente não é virgem. -- Fodeu. Puta merda, estou muito fodida. Se isso fosse um desenho animado, apareceria uma lâmpada da cor amarela em cima de minha cabeça, uma idéia brilhante surgiu dentro de mim, que nem eu mesmo acredito. 
--Sr.Bieber?--Tentei fazer uma voz sexy.-- O senhor se importaria de deixar uma certa mocinha ir a casa de umas amigas?
--Chegue em casa até...--Ele olhou para o relógio do restaurante.--Só por que foi educada e pediu sensualmente, pode voltar na hora que quiser.
--Sério? Se eu quiser, então, posso dormir na casa delas?--Perguntei surpresa.
--Pode. Mas deste que volte amanhã umas dez horas da amanhã.--Não me segurei e dei um forte abraço em Bieber. Agradecida, dei um beijo em sua bochecha.--Tá. Tá. Chega. Agora, vai, antes que eu mude de idéia.
--Tchau.--Me retirei da mesa e ao sair do restaurante, pego o primeiro táxi que vejo pela frente. Não sei por que, mas sinto-me sendo observada.
Pov's Patrick Cooper
--Cadela?--Grito. Sentei-me na cadeira ao lado, para pensar. Ás vezes paro para pensar, que minha vida seria muito melhor se eu sempre tivesse Cadela ao meu lado, em vez de Daniella. Cadela é uma pessoa que me identifico muito, não que eu seja apaixonado por ela. Ela é minha amizade colorida.
--Uma ótima notícia para você.--Cadela disse, me tirando dos meus pensamentos.--Daniella e Justin não estou juntos. Podemos a seqüestrar ela agora, se você quiser.--Cadela veio andando a minha direção. Sentou-se no meu colo, tentando me provocar.
--Pode ser, Cadela. Prepare todo o necessário, como: Aonde ela vai ficar. Ah, e não se esqueça que tem que esvaziar o porta malas do carro, para a colocarmos lá.
--Já fiz isso, meu amor.  O ex empregado do meu pai, Will, agora é taxista. Ele me ligou, avisando que avistou Daniella indo para um táxi. Claro que ele a seguiu. Então quando o táxi que Daniella estava parou, Will me passou o endereço na casa que ela entrou. 
--Genial de sua parte.--Eu a elogiei.
--Obrigada. Vamos?
Não a respondi, apenas fui a garagem e entrei em meu carro. Cadela ia atrás de mim, com um grande sorriso no rosto. Ela me passou o endereço, sem pressa alguma. Pela primeira vez na vida sinto-me preocupado com Daniella, tenho medo que ela esteja com outro homem. Posso ser o homem mais vagabundo e cafajeste de Los Angeles. Posso ser a pessoa mais detestada por muitos homens. Mas nunca. Nunca mesmo. Nunca mexa com a minha namorada, posso não gostar muito de Daniella e torcer por sua morte, mas a fazer sofrer, só eu posso. E não aceito que outra pessoa faz meu trabalho de maltratar as mulheres. Veja Cadela, por exemplo, ela é só mais uma, mas se algum homem a maltratar, o mato sem dó.
--Caramba!--A mulher grita do meu lado, tirando-me do transe.
--O que?
--Quando vai começar a dirigir? Está dez minutos olhando para o nada.
Liguei o carro e formos para o tal lugar. O caminho todo ficamos ouvindo as músicas do 2Pac, Cadela cantava tudo errado e eu ria de seus desastres.  Ao chegarmos, escondi o carro a umas três quadras. Eu e Cadela nos escondemos no beco, ao lado da casa. 
--Você fica sexy quando está bancando o seqüestrador.--Cadela diz, fazendo carinho em meu abdômen. Tirei imediatamente suas mãos e segurei seus pulsos.
--Agora não, Cadela.--Eu disse bravo, mas ela parecia não se importar.
--É tão difícil me chamar pelo nome? Você sabe muito bem, que odeio quando me chama desse jeito.
--Ok, Agora não, Mônica.
POV's Daniella Martins
Toquei a campainha desesperamente. A porta foi aberta depois de cinco segundos, dando a melhor imagem que uma mulher poderia ter.
--Ethan!--Eu disse. Ethan se assuntou ao me ver e me deu espaço para entrar. Ethan está apenas de uma toalha enrolada em sua cintura, não imagino como devo tirar os olhos de seu belo corpo.--Licença.
--O que faz aqui, Martins?--Ethan pergunta, cruzando seus braços.
--Vim, conversar com você.--Sorri. --Eu sinto sua falta e queria botar papo em dia.
--Sinta-se em casa.
Fiquei observando sua casa aos poucos, reparando cada detalhe. A casa de Ethan é bem organizada e decorativa para um lugar tão pequeno. Por um segundo, lembrei-me o por que vim até aqui. Ethan está sentado no sofá olhando para minha bunda despistadamente, aproveitei a chance e mexi ela para o lado e para o outro. 
--Gosta do que vê?--Perguntei Ethan. Seduzir esse cara, é moleza, pensei.
--Já vi melhores.--Ethan responde, revirando os olhos. O olhei incrédula e voltei a minha postura. Cruzei os braços e fiquei o encarando.-- Calma, gata. Eu estava zoando, claro que gosto do que vejo. Ou melhor, do que eu estava vendo.--Sem mais delongas, tirei minha calcinha, por baixo do vestido, e  joguei em seu rosto.
--Está ficando quente aqui, não?--Tirei meu salto, o jogando para um canto da sala. Eu juro que esse filho da puta não me agarrar logo, vou tirar meu vestido, que eu tinha que tirar a muito tempo.
--Tentando me seduzir, Martins?--Ele se levantou, indo a minha direção. Sinto meu corpo inteiro se arrepiar. Isso será o certo a se fazer? Eu só estou o usando para tirar minha virgindade e agarrar Bieber amanhã. Essa atitude pode acabar com nossa amizade, mas também pode me tirar uma furada. Antes de eu disser qualquer coisa, Ethan tira meu vestido, me deixando apenas de sutiā.
--Roupas de mais, né?--Juro que eu não queria ter dito isso. Tirei meu sutiã e comecei a beijar intensamente Ethan. Tirei a toalha de sua cintura, enquanto ele beijava meu pescoço.
--Ethan, você me empresta um pouco de farinha, para eu fazer...--Uma voz familiar diz ao entrar na casa, mas se interrompe ao olhar  para minha e Ethan.
--Mary, David, como estão?--Ethan pergunta rapidamente, ficando em minha frente e pegando a toalha, em cima do sofá, tampando seu membro. Não precisei de nada, o copo de Ethan me tampava por completa.
--Que merda é essa?--David pergunta. Mary ainda estava parada, sem mexer um músculo, encarando Ethan.
--Vamos esquecer, o que aconteceu aqui. Só empreste a farinha. Ah, esquece, eu mesma pego.--Mary disse indo em direção a cozinha, com uma cara nada boa. David continuava com a cara emburrada.
--Você está muito fodida comigo, Daniella. Justin vai adorar saber, que não foi trabalhar, para vagabundar na casa de macho.--David grita.
--Não grite, com minha garota.--Ethan grita de volta.--E não o escute, Dani, ela só quer lhe assustar.
--Vamos, David. Já peguei a  farinha. Obrigado, Ethan. --Mary disse, empurrando o marido para fora da casa, fechando a porta com força.
--É melhor irmos para o quarto.--Ethan disse em seguida, se virando para minha frente. Estremeci.--O quarto é no segundo andar, segue o corredor e abre a terceira porta a direita. 
Andei até as escadas em passos largos, tampando meus seios com a mão direita. Ao chegar no quarto, percebo a merda que acabei de cometer: Eu estou em um quarto vermelho, cheio de...Como dizer? Brinquedos sexuais. Ethan, comprou a sexshop inteira, pensei. Sentir meu corpo sendo empurrado contra o chão, quando eu ia dizer algo, Ethan tenta colocar um gagball em minha boca, mas fui mais rápida e segurei suas mãos.
--Calma.--Eu disse.--Vamos ir mais devagar, eu não fugir. 
--Daniella, quando você  vai me contar que ainda  é virgem?--Ethan diz, sem me olhar.
--O-Oque? De onde você tirou essa idéia?--Perguntei, suando frio. O fiz olhar para mim.
--Não sei. Talvez algo me diz que você é.--Ele fez pouco caso.
--Mas, a gente, ainda vai fazer amor?
--Duas Coisas: Primeira: Sim e agora. Segunda:Eu não faço amor. Eu fodo...Com força.
 


Notas Finais


Uhul!
Eai, gostaram?

Umas coisas que aprendemos nesse capítulo;

--Descobrimos quem realmente é Cadela.
--Descobrimos que Justin e Ethan desejam Daniella.
--Que Ethan não é tão certinho, como pensamos.
--Mary Margaret e Justin tem um certo passado juntos.
--Que Patrick ama suas outras.
--E que vocês vão botar fogo na minha casa e da Rebecca, se não postarmos o próximo capítulo logo.

Beijos da Mia e até breve, com um novo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...