História Prison World Bonkai - Capítulo 53


Escrita por:

Postado
Categorias The Vampire Diaries
Personagens Bonnie Bennett, Damon Salvatore, Malachai "Kai" Parker
Tags Bonkai, Bonnie Bennett, Kai, Malachai Parker
Visualizações 86
Palavras 2.319
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural
Avisos: Heterossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oie

Boa leitura

Capítulo 53 - Tantas cicatrizes


 

Bonnie 

Passei mais dois dias em Nova Orleans procurando por Kai e Damon, mas não havia nem sinal dos dois. Sem corpos drenados, sem ligações, sem nenhuma droga de pista para seguir. Queimei mais de dez mapas na tentativa de encontrá-los. 
Klaus e Elijah pegaram o corpo do irmão e o guardaram em um caixão, disseram que Kol precisava esfriar a cabeça por algum tempo, e que quando voltasse não poderia mais ser o inconsequente de antes. 
Para variar, eu me sentia um lixo ambulante. Quantas coisas horríveis eu fiz. Kol e eu amontoamos corpos por becos da cidade e a tragédia só não foi maior pois alguns foram salvos por vampiros do Marcel. De qualquer forma eu precisava encontrar Kai, precisava trazê-lo de volta como ele pediu. 
Que merda! Eu não fazia ideia se eles haviam fugido, ou se foram levados, aquele desmaio que sofremos não era coisa de bruxa. Porra, porque as coisas precisavam ser tão difíceis? 
Eu liguei em casa e falei com Rita, ela e minha mãe estavam cuidando das crianças, hoje elas voltariam as aulas e eu não quis abusar mais da ajuda de Jô. Chorei horrores ao desligar o telefone. Eles imploraram para que Kai e eu voltássemos para casa. Estavam preocupados e tão vulneráveis. Mas o que eu faria? Voltar sem Kai parecia errado, ele fez de tudo para me trazer de volta e então se perdeu? Como eu poderia explicar isso aos meus filhos. 
Eu estava sofrendo tanto e sabia que todo esse sofrimento era pouco para mim, eu merecia isso.  


✨✨✨✨✨✨

Cinco dias de uma procura incessante. Eu não dormia, eu mal me alimentava. Rodei por Nova Orleans inteira e mais, procurei nas cidades próximas. Nenhum feitiço de localização funcionava. Nenhuma pista do paradeiro de Kai. 
    ⁃    Bonnie, deveríamos voltar. Elena falou com olheiras nos olhos. Ela, assim como eu também não havia descansado.
    ⁃    Não posso voltar sem ele. Falei agoniada. Eu estava perdida, não saber o que havia acontecido era desesperador. 
Freya deixou que nos acomodássemos no complexo dos Mikaelson, já que a casa era enorme, dia após dia eu tentava me manter sã, mas a culpa e a raiva de mim eram dolorosas de mais. Um fardo pesado de mais para carregar. Estava pronta para sair às ruas novamente quando meu celular tocou. 
    ⁃    Bonnie? Minha mãe falou com a voz preocupada. 
    ⁃    Oi mãe, está tudo bem? Perguntei estranhando a ligação aquela hora da manhã. 
    ⁃    Na verdade não filha, Tori está com uma febre que não quer passar. Minha mãe falou com a voz preocupada. 
    ⁃    Leve-a para o hospital mãe. Respondi um pouco dura de mais. 
    ⁃    Acha que já não fiz isso? Ela está medicada, mas a febre não passa e ela só chama pelo pai. Theo não quer sair do lado da irmã, eles estão sofrendo Bonnie. Abby falou em tom de repreensão. 
    ⁃    Ainda não encontrei nenhuma pista do Kai, mãe. Preciso que a senhora cuide deles. Bonnie respondeu também inflamada. 
    ⁃    Eu não me importo de cuidar deles, mas eles precisam de você agora. Volta para casa Bonnie. Abby ralhou e logo depois encerrou a ligação. 
Tori ter febre era uma novidade, ela está sempre saudável por causa do sangue de vampiro em seu organismo, mas acho que o desequilíbrio em sua energia vital é tão grande que ela acaba refletindo isto de alguma forma. 
Eu não queria ser irresponsável e nem mesmo negligente com meus filhos, mas sabia que sem Kai nossa família jamais estaria completa novamente, uma intuição ruim me devorava por dentro mas não havia nada que  pudesse fazer naquele momento. 
Todos com quem falei prometeram ajudar a encontrar Kai e Damon, disseram que se houvesse qualquer pista avisariam. Marcel e Vincent prometeram que se os vampiros ou bruxos soubessem de algo iriam avisar também. Só depois disso eu decidiu que voltaria para casa. 

✨✨✨✨✨✨✨

Enquanto subia pelo elevador me olhei no espelho, o rosto abatido, magra e visivelmente esgotada. Eu me perguntava como poderia ter causado tanta confusão, tudo ia por água a baixo e agora não fazia ideia do que fazer. 
Assim que cheguei em casa fui abraçada por Abby e Rita. As duas estavam inquietas e desoladas com tudo aquilo, olharam com surpresa para meus cabelos louros, mas não disseram nada. Flashs da invasão dos bruxos explodiram na minha cabeça, os ataques, as mortes, o olhar dos filhos. Céus, como era doloroso. 
    ⁃    Onde eles estão? Perguntei  controlando o choro. 
    ⁃    No quarto deles. Rita respondeu. 
    ⁃    Tori melhorou? Questionei minha mãe. 
    ⁃    A febre está mais baixa, mas ainda é persistente. Disse em tom triste. 
Eu entrei no quarto deles e meu coração se inundou de amor ao ver os dois deitados na cama de Tori. Ela parecia dormir enquanto Theo lia um livro sentando ao seu lado. 
    ⁃    Mamãe! Ele pulou da cama e se jogou nos meus braços. O apertei respirando fundo, desfrutando do perfume do meu lindo filho, o melhor abraço quentinho de braços pequenos. Vi quando Tori se sentou na cama esfregando os olhinhos. Ela sorriu quando me viu mas estava tão abatida pela febre que não conseguiu reagir com tanta empolgação. 
Andei até a cama com Theo nos braços e o soltei para falar com a minha menina. Me senti aliviada por não ver nenhum traço de medo em seus olhinhos. Sentei de frente para ela e a olhei nos olhos. Os olhos de Kai. Tori esticou a mãozinha e tocou meu cabelo, os olhinhos brilhando ainda um pouco cansados. 
    ⁃    Como você está, minha princesa? Perguntei beijando a mão da pequena. 
    ⁃    Triste. Tori falou abaixando o olhar. Theo se sentou ao seu lado e passou o braço em seu ombro como um sinal de apoio e proteção. 
    ⁃    Eu estou aqui agora. Vai ficar tudo bem. Me forcei a falar ainda com a voz amarga. 
    ⁃    Mas o papai não vai voltar. Theo falou um pouco mais baixo do que gostaria.
    ⁃    Que bobagem é essa? De onde tiraram essa ideia? Tentei interferir. 
    ⁃    Nós vimos. Tori falou levantando o olhar marejado. 
    ⁃    O que? Questionei com o medo fazendo a voz tremer. 
    ⁃    Sonhamos que o papai não vai voltar. Ele está perdido. Theo falou com um tom sombrio que me apavorou. De cara entendi que as crianças poderiam ter tido uma premonição, tanto quanto poderiam ter sonhado por estarem sugestionados. 
    ⁃    Os dois sonharam? Perguntei apreensiva. Vi os gêmeos concordarem com a cabeça. Era por isso tanta tristeza e a febre, eles haviam tido o mesmo sonho, não que fosse a primeira vez, mas ainda assim as chances de que eles tivessem tido uma “visão” eram ainda maiores. 
    ⁃    O que a vovó Abby diz toda vez que vocês perdem algum brinquedo? Questionei tentando contornar a situação. Céus!!! Eles têm só sete anos, não é justo. 
    ⁃    “Tudo o que está perdido, pode ser achado, só precisamos procurar.” Os dois responderam em uníssono. Minha mãe sempre os ajudava a achar brinquedos ou lápis de cor que acabavam desaparecendo entre tantas outras coisas. 
    ⁃    Então eu tenho certeza que vamos achar o papai, e tenho mais certeza ainda de que ele também estará nos procurando. Falei beijando e abraçando os dois. 
Eu não estava mentindo para eles, mas não fazia ideia se aquilo era realmente uma verdade. Sete dias que Kai havia sumido, e nenhum sinal, quanto mais o tempo passava, mais difíceis ficavam nossas chances de encontrá-lo. Para piorar, Damon estava desaparecido também, e eu rezava para que estivessem juntos, eu não poderia dividir minha atenção para procurar separadamente. Minha maior esperança era que encontrar um era também encontrar o outro. 


✨✨✨✨✨
Três semanas depois
✨✨✨✨✨


Ainda não tenho nenhuma notícia do Kai. Isso está me matando. A cada dia que me deito sem ele do lado, a cada dia que acordo sem ele, eu morro um pouco mais. As crianças estão retomando a rotina aos poucos, mas vejo que mudaram o comportamento. Andam mais quietos e introspectivos, e isso me preocupa. Meu pai me aconselhou colocá-los na terapia, e eu acho que será a melhor coisa a fazer agora. 


✨✨✨✨✨✨✨✨


✨✨✨✨✨
Três anos depois 
✨✨✨✨✨

Hoje faz três anos que Kai desapareceu, é insano, eu sei. Ouvi rumores, no ano passado, sobre pessoas desaparecidas na Itália, aleatoriamente, deixei as crianças com minha mãe e parti a procura de alguma pista. Não obtive nenhuma resposta, e esse deveria ser o 30° caso que aparecia de maneira promissora e que eu simplesmente largava tudo e corria atrás. A cada viagem uma nova expectativa, e uma nova frustração. Eu empurrava os assuntos dos clãs com a barriga, tinha sorte em poder contar com a compreensão de Tessália e Joseph, eles entendiam meu “luto” e me davam cobertura sempre.  Meu maior pesadelo começava a se tornar realidade. 
Devo dizer que as crianças começaram a estudar magia na prática, eu posterguei o quando pude, mas eles exigiram, junte isso a questão básica de que são herdeiros de dois dos maiores clãs do mundo e que as outras crianças começaram a praticar magia aos  seis anos, no máximo. Eu não tive como fugir do inevitável. Por sorte eles são boas crianças, mas mesmo assim sofrem com minha ausência e isso vem deteriorando suas personalidades. 
    ⁃    Bonnie, precisa se decidir. Minha mãe fala em uma das nossas longas conversas. Eu aparentemente voltei a ouvir sermão com uma certa frequência. - Decida-se se vai ser mãe ou esposa. Por que as duas coisas estão em conflito nesse momento. Ela me acusa. 
    ⁃    Eles sentem tanta falta do Kai quanto eu, mãe. É por eles também que eu faço isso. Respondi irritada enquanto desmanchava a mala da última frustrante viagem. 
    ⁃    Kai não está aqui, é um fato. Mas você está, e está deixando seus filhos para trás. Ela rebate com razão, mas nada do que está acontecendo em nossas vidas é minimamente razoável, não é? - Olhe para eles, escute-os. Enquanto você viaja buscando uma notícia que não vai chegar, seus filhos estão desmoronando. Theo era um menino brilhante, está cada dia mais introspectivo, desmotivado. Tori era doce e gentil, anda agressiva e impaciente. Você os manda a terapia mas não oferece a eles um ambiente familiar saudável. Chega! Eu não vou mais aceitar que você me ligue no meio da noite dizendo que vai sair atrás de uma pista que nunca leva a nada, enquanto deixa seus filhos acordarem sem saber onde os pais estão. Minha mãe fala com a voz embargada enquanto eu me desfaço em lágrimas. 
Ela está absolutamente certa, uma vez alguém disse, que “quando você perde o pai, perde um pouco sua mãe também”, e foi isso que eu deixei acontecer na minha família. Meus filhos estão instáveis e eu não posso culpá-los, eles são um reflexo do que eu me tornei. O único feitiço que eu faço a basicamente três anos é feitiço de localização. Minha magia está desequilibrada, e eu escondo e mascaro meu vicio em sangue. Para controlar uma possível agressividade por causa da raiva eu passei a consumir uma quantidade exorbitante de sangue, utilizo apenas bolsas, mas sei que é só questão de tempo até que eu me afunde ainda mais e volte a ferir alguém inocente. 

Eu gostaria que o mundo parasse de girar agora. 

    ⁃    Mãe, me ajuda. Eu implorei chorando. - Eu não posso simplesmente desistir dele. Falei sentindo meu coração se partir ao meio. 
    ⁃    Eu te entendo, meu amor. Mas deixá-lo ir é o mesmo que decidir ficar, e ficar significa escolher seus filhos. Minha mãe diz com uma sabedoria e bondade que me doem. - Sabe Bonnie, quando eu decidi ir embora, eu sabia que seu pai e sua avó estariam lá para você. E isso me tranquilizou, eu não teria feito de você a mulher que você é se estivesse por perto. Se eu criasse você no estado em que eu estava, sua vida seria tão amarga como a minha era. Ela disse em meio às lágrimas. 
    ⁃    Eu quero ser uma boa mãe. Falei com a voz presa pelo choro. 
    ⁃    E você é, mas está sem foco, você está dividida e precisa decidir onde vai estar. Infelizmente Bonnie, você precisa escolher. Ela falou acariciando meu rosto com carinho e compreensão. 
Ouvir aquelas palavras me faziam ter vontade de desligar a humanidade novamente e sumir no mundo. Será que foi isso que Kai fez? Ele e Damon simplesmente se foram? Fugiram? Era óbvio para mim que essa não era toda a história, e eu tentei, por três anos seguidos encontrar uma pista, algo que me levasse a ele. 
Agora, à beira de um colapso nervoso e vendo meus filhos aos dez anos, perdidos em meio a minha tristeza, eu precisei tomar uma decisão importante. 
Sem mais buscas, sem mais expectativas, sem mais feitiços de localização. 
Kai se foi. 
Eu disse a mim mesma. Meu coração sangrava no peito e eu tinha vontade de me afastar de tudo, mas meus filhos eram minha vida, e eram a vida do Kai também, sei que se ele estivesse aqui, as coisas seriam diferentes, as crianças prosperariam e seriam nosso maior orgulho, ao invés disse eu os fazia se sentirem um fardo, eles se culpavam pelo o que houve, isso era tão injusto, eles merecem o melhor de mim, eu desejei tanto ser mãe e estou falhando na minha missão. 
Kai se foi. 
Não vou mais empurrar com a barriga. De hoje em diante vou mudar tudo, vamos renascer para uma nova vida em família. Talvez a readaptação seja cansativa e não seja tão milagrosa quanto eu gostaria, mas tenho fé que farei a diferença para eles, e consequentemente para mim também. 
Se eu vou desistir do Kai? Nunca! E ainda que eu não largue tudo para seguir uma pista, eu vou desejar e implorar as minhas ancestrais que o tragam de volta para mim todos os dias. 


Notas Finais


Não me odeiem , babes. ❤️

Comentem aí!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...