1. Spirit Fanfics >
  2. Problematic >
  3. Mexican soap opera drama

História Problematic - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Eu sei que eu disse que não iria postar hoje, mas fiquei no tédio então, o capítulo está aí. Sei que está super sem graça, mas fiquei sem inspirações para hoje! Mas prometo que vai estar mais empolgante no próximo!

Capítulo 9 - Mexican soap opera drama


•Drama de novela mexicana•


Em frente ao espelho, Elizabeth encarava o seu reflexo, mas ela não ligava para a outra roupa que estavam usando e sim para aquela grande mecha vermelha no seu cabelo. "O que é isso?", "significa algo?"

- Elizabeth? --- Gelda a chamou. --- Seu cabelo está todo vermelho! --- Arregalou olhos.

A albina pegou os cabelos e começou a admirar, realmente, todos os fios platinados estavam ficando vermelhos como sangue. Elizabeth não se segurou e começou a gritar como se sua vida dependesse disso.


>>●●<<


Elizabeth acordou desesperada e ofegante. Assim que se acalmou, olhou em volta e viu que estava no auditório. Pegou seus cabelos e verificou seus cabelos, praguejou baixo ao ver a maldita mecha vermelha em seu cabelo. Sua atenção se desviou para o palco onde Diane e Ban ensaiavam enquanto riam como hienas.

- Você está bem? --- Gelda perguntou.

- tô, só tive um sonho bizarro. --- A albina riu baixo, não quis preocupar a irmã.

Gelda voltou a sua atenção para o palco, Elizabeth olhou em volta e viu Liz e Zaneri cochichando algo. A albina não ligou e se virou para frente, vendo Zeldris e Meliodas rindo da atuação dos amigos.

- Esqueci de te falar... --- Gelda cochichou. --- Liguei para mamãe e perguntei sobre essa mecha esquisita no seu cabelo, ela falou que é algo genético da família dela. --- Disse calma. --- Falou também que eu e o Ban podemos ter essa merda. --- Deu de ombros.

- Nossa, que estranho aparecer agora. --- Ela respondeu.

- Realmente.


Mansão Liones

19:21pm


O barulho de talheres batendo nos pratos de vidros incomodavam a albina. Ela permanecia com seus olhos fechados com força para tentar se segurar de não xingar tudo o que tinha na ponta da língua.

- Então, Elizabeth... --- A albina abriu os olhos e encarou sua mãe. --- Essa mecha é algo da minha família, sua vó também tinha isso.

- E como você não tem? --- Ela perguntou.

- Me pularam. --- Deu de ombros.

- E por que está demorando tanto pra aparecer na Gelda e no Ban?

- Eu não sei. --- A albina mais velha deu de ombros.

- Já acabaram? --- Bartra perguntou, impaciente.

- Depende, se estiver te incomodando, irei continuar. --- Elizabeth cortou o filé em seu prato.

- Elizabeth, não começa. --- Caroline sussurrou.

A albina bufou e olhou para o seu prato cheio de coisas saborosas. Não queria começar uma discussão, então resolveu esquecer e apreciar sua refeição em paz.


>>●●<<


Instituto Lionessy

08:42am

O loiro fechou o seu armário assim que pegou seus livros nescessarios para a aula. Começou a andar pelo corredor, mas logo sua cara se fechou ao se sentir sendo puxado para o lado, sua cara foi enfiada em algo macia e que ele já sabia o que era.

- ah, oi Liz! --- ele falou.

- Por que não falou comigo ontem? --- Ela disse manhosa.

- Foi mal, tô meio confuso esses dias. --- Se afastou e começou a andar ao lado da rosada.

- Quero conversar com você. --- Ela disse.

Eles seguiram até o armário do zelador onde costumavam fazer suas "indecências" em segredo.

- O que quer falar comigo? --- Ele jogou sua mochila preta em qualquer lugar.

- Notei o jeito que você olha para aquela garota e soube que beijou ela na piscina.

- A Elizabeth? Ah, eu olho para ela normal e outra, eu só estavam salvando ela da morte.

- Por que você não se preocupa mais com você? --- Ela desviou o olhar. --- Seu irmão vai querer te matar quando souber o que você compra nas madrugadas...

Antes de a garota terminar a frase, foi empurrada com brutalidade contra a parede fria do pequeno cômodo, derrubando algumas vassouras. Sentiu algo interrompendo seu fôlego, o loiro apertava seu pescoço cada vez mais, abriu os olhos e viu os de Meliodas sem brilho algum. Não iria mentir, ela se assustou com isso.

- Não sei aonde quer chegar e nem quero saber, mas experimenta contar isso ao Zeldris pra ver se eu não mato você! Não sou de bater em mulher, mas se caso ela mecher com a minha família, a história é outra. --- Ele passou a língua pelos lábios. --- Enfim, outro aviso, Liz, não se meta nos meus relacionamentos.

Ele soltou a garota, que caiu no chão tentando recuperar o fôlego. Ela respirou fundo e colocou um sorriso falso e malicioso no rosto. Abriu a porta do quartinho e se afastou despreocupado com a garota. Meliodas abriu um longo sorriso, mas verdadeiro dessa vez, por ver seus amigos conversando.

- E aí? --- Falou Ban.

- E aí. --- O loiro respondeu e olhou para as meninas. --- My ladies. --- Pegou a mão de Elaine e depositou um selar.

Em seguida, fez a mesma coisa com a de Diane, mas ficou em nervoso quando chegou na vez de Elizabeth. Depositou o selar rapidamente e olhou nos olhos da albina, que estava demonstravam alegria e desceu para os seus lábios, que formaram um sorriso lindo e meigo. Para Meliodas, aquele era o sorriso mais lindo que ele havia visto em sua vida.

- Socorro! O Meliodas foi possuído por um cavaleiro! --- Elaine falou sarcástica.

- Fiquei ofendido agora. --- Ban começou a fazer drama. --- ele não beijou a minha mão. --- Estendeu a mão direita e levou a esquerda até a testa.

- Calma, minha donzela! --- Meliodas pegou a mão de Ban. --- Eu beijo sua mão! --- se aproximou, mas parou quando ouviu a voz de Gelda.

- Gente! --- Ela sorriu, mas logo parou. --- Foi mal. --- disse para Meliodas, que estava prestes a beijar a mão de Ban.

- Credo. --- Meliodas se afastou de Ban, que começou a rir. --- pode falar. --- concertou a postura.

- Eu estava pensando em ir á praia. --- Ela sorriu, tímida.

- Nossa, era isso? Que simples, eu topo. --- Diane falou, empolgada.

- Ficar o final de semana inteiro na praia? --- Os olhos vermelhos da loira brilharam.

- Quê? --- todos, exceto Ban e Elizabeth, disseram em uníssono.

- É, vamos em uma casa de praia no final de semana em Vaizel. --- Ban deu de ombros.

- Vocês três? --- Zeldris perguntou.

- Se toparem, vamos nós todos! --- Elizabeth mordeu o lábio inferior, segurando a empolgação.

- Que horas? --- Meliodas se interessou de repente.

- Ás 08:40 de amanhã de manhã. ---- Gelda sorriu.

- Eu topo! --- falaram novamente em uníssono e sorriram.

- Ótimo, a gente leva vocês. --- Elizabeth disse.

O sorriso do grupo desapareceu quando viram Gowther chorando de um jeito bem artístico, como se estivesse em uma novela mexicana. Elizabeth e Gelda foram até ele para tentar descobrir o que aconteceu.

- Gowther? O que houve? --- Elizabeth perguntou, simpática como sempre.

- Acabou! --- ele disse.

- Acabou o quê? --- A loira perguntou.

- O filha da puta do diretor acabou com a peça! --- Ele gritou e as meninas arregalaram os olhos.

- Como assim? --- Meliodas se aproximou.

- Algum aluno disse a ele que iria ter um beijo na peça, aí ele não concordou com nada disso e cancelou a peça. Espera até ele saber que a filha dele faz serviço sem nota fiscal no armário do zelador. --- O rosado cruzou os braços.

- Nossa, mas ele não vai colocar nada pra substituir? --- Elaine apertou as alças da mochila.

- Não. Nada. --- Gowther balançou a cabeça.

O rosado se virou e foi até o seu grupo. Diane tentou raciocinar o que estava acontecendo, assim como o resto do pessoal. "Tanto ensaio e tempo perdido pra nada?" eles pensaram.

- Pensem pelo lado positivo, uma aula a menos! --- Ban comemorou.

Os amigos se entreolharam e sorriram, uma aula a menos s mais tempo sobrando para se verem. 

Mas eles estavam ansiosos e felizes para o dia de amanhã.


Notas Finais


E aí? Sei que foi pequeno, mas espero que ganham gostado!

Meu dedin tá doendo! >_<

Beijos e até o próximo capítulo!😚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...