1. Spirit Fanfics >
  2. Procura-se um papai >
  3. Quer se casar comigo?

História Procura-se um papai - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Meio que me empolguei e estou att o máximo que posso.
Boa leitura!

Capítulo 2 - Quer se casar comigo?


Fanfic / Fanfiction Procura-se um papai - Capítulo 2 - Quer se casar comigo?

Procura-se um papai - Quer se casar comigo?

Hinata estava contando pela terceira vez naquele dia o que tinha acontecido com ele. Seus colegas de time riam com ele, das caras e bocas que fazia e de como ficou surpreso ao escutar o pedido da amiga e morriam de rir com a resposta de Kageyama deixando Hinata sem graça.

Talvez ele não devesse expor a amiga desse jeito. Mas ele pensou que ela não pediu segredo. Então não via mal algum em contar.

Naquele mesmo dia Bokuto se encontrou com “alguns” colegas.  Bokuto e Akaashi Keiji se encontraram para tomar algumas cervejas, faziam isso ao menos uma vez ao mês.

— Hey, Hey, Hey Akaashi, lembra-se da loirinha do Karasuno? Aquela que você disse uma vez estar a fim, mas tinha medo de chegar nela por causa dos garotos do time? – Bokuto não sabia falar baixo e ser discreto. Akaashi parou a caneca de cerveja próxima à boca não completando o trajeto. Prestando totalmente atenção no que Bokuto iria falar sobre ela.

— O que tem ela? – Akaashi não confessaria, mas ele sempre teria uma queda por ela. Ele nunca teve coragem de chegar nela e chama-la para sair. E nessa altura do campeonato ele pensava ser tarde demais para tentar alguma coisa.

— Quer ser mãe. Mas a melhor parte é que ela foi pedir a um dos amigos dela para ser o pai. Você nem imagina o quanto é engraçado o Hinata contando. Óbvio que eles disseram não e o kageyama...

A partir daquele momento ele parou de escutar o que ele dizia, ele focou somente no que o interessava.

— Ei Bokuto preciso ir embora. – Bebeu de uma vez a cerveja que estava em sua caneca.

— Hey não faz nem uma hora que chegamos.

— Preciso fazer algumas coisas. Tchau. – Precisava conseguir algumas informações e não tinha tempo a perder.

Yachi está procurando um pai para o seu bebê.

[...]

Não foi difícil para Akaashi descobrir o endereço dela. Queria ter falado desde o dia que ficou sabendo, mas teve que resolver uns problemas familiares incluindo a empresa da família ao qual seu pai queria passar a responsabilidade para ele. Havia conversado demais com sua mãe e a mesma estava empolgada demais com a possibilidade que estava se formando. E seu pai estava eufórico planejando muitas coisas.

Akaashi estava na porta dela com receio de bater na porta. Na verdade ele já suspeitava que sua chegada já tivesse sido informada para a dona do apartamento. Bateu na porta. Segurava uma caixa em mãos que ele estava na intenção de dá-la. Quando ela abriu a porta surpresa por ele estar ali. Estava bem confusa.

— Akaashi-san entre, por favor. – Ela deu espaço para ele entrar e após fechar a porta o levou para a sala. A Tv estava pausada em uma série que ele estava com vontade de começar. — O que o trás aqui hoje? Sente-se.

Akaashi ficou confiante, sentou-se de frente para ela.

— Belo apartamento Yachi-san. Não estou te atrapalhando? – Yachi tinha que admitir que Akaashi sempre fosse educado e sério, qualidades e tanto em um homem para ela.

— Imagina Akaashi-san não atrapalha. Quer beber alguma coisa? – ele até havia pensado em levar um vinho. Mas pensou ainda não ser muito apropriado ela poderia interpretar mal. Ele iria direto ao ponto sem enrolação e rezava para ela não ficar brava ou pior pensar que ele quer brincar com a cara dela.

— Obrigada Yachi-san, mas não é necessário. Quero falar sobre a minha vinda inesperada. – ele entregou para ela a caixinha. — Abra.

Yachi-san não sabia o que esperar da caixa, nunca pensou que o teria em sua sala quem dirá lhe entregando uma caixa. Quando abriu a caixa o corpo dela tremeu da cabeça aos pés. É um sapatinho de bebê. Azul, na hora a mente dela pensou que iria combinar com o macacãozinho que comprou.

— Akaashi-san? – Ela olhou para ele, confusa do por que estava recebendo esse sapatinho dele. Akaashi continuou olhando para ela vendo se ela encontraria logo o que estava junto do sapatinho.

Yachi estava emocionada. Estava com tanta vontade de ser mãe e estava quase desistindo quando ele chegou e lhe deu esse sapatinho. Ela não resistiu e os pegou na mão, assim que ela colocou os dedos dentro do sapatinho sentiu algo incomum e virou na palma da mão. Os olhos dela foram diretos para o rosto dele. Ali em sua palma se encontrava um par de alianças. O que claramente arrancou o poder de fala dela de tão surpresa que ela estava.

— Sei que deve estar confusa. Fiquei sabendo que você quer ser mãe. Eu quero ser pai, além disso, quero e preciso de um casamento. Você pode pensar nessa proposta? - a mente dela deu um giro. Estava enjoada. Devolveu as alianças para ele ficando somente com o sapatinho.

— Como ficou sabendo disso? – Yachi não conseguiu segurar a vergonha de estar sendo julgada. Conversar isso com seus amigos era uma coisa, com Akaashi era totalmente outra. Ele pegou na mão dela tentando a tranquilizar. Na verdade o toque foi bom para os dois.

— Não fique brava. Mas Hinata não fez disso um segredo. Está tudo bem? Quer um copo de água? Desculpa. – Akaashi estava com medo de ter feito um estrago com o psicológico dela.

— Não. Akaashi. Confesso que casamento nunca havia passado por minha cabeça. – Yachi se esqueceu até do san. Ela queria ser mãe, mas nunca pensou em ser esposa.

— Mas é algo que jamais vai acontecer? Você não quer se casar de jeito nenhum? – isso seria um problema para ele caso ela não quisesse se casar de jeito nenhum. Akaashi quer o combo completo.

— Não é isso. Nunca pensei sobre isso. Na verdade nunca conheci um homem que me fizesse pensar nisso. – Akaashi não sabia se sentia alivio ou não.

Era a primeira vez que a palavra casamento dançava na cabeça dela e ela tinha que admitir que já estivesse puxando uma dor de cabeça.

— Você então poderia pensar nisso? Comigo? Você quer ter um bebê eu também quero. Mas quero um casamento, uma casa, quero ter uma família Yachi-san acha que conseguiria? – Akaashi começou a se preocupar. Os pais deles já havia algum tempo que o estava pressionando para casar e ter filhos. Não era de relacionamentos, na verdade eles eram fadados ao fracasso já que muitas pensavam na empresa de seu pai, nunca iam até ele por interesse reais nele. O que o chateava um pouco. E as escolhidas riquinhas que sua mãe escolhia o enojavam. Agora quando pensou em Yachi ele a via como sua esposa, essa ideia se encaixa tão bem na mente dele que se ele pensasse muito o apavorava.

Yachi parou para pensar como ele havia pedido. E ela não se recriminava por está-lo analisando da cabeça aos pés, ele com sua sempre tranquila expressão no rosto não mostrou se importar. E ela pensou, imaginou todo tipo de conteúdo matrimonial que já viu e imaginou os dois realizando. Suas bochechas ficaram rubras. Oh sim, era uma imaginação que a agradava muito.

— Akaashi-san? Posso te chamar de Akaashi-kun? – ela estava um pouco tímida, mas se eles forem conversar sobre isso era melhor já começar puxando alguma intimidade. Não precisavam tratar isso como um contrato de empresa.

— Se quiser pode me chamar de Keiji-kun. – parecia que os olhos dela iam saltar da cara. Ele riu e ela riu junto. — Okay por enquanto pode ser Akaashi-kun.

— Venha vamos conversar isso na cozinha. Já aproveitamos e comemos alguma coisa. – ela se levantou e ele a acompanhou. Estava mais esperançoso, se ela estava disposta a conversar é por que via uma possibilidade de dar certo.

— Quer pedir pizza? – mas quando ele chegou já tinha uma caixa de pizza na cozinha ele olhou pra ela envergonhado, pelo jeito tinha atrapalhado a alimentação dela.

— Chegou um pouco antes de você. Vem senta-se Akaashi-kun. – ela abriu a geladeira e retirou uma garrafa de Coca-Cola e serviu em dois copos. Eles sentaram um de frente para o outro.

— Akaashi-kun o que você espera desse casamento? – Yachi queria saber, não podia entrar em um casamento que futuramente poderia causar ainda mais dor de cabeça. Ou pior terminar os dois de coração partido.

— Confesso que desejo um casamento real. Onde tenha companheirismo, confiança, união, respeito e amor. Mas não se assuste com isso de imediato. Acredito que possamos construir isso junto aos poucos. Você acredita que podemos ter isso tudo? – ela os serviu dois pedaços de pizza cada um. Mas uma vez o olhando profundamente. Isso para ele estava sendo uma tentação. Sim ele acredita que vão conseguir isso, ainda mais que a parte do desejo e atração eles não pareciam ter problemas, Akaashi consegue identificar o desejo nos olhos dela.  Já era um começo. Poderiam fazer isso dar certo. Claro se ela aceitasse.

— Pensando bem sobre isso não é uma má ideia. Você estaria comigo por toda a gravidez. Estaria comigo no parto e me ajudaria a criar a criança, seria um pai presente. Pensando assim Akaashi-kun eu me sinto até mais segura. – quando ela sorriu daquele jeito como se ele tivesse trazido à solução perfeita para ela. Akaashi queria que ela entendesse o seu motivo também para oferecer isso a ela.

— Escuta Yachi. Tenho que lhe dizer os outros motivos além dos que já te falei para eu estar lhe propondo tudo isso. – ela parou de comer para dar total atenção a ele. Já ele não conseguia dar uma mordida se quer sem saber se ela dirá sim. — Minha família já estava me pressionando há um tempo para casar e não me agradava em nada às escolhidas de minha mãe. E caso aceite ser minha mulher e esposa Yachi quero que saiba que não terá divórcio, isso não é permitido na minha família. Por conta da empresa e todo o status dos Akaashi´s.

Yachi parou pra pensar, ela realmente havia pensado sobre o divórcio caso não quisessem mais, então essa não seria uma opção. Mas isso não seria total impossível, poderiam levar o casamento na amizade caso não desse certo como ele está propondo. Isso não seria nada incomum no Japão.

Mas aí ela pensou caso de certo. Ela não conseguiu impedir as imagens que se formou da mente dela e tão pouco o sorriso que despontou em seu rosto. Akaashi ficou ainda mais encantado com ela. E desejava saber o que ela estava pensando para sorrir desse jeito e desejava que ele fosse o motivo.

— Okay. Akaashi Keiji eu aceito ser sua esposa. – ela esticou a mão para ele como se dissesse vai pondo aí o meu anel. — Quem diria que o bocudo do Hinata iria trazer você até mim. Obrigada Akaashi-kun por me ajudar a realizar o meu sonho, farei o possível para o nosso casamento dar certo.

Ele mais que depressa pegou as alianças que tinha trazido e colocou no dedo dela. Ela ficou surpresa por servir e ele envergonhado de admitir que houvesse pesquisado tudo sobre ela a ponto de saber todos os tamanhos de roupas e sapatos que ela usa e incluindo o tamanho da aliança.

— Agora posso respirar, aliviado e comer tranquilo. – Yachi sorriu. Não era uma má ideia, ele ali em seu apartamento parecia correto, ela nem estava envergonhada.

— Hummm Akaashi-kun então as escolhidas da sua mãe não lhe agradam? Mas eu lhe agrado? – Yachi queria provoca-lo. Que mal teria brincar um pouco com seu futuro maridinho? Ela só não contava com o olhar intenso que ele dirigiria a ela, secando sua garganta e trazendo um desejo por sexo há um tempo esquecido. Ele terminou de mastigar e engolir lambeu os lábios como que para provoca-la.

— Oh. Você não tem noção futura esposa o quanto me agrada. – Akaashi também não via problema em brincar com ela. E pelo jeito as coisas seriam bem mais fáceis do que os dois imaginavam.


Notas Finais


Comentem! Favoritem! Recomendo para as pessoas que vocês acham que vão gostar de ler.
Sigam-me no instagram: tadoranime
Deixo o link do grupo do whatssap para quem quiser entrar
https://chat.whatsapp.com/KvX2pJUDuXdDUBdH40ixgD


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...