História Procura-se um príncipe - Capítulo 3


Escrita por:

Visualizações 140
Palavras 1.146
Terminada Não
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente, estou fazendo fanfic sem shippe com girlgroup porque sei que algumas pessoas não curtema citação de nomes femininos relacionando-os aos seus bias e utts.

Capítulo 3 - No quartinho de ferramentas...


Fanfic / Fanfiction Procura-se um príncipe - Capítulo 3 - No quartinho de ferramentas...

No quartinho de ferramentas...

S/n:        -  Fica quieto ai é não faz barulho.  Mais tarde trago algo que sobrar do jantar.

Isso foi o que ela me disse e eu apenas acenti com a cabeça. Sentei me ali e fiquei por horas esperando. Não  sei bem porque estou obedecendo a doida da vassoura. Mas estava cansado demais pra sair dali. E se saísse, para onde iria? Passar a noite andando pelo mato, ou adormecer em alguma cochia em meio aos cavalos. Acho que era melhor ficar ali mesmo até  amanhecer. 

Nem percebi quando a casa silenciou. Acho que adormeci pensando no que faria em minhas investigações. Despertei com alguém me dando pequenos chutes. Sim, ela me chutou. -_-

S/n:       - Ei!! Acorda! Trouxe um pouco de comida. 

Jimin:     - Obrigado! ( disse que um pequeno sorriso de canto) 

A doida da vassoura, sentou ali perto de mim enquanto eu comia. Ela fixou seus olhos em mim, mas parecia que não me enxergava. Como se estivesse pensando em algo distante. Sabe aquela sensação  estranha e incomoda de ser observado? Pois é o que senti. Quanto terminei de comer ela ainda estava petrificada me olhando. Medo O.O   

Jimin:    - Ei! Tem alguém  ai?    - Disse isso acenando com a mão  em frente seu rosto.

S/n:       -  Quero que vá  embora antes de amanhecer. 

Quanto ela me disse isso, simplesmente levantou e saiu do quartinho. Mas também o que eu esperava?! 

Obedecendo mais uma vez seu pedido, sai ainda de madrugada de lá. 

S/n ( on ) 

 Fiquei esperando minha família ir dormir para levar algo pra àquela  criatura comer. Não  sei porque fiz aquilo, mas fiz. Quanto cheguei no quartinho ele estava dormindo. Nem parece um ladrão quando está  dormindo. Tem um rosto bonito e doce. Braços fortes. E as coxas então... Fiquei corada enquanto o observava dormindo. Mas recombrei a consciência e lhe acordei com chutes. Foram fracos mas foram chutes. Quando finalmente acordou, pegou a comida das minhas mãos e agradeceu com um sorriso de canto. Que merda ele parecia um anjo. Socorro! 

Sentei me em sua frente e enquanto ele comia, me perdi em pensamentos. Assim como  os homens que eu havia ouvido planejar atrocidades contra aquele ladrão, eu planejava desculpas caso alguém  da minha família  o encontrasse ali. 

Então  tomei a decisão mais sensata. E ordenei que fosse embora antes de amanhecer. 

Apenas sai do quartinho sem olhar para trás. 

 

No dia seguinte...

Acordei cedo e fui checar se ele estava lá  ainda. Para minha surpresa ele havia me obedecido e ido embora. Uffa!! Pelo menos não  teria que explicar nada para ninguém é poderia fingir que nada disso aconteceu. Naquele dia cumpri minha rotina normalmente. Entreguei encomendas, trabalhei na feira, aguentei a Baek In Ha o dia todo perguntando besteiras, ajudei o Baek In Ho a fazer um apanhador  de fadas. Tudo estava normal. Até  a noite...

Eis que meu pai chega em casa com um novo hóspede.( Como vou explicar isso pra você? Provavelmente você  irá rir , pensar em abandonar a leitura, e dizer " puta merda! Que história clichê" ) 

Meu pai chama toda a família para a sala e apresenta seu mais novo aprendiz. 

Pai da S/n:     -   Esse aqui é  o Jimin e ele será aprendiz no Palácio. Como ele não tem parentes no vilarejo ficará conosco por algum tempo.

Sim, era ele. O ladrão. Aquele garoto que eu tinha escondido noite passada no quartinho de ferramentas. Alegria de pobre dura pouco. Eu pensei que estaria livre daquilo. Que poderia esquecer mas não. 

A minha esperança  era minha mãe dizer um grande NÃO pro meu pai. Mas ao invés  disso ela abriu um sorriso e disse que seria muito bom ter mais um filho homem. Valeu mãe. 

E pra completar meus pesares, aquele garoto me olha com aqueles olhos devoradores e sorri novamente de canto. 

Pai da S/n:    -  S/n , arrume as acomodações do Jimin junto às de Baek In Ho. Prepare também um banho para ele também. E pegue algumas roupas minhas para que ele se vista. 

Pensei : agora sou empregada dele Aaaaaaaaah ! Ninguém merece. 

Mas obedeci meu pai porque ainda tenho um pouco de juízo. Depois que arrumei o banho do princeso,  fui leva-lhe as roupas e arrumar as acomodações. Não acreditei no que estava acontecendo. Queria entender como ele tinha conhecido meu pai mas se perguntasse tinha medo de parecesse estranho. 

Quando entrei no quarto, ele estava embolado no lençol  tremendo de frio. Então  só  joguei as roupas ele desviando meus olhos. Fiquei de costas pra ele é continuei arrumando a cama -_-  ( pai você me paga). Então  escutei um suspiro.

Jimin :    - Desculpa! Eu não  sabia que ele era seu pai. Se soubesse não  teria aceitado a estadia. Simplesmente aconteceu. 

               - Consegui emprego no Palácio. Não vou mais precisar roubar. E vou aprender o ofício de seu pai. 

Eu não  consegui responde-lo com palavras e só acenei um sim com a cabeça e sai do quarto.

 

Jimin  ( on)

Quando sai do quartinho de ferramentas durante a madrugada fui dar início  as minhas investigações. Me aproximei do palácio e fiquei um bom tempo observando a movimentação. Haviam soldados por todos os lados e eles revezavam a cada três  horas. Aproveitei esse momento para me esguerar até o interior do palácio. Estava dando tudo certo até eu ser notado por um dos guardas e ter que correr. Enquanto corria escorreguei no musco da beira do laguinho. -_-  Onde cai e fui pego. Dá pra acreditar nisso? Os guardas estavam me arrastando não  sei pra onde. Provavelmente pra minha cova. Quando apareceu um senhor e disse para me soltarem. Ele falou, muito convincente, que eu era seu aprendiz e que tinha me perdido dele dentro do Castelo porque eu era curioso. Então apareceu um general. Esse general me olhou nos olhos e perguntou se o que o senhor havia falado era verdade. Eu , que domino a arte da mentira, acenti com a cabeça. E os guardas me soltaram. 

O senhor segurou meu braço e saiu me arrastando falando coisas como " eu disse pra não  sair de perto de mim" . Mais tarde contei parte da minha história para esse senhor. Contudo preferi ocultar sobre a investigação que estava iniciando. Não  sei como nem porque, mas aquele senhor era influentemente respeitado no Palácio e resolveu me ajudar. Assim consegui emprego e um lugar pra dormir.

No caminho para a casa do senhor, ele me contou um pouco sobre sua família, seus filhos e sobre o que fazia no Palácio.  Entretido com a conversa, não me dei conta que havíamos chegando na casa. Não  percebi nada familiar. Acho que sou tapado. E quando o senhor foi reunir a família para me apresentar, eis quem vejo. A doida da vassoura. O.O Mas já  era tarde que fingir demência e sair correndo dali.


Notas Finais


Obrigada por ler essa viagem aqui kkkkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...