História Procura-se uma Namorada - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Personagens Originais, Suga, V
Tags Bts, Colegial, Elychanx, Jungan, Jungkook, Megan
Visualizações 1.744
Palavras 3.799
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltei com mais um capítulo para vocês.

Esse será narrado pela a nossa querida Megan e terá uma voltinha no passado, mas depois retornará para os tempos atuais.

Boa Leitura!

Capítulo 3 - Vingança Bela


Fanfic / Fanfiction Procura-se uma Namorada - Capítulo 3 - Vingança Bela

                         MEGAN

Meses antes...

Andava tranquilamente pelos os corredores da escola, carregando meia duzia de livros para levá-los a biblioteca e terminar de fazer o que eu mais amo: estudar. Suspirei entre um leve sorriso formando-se em meus lábios e entrei no imenso corredor esquerdo que dava o caminho à biblioteca. Naquela manhã de segunda feira a escola estava bem mais movimentada e nos corredores estava cheio com vários alunos passando e parando ali, diversos grupinhos de amigos conversando de um lado para o outro, mas claro, sem deixar de rir e zombar da nerd que carregava um monte de livros pesados, sem se importar com nada.

Uns até chegavam a dizer em voz alta "olha lá, a nerd esquisita", mas eu simplesmente ignorava o comentário daquele bando de idiotas e continuava a sorrir, não me deixando abater por nada. Estava acostumada a ser zoada e aguentar tudo em quanto que é apelido desde a terceira série, ouvir só os babacas do time de basquete era menos pior do que ter a turma inteira tirando uma com a minha cara. Devido a eu ser nerd e está focada somente nos estudos, não tinha tantos amigos na escola, o único amigo que eu tinha era só o Hoseok, vulgo, é apaixonado por um dos amigos do garoto mais popular de todo o colégio.

Foi só mencioná-lo em meus pensamentos que imediatamente parei de andar e me mantive imóvel, com a boca entreaberta e os olhos brilhando intensamente ao vê-lo sair da sala de aula acompanhado de seus dois melhores amigos, Park Jimin e Kim Taehyung e a sua namorada Mandy, a comandante das líderes de torcida do colégio. Jungkook além de ser o mais popular também era um asiático de sangue azul que morava nos estudos unidos há um bom tempo. E ele é um dos asiáticos mais lindos que já vi, todas as garotas eram apaixonadas por ele, inclusive eu que tenho uma paixonite nele desde a quinta série, pena que ele era tão popular que nunca sequer me notou, mas isso não me impedia de continuar mais apaixonada ainda.

No instante em que o percebi vindo na minha direção com os seus amigos, minhas pernas tremeram tanto que eu mal consegui sair do lugar, meu coração começou a bater forte, minha garganta ficou completamente seca e o meu rosto extremamente vermelho de pura vergonha e timidez. Fiquei um pouco mais tranquila após ele ter passado direto por mim, sem nem perceber a minha presença. Suspirei em alívio e olhei para trás, o vendo caminhar agora junto de seus outros amigos; os garotos do clube de basquete e as amigas líderes de torcida de Mandy, uma ruiva chata e a maior patricinha que esse colégio todo já viu.

Ela não era só uma simples patricinha, Mandy não passava de uma vadia nojenta que dava em cima de qualquer um, mesmo namorando o Jungkook. Certo dia eu flaguei ela agarrando o professor na sala de aula e não era só apenas um professor qualquer, ele era um dos professores mais gatos que já tivemos e muito jovem. O mais nojento ainda foi ver o professor cedendo aos seus toques e a beijando com vontade.

Até ouvi boatos de que Mandy estava transando com o professor de biologia e o líder do time de basquete ao mesmo tempo. A maior vontade que tinha era de contar isso para o Jungkook, mas ele está tão cego de amor por ela que nem vai acreditar em mim, além do mais eu não tenho nenhuma prova e mal consigo falar com o bonitão sem gaguejar.

Entrei na biblioteca e logo fui me sentar em um lugar vazio que achei disponível. Aliviei o peso de meus braços e coloquei todos os livros pesados em cima da mesa. Eram só seis livros mas o peso deles valiam por doze. Peguei um dos livros e o abri, começando a folhear-lo à procura do conteúdo de matemática que o professor passou ontem. Só precisaria estudar todo o conteúdo da página e me preparar para a prova daqui uma semana, nem em sonho eu gostaria de repetir de ano. A essa hora da manhã não havia mais ninguém na biblioteca porque provavelmente os alunos estavam no refeitório e a bibliotecária tomando café na sala dos professores, então aproveitei que estava só eu ali e comecei a estudar concentradamente em total silêncio.

Porém todo aquele silêncio foi interrompido quando eu comecei a ouvir sons de gemidos femininos vindo do outro lado de uma das prateleiras de livros, saí de meu lugar com raiva e me sentindo enjoada pelos os sons daqueles gemidos tornando-se mais altos e deixei o livro sobre a mesma. Respirei profundamente e fui ver o que estava acontecendo para aquela garota estar gemendo tão alto e atrapalhando os meus estudos. Fiquei totalmente chocada com a cena que vi e tampei a boca para evitar que eu soltasse um grito no instante em que vi um dos amigos de Jungkook — o tal Jimin — transando com a bibliotecária que só para constar ela era muito jovem e bonita.

Ela estava escorada na prateleira, tinha as pernas enlaçadas sobre o quadril dele e os braços em volta do pescoço do mesmo que estava em pé com a calça abaixada, penetrando-a fortemente, enquanto ela gemia diversos palavrões pedindo para ele ir mais rápido. Os dois já estavam suados e derramando água de suor sobre o outro, a bibliotecária estava sem blusa e com os seus seios despidos, sendo eles apertados pela as mãos de Jimin que ora os apertava e os chupava feito um pirulito. Não poderia negar que eu presenciava praticamente uma cena nojenta idêntica a um filme porno e ver aquilo tudo sem que eles notassem a minha presença me causava vontade de vomitar.

— Isso garotão… Mais rápido... Isso… Aaaah. — Ela disse entre vários gemidos, soltando um grito em seguida por ele tê-la estocado mais forte.

Nem pensar que eu iria continuar vendo aquilo. Saí correndo o mais rápido dali e quando adentrei o corredor da biblioteca, acabei que por esbarrar acidentalmente em alguém. Meu coração voltou a bater acelerado e eu me senti uma idiota por ter esbarrado nele, fazendo com que o seu celular caísse no chão e se espalhasse em pedaços por minha culpa. Com medo de encará-lo e me sentindo culpada, me agachei para pegar o seu celular do chão e coloquei a bateria e capa de volta no lugar. Entreguei o aparelho para ele e me arrepiei ao sentir a temperatura de sua mão tocando a minha mão suada por puro nervosismo.

— Obrigado. — Ele agradeceu gentilmente, continuei de cabeça baixa sem coragem para encará-lo cara a cara. — Você está bem? — Perguntou preocupado. Aquela era a primeira vez que eu falava com o amor da minha vida. Droga, nem consigo o olhar.

— S-sim. — Respondi gaguejando com voz meio embargada pelo o susto que tomei. Merda.

— Tem certeza? — Insistiu ele mas eu menti, afirmando que estava bem com cabeça. — Você está pálida, parece até que viu um fantasma.

Quem dera se tivesse sido somente um fantasma.

— E-eu estou bem sim. Obrigada. — Respondi de maneira rápida e saí correndo novamente, o deixando para trás.

Merda, eu sou mesmo uma idiota medrosa que perdeu a oportunidade de olhar o garoto que eu sou apaixonada bem de perto. Megan, sua idiota!

                 ° ° °

No dia seguinte eu fui para a escola despreocupada após ter passado a noite quase toda em claro, tentando apagar aquela cena horrível da minha cabeça e por isso hoje não iria pisar o pé na biblioteca, não me via com um pingo de coragem para encarar a bibliotecária depois daquilo ou olhar para a cara do amigo de Jungkook. A sorte é que eles não sabiam que eu os vi, então tenho um beneficio quanto a isso, mas caso eles soubessem, acho que nem sei o que faria. Só que, quem tem de ficar com vergonha são eles, biblioteca da escola não é lugar pra transar, ainda bem que fui eu quem os flaguei, imagina se tivesse sido a turminha do segundo andar que são só crianças e também são do ensino fundamental.

Ajeitei a gravata preta do meu uniforme do colégio pela vigésima vez e fechei a página do livro que eu usava para estudar. Nos estados unidos não era muito comum os alunos usarem uniformes, mas a escola que estudo é um colégio particular e devido a isso é obrigatório todos os alunos usar o uniforme.

Estudava naquele colégio há anos e conhecia todos ali — exceto os alunos novatos e estudantes de intercâmbio — fora isso todos os rostos naquela sala de aula eram comuns, principalmente o de Hoseok, o qual é o meu único amigo nesse inferno escolar e de uma longa data. Só bastou eu mencioná-lo que o vi entrando na sala de aula de cara amarrada. Conhecendo ele como conheço só poderia constar que aquele seu mau humor todo é porque foi dispensado por Taehyung outra vez. Odiava quando isso acontecia com ele, já não bastava eu sofrer pelo um amor não correspondido e agora o meu amigo também sofria, mas o dele era diferente do meu. Taehyung conhecia Hobi e o usava para conseguir qualquer coisa dele, assim fazendo com que Hobi se tornasse o seu cachorrinho.

— É o que eu tô pensando? — Disparei o vendo se sentar do meu lado, jogando a sua mochila com raiva na mesa.

— É sim, eu fui dispensado de novo. — Ele respondeu com uma carinha triste. Odiava o ver triste assim por causa do fado madrinho.

Me atirei para cima dele e o abracei para consolá-lo, beijei um lado de sua bochecha e agarrei na sua mão, entrelaçando os nossos dedos.

— Se você quiser eu posso passar a noite na sua casa hoje e podemos ver uma daquelas novelas românticas do seu país. — Propus sussurrando no seu ouvido, ele deu um riso meio fraco e assentiu através de seu olhar fixado ao meu.

— Só isso? — Ele sorriu malicioso.

Revirei os olhos e ri me afastando dele, tentei soltar a sua mão mas ele não deixou e continuou segurando a minha firmemente.

— Hoseok… — Murmurei o seu nome. Olhei em volta para certificar de que não tinha ninguém à mais nos ouvindo e voltei a olhá-lo aliviada por todos estarem conversando distraidamente enquanto o professor não chega. — Foram só duas vezes.

— Mentirosa, foram seis vezes.

— Tá, não precisa jogar na cara. — Finalmente consegui me soltar de sua mão. — Tudo bem, podemos nos divertir fazendo aquilo de novo, mas essa é a última vez. — Mirei o dedo na sua testa. — Me ouviu? — Ele riu anasalado.

— Você disse isso nas seis últimas vezes. — Ele disse no seu tom debochado de voz, ergui uma sobrancelha e dei um tapinha no seu braço. — Aish, sua bastarda. — Plaguejou ele, me xingando em coreano. Como eu entendia coreano graças a ele que me ensinou tudo, revidei e bati outra vez no seu braço.

— Idiota. — Falei rindo junta a ele que se divertia com a situação.

Meu sorriso se foi e um semblante sério me invadiu no momento em que vi Jungkook entrando na sala de aula com o seu amigo Taehyung. Os dois estavam bastante alegres e pareciam rir de algo engraçado. Permaneci o secando com o olhar, admirando aquele seu belo sorriso que me fez suspirar de amores. Como um ser humano poderia ser tão lindo feito ele? Até quando eu iria continuar com essa paixão que sinto por ele? Se depender de mim mesma vai continuar sendo escondida, nunca serei corajosa o suficiente para confessar o meu amor e o pior, ele tem namorada. Posso até manter uma amizade colorida com o meu melhor amigo de infância, mas sei respeitar o meu espaço e enquanto Jungkook namorar aquela patricinha nunca irei me declarar. Nunca!

Eu poderia continuar aqui dizendo o quanto eu sou apaixonada por Jeon Jungkook, mas no fim daquela manhã tudo mudou, a minha maneira de pensar, o que eu nutria por ele mudou e o meu coração foi quebrado em milhões de pedacinhos. Estava andando despreocupada pelos os corredores da escola, os horários de aula haviam acabado, todos tinham ido embora e eu era a última a sair. Mas sons de vozes vindo do laboratório de química do primeiro andar me parou e eu me escorei na porta para ouvir o que Jungkook e o seu amigo Taehyung — pelo que pude perceber ao ser eles — conversavam.

— Ontem eu vi você conversando com uma das nerds. — Disse Taehyung. Nerd? Só poderiam estar falando sobre mim.

— É, a garota esbarrou em mim e me fez derrubar o celular no chão. — Respondeu Jungkook. — Ela é meio estranha.

— Estranha? — Taehyung riu. — feia, esquisita, desajeitada e uma super nerd. — Jungkook começou a rir com ele. Só de ouvi-lo rindo me senti sendo destruída vagamente por dentro.

Feia, esquisita, desajeitada… Então era isso que todos diziam ao meu respeito?

— Você pareceu preocupado com ela, não me diga que ficou afim daquela coisa?

Coisa?

Respirei fundo e segurei firme a maçaneta da porta, sentindo um medo incontável tomar conta de meu corpo. Por favor Jungkook, não responda nada que vá me magoar… Por favor.

— Tá de gozação com a minha cara? Eu só fiquei preocupado porque ela parecia meio tensa e assustada, nunca que eu largaria a gata da Mandy pra ficar com aquela coisa feia que usa óculos.

Cada palavra sua me machucou por dentro, o ouvir falando aquelas coisas horríveis em relação a mim fora o bastante para eu me magoar com ele e fazer com que a minha paixão adolescente virasse em um ódio amargo, uma imensa vontade de me vingar dele e fazê-lo engoli cada palavra que disse. E foi ali, chorando incansavelmente e encostada àquela porta, que eu mudei e declarei vingança a Jeon Jungkook.

Dias atuais...

Essa oportunidade de ser a sua namorada por seis meses me caiu do céu, eu usaria isso ao meu favor e principalmente, teria ele aos meus pés e o usaria para fazer o que eu quisesse. Como era bom senti aquele doce gostinho de vingança só de vê-lo totalmente miserável e precisando de mim para recuperar a sua popularidade. Agora eu me vejo lá no alto e ele lá em baixo, correndo atrás de mim igual a um cãozinho obediente, balançando o rabinho e implorando por comida, junto a um olhar de cachorrinho abandonado. Claramente o que descrevi representava bem Jungkook que nesse momento, me seguia para aonde eu ía, me questionando à todo o tempo quando íamos iniciar o teatrinho na frente da galera toda.

— Calma garoto, está cedo ainda. Primeiro precisamos esperar todos chegarem. — Avisei de maneira tranquila, enquanto ele só faltava arrancar os cabelos de tão nervoso e ansioso que estava.

— Sinto que vou enlouquecer. — Admitiu bagunçando agoniado os cabelos.

— É melhor você esperar. — O fuzilei com o olhar e retornei à sair pisando os sapatos pelo o chão do pátio vazio da escola, mas sem deixar de ser seguida por ele.

Eu deveria ter aceitado não ajudá-lo, mas o meu sentimento de pena falou mais alto e caso eu recusasse, perderia a oportunidade de ver o asiático bonitinho comendo na minha mão.

— Tá bom. — Ele ergueu as mãos para o alto rendendo-se, e sentou-se no banco de madeira branca do pátio sem graça. — Eu vou esperar.

Sorri satisfeita e me sentei do lado do asiático que me parecia muito nervoso, tão nervoso que nem sequer disfarçar ele conseguia. Se ele continuasse assim a nossa atuação seria péssima. Contudo, para a sorte dele eu fiz teatro durante a minha vida toda e saberia como o ajudar a entrar no papel.

— Para com esse nervosismo e se concentra. — Ele me olhou de canto e ergueu uma sobrancelha, questionando-me mentalmente. — Respira fundo. — Apoiei minhas mãos nos seus ombros e pedi, pondo em prática aquelas aulas de ioga que o meu pai me ensinou.

— Certo. — Ele fechou os olhos e respirou profundamente, segurando o ar durante cinco segundos, após os segundos passarem ele soltou o ar para fora e fez de novo, conseguindo ficar menos nervoso.

Um ponto para mim e um ponto para o senhor Cooper — meu querido pai — que me ensinou essa boa técnica.

— E agora? — Um sorriso brotou em seus lábios. Podia continuar o odiando, mas não negaria que Jeon tinha um belo sorriso.

— Me sinto melhor.

— Ótimo. — Puxei o seu braço e o fiz levantar junto comigo, ele me olhou assustado.

— O que foi?

Acendi a tela do meu celular e olhei diretamente para os números em frente a tela do aparelho. Estava na hora.

— A hora é agora. — Falei rápido e saí andando com ele à caminho do corredor principal do colégio.

Ele parou no meio do corredor e soltou o seu braço do aperto da minha mão, reclamando de dor. Que garoto dramático, eu nem apertei tão forte.

— Não podemos aparecer na frente deles sem estarmos apresentáveis. — Ele disse me medindo de cima à baixo. Por um momento eu achei que estava falando com uma garota pela a maneira sutil que ele usou as palavras, mas me dei conta de que asiáticos tinham fama de serem meio afeminados, então foi comum ouvir ele falando de maneira como aquela.

— O que você quer eu faça? — Abaixei o olhar para a roupa que eu usava, que era só o uniforme do colégio e o mesmo que todos também vestiam.

— Eu não me referi a roupa. — Aproximou-se e enlaçou um braço em volta de meu ombro. Congelei por um instante pelo o seu toque e engoli em seco. — Temos que fazer bonito, não é mesmo?

A palma de sua mão tocou a minha e começamos a andar pelos os corredores como se fossemos realmente um verdadeiro casal de namorados apaixonados. Os alunos que habitavam o corredor rapidamente pararam tudo que estavam fazendo; como fofocar sobre a vida dos outros e arrumarem a bagunça em seus armários e fixaram os seus olhares a gente, vendo nós dois desfilar pelo o corredor com uma expressão de esnobe no rosto e sem se importar com aqueles que nos olhavam. Era uma cena bem legal de se ver, quase igual a aquela entrada maneira de filmes para adolescentes. A melhor entrada possível, só estava ansiosa para vê a cara que Mandy faria quando nos vissemos juntos. Também seria uma das melhores.

Falando no diabo…

— Jungkook? — Uma voz fina e insuportável nos parou. Olhei para Jungkook que olhou para mim de volta e juntos rimos de modo maléfico e nos viramos no mesmo instante, deparando-se com Mandy.

Seu rosto estava completamente vermelho de raiva, seus punhos cerrados e seu semblante sério, o qual ela tentava esconder a raiva que sentia, mas infelizmente para ela, se notava facilmente até mesmo de longe o seu ódio carregado na face.

— E quem mais seria? — Jungkook sorriu brincalhão para ela e me puxou pela a cintura, me aproximado mais dele.

Mandy só faltava me matar com o seu olhar preenchido de raiva junto a um misto de inveja. Que garota não estaria com raiva depois de ver o seu ex namorado com outra garota? Mas Mandy merecia presenciar aquilo, ela merecia isso e muito mais. Essa vadia ruiva de farmácia.

— Quem… — Ela fez uma careta de desgosto e recorreu o seu olhar, me analisando de cima à baixo. — É essa?

— Essa é a Megan. — Jungkook respondeu por mim antes que eu mesma fizesse isso. — A minha nova namorada. — Um sorrisinho malicioso se formou nos seus lábios.

— Namorada? — Mandy disse num tom de deboche e bufou em sequência. — Mal faz vinte e quatro horas que acabamos e você já arranjou uma nova namorada.

— Engano seu querida. — Eu me pronunciei, ela ergueu as duas sombrancelhas e cruzou os braços. — Eu e Jungkook estamos juntos desde que ele namorava você.

A vadia arregalou os olhos e com a palma da mão, deu um tapa forte no rosto de Jungkook que o fez me soltar e quase cair para trás. Caramba, essa doeu até em mim. Percebi que todos fizeram um montinho em nossa volta para acompanhar a treta que estava só começando.

— Você estava transando com essa vadia enquanto ainda namoravamos? — Ela gritou com raiva. Vadia? Essa vagabunda só pode está me confundindo com ela. Não vou deixar essa barato.

— Escuta aqui, oh seu resto de aborto. — Com um só passo, aproximei-me dela e a encarei frente a frente.

— Do que você me chamou?

— Você não é surda, ouviu muito bem. — As pessoas ao nosso redor urraram, só pondo mais lenha na fogueira. — É isso o que você é. — Rigidamente mirei o meu dedo em sua testa. — A única que merece apanhar aqui é você, o Jungkook só deu o troco. Você foi bem pior que ele todo esse tempo. E quanto ao professor de biologia, o capitão do time de basquete, o professor de educação física, ah… — Ela ficou nervosa e todos riram, inclusive Jungkook que recobrou os sentidos após o tapa e me olhou com orgulho. — E o Jungkook que você o encheu de chifres, Huh? Você é quem é a vadia aqui, pobres dos seus pais que te acham uma santa. Sua vadia!

Vários sons de pessoas batendo palmas foram ouvidas e Mandy saiu correndo dali, sussurrando "isso não vai ficar assim".

— Você foi ótima. — Elogiou-me Jungkook.

— É melhor você tomar cuidado. — Avisei falando despreocupadamente, sua expressão mudou para uma confusa.

— Como assim?

— Ela disse que isso não ia ficar assim — repeti as palavras que Mandy sussurrou antes de correr, se sentindo totalmente humilhada. — Estou te avisando porque os boatos sobre você vão só se aumentar, ela vai fazer de tudo pra te destruir mais ainda e a mim também.

— E o que eu devo fazer pra evitar isso?

Uma bela pergunta, o que ele deveria fazer?

— Eu vou pensar em algo… — Posicionei o dedo sob o queixo e mordi o lábio, pensativa. — Enquanto isso é melhor ir se preparando.

— Por que? — Bufou entediado.

— Porque hoje depois que todas as aulas acabarem você vai para a minha casa e irá arrumá-la sozinho… — Iniciei uma contagem nos dedos. — Lavar minhas roupas, arrumar meu quarto, colocar o lixo para fora, me ajudar a limpar a garagem e... Etc.

— Você tá de brincadeira comigo né? — Questionou sério. Ri em deboche.

— Eu nunca falei tão sério em toda a minha vida. E se quiser continuar com essa mentira, é melhor que faça tudo que eu mandar. — Ele assentiu engolindo em seco.

A melhor sensação do mundo é quando você tem o seu alvo principal comendo nas suas mãos. A vingança nunca foi tão bela como está sendo agora.


Notas Finais


Confesso que eu escrevi aquela cena do Jimin com a bibliotecária quase me engasgando de tanto rir. Kjkkjkkjj

Até o próximo.

kissus♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...