1. Spirit Fanfics >
  2. Proibida Pra Mim - Oscar Diaz >
  3. 39 - Mortes

História Proibida Pra Mim - Oscar Diaz - Capítulo 39


Escrita por:


Capítulo 39 - 39 - Mortes


Capítulo - 39

JADE

Já se passaram quatro dias desde que Oscar sumiu e eu estava em um completo desespero, meu coração estava apertado e não conseguia parar de chorar, Monse veio até minha casa pra tentar me acalmar, procuramos Oscar por todas as partes e não achamos.

Meu pai não parecia entender bem meu desespero pra achar Oscar, resolvi não contar sobre nós porque não era um bom momento, só queria achar meu homem, só isso.

César e Monse entraram em minha casa com uma cara nada boa. Eles se sentaram no sofá e me olharam.

_Alguns profetas foram mortos, e estão achando que foi Oscar. -Monse disse-.

_Eu não sei o que pensar, Oscar sumiu e eu achei que tinha sido os profetas mas estão morrendo um por um. -César disse e colocou a mão no rosto-.

_Gente eu já não sei mais o que pensar, eu só quero ele de volta. -eu disse triste e eles me abraçaram-.

Eu não estava aguentando mais de preocupação, Oscar não aparecia de jeito nenhum, toda hora eu olhava o telefone pra ver se ele respondeu minhas mensagens ou se retornou minhas várias ligações e nada, eu tentava pensar que ele estava descansando em algum lugar pra não pensar coisa ruim. Cesar perguntou a todos os santos e ninguém sabia de Oscar e também estavam ajudando a procurá-lo.

(...)

Acordei com meu telefone tocando, me levantei rapidamente e o peguei, era o número de Oscar ligando, eu não estava nem acreditando, olhei no relógio e era quatro e quinze da manhã.

Ligação:

_Alô, Jade? -ouvir a voz de Oscar fez meu coração disparar-.

_Oscar, você está bem? Onde você estava? O que aconteceu? Onde você tá? -eu perguntei rapidamente, porém feliz por ouvir a voz dele-.

_Calma, vem aqui na rua, tô num carro preto do outro lado da rua. -ele disse e eu levantei num pulo-.

Ligação off.

Desci as escadas correndo, sem fazer barulho e sai pela porta, o carro tinha os vidros todos escuros, fiquei com receio mas eu precisava ver ele.

Cheguei perto do carro e a porta abriu, ele me olhou e eu fiquei ali parada olhando ele, ele parecia estar bem, meu coração estava mais leve, ele está vivo, eu o olhava com lágrimas nos olhos.

_Entra aqui. -ele disse baixo e assim fiz, atravessei a rua e entrei no lado de carona-.

_O que aconteceu com você? Eu fiquei doida achando que tinha acontecido algo, Oscar. -eu disse e dei um abraço forte nele que retribuiu na hora-.

_Senti saudade. -ele disse ainda abraçado-, Desculpa ter sumido assim.

_O que aconteceu? Você sumiu uma semana. -eu disse o olhando-, Também senti saudade.

_Eu nem posso estar aqui, mas eu precisava te ver e esclarecer tudo. -ele disse alisando meu rosto e secando as lágrimas-.

_Pode contar.

_Me desculpa, pelas coisas que eu disse aquele dia, a verdade é que eu te quero de mais, eu gosto de mais de você. -ele disse ainda alisando meu rosto-, Mas eu precisei fazer aquilo pra te manter protegida, eu precisava dar um fim nos profetas e se você estivesse comigo eles iriam direto em você pra me atingir e eu não ia suportar se algo acontecesse com você. E aquela amiga sua eu não beijei  ela, ela veio pra cima de mim. -ele disse em tom triste e na hora lembrei do que Rosita disse, e ela tinha razão-.

_Oscar, tudo bem, o que importa é que você tá bem. -eu disse o abraçando novamente-, E nunca mais chegue perto dela. -eu disse e ele riu, a risada gostosa que eu senti saudade-.

_Me perdoa? -ele perguntou-.

_Claro que sim. Meu Deus, o César e a Rosita precisam saber disso. -eu disse e ele negou-.

_Não, não conta ainda, eu preciso terminar o que comecei. -ele disse-, Se tudo ter certo amanhã eu volto pra casa. Não quero por vocês em perigo. -ele disse-.

_Por favor, toma cuidado. Eu não vou aguentar se algo acontecer. -eu disse com os olhos lacrimejando novamente-.

_Tá bom, vou voltar por vocês. -ele disse-, Agora eu preciso ir, eu vim mesmo pra te ver, não tava aguentando de saudades.

_Eu também não, que bom que está bem e que veio aqui. Você está ficando onde?

_Num galpão abandonado dos santos, afastado daqui.

_Toma cuidado. -eu disse o abraçando-.

_Vou tomar, eu te amo, viu? -ele disse aquilo e meu coração disparou na hora, ouvir aquilo dele foi muito bom porque eu tinha certeza do que sentia por ele-.

_Eu te amo, muito. -eu disse e o beijei-.

Nosso beijo era com saudades, muitas saudades. Nos despedimos com muito custo porque eu não queria deixar ele ir mas logo ele foi.


Notas Finais


Tão gostando?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...