1. Spirit Fanfics >
  2. Project - 404 >
  3. A Adaga (Nove I)

História Project - 404 - Capítulo 8


Escrita por:


Capítulo 8 - A Adaga (Nove I)


Fanfic / Fanfiction Project - 404 - Capítulo 8 - A Adaga (Nove I)

Projeto 009

 

 - Nove, você é realmente muito compromissada - Dizia Rose - Chegou exatamente um minuto antes do esperado, ta de parabéns - Lucia olhou em volta e cruzou os braços - Ao contrário de seu irmão que está atrasado de novo - A porta atrás de Nove se abre e Oito entra na sala - Por falar nele.

 Oito estava todo arrumado, cheiroso, com seus cabelos cor de mel ainda molhados, com o uniforme cinza que combinava com seus olhos acinzentados. Já nove estava de preto, cabelos loiros e secos, de olhos verdes acinzentados. Os dois eram um pouco parecidos, ambos brancos de olhos e cabelos claros, com rostos mais delicados, essa semelhança fez com que os dois realmente pensassem que eram irmãos na infância.

 - Eu sei... Não precisa falar nada - Ele disse querendo evitar a bronca de Rose.

 - Se hoje não fosse um dia tão especial, eu te daria um puxão de orelha, menino! - Rosemeire estava trajando uma roupa social, uma saia carmesim e um blazer da mesma cor, que combinava com seus cabelos acobreados num coque desleixado.

 - ta, eu já entendi - Oito respondia como se fosse filho da mulher.

 - Bom, acho que vocês já estão prontos - Ela olhou os dois adolescentes e suspirou - Você cresceram tão rápido. Agora vamos pro carro, o essa galera do governo não gosta de esperar.

 Nove sempre sonhara com esse dia, foi treinada a vida inteira para esse momento e ele finalmente chegou. O carro era uma limusine preta do governo, um cara de terno, que provavelmente era o motorista, segurava a porta. Rosemeire entrou primeiro e Oito logo em seguida, por fim Nove. A limusine os levou até o ministério de segurança do governo, um grande prédio quadrado com janelas espelhadas que não permitia ver o que ocorria dentro do edifício. Uma mulher bonita nos esperava na entrada.

 - Ai está vocês, meus pequenos - Ela tinha um sotaque diferente, algo como o sotaque francês - venhom comigo - Loira e alta, de pele escura, parecia uma espiã vintage.

 Oito, Nove e Rosemeire a seguiram por vários corredores cinzentos e movimentados. Até chegarem em uma sala de espera.

 - Rosimerh, eu e você terremos que ficarh aqui - Disse a bela moça com seu forte sotaque frances.

 - Ah sim - Respondeu Rose e depois se virou para os dois jovens - Oito e Nove, boa sorte!

 A porta se abriu e revelou uma enorme sala escura com um grande telão. Os dois adolescentes entraram na sala e ouviram a porta se fechar atrás deles, as luzes do centro do salão se acenderam e revelaram um militar e um cientista.

 - Olá crianças, eu sou o ministro da segurança e esse ao meu lado é o doutor Dumont - O militar que falava era um homem bronzeado e tinha um rosto robusto, uma enorme barba grisalha e um corpo grande e músculos.

 Oito e nove fizeram sinal de continência como forma de respeito ao militar.

 - Olá - Disse o cientista ao seu lado, pálido, velho e corcunda, de cabeça calva e rosto sério e magro.

 - Vocês foram convocados hoje para lidar com um perigo tão grande que poderá afetar a nação - O ministro falava com as mãos para trás - Foram treinados a vida inteira pra isso, e agora finalmente irão começar sua missão - Na grande tela, apareceram dois rostos jovens, uma garota branca de cabelos acobreados e um garoto negro de sobrancelhas arqueadas - Estes são Ally Russo e Brunno Ferraz, eles estudam no Colégio de São Martim, no distrito sul, onde vocês também vão estudar. Agente Oito e agente Nove, vocês serão Edam RokenBach e Livie Rokenbach, respectivamente. Irmãos classe média que moram na zona residencial do distrito sul, longe de seus pais que estão no interior. Entenderam?

 Os dois concordaram com a cabeça.

 - Ótimo. O objetivo de vocês é identificar os alvos e depois eliminá-los, tudo sem serem identificados ou sem levantar quaisquer suspeitas - Doutor Dumont trouxe uma caixa com dois celulares - Esses aparelhos disfarçados de Motorola StarTAC, ajudarão vocês á falar com a senhorita Angélica, a bela mulher que guiou vocês até aqui mais cedo, não deixem isso cair em mãos erradas.

 Cada um dos dois pegou um celular e guardou no bolso. Nove estava ansiosa para começar, então perguntou - Quando iremos iniciar a missão?

 - Agora mesmo - Uma porta se abriu no fundo da sala - É só entrar ali que os soldados o levarão em um carro para sua residência. Não falhem, agentes.

 - Não falharemos - Respondeu Nove, com extrema confiança.

 Já era uma da manhã quando Livie e Edam chegaram em na nova casa, uma casa simples com uma cozinha grande e também uma sala de TV, um escritório, duas suítes e a parte exterior era suficiente para caber um carro e nada mais. Ou seja, uma casa perfeita para estudantes vindos do interior. Edam se jogou no sofá cama que tinha na sala.

 - E como vai ser? - Ele perguntou mas Livie não entendeu onde queria chegar.

 - Como vai ser o que?

 - Eu fico com um e você fica com a outra? ou eu fico com a outra e você fica com um?

 Livie pensa por um momento - Acho melhor a gente investigar primeiro. Tipo ver como podemos nos aproximar... - Livie senta na poltrona - Aliás, podemos pedir informações para Angélica.

 - Boa idéia - Edam se ajeita para ficar sentado.

 Livie pega o celular e aperta os botões sete, oito e cinco no teclado do celular, e o mesmo começa á chamar - Angélica na linha, vocês non tem horário melhorh parra me ligarh!

 - Angélica, precisamos de mais informações dos alvos - Diz Livie.

 - Bom, deixa eu verh... Olha, se isso ajuda vocês, Brrunno está matrriculado no time de futebol du colégio, Ally tem visitado e muito a biblioteca, tendo vários registros de livros que a garrota pegou.

 - Hm... Valeu Angélica, muito obrigada - Livie termina a ligação sem qualquer resposta da mulher - Edam, você vai ter que entrar no time de futebol do colégio.

 - Oi? Você me odeia tanto assim - Ele respondeu como se eu tivesse o mandado para uma igreja fingir ser santo - Não tem outro jeito, eu posso tentar ir atrás daquela Ally.

 - Tem, mas provavelmente não vão aceitar garotas no time de futebol - Livie retrucou - E quero focar na garota.

 - Ta... Mas isso vai ter volta, me aguarde - Ele se levantou e foi para seu novo quarto.

 Livie também vai para a cama, mas não para dormir, pois não consegue, estava ansiosa demais para isso e ainda tinha que arranjar um jeito de se aproximar da garota e depois executá-la. Talvez teria que usar suas e habilidades, ou talvez seja tão fácil que nem precisará fazer quaisquer esforço, mas de qualquer forma, sabia que poderia concluir essa missão tranquilamente.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...