1. Spirit Fanfics >
  2. Projeto Apocalipse Z >
  3. Baderna Zumbi

História Projeto Apocalipse Z - Capítulo 1



Notas do Autor


Vamos conhecer três personagens que farão parte dessa história, que tomarão decisões que podem os fazer morrer ou viver. Entre esses três estão nossos dois protagonistas.

Alexander Blackburn
Oliver Keynes
Sarah Blackburn

Capítulo 1 - Baderna Zumbi


Fanfic / Fanfiction Projeto Apocalipse Z - Capítulo 1 - Baderna Zumbi

Nunca achamos que um filme de zumbis possa se tornar realidade. Até porque somos céticos demais para crer que algo tão fantástico possa se tornar verdade! Eu penso assim, você deve pensar assim, o vizinho certamente pensa assim – ou talvez ele nem pense nesse assunto -, sua mãe pensa assim... Alex pensava assim!
Menino cético esse Alex; não acreditava nem em fantasmas, nem vampiros, nem nada do tipo. Cria que tudo tem uma explicação completamente racional. Morava na Kinzie Street, California. Ele gostava de passear na Universal Studios com a mãe e ela falava que tinha sorte de ter nascido num lugar com “parque”. Ele diria que sorte é uma coisa relativa. Alex vivia reclamando que não tinha ninguém para brincar ou conversar na rua onde moravam, sua mãe, Sarah, dizia que ele que não se enturmava pois havia vários outros jovens para brincar.
Bom, várias não era bem verdade, Oliver Keynes era o único da idade de Alex na rua Kinzie. O resto eram criancinhas de 0 a 8 anos e uns babacas de 18 anos que se achavam os donos do mundo! Oliver nunca havia falado com Alex e nem o mesmo com Oliver... Até aquela manhã ensolarada e aparentemente calma de verão.
Verão, férias, felicidade. Felicidade? Alex discordou dessa ideia 4 dias depois da infestação da peste.

Sarah estava assistindo tevê e comendo umas uvas quando Alexander saiu de skate dizendo que ia dar uma volta.

- Cuidado! – alertou a mãe – Tem uns malucos atacando pessoas por aí.
 - Do que você está falando, mãe? – Alex enrugou a testa, como sempre fazia quando a mãe falava alguma coisa estranha.
- Estava passando aqui no noticiário. Um rapaz de 23 anos atacou um senhor chamado Michael e tirou um pedação da orelha do velho, depois mordeu o braço dele. A polícia disse que o rapaz estava sobre o efeito de drogas. – Sarah olhou preocupada para o filho. – Então você já sabe que...
- Sim. Não aceitar nada de estranhos e nem provar o que me oferecem.

Ela levantou e deu um abraço bem apertado e feliz em Alex, que deixou cair o skate.

- Opa! – Riu Sarah – Desculpa.

Alex revirou os olhos de brincadeira, pegou os cabelos loiros da mãe e ficou olhando. Depois juntou o skate e saiu. Como já descrevi, o céu estava bem claro e bonito, totalmente azul. Alex andou pela grama; sabia que a mãe odiava aquilo, mesmo assim andou. Olhou para os lados, lá na frente, sentado no balanço e olhando para o chão estava Oliver, entediado. Alex olhou, encarou, observou. Oliver olhou para ele e ele tirou os olhos do outro.
Andou por umas duas horas de skate e se divertiu bastante, como sempre. Certa hora, um daqueles estereótipos de babaca apareceu para tirar a paciência do menino pouco paciente que era Alexander.

- Ei, bunda mole. – Berrou o cavalo.
- O que é, Sam?
- O que é isso aí na sua mão? – indagou Sam.
- Não está vendo que é um skate seu cego de merda. – Bom, ele era mesmo estressado. Quem não gostou desse tratamento foi Sam, que fez uma cara horrivelmente feia e nojenta!
- Não fala assim comigo seu cu de galinha.
- Quem é você para falar assim?
- Eu sou eu.

Debochado, Alex desatou a rir daquela frase: “Eu sou eu”

- Você é você? – Riu mais alto – É sério?

Sam agarrou e pescoço de Alex e assobiou. Quatro garotos altos e entre um deles um gordo horroroso. Não eram tão feios, mas se vestiam mal, isso pode deixar uma pessoa feia. É sério!

- Você não pode brincar comigo assim, seu filho da puta.
- Ei Sam, sua mãe não te ensinou que xingar desnecessariamente é feio? Cada palavrão que sai da sua boca é como bosta de esgoto saindo da fossa. – Foi a gota d’água para o brutamontes. Ele deu um tapa no rosto de Alex e o empurrou, depois gritou:

- Vaza daqui peste!

Alexander se levantou, pegou o skate e falou que ia embora. Andou, parou e se virou, falando:

- Ei Sam, sua mãe e as dos seus amigos fedem a bosta de cavalo!

Sam e os outros correram, mas Alex foi mais rápido. Pegou o skate e foi deslizando ladeira abaixo, cada vez mais que os loucos se aproximavam ele remava mais e mais. O gordinho estava caindo e caindo, até que tropeçou e saiu girando ladeira abaixo como um barril. Isso derrubou mais dois “capangas” de Sam, foi sorte de Alex. Ele virou o skate para um lado, depois para o outro, o fugitivo fez uma manobra e saltou uma escadinha – o menino era bom no skate -; ele se aproximava da rua de casa cada vez mais. Um carro parou bem na frente de Alex e ele freou bruscamente. Sam se aproximou, o skatista pegou seu “meio de transporte” e correu, correu... Sem pensar muito pegou uma viela que dava para os quintais dos vizinhos e acabou encurralado. Ele não sabia o que fazer, e esses eram seus pensamentos: “Meu Deus! Aquele breque foi maravilhoso.”, “Será que o bunda seca me viu entrar aqui?”. Certamente viu. Eles se aproximavam.
“Ali na viela”, escutou Alex, ia apanhar.

- Ei. – Uma voz ele ouviu – Olhou para o muro e viu um menino de cabelos pretos bem penteados e olhos bem azuis. Era Oliver. – Sobe aqui, me dá a mão! – Ele esticou a mão, Alex deu a mão a ele e o outro puxou. Sam apareceu na viela, mas já não via o seu amiguinho.

- Cadê aquele filho da puta?! – Alguém exclamou. – Ele sumiu?
- Cala a boca Marie.

Alex havia caído no quintal de Oliver, em cima dele, e estava em silencio.

- Vamos embora. – falou Sam – Outra hora eu pego o filho de vaca. Vamos Hermenegildo, vamos Marie.

Quando os três saíram do beco, Alex e Oliver desataram a rir.

- Que porcaria de nome é esse: Hermenegildo? – Berrou Oliver.
- Marie? Marie é nome de menina. – Alex chorava. – Quem coloca o nome do filho de Marie?
- Ele deve ser francês ou italiano, sei lá. – Oliver se jogou no chão e riu mais. – Putain, mon fils s’apellera Marie – Falou em francês.
- Uau! Fala em italiano agora.
- Che cazzo, mio figlio si chiamerà Marie.

Riram mais ainda. Alex estava impressionado, parecia que os dois se conheciam de muito tempo.
Oliver convidou seu mais novo amigo a entrar pois já tinham se apresentado e Alexander já havia contado toda situação para o outro. Conversaram, Oliver pediu para a babá fazer um lanche para os dois e depois jogaram Monopoly e assistiram um filme. A babá levou os lanches para os dois.

- Onde está sua mãe? – Indagou Alex.
- Minha mãe está trabalhando. – Falou Oliver diretamente – Ela trabalha no FBI.
- Legal. – Era possível ver a empolgação do menino em saber que a mãe do amigo trabalhava no FBI.
- Sim – Falou Oliver, que virou o rosto para Alex e riu. – E sua mãe?  
- A minha mãe é ortodontista. – Falou com orgulho. – E seu pai trabalha de quê?
- Seu bobinho. – Riu Oliver. – Eu não tenho pai. Fui adotado pela Samantha, minha mãe. Você acha que um garoto como eu poderia ser filho de uma coreana?
- Ah. Desculpa!
- Ah, para com isso. Odeio essas frescuras!

Eles começaram a lanchar e o tempo passou. O dia tranquilo estava para acabar.
A babá falou que ia no shopping comprar umas coisas, Oliver ficou com Alex por um tempo, foram até o sofá e começaram a falar de algumas atrizes famosas e competiam quem era mais bonitas. De repente o garoto de olhos azuis recebeu uma ligação de sua mãe.

- Alô, mãe. – Começou.
- Oi Oliver. – Ela parecia tensa – Quero falar com a Eve.
- Mãe, a Eve saiu.
- Droga! – exclamou. – Então quero que avise ela para não ir embora hoje. – Ela fez uma pausa – Vou... Filho...
- Fala, aconteceu alguma coisa?
- Vou precisar viajar. – A voz de Samantha parecia tremer. – Vou para Washington.
- Washington. – Gritou Oliver – Mas mãe, quando você vai voltar?
- Não sei, mas preciso que se qualquer coisa estranha que aconteça...

Ouviu-se um grito agudo do lado de fora, depois um estrondo de alguma coisa quebrando no chão, um carro batendo. Parece cliché, mas acontece: o celular começou a falhar.

- Mãe? – Samantha falava, mas não se ouvia: “Fi...lho, Ol-iver, ca...” – Mãe?
- O que foi? – Perguntou assustado Alex.
- Minha mãe...

Outros gritos. Os dois correram até lá fora e se depararam cm uma cena horrível: três carros pegavam fogo e uma mulher queimava! Eve, a babá estava a frente dos dois com o rosto rasgado e com sangue espirrando, sua garganta havia sido mordida. Muitas pessoas correndo e sendo pisadas por um caminhão! Oliver gritou quando uma cabeça foi esmagada após ser pisada por uma grande roda de caminhão.
Muitas pessoas saiam correndo atrás de outras e as mordendo. Um velho gordo saiu atrás de Oliver e Alex pegou um machado do chão e acertou a cabeça do homem.

- Vamos a minha casa! – Gritou Alex e os dois correram até Sarah, que estava a porta gritando. – Mãe!
- Alex! – gemeu ela. – Oi – Falou para Oliver. – Vamos sair daqui jesuítas!

Ela puxou os dois, sem nem se importar se Oliver estava sozinho ou não; eles entraram dentro de casa e uma velha e uma criança saíram atrás deles. Quando Sarah viu, gritou, pois os rostos estavam deformados e sangrando. Ela empurrou o rosto da velha com as mãos e por sorte não foi mordida... Onde ela estava com a cabeça, foi o que Oliver pensou. Ele pegou uma faca enorme que estava em cima da ilha na cozinha e furou o rosto do garotinho que havia pulado em cima de Alex, ele caiu. Depois foi até a velha e furou as suas costas até o fim, ela não morreu, só caiu no chão.
Oliver furou bem no centro da testa da velha e ela morreu.

- A gente precisa sair daqui. – Gritou Alex.
- Como assim? E a casa?! – Disse Sarah chorosa.
- Dane-se a casa; você nunca assistiu um filme de zumbi? – Gritou Oliver mais alto ainda. Todos estavam alterados e gritando uns com os outros!

Saíram de casa e novamente viram aquela cena terrível. Com sangue e fogo, precisavam mesmo sair dali, precisavam ir embora de um jeito ou de outro! Depois dessas experiências as pessoas dificilmente são as mesmas, quando se vê morte e violência. Logo iriam pegar um carro e sair rapidamente de perto do cheiro de gasolina que certamente ia fazer alguma coisa explodir...

...

...
 


Notas Finais


No próximo capítulo Oliver verá que Sarah não colabora para que todos saiam contentes até Isla El Faro, e toma uma atitude drástica!

Gostaram?
31/08/2020
Capítulo 1


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...