História Project: Bad Boys... - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias The Seven Deadly Sins (Nanatsu no Taizai)
Personagens Personagens Originais
Tags Baine, Guilther, Kiane, Melizabeth, Mistério, Shipps Aleatórios, Shipps Inusitados, Zoeira
Visualizações 433
Palavras 3.990
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


°Oieeeee!!!!!

Leitores: Começou o dia feliz.

O//////O

°Muito bem. Vocês pediram e aí está! Mais um capítulo saíndo direto do celular.

Capítulo 3 - Confusão no refeitório


Fanfic / Fanfiction Project: Bad Boys... - Capítulo 3 - Confusão no refeitório

P.O.V Elizabeth

- O que vocês querem comigo? - agora fiquei nervosa. E quem não ficaria? Tipo. Do nada você é assediada, e umas meninas chegam e falam coisas doidas - Tipo. Só podem estar zoando com a minha cara! 

- Simples... - a loira começou - Queremos que se junte ao grupo.

- Hein?

- Affs... Nada de formalidades, vamos logo ao que interessa, que é irmos para um canto qualquer e nos divertimos! - a de olhos violetas falou me puxando pelo braço. 

- Diane! - a loira repreendeu - Ela te conheceu a apenas um minuto e você já está a puxando para qualquer buraco? - a maior me largou bufando - Não a assuste dessa forma sua demente! 

- Okay então, espera um segundo aí... - fechou os olhos e os abriu fazendo uma careta engraçada - Quirida, você aceita ser amiga de quatro mongolóides incrédulas, que mais parecem ter nascidas das profundezas do inferno e que por tanta demência o diabo pegou e disse: "Não, vocês merecem esses encostos mais do que eu! Podem levar elas com vocês!" E que conheceu a menos de cinco minutos?

- Oooo que????

- O que ela quis perguntar foi... Quer ser a nossa amiga? - a asiática explicou. 

- Mas por que? Tipo... Não sou popular e nem bonita, e muito menos tenho algo em comum com vocês! 

- Não precisa ter... Aceitamos as pessoas pelo jeito que elas são... E não pelo que queremos que ela seja! - a Merlin me explicou.

- Vale lembrar de que ninguém aqui possui os mesmos gostos! - dessa vez falou a Guila.

- Mas... Sendo minhas amigas vocês apenas sofreram mais!

- E quem liga? - a morena perguntou - Já somos zoadas de qualquer forma! 

- Como diz a minha avó... A flor pode ser bela e frágil... Mas nunca é indefesa! - falou a asiática. 

- Te achamos legal do jeito que a vimos! - a de olhos violetas falou - E não pelo que esperamos que seja, ou pelo que os outros pensam! 

Pensei por breves cinco segundos. Elas vieram pedir minha amizade mesmo sem terem a menor idéia de quem eu sou. Eu não tenho nada a perder, só a ganhar. Não vou ficar mais solitária, vou me divertir muito, quer saber? Foda-se! Afinal... Que mal há nisso? 

- Entendo... Sendo assim... Tenho sorte e fico muito aliviada de ter vocês por perto! - disse - Mas... Se você é a irmã de um dos populares... - dei ênfase no populares - Porque eles continuam te humilhando? Por quê seu irmão não te defende?

- Não temos nos dado bem ultimamente... - virou o rosto e continuou murmurando algo que apenas eu pude ouvir - Pra falar a verdade, não nos damos bem há sete anos... - murmurou tristemente.

"Sete anos... O que ela quer dizer com isso? Como assim sete anos?"

- Legal. Agora vamos poder sair em conjunto, fazer compras, passear e... Coisas que garotas fazem! - a Di falou de um modo infantil que nos fez dar algumas risadas.

- Entãaaao... Onde seria o nosso primeiro encontro e quando? - Merlin perguntou tentando fingir não estar entusiasmada. 

- Pode ser amanhã! Já que é sexta... - falou Elaine alisando a sua franja - Podem ficar lá em casa... O espaço é grande...  - cerrou os olhos - Tem muita coisa a se fazer... Podem até dormir lá! Além disso... - pausou - Tenho certeza de que os meninos vão estar lá também! É sexta afinal de contas...

- E o que é que tem de bom nisso?  Tipo. Se formos lá só iremos ser humilhadas novamente! - Diane debateu.

- Acho que ela quis dizer outra coisa... Né Elaine? - Merlin e Guila encararam a baixinha.

- Eu? - disse apontando para si - Não tenho nada a ver com isso! - ironizou.

- Sei... - respondi desconfiada - Então nos vemos amanhã? 

- Simmmm - responderam em uníssono. 

- Então tchau meninas. Vou criar um grupo e colocá-las lá! Amanhã a gente se fala! - falou Diane indo embora.

~◆~

P.O.V Elaine

Assim que chegei em casa girei a maçaneta da porta de entrada cuidadosamente para que um certo Harlequin e companhia não me encontrassem viva por aqui... Voando feito alma penada. Não tava afim de ver o Harle e os seus amigos para que depois eles me atentassem. Tudo em vão. Quando eu estava prestes a fechar a porta...

- Aonde a Srta. esteve? - doido nessa hora eu dei um pulo de 1 m.

- Jesus Maria José! - no mesmo segundo comecei a me benzer - Que susto! Quer me matar do coração? - vai atentar o diabo - Pensei que fosse um dos amigos do Harle! - falei subindo as escadas. 

- Que é que tem nois? - falaram ao mesmo tempo. 

- Falando nos diabos... Olha eles aí! - falei apontando para geral.

- Tá andando demais com os meus amigos! - Harle me fitou.

- Que amigos? - ironizei - Nem te conheço. Nunca nem vi, nunca nem andei com eles. Gente cê é louco! - o fitei arqueando uma sobrancelha. 

- Espertinha... - me encarou.

- Até mais tarde Harlequin... - falei indo ao meu quarto.

- Porque demorou para chegar? - cerrou os olhos pra mim.

- Te conto mais tarde - falei correndo para o meu quarto.

Feito isso, tirei a minha roupa e fui banhar, quando eu terminei, vesti um vestido abotoado de cor azul listrado, de mangas brancas compridas e saia rendada, deixei meu cabelo solto meio bagunçado (roupa da capa. Só que mais fofa).Depois comecei a arrumar as minhas coisas.

P.O.V King

- Ei King! - porque ela demorou tanto?  - Kiiiiiiing! - isso não é do feitio dela... Não, não é - Tapado?! - sério ela ainda vai me matar infartado do coração um dia desses...

- SR. KING! - eu sai do transe com o grito da Sheyla: a empregada - Oi! - respondi - Seus amigos! - disse apontando para eles.

- Ah sim! Oi?

- Vamos voltar a jogar ou o que? -o capitão perguntou.

- Ah! Claro! Vamos capitão.

- Sr. King... Vocês não comeram nada desde que chegaram aqui... Precisam comer algo! - Disse a Shay.

- Certo. Vou só chamar a Elaine! - reviraram os olhos.

Fui até o quarto dela, fiquei encostado na porta e a chamei...

- Elaine... - bati na porta ainda encostado - Elaine...

- Que é? - perguntou.

- Você precisa almoçar! Estamos apenas te esperando! Vambora.

Além de irmão mais velho, sou seu monitor. Isto é, tenho que monitorar seu estado tanto físico quanto o mental, pois ela possui uma saúde meio fraca e até porque ela é o "produto" da família, pode-se assim dizer. Já que ela tem problemas de saúde e psicológicos. 

- Tô indo! - disse abrindo a porta - Próxima vez não encoste na porta de meu quarto feito um "grande" cachorro abandonado que precisa de carinho da cachorra menor! - me respondeu arqueando uma sobrancelha.

- Tá bom, tá bom! - falei a puxando para a escada - Devia no mínimo arrumar mais os seus cabelos! 

- Pra que? Se eu tô em casa! - bufou.

- Sabe... Temos visitas! - falei após ela se soltar de meus braços.

- Quais? - ironizou e eu ri.

Depois que descemos fomos direto para a cozinha almoçar e... Bem... Percebi que ela estava estranha. Meus amigos e eu estávamos prestes a acabar o almoço mas Elaine não tinha nem triscado no seu, tem alguma coisa errada...

- Que foi? Não está com fome? - Ban perguntou para ela. Peraí. O Ban está preocupado com ela? Ele que nem pense em encosta nela.

- Desde quando se importa com a minha saúde? - ai!

- Grossa! - respondeu e a mesma o fuzilou.

- Se sente bem? - perguntei.

- Hu hum. - negou com a cabeça ainda indiferente. E eu escutei um "Ah! Pra ele, ela responde!" do Ban. Ele tá achando que está falando com quem?

- Ferdinand! - chamei o mordomo.

- Sim Sr. King?- Bus.. . .... .. ........... .... .... ..... ok? - sussurrei em seu ouvido para que ela não escutasse, caso contrário ela não me deixaria dar seus medicamentos. - Elaine! - falei indo até ela que virou o rosto para mim - Vem cá! - comecei a ver sua temperatura. - Cê tá fervendo!

- Não é nada!

- Aham. Sei! Ah ah ah, a boca! - ordenei e a mesma bufou e revirou os olhos - Olha você não quer isso e nem eu. Então pra acelerar o processo, poderia no mínimo ajudar seu irmão!

- Ahwwwww! Baby King cuidando de sua irmã! Que fofo! - falou Meliodas tentando fazer um rosto adorável (só tentando mesmo).

- Meliodas se não vai ajudar então não atrapalha! - falei vendo qual dos remédios dar a ela.

- Tá certo! Não tá mais aqui quem falou...

- Harl... Eca! - disse assim que eu dei seu remédio para acalmar sua temperatura corporal. 

- Wow! Baby nerd já se sente melhor? - Arthur comentou com os olhos brilhantes. Que recebeu como resposta uma encarada mortal da mesma.

- Posso ir agora?

- Não porque se você tá com a temperatura elevada significa que você está com febre, e se você está com febre significa que eu vou ter que tomar conta de você, e se eu tiver que tomar conta de você terá que ser na sala porque eu tenho que tomar conta desses seres ao meu lado, e se eu tiver que tomar conta de ambos os lados significa que se eu sair daquele lugar por 5 s. é capaz da sala não existir mais!

- Ei! - exclamaram todos. 

- Vamos! Vou te arranjar um passatempo para passar o tempo! - falei e ela riu. Uma curiosidade é que raramente ela acha graça de alguma coisa. - Fones de ouvido e notebook servem? 

- Tá! - respondeu indiferente indo pra sala.

- Que? King... Podemos bater um papo com você? - o grupo falou me puxando para um canto qualquer. 

- O que é? 

- Como assim o que é? Tipo. Elaine é uma garota, pior, sua irmã mais nova... Quer mesmo deixar ela na sala com aquelas revistas e vídeos... - deu uma tosse forçada mirando nela - Entendeu?

- Por isso vamos só assistir filmes e quando se sentir cansada, vai dormir e... Vocês sabem o resto!

- Certo então! - falaram muito desanimados. 

Com isso em mente fomos então assistir um filme de terror para descansar a barriga. Como eram dois sofás Gowther, Meliodas e Ban ficaram em um, enquanto Arthur, eu e Elaine ficamos no outro. Por incrível que pareça alguns dos meus amigos ficaram com medo... Com exceção de Ban e Elaine que não ficaram com um pingo de medo. No meio do filme ela adormeceu em meu ombro e quando eu ia sair para dar espaço a ela, a mesma segurou o meu braço e murmurou um "fica..." e eu acabei ficando. Alguns minutos depois percebi sua respiração ficar descompassada e sua temperatura elevar. 

- Elaine! - a chamei e a mesma continuou a dormir - Elaine! - balancei seu braço e nada. Continuei a balançá-lo até que eu senti um pequeno volume longo nele, parecido com uma cicatriz - Elaine? - sussurrei para ver se ela ainda dormia. Remexi em seu braço à procura da cicatriz de antes.

- Procurando King? - Arthur perguntou e os meninos pararam de prestar atenção no filme, para prestar atenção em mim.

- Xiiiiiiiu, caralho! - fiz um sinal de silêncio.

- Ok. Procurando o que? - sussurraram indo até mim.

- Um arranhão! 

- Oi? - perguntaram.

- É isso mesmo, um arranhão! Eu tava balançando o braço dela pra acorda-lá e eu senti um! - puxei a manga do vestido e encontrei - Aqui!! - comecei a observar.

- Por onde sua irmã esteve hein? -e olharam com malícia.

- Não sei... Se bem que isso tá mais para uma ferida do que um arranho de namorado... - toquei levemente o local e ela se mexeu para me abraçar com um olhar um tanto... Triste. Confesso que tô me sentindo um brou amável. (○^u^○) - Aonde será que ela se machucou?

- Lajes de piscina talvez! - deduziu o ban.

- Não, ela não banha na piscina há um bom tempo! Perdeu a vontade... Pensando bem... É melhor deixarmos isso pra lá... Converso com ela sobre isso mais tarde.

Depois disso fomos jogar baralho e bem... Nessa hora ela tava mexendo no notebook com o fone então não nos importamos em fazer barulho.

- Ganhei! - gritou Meliodas. 

- Não você não ganhou! - expliquei. - Você pegou o mesmo número com o mesmo símbolo duas vezes! - tentei explicar a injustiça. 

- É válido já que eram de baralhos diferentes! - rebateu.

- Não é não! - impliquei.

- Sim é sim! 

- Não, não é! - falou Elaine vindo em nossa direção - De modo geral são de baralhos diferentes. No entanto... - pausou - Vocês estão jogando com ambos, o que significa que é como um único e grande baralho! 

- Falou a nerd! - cruzou os braços - Que chato!

- Crianças não deveriam brincar com coisas assim! - Ban falou de um modo que até eu me arrepiei. 

- De qualquer forma isso é inválido! - falou ignorando totalmente a existência dele.

- Eu disse! - falei com um sorriso vitorioso. - Que foi? Se cansou de mexer no notebook? Aliás tava fazendo o que com ele?

- O que eu faço com ele pra me divertir é de meu interesse! 

- Ok então! - arqueei uma sobrancelha. 

O resto da tarde foi tranquilo. Elaine como sempre não largou do seu notebook, além de ficar fazendo perguntas meio sem nexo.

~◆~

~No dia seguinte~

P.O.V Merlin

Eu tava de boa arrumando meus materiais de madrugada... (Sim. Acordo às 05:00 da madrugada para me organizar) Quando decido levar uma surpresinha pros meninos... Era uma bomba de festa junina e outra de fumaça. Minha idéia é espalhar primeiro a de fumaça e depois as de festas juninas para pensarem que é tiroteio na escola. (Mente maléfica? Naaaaada!)

- Merlin precisa parar de beber água de cacto! - falou o meu tio.

- E porque? - perguntei injustiçada - Águas de cactos são uma delícia! 

- Mas elas te deixam viciada e louca! Não quero mais ouvir da boca do diretor de que uma parte da escola foi destruída por causa dessas suas loucuras! 

- Oxi! Só dessa vez... Favor! 

- Só dessa vez! - me encarou - O que os cidadãos de Bellialum diriam se te vissem agora? 

- Diriam que eu sou brilhante! - me vangloriei.

- Cuida pra não se atrasar!

- Tá! 

Assim que cheguei na escola, combinei ontem de encontrar elas no corredor... Nossa sorte é que nossos armários são perto um do outro. O nosso azar é que o dos meninos ficam do lado oposto... Mas vamo que vamo, vida que segui.

- Oooooi! - falei animadamente estranha acenando para elas.

- Oi! - falaram ao mesmo tempo.

- E aí o que vamos fazer no intervalo? - perguntei fechando o meu armário e me apoiando no mesmo.

- Não sei mas creio que já tem planos não é? - perguntou a Ellie.

- Claro e evidente! - respondi - Mas não conto! Haha! Só vão saber na hora. 

P.O.V Guila

Estávamos andando para as nossas salas enquanto conversávamos sobre a união das salas que será hoje...

- Pois é o que eu tô dizendo.  Embora vamos poder ficar juntas, vamos praticamente nos suicidar!  - Diane falava bem zangada.

- É hoje que vamos morrer! - comentava Elaine. 

- Siiiiiiiiim! - respondemos de modo meio morto.

- Credo até parece que vamos morrer! - Merlin falava sorrindo do próprio comentário.

- Mais vamos! - não demorou muito, comecei a rir junto sem nem saber o porquê. 

- Que foi? - nos perguntavam.

- E eu que sei! Não sei nem do dia de hoje quanto mais do que eu tô rindo! - ri de um jeito estranhamente histérico.

- Diacho, parece até uma gazela que acabou de se engasgar com a própria comida! - ok. Rimos bastante e ao mesmo tempo abafadamente desse comentário da Diane.

- Ellie... Me diz... Porque só trouxe patê? - perguntei curiosa.

- Patê o que cumê! - respondeu piscando para nós - Mentira. Trouxe só para responder o primeiro besta que me perguntasse. - começamos a rir de novo - Sem ofensas!

- Não ofendeu! - respondi.

 Parei de andar quando percebi que algumas pessoas estavam se distanciando de nós. Ok. Nós somos só garotas normais com certas diferenças não um tipo de doença contagiosa...

- Gente... O que tá acontecendo? Por que estão todos se afastando de nós? Não fizemos exatamente nada de estranho ou anormal... - Elizabeth sussurrava nervosa.

- Na verdade eles sempre nos trataram assim mais des... - Diane falou sendo interrompida por algo. Ou melhor... Alguém - Masoque?! - perguntou toda molhada.

Assim que olhei para o lado entendi o que estava acontecendo... Foram as pragas dos garotos. Se eles fizeram isso... Certeza de que farão com o resto de nós, já que estávamos todas juntas, seríamos uma espécie de prêmio para eles. Malditos sejam se as fizerem chorar...

- Isso foi pelo outro dia! - falava uma voz conhecida, olhei bem o local e os vi caminhando em nossa direção. Quem derramou o líquido na Di não era ninguém mais, ninguém menos que King. Virei meu rosto para trás e vi Elaine e Merlin também molhadas pelo Ban e pelo Arthur, minha sorte era de que Gowther não estava, se não... 

- Olha o que temos aqui... O bonde todo está aqui reunido! Sorte a nossa, não? - falava o capitão deles. Até hoje fico me perguntando quando esse jogo começou... - Elizabeth! Porque não vem até aqui? 

Vi a Elizabeth encarar o chão bem zangada por não fazer nada... Queria chorar... Vi o restante das meninas e... Merlin estava com um rosto sério, borbulhando de raiva. Já a Elaine... Não sei como mas ela continuava bem calma... Embora toda vez que os olhava, seu olhar e os do King se direcionavam até cruzarem feito dois imãs, e ela ficava inexpressiva... Ficava tão inexpressiva que chegava a me assustar. Virava o rosto para o lado para saber que ainda existia algo melhor a esperando...

Quando a Ellie já tinha desistido de resistir a ele, Merlin se virou para o caminho do banheiro e nos disse:

- Vamos! Não há nada que possamos fazer... Por hora! - por hora... O que ela quis dizer com isso? - Até porque, ninguém aqui quer levar bronca dos professores... Né? - nos perguntou com uma cara divertida.

- Já vão embora? - Arthur debochou.

- Nem viram o melhor ainda! - dessa vez quem provocou foi Ban.

- Bem... Só estamos indo porque precisamos ir para a sala, e não de outro problema sem solução! - Elaine comentou ainda sim calma - Agora se quiserem a mesma coisa sugiro que façam o mesmo! 

- E porque? - perguntou um certo anão-loiro se aproximando. Nesse exato momento ela virou o rosto e apontou de modo desafiador pra câmera do corredor. - Serve? - arqueou uma sobrancelha ainda o desafiando.

- Isso ainda não acabou! - avisou.

- E...Elaine! - uma garota estava correndo em nossa direção carregando uma caixa com um bilhete - V...o...c...ê é a E...lai...ne? - perguntou pra ela ofegante por causa da correria. 

- Sim. Por?

- Aqui! - entregou a ela o bilhete e a caixa - O cara que te enviou isso quer a sua resposta! - falou indiferente a garota era realmente bonita, era alpina e tinha cabelos da mesma cor.

- Obrigada! Qual o seu nome? - perguntou.

- Gelda!

- Gelda diz pra ele... - não deu pra ouvir o resto pois ela cochichou em seu ouvido - Tá? 

- Sim! - respondeu a alpina bem animada.

Depois do ocorrido fomos para a nossa sala e esperamos o intervalo. 

~◆~

P.O.V Diane

Quando o horário do intervalo bateu fomos para o refeitório ainda continuando o assunto de mais cedo, mas tinha algo que me incomodava... E muito. Até que eu resolvi perguntar:

- Merlin, dá pra cacilda falar logo o que você vai aprontar? - sério eu tava muito curiosa.

- Na hora certa eu digo.

- Hummmmm. Elaine... - quando a chamei virou logo o rosto, estranho - Quem foi que te deu aquela caixa hoje mais cedo? E o que é que tinha nela? - quando perguntei vi que a mesma tinha um rosto meio vermelho. Aí tem coisa. 

- Mais tarde eu conto pra vocês! 

- Oi? - é impressão minha ou o povo hoje tá cheio de segredinhos?

Quando encontramos uma mesa limpa e livre para todas nós... Sentamo-nos e começamos a falar das coisas que marcaram a nossa infância... Até que em um dado momento Guila e Ellie se encararam...

- O que foi vocês duas? - perguntei.

- Tá pensando o mesmo que eu? - Elizabeth perguntou pra ela que respondeu que sim com a cabeça. 

- Gente Asereje, o tempo rugi! - gritou a Guila chamado a atenção de todos do refeitório, o que a fez ficar vermelha.

- Asereje ra de re... - Só depois de raciocinar que a Merlin entendeu e começou a cantar e dançar a letra feito doida. Todas nós nos animamos e fizemos a mesma coisa nem se importando com o que os outros viam, falavam ou entendiam.

Não sei como e nem quando, mas te juro... Todo mundo que estava lá começou a cantar e dançar a música.

 

Olha lá quem vem virando a esquina

Vem Diego com toda a alegria, festejando

Com a lua em seus olhos

Roupa de água marinha e seu jeito de malandro


E com magia e pura alma, ele chega com a dança

Possuído pelo ritmo ragatanga

E o Dj que já conhece, toca o som da meia-noite

Pra Diego, a canção mais desejada

Ele dança, ele curte, ele canta


Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi

Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi

Aserehe ra de re, de Hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi


Não é por acaso que encontro todo dia

Por donde voy caminhando

Diego tem sua magia e esta alegria

Rastafari afro-cigana


E com magia e pura alma, ele chega com a dança

Possuído pelo ritmo ragatanga

Y el dijey que lo conoce toca el himno de las doce

Para Diego la canción más deseada

Y la baila, ele curte, y la canta


Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi

Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi

Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi


Na, na, na, na, na

Na, na, na, na, na

Na, na, na, na, na

Na, na, na, na, na


Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi

Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi


Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi

Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi


Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi

Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi


Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi

Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi


Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi

Aserehe ra de re, de hebe tu de hebere

Seibiunouba mahabi, an de bugui an de buididipi...


O que aconteceu depois foi mais engraçado... Tudo ficou nublado e ouvi barulhos de balas... Provavelmente essa foi a obra da Merlin para todos... Foi tudo muito louco.

Todos gritaram e correram... Até os meninos. Em certo momento me senti puxada... Juro que se eu não tivesse ouvido a voz das meninas antes, elas teriam apanhado da minha mão "lindamente". Elas me puxaram pra fora do refeitório e quando estávamos longe o suficiente, começamos a rir de engraçado e de nervoso por causa da merda em que todas nos metemos. 


Continua...

 





Notas Finais


°O que acharam da Merlin e da Elaine? Psicopatas? E da confusão com um toque de infância? Comentem aí o que acharam do cap. e o que marcou a infância de vocês, como música ou cantor, desenho e etc...

°Bjs e até o próximo cap. (Ou nos comentários kkk)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...