1. Spirit Fanfics >
  2. Projeto de Primavera (fanfic Avalance) >
  3. Uma competição, segredos revelados e um convite

História Projeto de Primavera (fanfic Avalance) - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Voltei! Espero que vocês gostem do capítulo.

Por favor, comentem, porque opiniões e ideias são bem vindas e eu com certeza colocarei na fanfic!

Boa leitura!!!!

Capítulo 4 - Uma competição, segredos revelados e um convite


2 dias depois...

Sara olhou para o bebê no berço e suspirou. Ella estava deitada de costas, os olhos completamente abertos como se encarasse o teto além de Sara, mas nem um sinal que tiraria a tão esperada soneca da tarde; o bebê também suspirou e fez um biquinho, parecia quase contemplativa, e Sara poderia acreditar nisso se Ella não tivesse apenas seis meses de idade e sua maior preocupação era se dariam sua mamadeira na hora certa.

- Vamos, você precisa dormir! Tenho certeza que está com sono – disse Sara ao colocar a chupeta na boca do bebê – Qual o problema?

É claro que Ella não respondeu, apenas suspirou de novo e continuou encarando o teto.

- Você tem algum trabalho pra entregar? Algum lugar pra ir? Dever de casa atrasado? – Sara levantou as mãos em exasperação – Não, porque você é um bebê! Nós te alimentamos, trocamos suas fraldas e te mantemos segura. Você só precisa ser bonitinha, o que você é, e dormir na hora certa.

Ella se remexeu no berço e reclamou baixinho, ainda não estava chorando mas logo mostraria como era capaz de ser alta e estridente. Ava não estava por perto, e ela era melhor em acalmar Ella e fazê-la dormir, então Sara tinha que mostrar ser capaz de cuidar sozinha do bebê.

- Hoje você tem uma festa com seus amiguinhos bebês, mas se não dormir não vai conseguir se divertir com eles.

Suas palavras não fizeram nada para acalmar Ella que levantou os braçinhos em sua direção, abrindo e fechando as mãozinhas como se pedisse para ser pega.

- Ok, já entendi. Você não quer dormir agora, não precisa chorar – Sara se inclinou e pegou o bebê – Aí está você meu amor, prontinho...

Sara aninhou o pequeno bebê sobre o peito, exatamente como Ava fazia, mas ao invés de repousar e relaxar para um cochilo, Ella agarrou seus cabelos com seus pequenos punhos e puxou com força; com cuidado, Sara tentou soltar os dedinhos da filha e voltar a acalmá-la para colocá-la no berço, mas não teve muito sucesso. Ella gargalhou parecendo completamente feliz, seus olhinhos brilharam e Sara a encheu de beijos.

- Você é tão fofa! Dá vontade de te apertar mais e mais – Sara grunhiu e se sentou na cama, encostada na cabeceira, e colocou Ella sobre sua barriga – Mas você ainda precisa dormir ou sua mãe vai brigar comigo, e nós não queremos isso não é mesmo? Não, nós não queremos.

Fez cócegas na barriga de Ella, que voltou a gargalhar gostosamente mostrando suas covinhas fofas. Sara limpou um pouco da baba que escorreu pelo queixo da filha e lhe deu a chupeta; com Ella bem presa em seus braços sentou-se na cama e tentou embalar o bebê. Até aquele momento ela tinha aprendido que várias coisas no nojentas podiam sair de um bebê, e isso não se restringindo ao conteúdo da fralda; Sara havia dado a mamadeira para Ella e estava prestes a passá-la para Ava quando a menina gorfou todo o leite em seu peito. Ava riu até seus olhos se encherem de lágrimas, mas não achou engraçado quando aconteceu com ela.

- Eu vou sentir sua falta quando você for embora – Sara disse olhando nos olhos no bebê – Acho que a gente daria uma boa família, sem brigas ou gritos. Eu ia te ensinar a voar na sua primeira vassoura de brinquedo, e tenho certeza que você ia conseguir roubar a minha varinha e me deixar louca. Acha que me deixariam ficar com você?

A porta foi aberta e Ava a atravessou, ela usava um suéter verde e trazia uma jaqueta dobrada sobre o antebraço esquerdo e alguns livros sob o braço direito. Como ela ainda conseguia estudar depois de um dia inteiro cuidando de um bebê, Sara não tinha ideia, ela mal colocava a cabeça no travesseiro antes de cair no sono.

- Tudo bem por aqui?

Ella guinchou feliz e levantou os bracinhos como se dissesse que sim, estava tudo bem com elas.

- Estamos bem – Sara confirmou.

Ava a olhou parecendo um tanto quanto apreensiva e Sara entendia, elas ainda não tinham falado sobre o beijo e talvez precisassem fazer em algum momento.

- Levei sua jaqueta por engano – Ava falou ao colocar os livros sobre sua cama e a jaqueta sobre o encosto da cadeira – Sinto muito.

- Nenhum problema, mas deve ter ficado curta.

Ava riu e a tensão desapareceu.

- É, meus pulsos ficaram de fora porque você é tão pequena!

Sara fingiu estar escandalizada e pousou a mão sobre o peito.

- Assim você me ofende! Eu só não atingi o meu pico de crescimento ainda.

- Acredita nisso que é bacana.

- Não sei quem é você, mas quero a Ava Sharpe de volta!

Ava revirou os olhos e pareceu decidir não retrucar, e enquanto Ella resmungava feliz ao puxar mechas do cabelo de Sara, a sonserina tirou as botas e subiu na cama, atravessando as pernas da grifinória para ficar entre ela e parede.

- Por que a Ella não está tirando a soneca dela?

Não havia tom acusatório em sua voz, então Sara pode relaxar e contou ao mesmo tempo em que tentava se soltar das mãozinhas de Ella.

- Eu a troquei e coloquei no berço para uma soneca, mas acontece que a nossa filha se encontrava em um intenso estado contemplativo; acho que ela tinha muitas coisas com o que se preocupar, tipo, qual papinha ela ia jogar em nós ao invés de comer – Sara brincou e arrancou uma risada de Ava, fazendo Ella rir junto – Então ela começou a fazer aquele biquinho fofo de choro, eu não resisti e peguei ela.

- Entendo...

- Acho que ela é inteligente como você.

- Humm, pode ser – Ava fez um biquinho exatamente igual ao que Ella gazia, e tão fofo quanto – Mas eu ainda acho que ela seria como uma miniatura de você.

Sara olhou para o bebê que olhou de volta para as duas parecendo muito curiosa, e passou a mão pelo montinho de cabelo dourado e arrepiado de Ella.

- Pode ser...

Ella bocejou e piscou os olhinhos azuis como se tentasse lutar contra o sono.

- Me dá ela – Ava pediu e estendeu os braços para o bebê – Vou mostrar como fazer um bebê dormir.

Sara passou o bebê para Ava, e Ella se acalmou instantaneamente ao pousar a cabeça sobre o peito da mãe; assistiu, com um sorriso no rosto, a respiração do bebê se acalmar aos poucos até que Ella estava dormindo tranquilamente.

- Como você faz isso? – Sara sussurrou.

- Isso o que?

- Quando eu pego ela no colo, Ella parece uma coisa selvagem agarrando meus cabelos e rindo – Sara explicou – Mas quando você pega ela no colo é diferente, ela logo se acalma e começa a dormir.

Ava balançou a cabeça.

- É um dom.

- Gosto muito desse dom – Sara bocejou – Acho que também preciso de uma soneca.

Sara não pretendia, mas simplesmente não conseguiu se impedir de deitar a cabeça no ombro de Ava e se aconchegar junto a ela; a sonserina não a afastou e Sara relaxou ainda mais, bom, sua filha parecia saber das coisas porque Ava era realmente muito confortável.

Aos poucos a respiração de Sara se acalmou, assim como a de Ella, e ela caiu em um sono tranquilo; Ava sorriu quando Sara passou o braço por sua cintura e abraçou ela e o bebê, e assim permitiu-se relaxar e logo caiu no sono também.

Mais tarde, quando acordaram e se deram conta que passaram horas abraçadas, as duas coraram profusamente e se separaram devagar para não assustar o bebê. Ella parecia revigorada e feliz depois de uma boa soneca, e Sara agradeceu por terem um bebê muito tranquilo e fácil de cuidar, até onde ela sabia Nyssa estava tendo problemas para fazer Bethany dormir. A morena havia dito em alto e bom som que dormiria por uma semana inteira quando o projeto acabasse.

- Ah... Você pode trocar ela, por favor? – Ava pediu ao lhe entregar o bebê.

- Claro, você a fez dormir.

Era como jogar um jogo rebuscado de xadrez em cada uma fazia uma jogada cuidadosa, embora não fosse agressivo e elas estivessem fazendo questão de se dar bem.

Sara limpou e trocou a filha rapidamente, aquela altura ela já tinha se acostumado com as fraldas sujas e todas as outras coisas nojentas que saíam de um bebê; Ava preparou uma mamadeira e alimentou Ella enquanto Sara se arrumou para saírem, de acordo com o relógio de pulso ainda tinham meia hora até a pequena reunião no quarto do Ray e da Nora.

O projeto estava chegando ao fim e eles queriam reunir os bebês pelo menos uma vez, com sorte todos estariam acordados ao mesmo tempo, o que já seria um grande feito já que nenhum dos pais foi exatamente um modelo ao estipular rotina para os filhos; Ava até tentou, mas Sara logo descartou a possibilidade alegando que seria impossível com um bebê de seis meses, e se arrependeu amargamente depois disso.

Sara vestiu o bebê e até tentou colocar uma faixa com um laço para acalmar o pequeno topete formado por fios loiros, mas Ella rapidamente levou os punhos gordinhos até a cabeça e agarrou o laço para tirá-lo.

- Tá bom, já entendi. Você não quer usar isso, não é mesmo?

Tirou o laço do bebê e ajeitou seu cabelo para ficar um pouco mais arrepiado, também ficava fofo daquele jeito e Sara não via problemas. Se Ava não gostou, não disse nada e preferiu deixá-la fazer o que achava melhor.

Uma batida na porta e Ava a abriu para deixar Nyssa e Joss entrarem, a morena trazia uma bolsa de fraldas dependurada no ombro enquanto a loira carregava o bebê, as duas pareciam pelo menos se tratar civilmente o que já era uma grande evolução para a relação delas; Sara passou Ella para Ava e se ocupou em organizar a própria bolsa com as coisas do bebê, Nyssa se aproximou devagar e olhou o que estava fazendo.

- Joss está me fazendo levar cinco mamadeiras, ela diz que é por precaução mas acho que é só pra me fazer carregar mais peso.

- O que você fez? – Sara perguntou em voz baixa ao lançar um olhar cauteloso em direção às irmãs – Não minta!

- Dessa vez não fiz nada, eu juro.

Enquanto as duas cochichavam, Ava se aproximou de Joss e as duas irmãs sorriam quando os bebês riram um para o outro. Apesar das duas menininhas terem os mesmos olhos azuis, Ella tinha um ralo topete loiro e Bethany ostentava uma vasta cabeleira escura como Nyssa.

- Olha o que ela fez hoje, sério deviam dar um oscar para o meu bebê – Joss ajeitou Bethany nos braços para que olhasse para ela – Oh, meu amor, mamãe deixou você sozinha no berço hoje? Foi? Ah, não... Você foi abandonada pela mamãe?

Conforme Joss falava com tom manhoso, o rostinho de Bethany se contraía em um beicinho e logo estava chorando baixinho e sentido, mas nenhuma lágrima escorria pelas bochechas gordinhas.

- Pronto, pronto, mamãe já pegou você – Joss aninhou Bethany e beijou seu rosto – Mamãe ama você, está tudo bem agora...

Bethany parou de chorar e sorriu, completamente feliz ao ser embalada pela mãe.

- Caramba! – Ava se surpreendeu.

- Não é? Se ela fosse crescer eu teria que tomar cuidado com as mentiras, mas enquanto ela é um bebê, é fofo e está tudo bem.

- Nós precisamos ir – Nyssa chamou – Ou seus amigos vão sentir falta de nós.

Sara concordou e todas saíram do quarto, ela andava ao lado de Ava apenas a alguns metros de distância de Nyssa e Joss; tomando cuidado para não ser ouvida, Sara se inclinou para Ava e sussurrou em seu ouvido:

- Eu disse, tem grandes chances da sua sobrinha se tornar a maníaca da machadinha.

- Sara, ela é um bebê.

- E sendo filha da Nyssa e da sua irmã, não me admira que já seja uma ótima atriz e possa enganar todo mundo. Ella, por outro lado, é um bebê inocente e bonzinho.

- Isso é porque Ella puxou pra mim – Ava provocou.

- Nos seus sonhos, Sharpe.

A pequena reunião foi feita no quarto ocupado por Ray e Nora, e, além deles, também estavam presentes Nate e Amaya, Alex, Kara e Lena que ainda carregavam Duncan para todos os lados, e é claro Zari e Charlie com o pequeno Jesse. Algum deles havia dado uma pequena escapada até a cozinha e conseguiu contrabandear bolinhos de abobora, suco, torta salgada e, de alguma forma conseguiram algumas garrafas de cerveja amanteigada.

- Ei, vocês chegaram! – Nate comemorou levantando o garotinho nos braços – Olhem só pra isso, vocês vão adorar!

Nate se inclinou em direção à Amaya e quando seus lábios estavam prestes a se tocar, os dois foram afastados violentamente; o bebê gordinho nos braços de Nate gargalhou, parecendo adorar a manobra perigosa.

- Eles estão fazendo isso o dia todo – Nora provocou.

- Nem me diga – Amaya revirou os olhos.

- É o feitiço de distanciamento que colocaram nos quartos – Ray explicou – Não da pra beijar ou mesmo abraçar aqui dentro, eles não iam correr o risco de produzirem mais um bebê durante o projeto.

Sara franziu o cenho em confusão, ela e Ava tinham se beijado e dormido na mesma cama em mais de uma ocasião e nada daquilo tinha acontecido. Estava prestes a levantar a questão, mas foi interrompida por Nyssa.

- Isso não aconteceu no nosso quarto.

Joss suspirou e lançou um olhar acusatório para Nyssa.

- Desiste da vida de crime.

Sara quase quebrou três costelas ao se impedir de rir da cara da morena.

- Hã... Historicamente, Hogwarts confia mais nas meninas do que nos meninos – Ray explicou animadamente – Zari consegue entrar no nosso dormitório pra roubar nossos doces, mas quando tentei fazer o mesmo a escada ficou plana e desci escorregando, foi divertido.

- Muito divertido – Zari comemorou.

- Aparentemente – Ava se postou ao lado da irmã – Você não é confiável.

- Sem julgamento, irmã.

- Eu acho que além de um conceito arcaico, tambem é muito heteronormativo – Charlie reclamou – Qual é, nós existimos e também podemos fazer besteira.

Todos concordaram, mas deixaram o assunto de lado em detrimento de focar nos bebês; Amaya providenciou uma manta macia e eles colocaram os bebês sentados em círculo, devidamente apoiados em travesseiros, para observar sua interação. Sendo tão novos eles não fizeram mais do que balbuciar e tentar enfiar os pequenos pulsos em suas bocas, Sara ficou orgulhosa ao perceber que Ella havia dominado a façanha; Ava podia achar que não era uma habilidade válida, mas era impressionante e muito legal.

De alguma forma, aquele projeto foi responsável não apenas por dar uma lição sobre responsabilidade e dificuldade da paternidade, mas por uni-los de alguma forma. Até Kara e Lena se resolveram após passar os dias de babá do Duncan, e Sara tinha certeza que havia visto Lauren e Dinah se esgueirando juntas pra fora do Salão Principal após o jantar na noite passada; ela esperava que as duas se acertassem, Lauren realmente parecia gostar de Dinah, e já que grifinórios e sonserinos pareciam ter uma longa história... Bem, Sara tinha certeza que daria certo.

- Ei – Ava parou do seu lado e estendeu uma garrafa de cerveja amanteigada que Sara aceitou – Tudo bem?

- Obrigada e sim, está tudo bem.

- Você parecia bem longe daqui.

- Só pensando – Sara abriu a garrafa e tomou um gole – Só faltam três dias.

- Não paro de pensar nisso também.

Em um acordo tácito, não disseram mais uma palavra sobre o assunto, elas passariam pelo fim quando chegasse a hora. Não demorou muito para Nate interromper as conversas paralelas ao subir em uma cadeira pra chamar a atenção para si:

- Competição de troca de fraldas!!! – Nate gritou e levantou os braços – Como a pessoa mais confiável aqui, Ray você é o juiz.

Nora pegou Wendy nos braços e avisou que não faria aquilo, Alex também se negou, mas Sara tirou Ella do colo de Ava e a ergueu como se aceitasse o desafio.

- Eu topo – Charlie se aproximou do filho – Ele parece precisar de uma fralda limpa de qualquer jeito.

- Nyssa? – Nate perguntou.

- Não mesmo.

- Covarde – Sara disfarçou em um ataque de tosse.

- Mudei de ideia – Nyssa estreitou os olhos – Mexeu com a garota errada, Lance.

Ava e Amaya, que eram as melhores em feitiços, multiplicaram o trocador e o cesto de lixo para que cada um deles tivesse um; Ray se posicionou, assim como todos os outros, para assistir a competição e Sara deitou Ella no trocador.

- As regras são simples, vocês precisam tirar a fralda, limpar seu bebê e colocar uma fralda limpa – Ray anunciou – A fralda tem que ficar bem presa e vocês não podem usar magia.

Todos eles concordaram com as regras.

- Prepararem-se... Já!

Sara rapidamente abriu o zíper do macacão da filha e se autoparabenizou mentalmente por ter escolhido uma roupa fácil de tirar, ao seu lado Nyssa praguejava sobre como uma meia-calça não era nada prático em um bebê; Charlie gritou quando seu bebê resolveu fazer xixi nela e parecia ter uma ótima pontaria, Nate, por sua vez, mais balançava os braços e pulava do que fazia algum trabalho.

Ao seu redor os outros torciam aos berros, se controlando apenas para não assustar os bebês.

Com folga, Sara jogou a fralda suja no lixo e limpou Ella rapidamente antes de colocar uma fralda limpa; ela levantou o bebê para garantir que troca foi um sucesso.

- A vitória é da Sara! – Ray determinou – Parabéns!

- A grifinória manda! – Sara comemorou – Chupa essa, Nyssa!

- Eu teria ganhado... – Nyssa bufou em direção a Joss enquanto terminava de colocar uma fralda na filha – Se você não vestisse tantas coisas nela.

- Só porque você resolveu entrar em uma competição de troca de fraldas estúpida, não quer dizer que Bethany precise se vestir mal.

Disse Joss parecendo desafiar Nyssa ao pegar a filha nos braços, sem perder tempo Sara se aproximou da morena para falar baixinho para que só ela ouvisse.

- Como é não saber se quer beijar ela ou dar um soco nela?

- Me diz você.

- Ah, eu só quero beijar a Ava – Sara riu – E consegui. Dê um jeito de resolver isso.

O resto da tarde passou no mesmo clima descontraído, Sara permaneceu ao lado de Ava e mesmo Nyssa pareceu voltar aos bons termos com Joss, até parecia que elas também não estavam aos beijos por aí.

O clima acabou depois do jantar.

Ella se comportou bem e até aceitou ficar nos braços de Felicity durante o jantar, a loira da Corvinal até deu abóbora amassada para o bebê. Mas bastou levar a menina para o quarto para que Ella começasse a chorar e se contorcer como se estivesse sendo possuída por algo maligno, a pequena menina gritava muito mais alto do que suas mães achavam possível.

Sara e Ava fizeram de tudo, de tentar ninar o bebê até trocar sua fralda, deram um banho morno que pareceu ajudar um pouco, mas não adiantou muito; logo Ella estava gritando tão alto quando antes, Sara tentou balançar o bebê e até conjurou os anéis de fumaça colorido dos quais Ella tanto gostava. Ava tentou fazê-la dormir, deitou-a sobre seu peito e acariciou suas costas, sem sucesso. Ella parecia incomodada, como se estivesse com dor.

Horas mais tarde, o choro terminou da mesma forma como começou e Sara sentiu um cheiro que era definitivamente maligno saindo da fralda da menina.

- Droga – ela reclamou – Temos que rever tudo o que damos pra ela comer.

Ella se acalmou, mas nada de dormir nem mesmo no colo de Ava; as duas se revezaram para ninar o bebê madrugada a dentro, tentando todas as posições possíveis para tentar fazer Ele dormir. Nada.

Até que os movimentos se acalmaram e Ella ressonou tranquilamente nos braços de Sara.

- Sara – Ava sussurrou – Acho que ela dormiu.

- Hã? – Sara perguntou bobamente, estava meio que dormindo em pé há alguns minutos – Eu não sei onde guardar.

- Guardar o que?

- Onde eu guardo? – Sara perguntou novamente e deu uma volta ao redor de si mesma – Onde eu guardo?

- Se estiver falando do bebê, você coloca no berço.

- Ok...

Sara colocou Ella no berço e a cobriu, mal conseguia manter os olhos abertos àquela altura e se arrastou até a cama.

- Urgh – Ava gemeu – Sara você deitou em cima de mim!

- Muito confortável – Sara resmungou de volta – Posso ficar com você? É melhor com você.

Ava suspirou, mas se ajeitou para que Sara se acomodasse ao seu lado, o que queria dizer que elas praticamente precisaram se abraçar para caber no espaço estreito.

- Ava?

- Hum...

- Quando tudo isso acabar – disse Sara em um sussurro – Você vai a um encontro comigo?

Ava sorriu e beijou o rosto de Sara que parecia adormecida.

- É claro, Sara. Está marcado, o nosso primeiro encontro.

- Que ótimo, eu sempre quis te levar pra sair.

Não houve reposta, Ava se sentia muito cansada e estar abraçada à Sara era muito mais confortável do que ela estava disposta a admitir; ela caiu no sono antes e conseguir formular qualquer palavra, mas um sorriso singelo estampava seu rosto porque, bem, ela iria em um encontro com ninguém menos do que Sara Lance.


Notas Finais


E aí, o que acharam? Teremos um encontro Avalance? O projeto está chegando ao fim e logo os babys estarão indo embora :(

Por favor, comentem ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...