1. Spirit Fanfics >
  2. .prom - akalynn oneshot!i >
  3. .single

História .prom - akalynn oneshot!i - Capítulo 1


Escrita por: AK4LYE0N

Capítulo 1 - .single


Akali soltara um suspiro nervoso e passou a mão em seus cabelos, desta vez soltos, enquanto engolia a seco. Estava no intervalo das aulas nesse exato momento. Tremia, não sabia se era de frio ou de nervoso. Suas mãos suavam frio, estava tomando coragem para se aproximar de uma mesa onde Evelynn e suas amigas estavam sentadas aproveitando o curto período de descanso degustando de um doce suco de morango.

Acontece que em algumas semanas ocorreria o famigerado baile de formatura, o evento tão aguardado por todos os alunos do último ano do ensino médio. Os alunos estavam empolgados, já estavam planejando aquele baile desde a metade do ano. Akali estava nervosa justamente pelo fato de que queria convidar Evelynn para ser seu par no baile, mas não tinha coragem. 

Apesar de já se conhecerem desde o início do ensino médio, de terem feitos trabalhos da escola como uma dupla, e de jogarem conversa fora vez ou outra, a de cabelos escuros sentia certo medo. Medo de encarar a realidade fria e a rejeição dolorosa talvez. Evelynn provavelmente já havia encontrado alguém para ser seu par e, também, Akali não via motivos para a garota mais linda da escola —ao menos ao seu ver— sair com alguém como sua pessoa. Mas mesmo assim ainda queria tentar convida-la, afinal a esperança é a última que morre, não?

Momentaneamente viajou em seus pensamentos, imaginando como seria aquele baile se Evelynn aceitasse seu convite. Estava sonhando acordada imaginando cenas bobas das duas dançando juntas com alguma música lenta tocando ao fundo.

Infelizmente, quando acordou para a realidade, notou que um aluno qualquer já havia se aproximado da mesa onde Evelynn estava. Cerrou os punhos, rangendo os dentes enquanto se mantinha no lugar que estava; perto suficiente para ouvir o garoto convidando a platinada para ir consigo ao baile. 

Seu coração acelerado perdeu as esperanças, estava frustrada por ter sido tão lerda, magoada consigo mesma por ser uma tola e hesitar numa situação como aquela. Pensou em voltar para a sala logo, não queria que alguém a visse com essa feição de choro frustrado.

Ironicamente no mesmo momento em que pensou isso, Evelynn olhou em sua direção, como se pudesse ouvir todos os seus pensamentos. A platinada arqueou as sobrancelhas, assustando Akali, a última citada arregalou os olhos e saiu correndo de volta para a sala imediatamente.  

"Você é uma idiota." pensou consigo mesma, soltando um suspiro pesado enquanto enxugada os olhos com a manga da blusa.

Não tardou muito até uma Evelynn curiosa aparecer na sala vazia onde havia apenas uma Akali de cabeça baixa e um bico trêmulo nos lábios finos.

— Kali, está tudo bem?— a voz da mais velha fez com que a garota se arrepiasse por inteiro e levantasse a cabeça com um sorriso amarelo. 

— 'Tá tudo ótimo! Por que a pergunta?!— seu tom de voz forçado dedurou o que sentia, Evelynn quis rir da mais nova mas isso seria muito insensível de sua parte.

— Porque eu vi o jeito que você estava olhando para mim ali fora. Tem algo te incomodando!— exclamou ao que se aproximava de Akali, cerrando os olhos. — Eu te conheço, Akali, pode ir contando o que aconteceu!— praticamente ordenou.

— Por que você tem que ser assim? Que saco!— exclamou enquanto cruzava os braços e bufava zangada. Acabou por sorrir involuntariamente quando ouviu a risada contagiante de Evelynn. Ela de fato lhe conhecia muito bem. — É algo bobo, você só vai rir mais de mim.— virou o rosto, encarando um canto qualquer.

— Bom, eu tenho o dia todo para lhe ouvir.— dito isso, sentou-se na mesa da mais alta e cruzou as pernas, com um sorriso convincente ao rosto.

Akali bufou novamente, revirando os olhos.

— Eu só estava pensando em te chamar pro baile, mas parece que alguém chamou primeiro.— deu de ombros, como se não fosse nada.

— Akali, paixão, muitas pessoas já me chamaram para o baile.— comentou enquanto soltava uma risadinha soprada. — E mesmo tendo recebido vários convites, eu recusei todos.— deu de ombros. — Eu acho que o motivo está bem óbvio, não acha, querida?

— E-eu... Não sei o que dizer sobre isso.— balbuciou nervosa, sentindo o rosto queimando ao passo que seu olhar se prendia no de Evelynn. 

— Então eu vou tentar deixar mais claro.— dizia as palavras lentamente de forma extremamente atraente e encantadora aos olhos de Akali. — Você aceitaria ir ao baile de formatura comigo, Akali Jhomen?— dissera em uma entonação mais baixa, como se estivesse ligeiramente tímida pela própria pergunta.

— Claro que sim! Sem dúvidas!— exclamou logo em cima da fala anterior da mais velha, repentinamente empolgada e alegre. — Nem acredito que isso está acontecendo, parece um sonho.

Evelynn pendeu a cabeça para trás, com os olhos fechados, então permitiu com que uma gargalhada abandonasse seus lábios.

— Significa tanto para você ir ao baile comigo?!— indagou ao que cessava a risada, Akali era adorável.

— Uhum!— murmurou, surpreendendo Evelynn com sua resposta.

— Você é mesmo uma fofurinha!— exclamou risonha, apertando as bochechas da mais nova, essa que cruzou os braços e negou enquanto adquiria uma careta ao rosto. Evelynn riu mais uma vez, fazendo Akali sorrir com o ato. — Vou aguardar ansiosamente para o dia do baile. 

— Eu também...— murmurou abobada, soltando um suspiro involuntário enquanto sorria e recebia carinho nas bochechas, precisamente no local onde a platinada havia apertado anteriormente.

[...]

Com o passar dos dias, qualquer um pôde notar a felicidade e empolgação de Akali, fosse por gestos, ações e até mesmo feições. A garota estava até mesmo fazendo as lições de casa solicitadas; coisa que não fazia nem que lhe pagassem.

Nesse exato momento se encontrava com um enorme sorriso no rosto enquanto arrumava sua gravata borboleta, encarando o próprio reflexo no espelho enorme de seu quarto. 

— Você vai com isso aí?!— sua mãe indagou assim que entrou no quarto, com uma careta no rosto. 

— Não gostou do blazer?!— respondera com outra pergunta, arrancando uma risada da mais velha.

— Suas roupas estão lindas, combinam com você, só não entendi porque você está usando um All star... Verde ainda.— gargalhou, fazendo a filha adquirir uma carranca ao rosto. 

— Deixa meu All star!— dissera emburrada. — Preciso ir logo, vou me atrasar! Prometi buscar Eve antes das oito e meia...— dito isso, passou as mãos sobre seus cabelos presos em um rabo de cabalo espetado e levemente armado, o que sempre usava, e posteriormente deixou um beijo estalado na bochecha de sua mãe antes de sair correndo.

— Querida, espere!— sua mãe gritou, fazendo com que a mais nova parasse de imediato. — Não é nada, só ia dizer que você está mais gay do que o normal com essas roupas.

— Bobona!— mostrou a língua, gargalhando junto de sua progenitora. Após isso, pôde ouvir um "aproveite bem o baile" enquanto saía de sua casa.

O vento soprava frio contra seu corpo, por isso desistiu de ir de moto. Pediu permissão para usar o carro de seu pai, o mesmo aceitou mas implorou que cuidasse bem dele. Akali o faria, sempre era cautelosa com as coisas de seu pai.

Entrou no veículo e apressou-se em correr para o prédio onde Evelynn morava. Suas mãos apertaram o volante, estava trêmula; nervosa até demais. Ligou o rádio, uma música dos anos 60 tocava; serviu de distração, gostava do ritmo da música, e a letra de “If i fell”

Quando chegou na frente do local, antes mesmo que pudesse sacar o celular para mandar uma mensagem para sua acompanhante, notou que ela estava se aproximando em passos cuidadosos por estar de salto. Trajava um vestido preto lindo que dava destaque em sua pele clara e valorizava suas curvas mais perfeitas. 

Boquiaberta. Akali estava boquiaberta. Evelynn havia ultrapassado os limites da perfeição naquela noite.

— O-oi.— balbuciou meio boba quando a mais velha entrou no carro, recebendo um beijinho na bochecha seguido de um cumprimento rápido. — Você está linda.— murmurou encantada. Seus olhos estavam brilhando, sentia-se privilegiada por saber que poderia observar Evelynn de perto por grande parte da noite.

— Obrigada, querida, você também está linda.— dissera numa entonação tranquila, que havia mexido de forma tão drástica com o pobre coração de Akali.

A mais nova não hesitou em acelerar o carro e ir para o endereço onde a festa estava ocorrendo. Seu estômago revirava, mas se esforçou para esconder o nervosismo e não deixar nada aparente.

— Não sabia que gostava dos Beatles.— comentou a mais velha, afim de puxar assunto. A melodia já estava no fim, mas mesmo assim Evelynn os reconheceu sem dificuldade.

— A-ah, isso não é nada! N-na verdade eu nem sei porque deixei nessa música.— apressou-se em dizer, envergonhada, mudando de rádio quase que de imediato. Talvez estivesse constrangida pelo fato de parte de seu gosto musical ser semelhante ao de um idoso de sessenta anos.

— Qual o problema?!— indagou um tanto curiosa. Arqueou as sobrancelhas. Tomou liberdade para voltar na rádio anterior. — Eu adoro eles!

Akali sorriu abobada, estava se sentindo mais segura agora. Haviam diversas coisas que não sabiam uma sobre a outra, e aquela noite era a ocasião perfeita para poderem aproveitar quanto a isso. Afinal não estavam na escola, não estavam indo fazer nenhum trabalho, estavam prestes a se divertir, mesmo que não fosse do jeito que estavam imaginando.

O carro apesar de ter um modelo mais antigo, era confortável e aconchegante. Estava quente lá dentro, com uma música gostosa de ouvir e um ambiente calmo. Estava perfeito.

A princípio Akali pensou que seria difícil encontrar a residência onde o baile estava ocorrendo, mas foi praticamente impossível não encontrar quando já havia diversos adolescentes se drogando no lado de fora de um enorme salão de festas.

— Acho que é aqui.— dissera a mais nova enquanto observava as pessoas do lado de fora.

— Tenho certeza.— Evelynn riu, sendo acompanhada pela mais nova.

Desceram do carro e começaram a andar rumo dentro do salão, já era possível ouvir uma música alta e animada tocando, junto de diversas pessoas cantando.

Sentiu os dedos de Evelynn se entrelaçando nos seus, isso foi o suficiente para prender a respiração involuntariamente.

Mal adentraram o lugar e já estavam dançando de acordo com o ritmo agitado. Evelynn perguntou se Akali gostaria de beber algo, alegando que iria pegar um coquetel para si, mas a mais nova negou e disse que não podia beber. De fato, não podia mesmo, afinal havia assumido a responsabilidade de cuidar do carro de seu pai. Não se perdoaria caso algo acontecesse com o automóvel.

A música alta não permitia que conversassem muito, e quando tentavam o fazer acabavam por precisar gritar até demais.

Algumas pessoas acabavam esbarrando nas duas hora ou outra, mas não era nada que fosse impedi-las de se divertirem.

Akali ficava de olho nas mesas onde estava sendo servido todo tipo de aperitivo, colocando diversos na boca ao mesmo tempo. Evelynn riu, estava sendo fofo.

O grandioso momento em que uma música lenta começou a tocar veio a acontecer, demorou um pouco mas aconteceu. Naquela hora todos estavam acompanhados de seus pares, dançando grudados um no outro ao que davam passos lentos e calmos.

Akali sentiu as pernas fraquejando quando Evelynn escorou o rosto na curvatura de seu ombro, juntamente da mão leve repousando em seu peito. Fechou os olhos afim de tentar controlar as batidas de seu coração. Tinha certeza de que a platinada conseguia as ouvir perfeitamente agora, isso lhe deixava aflita.

Houvera certo momento em que Evelynn veio a pisar em falso e, por isso, torceu o pé de forma dolorosa. Só não havia caído pois Akali havia lhe segurado.

— Quer ir lá pra fora? A gente pode procurar um lugar pra você sentar.— sugeriu Akali com um olhar preocupado sobre a mais velha, essa que assentiu positivamente ao que soltava pequenos grunhidos de dor.

“Sua otária, pega ela no colo!” martelava em sua cabeça, mas não era capaz de fazer tal ação. Além do medo de derrubar a platinada, também não sabia se a mesma gostaria da ideia de ser carregada, e estava com vergonha demais para perguntar sobre. Por isso optou apenas ajuda-la dando apoio, segurando cautelosamente seu corpo.

Quando chegaram ao lado de fora, parecia que ainda havia mais gente. Nenhum lugar sequer disponível para a mais velha se sentar.

— Ei, Evelynn!— um garoto dissera com a voz embolada, parecia alterado. — Você recusou meu convite para vir ao baile só para ir ao lado dessa garota estranha?!— indagou, rindo enquanto apontava para Akali. — Olha só para ela, fala sério ela é ridícula.

Evelynn notou que a morena havia encolhido os ombros, claramente incomodada com a situação. Sentiu seu coração se partir em dois, mas também sentiu raiva.

— O único ridículo entre nós três é você.— diz enquanto passa a mão pelo ombro de Akali. — Sua situação é deplorável, a melhor coisa que eu fiz foi recusar vir nesse baile com você.

Antes de deixar o rapaz continuar com a fala, se esforçou para puxar Akali para longe dali.

— Ignore tudo o que ele disse. Aquele tipo de gente não merece sua atenção, meu amor.— acariciou o rosto da garota em sua frente. — Você também já cansou de ficar aqui?! Estava muito bom, mas enjoei um pouco...— recebeu um aceno positivo, Akali estava com os pés doendo. — A gente podia ir pra outro lugar, não?! Já está ficando meio tarde, mas eu ainda queria aproveitar mais com você, especialmente hoje.

— Eu topo.— murmurou sem graça, deixando um sorriso bobo desabrochar de seus lábios. — Você já subiu no topo do pequeno morro que fica ao lado da cidade?!— a platinada negou. — Eu costumava ir lá com os meus pais, não é tão longe daqui, a gente podia ir!! Dá para ver as estrelas de lá!

— Eu adoraria ir com você.— foi o que disse antes de irem para o carro de forma apressada por conta do vento frio.

Durante o percurso o rádio permanecera ligado, cantavam juntas algumas músicas que reconheciam e discutiam sobre estilos musicais. Akali já se sentia mil vezes mais confortável ao lado da mais velha, sua companhia prazerosa deixava Akali sorridente.

Evelynn tirou seus saltos, dizendo que já não aguentava mais os usar enquanto reclamava que eles apertavam um pouco.

A estrada era levemente assustadora de noite, mas Akali já estava acostumada com ela e sabia perfeitamente o caminho que deveria seguir.

Assim que chegaram no topo do morro, a morena escolheu um lugar estratégico para estacionar o carro. Um lugar onde podiam apreciar a vista da cidade, da enorme lua cheia e das estrelas brilhantes, tudo isso de dentro do carro. Afinal sair lá fora seria pedir para morrer de hipotermia.

Ficaram alí por pelo menos quinze minutos, em total silêncio, apenas era possível ouvir a música tocando. Observavam a paisagem bela com atenção.

“Tem como essa noite melhorar?!” Akali se perguntava enquanto mordia os lábios afim de conter mais e mais sorrisos.

Evelynn sugeriu que fossem para o banco de trás, julgando que lá era mais espaçoso e confortável. Akali concordou. Quando abriram as portas do carro, correram desesperadas para o banco de trás, gargalhando uma da outra quando se fecharam novamente no carro. Estava muito, muito, muito frio; especialmente no topo do morro.

— Ed Sheeran?!— Evelynn indagou assim que uma música lenta começou a tocar.

— Você não gosta?! Se quiser eu posso mudar e-

— Deixa de ser boba, Akali!— exclamou, interrompendo a morena que se calou.

Estava planejando voltar a encarar o céu estrelado. Mas em vez disso, se deixou levar e abraçou a mais nova, se escondendo entre seus braços e tomando a liberdade de poder saber como é se afundar em seu peito. Fechou os olhos, inalando o aroma doce e intenso do perfume da garota.

Pôde sentir o coração de Akali se acelerando cada vez mais, junto dos braços trêmulos da garota cercando seu corpo.

Estar aninhada no corpo quente da morena era um privilégio incrível, gostaria de ficar alí até o amanhecer, de pudesse.

— Sabe, Kali...— iniciou, levantando o rosto para que encarasse a morena nos olhos. — Essa definitivamente não foi a noite que eu estava esperando.— comentou, fazendo Akali se preocupar pela fala. Quando percebeu isso, soltou uma risadinha arrastada e aproximou seus rostos até seus narizes se tocarem suavemente. — Ela com certeza foi mil vezes melhor.... Graças a você.— sussurrou, levando as mãos até a gola do blazer alheio. Posteriormente, roubou-lhe um selinho demorado e carinhoso. — Obrigada por hoje, Akali.

Dito isso, fechou os olhos preguiçosamente e tomou liberdade para iniciar um ósculo de verdade. Moveu os lábios com calma, a morena parecia estar desnorteada. Sua tremedeira repentinamente parou, quando teve os lábios da mais velha grudados ao seus, jurou estar sonhando, pois era bom demais para ser real.

Sentiu-se nas nuvens, queria continuar com aquela troca de carinho até não poder mais. Queria morar no selar doce e calmo de e Evelynn. Seu coração já parecia mais calmo, porém batia forte, aparentava sorrir de maneira radiante.

Os estalar dos lábios uns nos outros era como uma melodia incrível jamais ouvida em lugar algum, algo que apenas elas podiam ouvir, isso fazia Akali pensar naquele momento como único e especial.

Separaram-se ligeiramente ofegantes após finalizarem o beijo com alguns selinhos demorados e carinhosos.

Depois disso, a morena deitou no banco e Evelynn se deitou por cima. Entrelaçaram os dedos de suas destras e fecharam os olhos. Akali usou sua mão livre para ficar penteando os fios platinados levemente bagunçados da mais velha enquanto descansavam.

Ali, naquele momento, apenas queriam aproveitar a presença uma da outra; do jeitinho que estavam fazendo. Sem se preocupar com o amanhã, com as broncas que provavelmente levariam de seus pais ou com o fato de que provavelmente iriam levantar com dores musculares por não ser um lugar apropriado para se deitar.

[...]


Notas Finais


Que sdd que eu tava de postar merda D:


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...