História Prom - Capítulo 2


Escrita por:

Visualizações 43
Palavras 3.127
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


— opa, tudo bom? voltei hihihi
atualizei cheerleader e estou aqui para atualizar prom.

▪︎primeiro quero agradecer por todos os favoritos e todos os comentários, vocês são incríveis. obrigada mesmo, eu estou completamente animada com essa fanfic.

▪︎espero que gostem do capítulo de hoje. teve bastante mudança de horário, mas eu tive que fazer isso para no próximo capítulo ser as audições.

boa leitura ♡
— xoxo, vic

Capítulo 2 - Capítulo dois


Molly Evans

02:45 A.M

Mexia meus quadris acompanhando o ritmo da música que estourava dentro daquela enorme casa. Meu corpo se movia sozinho. O suor em meu corpo, grudando ainda mais aquela roupa que estava usando. Bianca se enroscava com um garoto na pista de dança e eu apenas me deixava levar. 

Depois de alguns minutos, o cansaço era nítido em meu rosto. — Vou pegar uma bebida. — Avisei a minha amiga e ela apenas assentiu. Dei de ombros e comecei a empurrar aquela multidão de corpos a minha frente, para abrir caminho. 

Sentei em um banco que tinha em frente ao bar – sim, tinha um pequeno bar na casa de Ryan. – e fiquei batucando com meus dedos na madeira do balcão. Cruzei as pernas e sorri quando Chaz se virou para mim. 

— Molly Evans, quem te viu, quem te vê. — Fez um toque comigo e eu soltei uma risada. — O que você está fazendo aqui? — Perguntou enquanto preparava uma bebida. 

— Bom, eu fui forçada a vir. — Ele levantou uma sobrancelha. — Bianca! — Falamos juntos e depois soltei uma risada. — Pois é, eu até tentei passar a perna nela, mas não foi possível. — Dei de ombros. — E cá estou eu. Sentada num banco, pedindo uma bebida e dançando como se não tivesse aula amanhã. — Bufei e Chaz colocou um copo na minha frente. Franzi o cenho. 

— Prova, você vai gostar. — Balancei a cabeça e beberiquei. Assim que engoli, senti a bebida arranhando minha garganta e fiz uma careta, recebendo uma risada alta de resposta, mas até que era gostoso. — Gostou? — Perguntou e eu balancei a mão em sinal de mais ou menos. — Ok! Agora... — Fora interrompido. 

Pelo visto as pessoas gostam de interromper as outras. Uma pura falta de educação. 

— Somers! — Ouvi a voz de Justin e revirei os olhos, vendo Chaz me olhar com o cenho franzido. — Vê a de sempre. — Ele disse como se o moreno a minha frente fosse um barman a anos. — Evans... — Direcionou o olhar e a palavra a mim, me martirizando por não ter saído antes. 

Girei meu corpo em cima daquele banco, ficando em sua direção e levantei uma sobrancelha. — Bieber... — Abri um sorriso irônico. — Lembrou meu nome agora? — Levantei uma sobrancelha, vendo seu sorriso debochado em seu rosto desmanchar. 

Chaz colocou uma cerveja em cima do balcão e olhou para a gente. — E ai, quando que vamos marcar um cinema como nos velhos tempos? — Franzi o cenho e o olhei assustada. Bieber fez sinal para ele parar de falar. 

— Acho que isso não será possível. — Dei de ombros e ele não entendeu nada. — Acho que o mínimo para você sair com alguém é lembrar o nome dela, mas nem isso o Bieber sabe fazer. — Espremi os lábios e levantei as sobrancelhas e saí do banco. — Obrigada pela conversa, Chaz. Se você quiser marcar um cinema apenas eu e você, eu topo. — Lancei um beijinho no ar e girei meus calcanhares, sentindo minhas pernas bambas e tentando entender de onde eu tirei tanta coragem para falar essas coisas na cara de Justin. 

Meu coração estava acelerado e minha respiração ofegante. Fechei os olhos por um segundo e respirei fundo, tentando me acalmar. Direcionei-me as escadas e procurei pelo banheiro, notando uma pequena fila. Bufei e encostei minhas costas na parede, cruzando os braços. 

Olhei para cima e fechei os olhos, tentando controlar minha respiração e meus batimentos cardíacos. Eu nunca tivera tanta coragem para falar de tal forma com Bieber como tive hoje e isso me deixa um pouco orgulhosa, mas nervosa também. 

Senti alguém em minha frente e abri os olhos, me deparando com o dono daqueles olhos caramelados. Revirei os olhos e virei para frente. 

— Me ignorando duas vezes seguidas em uma festa, Evans? Tá ai um novo record. — Abriu um sorriso sarcástico e eu voltei a revirar os olhos. — O que você fez na pista de dança é uma falta de educação. Uma pessoa te elogia e você simplesmente sai andando? Como se nada tivesse acontecido? — Negou com a cabeça, fazendo um barulhinho com a boca. 

Ele estava me irritando. — É que assim, Justin. Normalmente a gente elogia quem a gente conhece. A gente conversa com quem a gente conhece. A gente brinca com quem a gente conhece e não é isso que você vem me mostrando ao longo desses anos. — Levantei os ombros, dando um passo para frente vendo que a fila andou. — Se você veio para me importunar e me provar mais uma vez que eu não existo para você, por favor. Peço que me deixe em paz. — Apontei para a escada e ele riu. Franzi o cenho. — Ok, se você não vai sair, deixa que eu saio. — Obriguei minhas pernas a se movimentarem para longe dele, mas seu braço me impediu. 

— Para com isso! — Olhou dentro dos meus olhos, me causando um arrepio. 

— Parar com o que Justin? Quem tem que parar com essa merda de "não conheço ela" é você! — Aumentei meu tom de voz e soltei meu braço de seu aperto. — Aí depois vem querer me elogiar numa festa. — Gesticulava com os braços e ele me olhava fixamente. Soltei uma lufada de ar e virei as costas para ele, descendo as escadas.

Procurei por Bianca, mas não a achei. Dei de ombros e peguei minha bolsa, que estava dentro de um armário na cozinha, que eu tinha escondido – não me pergunte o porquê. –  e corri para fora da casa, chamando um táxi. 

TERÇA-FEIRA

06:45 A.M

Ouvi o telefone ao meu lado gritando e uma pressão enorme em minha cabeça. Eu tinha dormido apenas duas horas. Resmunguei e levantei da cama, indo em direção ao banheiro. Abri a ducha e me despi, entrando no box. Senti a água cair sobre meu corpo e fechei os olhos, na vontade de voltar a dormir. 

Minha mãe gritou do andar de baixo e eu bufei. Desliguei o chuveiro e comecei a me secar. O clima em Salt Lake estava bem nublado e com uns ventos frios, então decidi por alguma roupa mais quentinha. 

Peguei uma calça jeans preta, um casaquinho branco. Nos pés meu adidas branco que eu não largo ele por nada. Dei uma olhada no estado do meu cabelo e dei uma leve penteada. Assim que já estava pronta, peguei minha mochila e meu celular, descendo as escadas e encontrando Mike e meus pais na cozinha. Franzi o cenho ao ver meu irmão. 

— Pensei que estava dormindo. — Disse, sentando na mesa e pegando um copo para tomar meu suco. 

— Bom dia pra você também, Molly. — Meu pai abaixou o jornal em sua mão e olhou para meu rosto. Enguli o suco e abri um sorriso fraco. 

— Desculpa! Bom dia, pessoal. — Sorri e eles me retribuiram. Mike não disse nada até o momento e eu não estava entendendo nada. Dei de ombros e subi para meu quarto para escovar os dentes. 

Terminei tudo e encontrei com meu irmão me esperando dentro do carro. Não falei nada durante todo o percurso até o colégio. Algumas gotas de chuva caíam sobre o vidro do carro. Avistei o colégio e resmunguei, eu só queria dormir. 

Assim que meu irmão estacionou o carro, ele se preparou para descer, mas o impedi. — O que foi que aconteceu? — Perguntei e ele forçou os olhos, franzi o cenho. 

— Não grita! — Disse fraco, colocando a mão na cabeça e eu entendi, ele estava de ressaca, por isso não falou nada. — Eu estou com uma ressaca fudida. — Fechou os olhos, resmungando alguns palavrões. Soltei uma risada e assenti. 

— Ok, eu vou procurar um remédio para você e te dou na hora do intervalo. — O sinal tocou e ele pulou dentro do carro, me fazendo rir mais ainda. Mike me fuzilou com os olhos e eu levantei as mãos, em forma de rendição. 

Saí do carro rindo e segui em direção à meu armário, encontrando Bianca encostada no mesmo com uns óculos escuro ridículos e seu cabelo completamente bagunçado. Franzi o cenho, com os lábios espremidos, segurando a risada. 

— Não pergunta. — Tirou os óculos, mostrando suas olheiras enormes. — Eu to morta! — Perguntou e eu assenti, abrindo meu armário. — Só sei que ontem foi muito bom. — Jogou seu corpo no armário e soltou um suspiro alto. — Beijei muito! — Mordeu os lábios e eu a olhei. 

— Quem? — Perguntei e ela fez um sinal de "sh" para que eu parasse de falar. — Jura, Bianca? Você não vai me contar? — Perguntei e ela revirou os olhos. 

— É que eu não lembro direito quais foram. — Eu arregalei os olhos e ela soltou uma risada alta, fechei o armário com força, fazendo a mesma pressionar os olhos e por a mão na cabeça. — Molly! — Gritou e eu levantei os ombros. Começando a andar em direção a sala. 

— Ok, quantas pessoas foram?

— Duas ou três. Só! — Dei de ombros, ela tinha todo o direito e pegar quantos ela quiser. — Só sei que um deles foi o Chris. — Soltou e eu parei de andar na hora, abrindo a boca de surpresa. Soltei um pulinho e ia começar a gritar, quando ela colocou a mão em minha boca. — Não. Começa. — Disse pausadamente e eu assenti, retomando minha postura. 

— Você ficou com Christian Beadles? O garoto por quem você é apaixonada desde o ensino fundamental? Como foi? Ele disse alguma coisa pra você? Meu Deus! — Soltei em disparada e ela ficou com a cara emburrada. Respirei fundo. 

— Sim. Sim. Foi bom demais e ele disse que queria um replay da noite. — Pulamos juntas e soltamo um gritinho, atraindo atenção de algumas pessoas a nossa volta. — Depois te conto com detalhes. — Parei em frente a minha sala e assenti, lhe dando um abraço e indo em direção a minha cadeira.

Que ótimo, minha aula de hoje era na mesma sala que o casal chernobyl. Bufei e abaixei a cabeça, na esperança do professor não perceber, mas falhei. A diretora Murillo entrou na sala. 

— Bom dia, meus alunos. — A turma respondeu. — Estou aqui para avisar que as audições foram alteradas para amanhã. Espero que todos participem. — Arregalei os olhos. Tão em cima? — Sei que ficou muito em cima, mas tivemos um problema por conta dos treinos de basquete e tivemos que remarcar a data. Será amanhã, às 14h da tarde no auditório. — Ela terminou de falar e saiu da sala.

Olhei para trás, sentindo um olhar queimar em minhas costas, cruzando com Bieber. Franzi o cenho e ele apontou para o seu telefone, me fazendo bufar. 

Senti o mesmo vibrar em meu bolso e o peguei:

Bieber: Eu não esqueci você!

Bieber: É que as coisas acabaram saindo do controle. 

Bieber: Eu só quero que você me escute. 

Soltei uma risada e bloqueei o telefone, revirando os olhos. Eu acho incrível que de um dia para o outro ele querer puxar assunto comigo. Ele querer me explicar o inexplicável. Meus olhos arderam e eu me recusei a chorar por causa dele. Me recuso a ficar me matando por dentro por causa dele. 

Levantei da cadeira, pegando meus materiais na hora que o sinal indicando o final da longa aula de história acabou e eu saí depressa da sala. Encontrei Bianca me esperando e a puxei para uma mesa, eu precisava conversar com ela. 

— Justin veio falar comigo ontem. — Ela se engasgou com a sua água e arregalou os olhos. — Ele veio falar comigo como se nada tivesse acontecido e eu consegui tirar forças do além pra falar muita coisa para ele e hoje na sala me mandou umas mensagens. — Mostrei meu celular a ela, que estava com a cara de espanto até agora. 

Falei muito rápido e acabei ficando ofegante. — Ok. Vamos com calma. — Ela fez um gesto com a mão e logo em seguida as apoiou na mesa. Respirou fundo. — Será que ele quer recuperar o tempo perdido? — Perguntou e eu neguei. — Eu realmente não entendo ele. Como que em um dia ele finge que nem te conhece e agora vem cheio de papo para você? — Disse alterando seu tom de voz. — Tem alguma coisa estranha. — Apoiou seu rosto em sua mão. 

— Eu só queria entender o porque de isso tudo acontecer logo agora. — Abaixei a cabeça e encostei a mesma em meus braços cruzados. — Mudando de assunto, ficou sabendo que as audições vão ser amanhã? — Perguntei e ela assentiu, indignada. 

— Eu preciso de mais tempo para me preparar e ser a Sharpay Evans mais deslumbrante desse mundo. — Disse, jogando seu cabelo para o alto e levantando os braços. Abri um sorriso e neguei com a cabeça. — E você se preparar para ser a Gabriella Montez mais incrível desse mundo. — Apontou para mim e eu neguei. É claro que eu não ia conseguir o papel de protagonista. 

Ela me olhou com a cara emburrada e eu levantei os ombros. — B, você sabe que eu não consigo me sair bem quando eu sou o centro das atenções. — Disse e recebi um tapinha no ombro como resposta. — Ai! — Coloquei a mão no local atingido e a fuminei. 

— Você tem que parar com essa sua timidez, você tem um talento lindo. Sua voz é incrível, eu sei bem que você adora atuar. — Cruzou os braços e elevou uma sobrancelha me encarando. Espremi os lábios. — Você vai parar com essa sua negatividade, vai entrar naquele auditório e vai mostrar a todos que você é capaz sim de ser uma protagonista de um show. — Me encorajou e abriu um sorriso confortante, sendo retribuída por mim. 

Ela pegou em minha mão em cima da mesa. — Tá bom! — Ela comemorou e abriu um sorriso enorme.

7:43 P.M

Desliguei a televisão por perceber que não tinha nada de legal passando na mesma. Peguei meu celular em cima da cama e procurei a música que teria que cantar na audição amanhã. Respirei fundo, abri a letra e comecei a cantarolar. 

We're soarin', flyin'
There's not a star in heaven
That we can't reach

If we're trying
So breaking free

Retomei minha respiração e me preparei para o próximo verso. Fechei os olhos. 

You know the world can see us
In a way that's different than who we are

Alguém abriu a porta do meu quarto e eu parei de cantar no mesmo momento. 

— Por que você parou de cantar? Sua voz é linda! — Mike disse e eu soltei minha respiração que eu nem percebi que estava prendendo. — Está treinando pras audições? — Assenti e ele abriu um sorriso, sentando ao meu lado. 

— Vou tentar o papel da Gabriella — dei uma pausa. —, mesmo sabendo que não vou conseguir, mas Bianca está me pressionando. — Ele ajeitou uma mecha de meu cabelo e a colocou atrás da minha orelha. Sorri. 

— Ela tem razão, pirralha. — O fuzilei. — Você tem um talento incrível, tanto como cantora quanto como atriz. Eu já ouvi você cantando as músicas desses clássicos que você gosta na televisão e quão feliz fica quando canta. — Disse e colocou suas mãos em meus ombros, olhando no fundo de meus olhos. — Eu vou estar no auditório amanhã e tenho certeza que você vai ser a melhor Gabriella Montez daquele colégio, tá bom? — Abriu um sorriso e eu o retribui. 

— Tá bom! — Respirei fundo, fechei os olhos e tentei controlar minha ansiedade e meu nervosismo. — Vou continuar treinando. — Disse e ele assentiu, deitando na cama, o olhei. — Mike? — Ele franziu o cenho. — Licença! — Disse e ele riu, revirando os olhos. 

— Não! Eu quero ouvir. — Colocou seu braço atrás de sua cabeça e abrindo um sorriso sacana. 

Bufei e me dei por vencida. Procurando a música novamente e lendo cada verso com cuidado. 

Creating space between us 

'Till we're separate hearts

But your faith it gives me strength

Strength to believe

We're breakin' free

We're soarin'

Flyin'

There's not a star in heaven

That we can't reach

Parei de cantar e neguei com a cabeça. Aquilo estava horrível. Joguei meu corpo para trás e pus as mãos no rosto. 

— Eu sou péssima! — Mike bufou e se levantou. 

— Molly, você consegue tirar a paciência até da pessoa mais paciente do mundo. — Bagunçou os cabelos em sinal de nervos. — Você não tem noção do quão boa é. Você tem uma voz linda. — Tirei as mãos do rosto e bufei. — Não tenho nem mais o que falar para você, ainda mais quando eu sei que não vai mudar nada na sua cabeça. Você quem tem que começar a achar isso. — Mike daria muito bem como psicólogo, ele sempre tem os melhores conselhos. — Tenta de novo, fecha os olhos, pensa só em você e na música. — Estendeu as mãos e me levantou. Deixou um beijo em minha testa e saiu do quarto, me deixando sozinha. 

Bufei e fui a direção do banheiro, me olhando no espelho. — Eu consigo, eu quero, eu posso. — repeti três vezes e voltei para o quarto.

Terminei de cantar a música e respirei fundo. Ok, eu vou conseguir. Abri um sorriso e me preparei para deitar. As horas passaram rápidas demais. 

Eu sempre tive uma relação com Mike incrível, nunca tivemos um problema em si. Óbvio que já brigamos, mas nunca conseguimos ficar mais de um dia sem nos falar. Ele sempre teve um instinto de proteção, nunca deixou eu ter uma intimidade maior com os amigos dele e sempre disse que eles só falam comigo com segundas intenções. Eu nunca acreditei muito nisso, mas eu sou muito grata por ter ele comigo. Quando eu mais preciso, ele sempre está disposto a me ajudar e me dar ótimos conselhos.

Abri um sorriso lembrando de todos os momentos em que passamos juntos e deitei na cama, mexendo nas minhas redes sociais. Passando o feed, vi que Megan havia postado uma foto com Justin. Meu coração apertou, mas logo tratei de passar a foto.

Depois de um tempo, senti meus olhos pesarem e o sono vencer. Eu precisava dormir, eu estava cansada demais. Fui dormir com a foto que Megan postou e as audições em meus pensamentos.


Notas Finais


— e ai, gostaram? 🤧
espero que sim!

eu andei postando alguns spoilers da fanfic no meu twitter (@rossdefenses), se alguém quiser ir lá me dar um "oi".

enfim, agradecer de novo pelos comentários e os favoritos. vocês são incríveis.

até o próximo capítulo!
— xoxo, vic


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...