1. Spirit Fanfics >
  2. Prom dress; Kageyama Tobio >
  3. Capítulo único

História Prom dress; Kageyama Tobio - Capítulo 1


Escrita por: Hyungwon-aah

Notas do Autor


Olá, pessoal!
Hoje eu vim aqui com uma oneshot do meu favorito dos favortios de Haikyuu!
O nosso amado Kageyama Tobio
Espero que gostem ^^

Capítulo 1 - Capítulo único


“Eu tanho tantos pequenos arrependimentos

E tantos “e se” dentro da minha cabeça

Um pouco de confiança não me machucaria

Meu comportamento é frequentemente mal interpretado

 

Estou sentada aqui, chorando em meu vestido de formatura

Eu seria a rainha do baile, se chorar fosse um concurso

Maquiagem se derretendo, sentimentos estão por toda parte

Como eu vim parar aqui? Preciso saber” – Prom dress – mxmtoon

Aquele dia finalmente havia chegado. Sim. O grande dia esperado depois de três anos estudando sem parar, me estressando, chorando, rindo e todos os sentimentos possíveis para uma jovem de 17 anos. Sim, finalmente seria aquele dia. Minha formatura.

Passei meus últimos anos exausta. Estudava sem parar para ser uma adulta responsável e de sucesso. Estresse. Uma bela palavra para eu descrever meu estado emocional em boa parte daqueles dias. Uma menina estressada com a vida. Sabe o que era pior? Eu estudava todo dia, me acabava estudando, passava dias e noite acordadas revisando matéria, tudo para que eu fosse bem nos vestibulares. Já estava irritada só de imaginar alguém fazer aquela pergunta. Já sabem do que estou falando? Caso não saibam, esta é a maldita pergunta que fica em minha cabeça o dia inteiro: Já sabe o que vai prestar? Essa maldita pergunta. Uma “simples” pergunta que pode trazer expectativas boas ou olhares te repreendendo. Um “não sei” sempre foi uma resposta neutra. Uns achariam que está cedo demais para decidir, outros achariam que você simplesmente não seria nada e ouros apenas perderiam esperanças em você achando que é tarde demais para se decidir. E é por isso que eu a odeio. Os adultos não nos compreendem. Alguns até sim, mas grande parte deles não. Pois nós queremos formar em diversas áreas, mas a parte econômica piora em tudo. Quantas vezes eu já não quis dizer que queria me tornar uma cantora ou uma atriz ou qualquer outra coisa, mas não disse com medo de me olharem achando que sou doida ou com olhares de dó por ser iludida demais. Poxa. Medicina, engenharia e advocacia não são as únicas profissões no mundo. Só de me imaginar em um palco com várias pessoas me adorando e adorando as coisas que faço por prazer, um sorriso se cria em meu rosto. Mas infelizmente não é assim. Essa é a dura realidade.

Me lembro muito bem em uma noite. Aquela noite específica. A noite que me fez conhecer ele. Estava andando nas ruas estressada e desapontada. Certamente me haviam feito aquela pergunta, e não queria mais escutar sobre esse assunto. A noite calma e vazia, com uma pequena chuva acompanhando tudo. Andava calmamente pelas ruas desertas, não ligando para os olhares ou as pessoas na rua. Estava molhada, mas não ligava. Chuva sempre foi um fenômeno que sempre apreciei e me acalmava, até animava. Só estava gostando do momento. Eu, a chuva, a noite, a lua e meus fones de ouvido. Escutava a música, enquanto me movia conforme a melodia. Acho que isso é algo que funciona para todos. Música é algo incrível e que todos amam. Uma simples melodia pode mudar seu humor em poucos segundos, pelo menos, sempre foi assim comigo.

Tudo ia bem, até entrar na pracinha que estava passando por perto. Andava calmamente sem pensar em nada, até perceber que parei na frente de uma pessoa que chorava. Parecia ser de estatura alta, tinha cabelos pretos – escuros como a noite, mas que pareciam ser sedosos e macios, pele clara e roupas casuais (mais especificamente, uma calça jeans preta, uma blusa branca simples e uma jaqueta quadriculada azul por cima e um All Star preto). Estava em posição fetal embaixo de uma árvore. Suas roupas, assim como seu cabelo, se encontravam molhados, felizmente não ao ponto de estarem ensopadas. Olhava para o rapaz sem saber o que fazer. Não sabia o porquê ele chorava ou o que deveria falar, algo que sinceramente me deixou um pouco triste por não saber o que fazer. Como se fosse destino, ele me olhou, limpou suas lágrimas e disse:

Não precisa se preocupar comigo – sua voz era grossa, mas por conta do choro, era possível ver que estava trêmula.

Poderia ter o escutado, mas decidi fazer companhia a ele. Simplesmente esqueci da chuva e me sentei na grama ao seu lado. Apoiei minhas costas e cabeça no tronco da árvore e tirei um dos meus fones estendendo a ele. Ao ver meu gesto, pude ver que ele ficou estático e meio surpreso, mas após alguns segundos percebendo que eu não sairia dali, aceitou o fone e começou a me acompanhar. Ficamos uns bons minutos escutando Prom Dress de Mxmtoon. Eu a adorava. Sua melodia era alegre, mas a letra não. E sem perceber comecei a cantar, sendo acompanhada pelo homem.

Sua voz é bonita – essas foram as únicas palavras que saíram de minha boca, enquanto olhava para frente, vendo as gotas de chuva caírem – Desculpa, não sou a melhor pessoa para se dar conselhos ou algo do tipo, mas senti que precisava ficar do seu lado – soltei um pequeno riso anasalado e passei a olhá-lo – Sei que sou uma total estranha, mas se quiser se abrir comigo, estou aqui para escutá-lo. Entendo que a vida é bem complicada e é normal passar por momentos assim. Não sinta-se culpado por estar chorando na frente de alguém ou algo do tipo, ninguém é perfeito e não podemos nos segurar para sempre – olhei para o maior e limpei um pouco de suas lágrimas.

O outro me encarava sem responder nada. Sua face era surpresa. Aos poucos, uma pequena coloração avermelhada em suas bochechas foram aparecendo, junto a um leve sorriso. Ele parecia ser alguém machucado e tímido, talvez bem fechado. Então ver aquele sorriso, mesmo não o conhecendo, já me deixou de certa forma feliz. Ficamos a companhia um do outro, enquanto conversávamos sobre coisas aleatórias. Estava sendo uma ótima noite. Até dançamos na chuva de forma abobada e desajeitada. Risadas foram ouvidas. Éramos apenas dois jovens despreocupados com o mundo. Dois jovens só querendo viver o momento um com o outro, sem se preocupar com o amanhã ou algo do tipo. Dois jovens em seu próprio mundo. No fim, nos despedimos e nem citamos nossos nomes. Só sei que nunca esqueceria daquela noite e dele.

Aquela noite aconteceu a três anos atrás e eu nunca mais o vi. Às vezes, não era para acontecer. Só queria poder vê-lo novamente e perguntar se está tudo bem, além de saber o nome do homem que vive em minha mente quando estou escutando aquela música.

Depois de horas e horas, finalmente estava pronta. Maquiada, com o cabelo feito e vestida. Pronta para ter a minha formatura. Lembro de coo minhas amigas estavam animadas contando sobre suas roupas ou acompanhantes. Eu? Claro que não irei com ninguém. Tenho amigos sim que sei que aceitariam para não irem sozinhos ou para podemos aproveitar juntos, mas meus pensamentos de estar obrigando-os a irem junto, eram bem maiores. Então ir sozinha era a melhor opção. Minha família foi comigo a festa. Tudo estava lindo. Cheio de parabenizações e sorrisos. Estava até que me divertindo, mas nada muito novo sobre o sol. Meus parentes decidiram ir embora após o jantar e falaram que eu podia dormir na casa de alguma amiga, queriam que eu aproveitasse a noite. Porém, alguns minutos depois, senti algo molhado em meu rosto. Quando toquei em minha bochecha, estranhei. Lágrimas. Por que estava chorando? Será que era porque eu já me formei e não tenho como fugir da responsabilidade? E se eu não me tornar uma pessoa que querem que eu seja? E se eu falhar? E se eu decepcionar a todos?

Com tantos “e se” em minha mente, apenas corri para fora do local. Estava chovendo. Sentei-me nas escadas que tinha por ali e apenas desabei. Não ligava se me olhassem. Não ligava se me julgassem. Não fazia mínima ideia se minhas amigas e amigos estavam preocupados comigo. Do jeito que sou inútil, devem ter ficado aliviados que sai de lá. Eu sou uma inútil mes-

Sabe, uma amiga me falou que está tudo bem chorar. Não sou bom com as palavras e nem um bom conselheiro, mas tudo bem não estar bem. Ninguém é perfeito, então não precisa se preocupar e nem se sentir culpada se chorar ou se desabafar com alguém, não é bom nos segurarmos para sempre – aquela voz grossa que esperei tanto tempo para escutar se fez presente – Acho que nada melhor do que uma música, não acha, senhorita?

O homem agachado a minha frente levantou meu rosto e limpou minhas lágrimas. Seus olhos azuis escuros me hipnotizaram e apenas o abracei quando ele começou a colocar a nossa música. Aquela melodia se encaixava perfeitamente, e eu não pude fazer mais do que o apertar em meus braços enquanto chorava mais. Não fazia ideia de que veria ele hoje, neste estado em que me encontro e que ele ainda se lembraria de mim. Sentir seus braços envolta do meu corpo, me aqueciam da água gelada caindo sobre nós. Depois de me acalmar um pouco, me soltei aos poucos e sua mão se encaixou na lateral de minha face, fazendo um singelo carinho, o que me fez sorrir minimamente.

Você não faz ideia do quanto eu queria te encontrar – o moreno juntou sua testa com a minha e fechamos os nossos olhos.

E você não faz ideia do quanto eu estou feliz por te reencontrar – sorri enquanto colocava minhas mãos em sua face. Depois de alguns minutos naquela posição, nos separamos e ele estendeu sua mão para mim.

Aceita dançar comigo, senhorita? – seu sorriso estava mais lindo do que qualquer coisa que já havia visto.

Será uma honra para mim, senhor – coloquei minha mão sobre a sua e assim começamos a dançar ao som da melodia.

Prazer, meu nome é Tobio Kageyama – como se ele se lê minha mente, o homem misterioso nomeado Tobio me respondeu

Prazer, sou ___ Hanabusa, é um prazer te conhecer, Senhor Kageyama – disse enquanto o apreciava sorrindo.

Digo o mesmo, Senhorita Hanabusa, ou deveria dizer – se aproximou de minha orelha – Futura Senhora Kageyama.

No fim, ficamos na chuva. Dançamos. Cantamos. Sorrimos. Rimos. Gritamos. Nos divertimos. E foi aí que percebi que mesmo minha formatura não tenha sido como havia programado, ela foi muito melhor do que qualquer coisa no mundo. Pude conhecer o nome do homem misterioso e tive a melhor noite da minha vida. Quem sabe o que esperava para nós? A vida é complicada e quando parece que tudo está bem ela nos joga em um caminho totalmente novo e diferente. Mas mesmo entre tanto caos e confusão em minha vida. Eu pude o conhecer. Eu pude rever o homem que roubou o meu coração e quem sabe. Talvez. Somente talvez. Foi naquela noite chuvosa com dois jovens estressados e chorando que encontraram o amor. E foi na minha formatura que conheci meu futuro namorado, ou eu deveria dizer, meu futuro marido.


Notas Finais


Obrigado por terem lido até aqui!
Espero que tenham um ótimo dia e não se esqueçam de se hidratar, comer e descansar!
Beijinhos da Duda^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...