1. Spirit Fanfics >
  2. Prometida a Jeff the killer >
  3. Celas para quem?

História Prometida a Jeff the killer - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Oiiee!eu sei que alguns podem ficar com raiva então é melhor avisar a partir daqui
Por enquanto Jeff só vai aparecer o cap 8 ou 9,oi seja vai demorar um pouquinho para sabermos mais

Capítulo 5 - Celas para quem?


Fanfic / Fanfiction Prometida a Jeff the killer - Capítulo 5 - Celas para quem?

- Eu e seu pai temos assuntos inacabados - A voz dele ecoava o quarto inteiro seguida por uma risada maníaca...e outra...e outra

- Eu não tenho nada haver com os assuntos de meu pai - falei tentando me aproximar da porta sorrateiramente.Minhas pernas estavam totalmente bambas,não é de se esperar que meu corpo estava tremendo

- E se eu te dissesse que esse assunto inacabado é culpa sua ? - the killer revela algo interessante.Não conheço ele,então como eu seria culpada ?

- Como assim? - me aproximei mais da porta tentando colocar a mão na maçaneta.Aos poucos alcancei ela mas então percebi que aquilo não era a porta e nem a maçaneta.E sim um corpo gelado e ofegante

A respiração fria e pesada de Jeff the killer me fazia sentir arrepios dos pés a cabeça,seu corpo estava atrás de mim bloqueando a passagem da porta

Ele então se aproxima do meu ouvido respirando profundamente - Achou mesmo que ia chamar o papai e a mamãe garotinha? - ele posiciona uma faca contra meu pescoço e me segura fortemente

- Seu pai me deve a jóia das jóias uma coisa tão importante para ele,para os caçadores,para sua mãe...- ele vai descendo a faca do meu pescoço até meu peito - E para você - eu acho que é esse meu fim

O medo tomava conta do meu ser,eu ia morrer e acabou,dessa vez não tinha ninguém para me salvar ou nada para eu fazer para me salvar

Ele começa a gargalhar e me larga no chão, cai de cara no tapete ensanguentado

-- Curta a "visão" caçadora - ele vai até a janela e se joga

Olhei para de baixo da cama e vi um corpo de alguém.Rapidamente eu me levanto e começo a gritar desesperada eu estava repleta de sangue e tinha um corpo em baixo da minha cama

Escuto passos pesados subirem as escadas meu pai logo abre a porta que bate fortemente com a parede

Minha mãe estava logo atrás dele.O olhar de meu pai se mostrava assustado e furioso,ele olhou para mim e para o tapete

Corri e dei um abraço em minha mãe,a essa hora eu já estava chorando de desespero.A minha respiração estava totalmente desregulada e meu coração parecia nadar na adrenalina,chorava feito um bebê

- Ray meu amor se acalme - minha mãe entrelaçava os dedos em meus cabelos

- E-ele ma-matou...tem um corpo - apontei o dedo indicador para a cama,eu estava engolindo minhas próprias lágrimas,eu sentia meu rosto quente provavelmente estava vermelho

Meu pai se abaixou e logo se assustou,ele estava em choque e dava para sentir que também estava em desespero

Ele coçava a cabeça e andava de um lado para o outro dentro do quarto,a raiva era nítida em seu ser

- MALDITO - Gritou batendo na parede do meu quarto.Minha mãe leva um breve susto

Eu não sabia oque estava acontecendo,mas mesmo assim ainda estou em desespero,meu corpo está tentando acalmar meu coração e parar as minhas lágrimas aos poucos

- Rayla eu quero que você se acalme e me conte oque aconteceu tá bom? - minha mãe me levou até a cozinha que estava escura assim como toda a casa.ela acendeu a luz e me fez se sentar em uma cadeira

- Respira...inspira...respira - ela fala respirando junto

Me acalmei aos poucos e ela se sentou ao meu lado segurando a minha mão

- Eu estava dormindo quando senti muito frio,estão vi que a janela estava aberta,me levantei para fechar e pisei na poça de sangue.Eu tentei chegar até a porta mas ele estava bloqueando ela então the killer me jogou e eu vi um corpo em baixo da minha cama - falei ainda suja de sangue

Mamãe pega um pano úmido e começa a limpar meu rosto,tirando as manchas de sangue que estavam lá

- Mãe,por favor me conte a verdade.No que meu pai se meteu?qual foi o tipo de negócio que papai fez com o killer ? - Minha mãe para de limpar meu rosto e desvia o olhar de mim

Ela se escorou na cadeira e fitou o chão,suas mãos coçaram uma a outra.O seu semblante era de preocupação,assim como no carro

Ela se levanta e respira fundo - Venha comigo - Susan estende a mão para mim e me ajuda a levantar da cadeira

Mamãe me leva até o porão e vai até uma das estantes e,com um pouco de força ela afasta o móvel.Algumas armas caem,mas como não estavam carregadas não tem com oque se preocupar

Ela bate a mão uma na outra para tirar a poeira que vai para o nariz dela e ela espirra fazendo uma careta o móvel afastado revela um alçapão que parecia velho - Preciso que venha comigo - ela abre a porta do alçapão e pula

Fui até lá e a vi em pé olhando para cima me esperando,parecia um pouco alto para pular - não é tão alto quanto parece - escuto a voz dela ecoar pelo lugar

Criei coragem e pulei.Diferente de minha mãe eu não sou um gato,por isso não cai em pé

Ela me ajuda a me levantar do chão empoeirado daquele local,que por sinal era enorme e iluminado

Eu olhei atentamente o enorme corredor a minha frente,com uma porta entreaberta no final - Parece um filme de terror - comparei seguindo ela por lá

As paredes do corredor pareciam ser firmes e potentes como aço,e provavelmente eram reforçadas

Sentia novamente aquele arrepio esquisito por lá,como se algo estivesse me chamando,o lugar fedia a morte de solidão

Minha mãe então abre a porta de aço e revela vários, inúmeras e incontáveis celas,todas com portas forçadas feitas de aço .Ela as olhava com firmeza e orgulho,nunca vi seus olhos brilharem tanto ao ver algo

Já eu olhava aquilo de boca entreaberta,para que tudo aquilo? não tem necessidade disso. Não existe um porque para isso!ninguém merece estar assim

Para que tantas celas?

- Rayla o mundo é um perigo inimaginável e ingmático.Nossa função é caçar aquilo que oferece perigo - ela anda pelo lugar,virando vários corredores e sempre haviam mais e mais celas

Entramos em um elevador velho mas que funcionava perfeitamente bem.Ele nos levou para o quarto andar do subsolo

Saímos do elevador e eu vi uma pequena sala com uma porta de ferro,que parecia ser aberta com o reconhecimento biométrico (digital)

Mamãe colocou o dedo no reconhecedor e logo a porta se abriu

Adentrei junta a ela o local.Nunca vi nada parecido com aquilo

Uma sala enorme estava a minha frente,diferente das outras ela tinha paredes revistadas e decoradas em gesso maciço

Um lustre estava no meio da sala,e iluminava uma enorme coleção de armas,um arcenal inteiro.Cada arma estava abaixo de um quadro

- Essa sala é a mais importante entre todas,ela guarda a história,os símbolos e as armas de cada família poderosa de caçadores que formam a P.F.C - ela anda calmamente e pausadamente por lá.O som era causado apenas pelas suas sapatilhas tocando o chão

Vou atrás dela observando cada quadro detalhadamente,alguns eram sombrios e envolviam guerras,outros apenas origem.As armas estavam encaixadas em um compartimento de vidro.Para cada família era uma coisa diferente

Aquilo me deixava emocionada talvez,não sei descrever isso mas é estranho e emocionante estar em um lugar secreto que aparentemente é importante

Seguia minha mãe calada sem dar um pio,apenas de boca entreaberta.Ela estava de cabeça erguida e firme em seu andar

Parei em um compartimento de vidro que guardava apenas frascos delicados.No quadro estava escrito o nome Clark,o sobrenome da família de Jeon

Toquei levemente sua estrutura e observei os detalhes da obra. Lá estavam retratados pessoas reunidos em um círculo,eles se vestiam como médicos da peste

Uma dessas pessoas derramava um líquido estranho dentro da boca de um ser humanoide,isso era estranho e assustador

- A família Clark é conhecida pelos venenos mortais,eles caçam usando apenas venenos e estratégias de sobrevivência,e isso nunca falhou.Essa pintura foi quando eles foram reconhecidos por matarem uma verdadeira praga que causou a morte de milhares de pessoas em apenas 3 dias - ela seguiu caminho e eu fui junto

Cada detalhe era enriquecedor,a história de oito famílias estão guardadas aqui junto com bens valiosos

Minha mãe para ao ver o quadro com o nome Miller,o quadro da nossa família

Seus olhos brilham ao vê-lo ela parecia carregar orgulho em excesso ao observa-lô

O quadro retratava uma mulher andando,ao lado esquerdo ela segurava uma besta e ao direito um lobo caminhava ao seu lado.Atrás dela várias e várias crianças que seguiam a mesma,umas pareciam aquecer as outras. Era inverno e a neve cobria todo chão salpicado de sangue

- Essa mulher foi matou uma bruxa que sacrifícou milhares de crianças em seus rituais satânicos - Explicou orgulhosa

- Pensei que não matassem pessoas - Confessei

Ela sorriu e olhou para mim - Ela não era uma pessoa,era um demônio banido do inferno - ela volta a olhar para o quadro

- Ele só poderia voltar se provasse seu valor para lá realizando um ritual dado pelo próprio diabo - Aquilo ara gratificante para ela,mesmo minha mãe não sendo uma "Miller" de nascença,ela casou com meu pai e virou uma

A bancada estava com várias flechas diferentes,as armas estavam encaixadas na parede pois eram grande demais para o compartimento

Passei os dedos levemente em cada uma das bestas na parede,ao total eram 9 mas alguma lugares estavam faltando,então estavam apenas 7

- Na caçada da meia noite,cada jovem irá escolher uma arma de sua família,e caçara com ela.Se for selecionado irá ficar com a arma - Lembrou

O silêncio é interrompido quando o celular da minha mãe toca.Ela rapidamente atende ao telefonema

A sala é silenciosa então é possível escutar tudo

- Liguei para Nathalie ela já está aqui e o corpo de bombeiros está a caminho - A voz de meu pai falava ao telefone

- Tudo bem já estou subindo - avisou ela

- Você mostrou a Ray?não pode mostrar esse lugar a ela está ficando louca ?? - ele se revolta

- Quando eu chegar aí conversamos - desligou me levando até a saída

[...]

Eram exatamente 4:50,eu Lana,Derek,Jeon estávamos sentados no sofá da minha casa

Por sorte eu já tinha tomado banho e estava com roupas da minha mãe,pois ela não queria que eu fosse para o quarto,nem eu

O corpo de bombeiros já tinha retirado o corpo que aparentemente era de uma garota,Meus pais e os pais da vítima foram junto com o corpo de bombeiros. Mas a mãe de Lana e os pais de Jeon estavam conosco

O silêncio era perturbador,até que Jeon decide quebra-lo

- Ray você leu a carta que te mandei? - Jeon perguntou fazendo Derek ficar em alerta

- Não Jeon desculpe,mas eu recebi o colar de Rubi que você me deu - Forcei um sorriso convencente

Derek parecia engasgar com a palavra "colar",ele fuzilava Jeon com o olhar

- Que bom,fico feliz por te te agrada...

- Ray você lembra do dia em que eu dormi aqui na sua casa,no seu quarto e a gente nem dormiu no fim das contas - Ele corta rapidamente Jeon

Derek e Jeon se matavam sem dizer nada,Jeon estava sentado escorando os braços nas pernas e Derek se apoiava no braço da cadeira

Lana me olhou e Sussurrou no meu ouvido " O que vocês estavam fazendo ? " Dei uma risada curta com a pergunta da garota

Respondi baixinho " Se eu contar não vai ser tão div...

- É Ray,o que fizeram - Jeon me encara,pelo visto Lana não sabe sussurrar

- Tínhamos 9 anos!durante a noite eu maquiei ele,brincamos de boneca,de cabaninha,desenhamos e assistimos filmes adultos - disparei me escorando no sofá

Jeon segura uma risada - boneca?sério isso Derek - ele solta a gargalhada e Derek revira os olhos

A discussão entre eles começou,ah que perfeito!!

- Rayla eu não sabia que Bevely e você eram amigas de infância,deve ter sido doloroso perde-la assim - Lana se senta com as pernas cruzadas

- Mas nós não somos - falei o óbvio,nunca vi Bevely em toda a minha vida

- Não?mas vice está aqui com ela - Lana retira uma foto do bolso,nela estavam e eu Bevely m um parquinho na floresta

Pego a foto da mão de Lana e analiso,nunca vivi isso em toda a minha vida - Onde achou essa foto? - perguntei olhando para ela e para a foto

- Nas coisas da minha mãe - ela pega a foto novamente

- Eu e seu pai temos assuntos inacabados - A voz dele ecoava o quarto inteiro seguida por uma risada maníaca...e outra...e outra

- Eu não tenho nada haver com os assuntos de meu pai - falei tentando me aproximar da porta sorrateiramente.Minhas pernas estavam totalmente bambas,não é de se esperar que meu corpo estava tremendo

- E se eu te dissesse que esse assunto inacabado é culpa sua ? - the killer revela algo interessante.Não conheço ele,então como eu seria culpada ?

- Como assim? - me aproximei mais da porta tentando colocar a mão na maçaneta.Aos poucos alcancei ela mas então percebi que aquilo não era a porta e nem a maçaneta.E sim um corpo gelado e ofegante

A respiração fria e pesada de Jeff the killer me fazia sentir arrepios dos pés a cabeça,seu corpo estava atrás de mim bloqueando a passagem da porta

Ele então se aproxima do meu ouvido respirando profundamente - Achou mesmo que ia chamar o papai e a mamãe garotinha? - ele posiciona uma faca contra meu pescoço e me segura fortemente

- Seu pai me deve a jóia das jóias uma coisa tão importante para ele,para os caçadores,para sua mãe...- ele vai descendo a faca do meu pescoço até meu peito - E para você - eu acho que é esse meu fim

O medo tomava conta do meu ser,eu ia morrer e acabou,dessa vez não tinha ninguém para me salvar ou nada para eu fazer para me salvar

Ele começa a gargalhar e me larga no chão, cai de cara no tapete ensanguentado

-- Curta a "visão" caçadora - ele vai até a janela e se joga

Olhei para de baixo da cama e vi um corpo de alguém.Rapidamente eu me levanto e começo a gritar desesperada eu estava repleta de sangue e tinha um corpo em baixo da minha cama

Escuto passos pesados subirem as escadas meu pai logo abre a porta que bate fortemente com a parede

Minha mãe estava logo atrás dele.O olhar de meu pai se mostrava assustado e furioso,ele olhou para mim e para o tapete

Corri e dei um abraço em minha mãe,a essa hora eu já estava chorando de desespero.A minha respiração estava totalmente desregulada e meu coração parecia nadar na adrenalina,chorava feito um bebê

- Ray meu amor se acalme - minha mãe entrelaçava os dedos em meus cabelos

- E-ele ma-matou...tem um corpo - apontei o dedo indicador para a cama,eu estava engolindo minhas próprias lágrimas,eu sentia meu rosto quente provavelmente estava vermelho

Meu pai se abaixou e logo se assustou,ele estava em choque e dava para sentir que também estava em desespero

Ele coçava a cabeça e andava de um lado para o outro dentro do quarto,a raiva era nítida em seu ser

- MALDITO - Gritou batendo na parede do meu quarto.Minha mãe leva um breve susto

Eu não sabia oque estava acontecendo,mas mesmo assim ainda estou em desespero,meu corpo está tentando acalmar meu coração e parar as minhas lágrimas aos poucos

- Rayla eu quero que você se acalme e me conte oque aconteceu tá bom? - minha mãe me levou até a cozinha que estava escura assim como toda a casa.ela acendeu a luz e me fez se sentar em uma cadeira

- Respira...inspira...respira - ela fala respirando junto

Me acalmei aos poucos e ela se sentou ao meu lado segurando a minha mão

- Eu estava dormindo quando senti muito frio,estão vi que a janela estava aberta,me levantei para fechar e pisei na poça de sangue.Eu tentei chegar até a porta mas ele estava bloqueando ela então the killer me jogou e eu vi um corpo em baixo da minha cama - falei ainda suja de sangue

Mamãe pega um pano úmido e começa a limpar meu rosto,tirando as manchas de sangue que estavam lá

- Mãe,por favor me conte a verdade.No que meu pai se meteu?qual foi o tipo de negócio que papai fez com o killer ? - Minha mãe para de limpar meu rosto e desvia o olhar de mim

Ela se escorou na cadeira e fitou o chão,suas mãos coçaram uma a outra.O seu semblante era de preocupação,assim como no carro

Ela se levanta e respira fundo - Venha comigo - Susan estende a mão para mim e me ajuda a levantar da cadeira

Mamãe me leva até o porão e vai até uma das estantes e,com um pouco de força ela afasta o móvel.Algumas armas caem,mas como não estavam carregadas não tem com oque se preocupar

Ela bate a mão uma na outra para tirar a poeira que vai para o nariz dela e ela espirra fazendo uma careta o móvel afastado revela um alçapão que parecia velho - Preciso que venha comigo - ela abre a porta do alçapão e pula

Fui até lá e a vi em pé olhando para cima me esperando,parecia um pouco alto para pular - não é tão alto quanto parece - escuto a voz dela ecoar pelo lugar

Criei coragem e pulei.Diferente de minha mãe eu não sou um gato,por isso não cai em pé

Ela me ajuda a me levantar do chão empoeirado daquele local,que por sinal era enorme e iluminado

Eu olhei atentamente o enorme corredor a minha frente,com uma porta entreaberta no final - Parece um filme de terror - comparei seguindo ela por lá

As paredes do corredor pareciam ser firmes e potentes como aço,e provavelmente eram reforçadas

Sentia novamente aquele arrepio esquisito por lá,como se algo estivesse me chamando,o lugar fedia a morte de solidão

Minha mãe então abre a porta de aço e revela vários, inúmeras e incontáveis celas,todas com portas forçadas feitas de aço .Ela as olhava com firmeza e orgulho,nunca vi seus olhos brilharem tanto ao ver algo

Já eu olhava aquilo de boca entreaberta,para que tudo aquilo? não tem necessidade disso. Não existe um porque para isso!ninguém merece estar assim

Para que tantas celas?

- Rayla o mundo é um perigo inimaginável e ingmático.Nossa função é caçar aquilo que oferece perigo - ela anda pelo lugar,virando vários corredores e sempre haviam mais e mais celas

Entramos em um elevador velho mas que funcionava perfeitamente bem.Ele nos levou para o quarto andar do subsolo

Saímos do elevador e eu vi uma pequena sala com uma porta de ferro,que parecia ser aberta com o reconhecimento biométrico (digital)

Mamãe colocou o dedo no reconhecedor e logo a porta se abriu

Adentrei junta a ela o local.Nunca vi nada parecido com aquilo

Uma sala enorme estava a minha frente,diferente das outras ela tinha paredes revistadas e decoradas em gesso maciço

Um lustre estava no meio da sala,e iluminava uma enorme coleção de armas,um arcenal inteiro.Cada arma estava abaixo de um quadro

- Essa sala é a mais importante entre todas,ela guarda a história,os símbolos e as armas de cada família poderosa de caçadores que formam a P.F.C - ela anda calmamente e pausadamente por lá.O som era causado apenas pelas suas sapatilhas tocando o chão

Vou atrás dela observando cada quadro detalhadamente,alguns eram sombrios e envolviam guerras,outros apenas origem.As armas estavam encaixadas em um compartimento de vidro.Para cada família era uma coisa diferente

Aquilo me deixava emocionada talvez,não sei descrever isso mas é estranho e emocionante estar em um lugar secreto que aparentemente é importante

Seguia minha mãe calada sem dar um pio,apenas de boca entreaberta.Ela estava de cabeça erguida e firme em seu andar

Parei em um compartimento de vidro que guardava apenas frascos delicados.No quadro estava escrito o nome Clark,o sobrenome da família de Jeon

Toquei levemente sua estrutura e observei os detalhes da obra. Lá estavam retratados pessoas reunidos em um círculo,eles se vestiam como médicos da peste

Uma dessas pessoas derramava um líquido estranho dentro da boca de um ser humanoide,isso era estranho e assustador

- A família Clark é conhecida pelos venenos mortais,eles caçam usando apenas venenos e estratégias de sobrevivência,e isso nunca falhou.Essa pintura foi quando eles foram reconhecidos por matarem uma verdadeira praga que causou a morte de milhares de pessoas em apenas 3 dias - ela seguiu caminho e eu fui junto

Cada detalhe era enriquecedor,a história de oito famílias estão guardadas aqui junto com bens valiosos

Minha mãe para ao ver o quadro com o nome Miller,o quadro da nossa família

Seus olhos brilham ao vê-lo ela parecia carregar orgulho em excesso ao observa-lô

O quadro retratava uma mulher andando,ao lado esquerdo ela segurava uma besta e ao direito um lobo caminhava ao seu lado.Atrás dela várias e várias crianças que seguiam a mesma,umas pareciam aquecer as outras. Era inverno e a neve cobria todo chão salpicado de sangue

- Essa mulher foi matou uma bruxa que sacrifícou milhares de crianças em seus rituais satânicos - Explicou orgulhosa

- Pensei que não matassem pessoas - Confessei

Ela sorriu e olhou para mim - Ela não era uma pessoa,era um demônio banido do inferno - ela volta a olhar para o quadro

- Ele só poderia voltar se provasse seu valor para lá realizando um ritual dado pelo próprio diabo - Aquilo ara gratificante para ela,mesmo minha mãe não sendo uma "Miller" de nascença,ela casou com meu pai e virou uma

A bancada estava com várias flechas diferentes,as armas estavam encaixadas na parede pois eram grande demais para o compartimento

Passei os dedos levemente em cada uma das bestas na parede,ao total eram 9 mas alguma lugares estavam faltando,então estavam apenas 7

- Na caçada da meia noite,cada jovem irá escolher uma arma de sua família,e caçara com ela.Se for selecionado irá ficar com a arma - Lembrou

O silêncio é interrompido quando o celular da minha mãe toca.Ela rapidamente atende ao telefonema

A sala é silenciosa então é possível escutar tudo

- Liguei para Nathalie ela já está aqui e o corpo de bombeiros está a caminho - A voz de meu pai falava ao telefone

- Tudo bem já estou subindo - avisou ela

- Você mostrou a Ray?não pode mostrar esse lugar a ela está ficando louca ?? - ele se revolta

- Quando eu chegar aí conversamos - desligou me levando até a saída

[...]

Eram exatamente 4:50,eu Lana,Derek,Jeon estávamos sentados no sofá da minha casa

Por sorte eu já tinha tomado banho e estava com roupas da minha mãe,pois ela não queria que eu fosse para o quarto,nem eu

O corpo de bombeiros já tinha retirado o corpo que aparentemente era de uma garota,Meus pais e os pais da vítima foram junto com o corpo de bombeiros. Mas a mãe de Lana e os pais de Jeon estavam conosco

O silêncio era perturbador,até que Jeon decide quebra-lo

- Ray você leu a carta que te mandei? - Jeon perguntou fazendo Derek ficar em alerta

- Não Jeon desculpe,mas eu recebi o colar de Rubi que você me deu - Forcei um sorriso convencente

Derek parecia engasgar com a palavra "colar",ele fuzilava Jeon com o olhar

- Que bom,fico feliz por te te agrada...

- Ray você lembra do dia em que eu dormi aqui na sua casa,no seu quarto e a gente nem dormiu no fim das contas - Ele corta rapidamente Jeon

Derek e Jeon se matavam sem dizer nada,Jeon estava sentado escorando os braços nas pernas e Derek se apoiava no braço da cadeira

Lana me olhou e Sussurrou no meu ouvido " O que vocês estavam fazendo ? " Dei uma risada curta com a pergunta da garota

Respondi baixinho " Se eu contar não vai ser tão div...

- É Ray,o que fizeram - Jeon me encara,pelo visto Lana não sabe sussurrar

- Tínhamos 9 anos!durante a noite eu maquiei ele,brincamos de boneca,de cabaninha,desenhamos e assistimos filmes adultos - disparei me escorando no sofá

Jeon segura uma risada - boneca?sério isso Derek - ele solta a gargalhada e Derek revira os olhos

A discussão entre eles começou,ah que perfeito!!

- Rayla eu não sabia que Bevely e você eram amigas de infância,deve ter sido doloroso perde-la assim - Lana se senta com as pernas cruzadas

- Mas nós não somos - falei o óbvio,nunca vi Bevely em toda a minha vida

- Não?mas vice está aqui com ela - Lana retira uma foto do bolso,nela estavam e eu Bevely m um parquinho na floresta

Pego a foto da mão de Lana e analiso,nunca vivi isso em toda a minha vida - Onde achou essa foto? - perguntei olhando para ela e para a foto

- Nas coisas da minha mãe - ela pega a foto novamente

- Não, não Lana,eu e Bevely nunca tivemos nenhum vínculo

- Não, não Lana,eu e Bevely nunca tivemos nenhum vínculo


Notas Finais


Foi isso meus leitores,obg por lerem essa história
Vou fazer de tudo para postar com mais frequência


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...