História Proteção à Testemunha - (Imagine Kai) - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol, D.O, Kai, Lay, Personagens Originais, Sehun, Suho
Tags Chanyeol, Exo, Imagine, Kai
Visualizações 372
Palavras 1.309
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oioi gente <3

Mais um capítulo <3

Bom, eu acho que esse capítulo tá mais leve... lá para o meio não sei kkkk - scrr

Aaaah domingo eu posto o próximo cap! espero vocês viu? <3

Espero que gostem <33

Capítulo 27 - Brigadeiro e Feliz Aniversário.


[...]

 

[Suho on]

 

Meu celular descarregou e não vou poder dizer para Jisoo que irei me atrasar para nosso jantar. Estou passando em uma joalheria, irei pedi-la formalmente em namoro hoje.

Depois de escolher o anel mais delicado e fofo que parecia com a Jisoo, passei em frente a uma floricultura e comprei um enorme buquê de rosas vermelhas, quero que tudo saia perfeito. Mas, tenho que passar antes na casa de um amigo, ele conseguiu na internet aquela novela mexicana que a Jisoo tanto gosta, Maria não sei o quê, afinal, foi por causa dela que ela me beijou e começamos a nos aproximar.

>>> 

- Flores, novela, anel... tudo ok – checava se estava com todos os itens planejados para esta noite –  Kim Jisoo, você aceita ser meu par? Não, não.. muito cafona! Jisoo, você aceita namorar comigo? Ah, não sei mais o que fazer. – estava no corredor do apartamento e falando sozinho, ensaiando meu pedido, quando vejo a porta entreaberta.

- Jisoo, meu bem, desculpe pelo atraso. Mas é por um bom motivo – empurrei a porta com meu pé direito, já que minhas mãos estavam ocupadas – e não deixe a porta aberta assim, é peri.... – não conseguir terminar minha fala, devido ao grande choque que tomei assim que liguei o interruptor perto da porta, e meu olhar percorria todo o cômodo que estava completamente revirado.

 

Porém, sentir uma estaca atravessando meu coração e assim o dilacerando completamente quando olhei para perto da cortina. Jisoo estava desacordada no chão e muito machucada.

- JISOOOOOOOOOOO! – joguei as sacolas, as flores e gritei com toda a força que eu tinha e corri em direção dela.

 

Sacudia levemente seus ombros, mas nenhuma reação em resposta. Então, coloquei dois dedos em seu pulso para verifica-lo, e não sentir nada. Não estou conseguindo raciocinar direito com o meu sistema nervoso quase a beira de um colapso, respiro fundo tentando pensar em algo.

 

- Emergência! Tenho que ligar para a emergência! Droga! – lembro que a droga do meu celular ainda está descarregado. – ALGUÉM AJUDA AQUI, POR FAVOR! – gritei mesmo com a voz travada pelo choro incessante que se instalou.

- Licença... ajuda? – uma garota apareceu na porta do apartamento, já que estava aberta – Jisoo Unnie??!

- Ligue para emergência! Precisamos de uma ambulância! – a garota pegou seu celular e começou a discar o número.

 

(...)

 

[Kai on]

 

Acordei cedo, pois queria acordar antes da aniversariante. Agnes e seu namorado saíram bem cedo, então depois de tomar banho e me arrumar como faço todo dia, pesquisei na internet sobre brigadeiro, já que é o que S/n mais gosta nessa vida segundo sua irmã. Queria fazer algo especial para S/n, já que ela não gosta de aniversários, ela não pode recusar um brigadeiro, seja lá o que isso seja.

Depois da minha pesquisa aprofundada em sites brasileiros e uma peneirada no Google tradutor, acho que estou pronto para fazer isso, já que descobrir que brigadeiro é um tipo de doce no Brasil. Eu não sou muito bom na cozinha, sou péssimo para falar a verdade, mas posso tentar meu melhor pela S/n. Então, fui até a cozinha e procurei os ingredientes, que por minha sorte já tinham. Obrigado ahjumma Yoora por abrir uma lojinha de conveniência brasileira no fim do quarteirão.

 

Após colocar os ingredientes necessários na panela e ficar mexendo no fogo, coloquei em um prato e deixei esfriando em cima do balcão.

 

- Que cheirinho bom! – me virei e vi S/n já arrumada vindo em direção à cozinha – não acredito que isso é brigadeiro! – sua boca fez um “O” quando viu o prato no balcão.

- Brigadeiro, brigadeiro... talvez, não – passei a mão a nuca – mas me esforcei bastante para sair pelo menos parecido. – sorri ao ver o sorriso formado no rosto de S/n.

- Você quem fez? Ah, não acredito... você é uma caixinha de surpresas! – ela se aproximou do balcão procurando algo – onde está a panela suja?

- Panela suja? – repetir sua pergunta ao não entender o que ela queria com uma panela suja.

- Ai, Kai... o brigadeiro que fica na panela é o melhor! – seu olhar brilhou quando peguei a panela da pia e lhe entreguei. – Por que você fez brigadeiro? – disse se sentando no banco.

- Porque sua irmã disse que é o seu preferido – disse sem olhar em seus olhos – está bom? Me deixa provar um pouco – tentei colocar o dedo na panela, mas S/n não estava deixando, parecia uma leoa com sua presa.

- Está ótimo! Acredite em mim, isso basta – disse rindo e tentando escapar com a presa, quer dizer, com a panela. – mas, se que quer tanto provar... toma!

- Aaah! Mas agora você me paga S/n! – corri atrás dela pela cozinha, já que ela pegou a colher e sujou meu nariz de chocolate. – te peguei! – falei assim que a puxei pela cintura para não escapar.

 

[S/n on]

 

Corria pela cozinha fugindo do Kai, parecíamos duas crianças brincando de pega-pega, até o momento que sinto meu corpo ser puxado em sua direção, minha cintura é segurada de maneira firme. As gargalhas infantis somem e surgem olhares profundos entre nós. Mesmo com tanta coisa acontecendo, não posso negar que Kim Jongin mexe comigo, e quando ele faz essas pequenas coisas... isso faz meu coração aquecer.

 

- E-e.. – tentei falar alguma coisa descente, porém meu cérebro congelou e minha boca também.

- Parabéns, S/n. – Kai disse se aproximando, e isso fez meu coração acelerar mais do que motor de um carro de corrida.

- O q-quê? – até que enfim conseguir falar algumas palavras.

 

E sua resposta foi colando seus lábios nos meus, de uma forma carinhosa e meiga. A panela caiu da minha mão, que agora livre, levei-as até o pescoço do Kai. Suas mãos seguraram minha cintura de maneira mais firme, o que me fez encostar na pia e minhas mãos subirem de sua nuca até seu cabelo.

 

- Desculpa. – disse quando nos separamos e deixando mais um breve selar.

 

Fiquei sem ter o que dizer. Afinal isso foi uma coisa boa que aconteceu em meio de tanta tristeza na minha vida, acho que não posso ser egoísta comigo mesma e me privar de gostar de alguém.

 

- Não precisa se desculpar – nos afastamos lentamente – você não fez nada de errado.

- S/n... – acho que ele deve ter se arrependido de ter me beijado, e vai dar alguma desculpa – você é uma mulher incrível e merece alguém incrível também – disse cabisbaixo.

- Kim Jongin, com toda a certeza você é um cara incrível. Se está falando sobre a Irene, Chanyeol me contou – Kai me olhou com os olhos quase saltando da órbita – eu não sou ela... e outra, posso ajudar você. Vamos superar isso juntos, podemos ir com bastante calma.

- Você acha isso? – ele se aproximou e segurou minha mão – porque eu gosto muito de você S/n...

- Eu também gosto muito de você Kai – apertei sua mão – e que história é essa de parabéns? – soltei sua mão e o olhei com os olhos cerrados.

- Hoje é seu aniversário! Eba! – sorriu fechado e estava tentando sair de fininho. – não me mate agora porque temos que ir para a reunião lá na delegacia e estamos atrasados. – correu até a porta.

- Você não escapou dessa Kim Jongin!

 

[Lay on]

 

Esta reunião de hoje é muito importante, vamos juntar os fatos e peças desse quebra-cabeça macabro. Fiquei esperando na minha sala desde cedo, algum membro da equipe chegar, liguei algumas vezes para o Sehun, mas o celular dele está fora da área.

- Sim? – pergunto assim que escutei algumas batidas na porta.

- Olá, delegado Zhang. – Chanyeol disse sério e se curvou. – mandou me chamar?

- Sim – abrir a gaveta da minha mesa e tirei um envelope – queria lhe devolver algo. Acho que isso pertence a você, policial Park. – me levantei e fui a sua direção.


Notas Finais


**[Ahjumma: mulheres mais velhas geralmente nos seus 35-50 anos]

Acho que hoje não tem aquele ~ eita eita eita né gente kkkkk mds

Maaaas nos próximos capítulos acho que sim viu? os personagens vão começar a juntar as peças, ouvir um amém? kkkk

E aí, o que vocês estão achando?

Até o próximo capítulo!

Bjinhos <33


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...