História Protective Order - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Demi Lovato
Tags Demi Lovato, Lesbian For Demi, Lesbicas, Orange
Visualizações 167
Palavras 6.980
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Orange, Romance e Novela, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oiiiiii voltei rápido até né?
Passei a tarde escrevendo esse capítulo e to morrendo de sono kkkkk espero que gostem e comentem muuuito meus anjos...
TO MUITO FELIZ COM 16 COMENTARIOOOS S2S2S2S2 Amo vcs!
Lembrem-se de rezar pela Demi e mandar energias positivas pra nossa estrela...
Boa leitura meus amores, até la em baixo S2
LEIAM AS NOTAS FINAIS

Capítulo 16 - Eu me rendo...


Fanfic / Fanfiction Protective Order - Capítulo 16 - Eu me rendo...

Capítulo 16: “Eu me rendo...”

Point of View, Cassie Moretz.

—cansei disso! —ela esbravejou antes de me beijar com certa força, seus lábios macios contra os meus pressionados com certa brutalidade, sua língua invadiu minha boca, buscando a minha, senti sua mão em minha nuca, me pressionado contra ela, não aguentei e me rendi aquele beijo, minha língua se enrolou com a sua e envolvi sua cintura com meus braços, arranhando o final da mesma, nossos corpos queimavam e sentia aquele beijo quente como o inferno. Uma de suas mãos apertou minha bunda, fazendo meu corpo alavancar para frente e eu suspirar entre o beijo, mordi seu lábio inferior antes de descer minhas mãos para sua bunda, dando impulso para que ela enrolasse suas pernas em minha cintura, inverti as posições e a coloquei contra a parede, intensificando mais aquele beijo, ela arranhava minha nuca e senti sua mão na borda de minha blusa, tentando tirar a mesma, suspirei entre o beijo, inclinada a permitir… deuses! Como eu queria tocá-la e como queria que ela me tocasse! Meus pulmões começaram a queimar e deixei seus lábios para beijar seu pescoço, ouvindo-a gemer baixo quando apertei mais sua bunda e mordi seu pescoço…

A firmei com uma das mãos enquanto infiltrava outra por baixo de sua blusa e apalpava seu seio esquerdo por cima do sutiã, meus dedos roçaram sua pele quente e macia, e ela gemeu cravando as unhas em minha nuca, apertou as pernas em volta de mim, pressionando sua intimidade contra meu corpo, Demetria estava quente por inteiro… assim como eu. Comecei a puxar a barra de sua blusa, expondo seu abdômen e arranhando o mesmo enquanto mordia e sugava seu pescoço, ela arfou pesado e eu voltei a beijá-la enquanto passava as unhas por sua pele, prensando-a na parede e a segurando com uma mão. Puxei mais a barra de sua blusa, expondo seu sutiã, ela sorriu entre o beijo e afastou os lábios de mim, me ajudando a tirar sua regata, joguei o pano no chão e quase tive um infarto ao olhá-la… PUTA QUE PARIU É A MULHER MAIS LINDA E GOSTOSA QUE EU JÁ VI! Demi usava um sutiã meia taça preto de renda, sua pele branca contrastava com a cor forte e seus seios eram lindos, perfeitos naquela lingerie. Soltei o ar por entre os lábios ainda admirada com aquela visão, e olhei para ela, o sorriso malicioso em seus lábios e o rosto levemente rubro, talvez vergonha ou tesão, ou os dois… Ela me puxou pela nuca, me beijando lascivamente, apertei seus seios com a mão livre, fazendo-a arfar entre meus lábios, Demi segurou a barra da minha blusa, puxando a mesma até minhas costelas e passando as unhas por meu abdômen, me fazendo arfar pesado, arranhei suas costas e passei os dedos pelo fecho do sutiã, ameaçando abrir mas voltando a mão ao seu seio e apalpando-o, a fazendo gemer baixinho.

—me leva pra cama… —pediu entre o beijo enquanto eu passava os dedos por baixo do fecho do sutiã, Putaquepariu só eu sei o efeito que essa frase me causou… Demetria você é o fim da minha racionalidade! Mordi seu lábio inferior em resposta, colocando minhas duas mãos em sua bunda e a afastando da parede, sentia sua pele quente tocar de leve meus dedos no fim do short de pijama curto que ela usava e isso era excitante pra caramba! Caminhei em direção ao seu quarto ainda a beijando, eu a queria e sabia que minha razão e meu autocontrole tinham me deixado, e nesse momento meu corpo e meu desejo falava mais alto que meu cérebro…

Mas como sempre, o mundo me jogou um balde de água fria… e o barulho irritante da campainha ecoou por toda a casa e tanto eu como Demetria parecíamos ter caído do céu em cima de uma banheira de gelo. Interrompemos o beijo com pressa e nos olhamos assustadas, Lovato desenroscou as pernas de minha cintura e eu demorei mais segundos do que devia para tirar a mão de sua bunda.

—Mas que porra! Eu vou matar quem estiver aí! —ela praguejou enquanto tirava as mãos do meu pescoço e se afastava, pegando a blusa do chão, continuei parada passando a mão pelos cabelos e tentando normalizar meus pensamentos. —vou tomar um banho frio ou eu vou acabar te puxando para o quarto e te obrigando a… —ela parou de falar e balançou a cabeça, passando ao meu lado ainda sem blusa, me fazendo olhar seus seios maravilhosos naquele sutiã, Para de provocar ou EU vou te empurrar nesse quarto! Parou segurando a maçaneta da porta e me olhou, me escaneando de cima a baixo e mordendo os lábios, revirou os olhos quando a campainha tocou outra vez, bufando —abre pra quem quer que for antes que eu desça lá e soque a cara do ser. —falou abrindo a porta e entrando, batendo a mesma em seguida, ri daquilo e desci as escadas arrumando meu cabelo e minhas roupas que estavam amarrotadas. Respirei fundo antes de girar a maçaneta, tentando agir normalmente. Eu tava louca em beijar ela, né?! TAVA!

—Natasha?! —falei sem entender enquanto Batman e Cinderella se escondiam atrás de mim, correndo escada acima depois. O que ela estava fazendo aqui? Aliás, o que eles estavam fazendo aqui?!

—demorou, hein. Claro que sou eu, falei que já estávamos vindo analisar os documentos. —ela revirou os olhos e entrou, sendo seguida por Hector e John. Hector arqueou a sobrancelha para mim e olhou meus lábios, levantando as duas sobrancelhas em seguida. PORRA! O que tem minha boca?!

—ah é, claro… é que eu acabei cochilando… —cocei a nuca, nervosa. —vou beber água, os documentos já estão aí na mesa. —apontei a caixa, que tinha colocado os papéis, em cima da mesinha de centro da sala antes de virar as costas e ir até a cozinha.

Enchi um copo de água fria e bebi de uma vez, tentando resfriar meu corpo, a calça moletom que eu vestia parecia incômoda demais e eu só queria tomar um banho gelado… Já que minha boxer estava em um estado que nunca havia sentido antes… simplesmente encharcada. AI MEU DEUS! Lavei meu rosto ali mesmo com a água fria da torneira, jogando um pouco em minha nuca, sentindo aquela área arder levemente. Sério que Demetria tinha conseguido arranhar ali?!

Saí da cozinha, voltando para a sala e sentando no sofá que estava vazio, me sentindo realmente incomodada com não poder sair dali e ir tomar um banho. Começamos a analisar os papéis, encontrando vários registros de falcatruas e documentos falsos, além de recibos e contratos dos mais piores tipos… ao que parecia 15 minutos depois, Demetria desceu as escadas, vestindo uma camiseta preta lisa e um short moletom cinza, seus cabelos estavam presos em um coque feito as pressas, e suas sardinhas estavam evidentes, me controlei pra não babar! Tão linda…

Ela me olhou e fez sinal com a cabeça em uma pergunta silenciosa sobre eles estarem ali… Levantei levemente um dos papéis que estava analisando, e ela concordou com a cabeça antes de ir até a cozinha. Mais ou menos 5 minutos depois ela voltou segurando uma bandeja com algumas xícaras dentro.

—trouxe café pra vocês… —ela sorriu enquanto colocava a bandeja sobre a mesinha —sei que vocês tem que ficar acordados… —completou pegando uma xícara para ela e vindo se sentar ao meu lado.

—obrigada… estávamos precisando. —Hector agradeceu todo simpático e bobo, ele era fã dela e isso estava claro… Natasha e meu pai também agradeceram antes de pegar a xícara, e Demi se limitou a sorrir brevemente.

—tudo bem se eu ficar aqui? —perguntou depois de alguns segundos.

—claro, são assuntos que você vai saber mais cedo ou mais tarde mesmo. —meu pai riu, dando de ombros.

—quer? —ela perguntou baixo para mim, me oferecendo sua xícara. —é chá… eu tomo pra dormir melhor. —abriu um sorriso fofo.

—tenho que ficar acordada também… —respondi no mesmo tom, mostrando minha xícara de café e sorrindo de canto —à propósito, o café tá uma delícia. —falei após dar um gole. Tem algo que Demetria não faça direito?! Ela sorriu tímida enquanto puxava o papel que eu lia para ler também.

[…]

Já fazia duas horas que estávamos discutindo sobre todos aqueles documentos e pensando nas hipóteses possíveis para ter levado Emma ao suicídio, aquilo ainda era bizarro demais. O café já tinha acabado, mas estávamos tão envolvidos naquilo que nem vimos o tempo passar… apenas Demetria que havia encostado no outro braço do sofá e dormido, e estava dando agonia de vê-la toda torta. Ela estava com uma das mãos sobre o rosto e a outra sobre seu abdômen, os pés pendurados para fora do sofá para possivelmente não encostar em mim e não me incomodar, tadinha, ela tava toda torta assim só pra não jogar as pernas no meu colo?!

—Cassie, arruma a Demi pelo amor de Deus ou amanhã no evento ela vai tá com torcicolo. —Hector pediu preocupado. Me levantei e me reclinei sobre ela, deitando-a sobre uma almofada e colocando as pernas dela sobre o sofá. Levantei as mesmas para me sentar, e coloquei seus pés sobre minhas coxas, voltando a analisar o documento que estava em minhas mãos. Senti olhares sobre mim e levantei os olhos do papel para conferir…

Os três me olhavam desentendidos, como se eu tivesse feito a coisa mais bizarra que eles já viram… Revirei os olhos e voltei a atenção para o papel.

—só não quero sentar no chão né. —falei sem olhá-los inventando uma desculpa para aquilo —então, acho que os esquemas de corrupção envolvem outros países também, olha só, esse recibo aqui é de um banco da Suíça. —falei enquanto entregava o papel ao meu pai.

[…]

Ficamos mais uma hora discutindo aquilo e conversando sobre, até percebermos que amanha teríamos muito o que fazer e já era de madrugada, além de nada mais para ser discutido sem uma boa pesquisa nos arquivos da agência.

—acho que devemos ir… —meu pai disse enquanto colocava os papéis na caixa, apoiando a cabeça em uma das mãos, claramente cansado.

—é, acho melhor discutirmos o resto depois… —Natasha se levantou, pegando a caixa.

—quer que leve Demi lá para cima, Cassie? —John perguntou.

—não, não. —olhei rapidamente para ela, —ela sempre dorme aí. —dei de ombros e os acompanhei até a porta. Mas a verdade era que em partes eu não queria que entrassem no quarto dela pois achava muita invasão de privacidade (e só eu podia fazer isso), e segundo que para ser bem sincera não queria ninguém tocando nela, então preferia carregá-la até lá em cima que ver qualquer outra pessoa carregando-a, por questão de respeito, óbvio que não era ciúmes… CASSIE ADMITE QUE É CIÚMES, SIM! —me mantenham ligada no assunto. —pedi enquanto Natasha me dava um abraço rápido antes de ir em direção ao carro.

—tchau, filha. —John me deu um abraço apertado e um beijo no topo da cabeça, não me esperou responder para ir em direção ao banco do motorista do carro.

—e aí? Tá tudo bem entre vocês? Até que você tá se saindo bem como famosa, né? —Hector riu e esperou que eu respondesse.

—ah… tá tudo bem. —dei de ombros —claro que estou me dando bem, nasci para os holofotes, meu bem. —falei brincalhona e quase em ironia para Hector.

—juízo, hein garota. —falou me abraçando —pode me ligar qualquer emergência ou qualquer coisa… e disfarcem melhor você e Demi nesses olhares quentes de vocês, parece que tão transando na imaginação uma da outra —ele revirou os olhos, saindo de meu abraço.

—tá doido?! —arregalei os olhos, olhando-o. Não podia tá tão na cara assim, né?!

—ai, relaxa, só eu vi… —ele revirou os olhos. —sou seu amigo acima de seu colega de trabalho, fica tranquilo, okay? —me deu um beijinho na bochecha antes de sair quase saltitando até o carro.

Fechei a porta atrás de mim e fui até a cozinha beber água, voltando para a sala em seguida, observando Demetria dormir igual um anjo naquele sofá. Caminhei até ela, e com muito cuidado passei um dos braços sob seus joelhos e outro em sua nuca, suspendendo-a e a arrumando em meu colo de modo que a escada não fosse acordá-la hora de subirmos.

Caminhei lentamente com ela, e a senti remexer em meus braços, se afagando mais em minha pele e meus braços. Seu rosto estava voltado para meu corpo, e sua respiração batia morna em minha pele. Subi os degraus com o maior cuidado possível tanto para não desequilibrar quanto para não acordá-la.

Empurrei a porta do seu quarto com leveza, agradecendo pela luz estar ligada. Caminhei com Lovato até sua cama e a coloquei com delicadeza, tomando cuidado para não acordá-la, Batman e Cinderella pularam na mesma logo em seguida, se acomodando aos pés da mesma. Arrumei o travesseiro sob sua cabeça, e a cobri já que estava um pouco frio naquela noite, indicando que vinha chuva por aí… Passei os olhos pelo quarto em um costume de cuidado e proteção, conferindo se estava tudo certo. Saí do cômodo a olhando uma última vez antes de desligar a luz e encostar a porta, indo até meu quarto.

Escovei os dentes e me joguei na cama, estava simplesmente exausta e ainda pasma com aquele beijo… talvez hoje se tornasse mais que um beijo! DEUSES! O que é que eu tô fazendo?! Ainda por cima Hector desconfiou… Eu estava muito lascada! Não sei como em meio a tantos pensamentos eu consegui dormir, mas simplesmente apaguei completamente.

[…]

Dei um pulo de susto, me sentando rápido na cama com o clarão que invadiu meu quarto, sendo seguido por um barulho estrondoso. Tempestade. Não era o primeiro trovão, havia ouvido os outros mas ignorado completamente já que meu sono era demais, mas esse simplesmente havia sido terrível, e me assustou de verdade.

A chuva caía muito forte lá fora e fiquei levemente angustiada, cobrindo até meus ombros após me deitar de novo. Respirei fundo, tentando dormir, sentindo o quarto clarear seguido de outro trovão forte.

Ouvi alguém bater na porta e meu coração quase saiu pela boca. Só falta ver assombração também agora! A maçaneta girou e a porta abriu em uma fresta, e mesmo com a luz fraca reconheci a expressão tímida no rosto.

—Cassie… —Demetria me chamou quase em um sussurro choroso. —eu não gosto muito de trovões… —ouvi ela suspirar pesado —posso dormir aqui? Se quiser eu trago o colchão e…

—calma… —dei de ombros me afastando do meio da cama de casal e indo para um dos lados —pode deitar aqui… —sinalizei com a cabeça ainda meio bêbada de sono, me jogando na cama e me virando para o outro lado, de frente para a janela.. Senti algo mais leve pular na cama e desconfiei que fossem os dois cachorrinhos.

Senti Demetria sentar na cama, e depois se acomodar atrás de mim no colchão, puxando um pouco a coberta. Outro clarão invadiu o quarto junto de um barulho forte, e ela deu um pulo na cama, apertando meu braço com força.

—odeio trovão. —sussurrou abafada.

Me virei para ela, sorrindo encantada com tamanha inocência em uma pessoa…

—é só carga elétrica na atmosfera, resultado do aquecimento brusco e a rápida expansão do ar… —respondi com a voz rouca embargada de sono, sentindo preguiça até de voltar ao meu lugar, ela piscou, parecendo desentendida pelo que falei. Outro trovão estralou alto, e Demetria arregalou os olhos, apertando minha mão.

—Me abraça? —Demetria pediu sussurrando e quase sem voz, se encolhendo na cama, abri mais os olhos, arqueando a sobrancelha para ela, a carinha dela tava tão assustada que foi impossível dizer não… eu sou muito mole quando se trata de Demetria Devonne Lovato!

—vem cá… —sussurrei passando o braço por baixo do pescoço dela e pousando a mão em seu ombro, ela se aproximou mais e senti sua respiração bater próximo a minha clavícula, ela pousou uma das mãos um pouco acima de meus seios, seu toque quente me fez arrepiar levemente. Nos cobri até a cintura e passei o outro braço por cima de seu quadril, juntando nossos corpos, senti seus seios tocarem os meus mesmos cobertos, fazendo meu corpo esquentar. —pronto? —sussurrei próximo ao seu ouvido.

—aham… —sussurrou com a voz embargada, rindo de leve. Trovejou alto, e Demi tremeu em meus braços, me fazendo apertá-la contra mim.

—calma… é só um trovão e eu to aqui… —beijei o topo de sua cabeça. Ela deslizou os dedos por minha pele em um carinho suave por alguns minutos, sua respiração foi acalmando e seus movimentos em minha pele ficaram lentos até cessarem, me afastei um pouco para olhá-la, vendo seus olhos fechados, os lábios levemente abertos e a respiração lenta, tão linda dormindo… estava com tanto sono que não demorou muito para que eu dormisse, sentindo o calor de seu corpo me confortar.

[…]

Point of View, Demi Lovato.

Acordei com a luz do sol iluminando o quarto através das frestas das cortinas. Um calor agradável envolvia meu corpo, e olhei para cima, vendo Cassie dormir tranquilamente, seu corpo colado ao meu, um de seus braços sobre minha cintura e outro sob meu pescoço. Me aninhei mais em seus braços, sentindo-a afagar meu cabelo com a ponta dos dedos. Sorri levemente, encostando minha cabeça acima de seu peito.

—bom dia… —sussurrei, me inclinando levemente sobre seu rosto e beijando de leve sua bochecha, ela sorriu abrindo os olhos em uma fenda, acariciando minha bochecha.

—bom dia… —falou com a voz embargada, fechando os olhos outra vez.

—já são nove horas… —disse a olhando —vamos levantar? —sugeri deslizando a mão por seu ombro e braço.

Ela resmungou, puxando um travesseiro e cobrindo o rosto.

—vamos lá… —falei começando a fazer cosquinha nela. Ouvi sua risada sob o travesseiro e tirei o mesmo de seu rosto, ela parou de rir e ficou com um sorriso muito lindo me olhando, sorri junto com ela e aproximei nossos rostos involuntariamente. Cassie manteve os olhos nos meus, e levantou o rosto rapidamente, me dando um selinho muito rápido. O QUE?! Fiquei surpresa, mas adorei demais. Ela tava aceitando “nosso caso”?! Sorri de imediato após aquele selinho, e ficamos nos olhando por alguns segundos.

—se você fizer café da manhã eu levanto agora. —ela falou animada, e não evitei sorrir.

—ganho outro beijinho se for agora? —tentei.

—só depois do meu café… —falou já levantando e indo em direção ao banheiro.

Corri os olhos pelo seu corpo me perguntando como tive autocontrole para me segurar durante a noite, que short apertadinho nessa bunda maravilhosa! Meu sono era tanto que nem havia tentando ou pensado em nada, além do meu pavor por tempestades… única vez que havia conseguido dormir mesmo com tantos trovões… Cassie fazia eu me sentir segura…

Ela fechou a porta do banheiro, e levantei correndo indo até o meu, escovando os dentes e tomando um banho rápido (até demais), colocando uma lingerie qualquer e vestindo uma regata azul soltinha e um short jeans. Desci as escadas correndo e comecei a preparar o café… isso tudo era pelo “beijinho” que ela me prometeu?! Fiz ovos mexidos, bacon, e algumas wafles, coloquei tudo em cima da bancada, fervendo leite para fazer capuccino… que saudade da Abigail fazendo meu café…

Tirei o leite do fogo e preparei o café em duas xícaras, no exato momento em que Cassie aparecia na porta da cozinha, arqueando as sobrancelhas para me olhar. Quase derrubei a xícara já que o olhar dela foi totalmente penetrante. Passei os olhos rapidamente por ela, tentando não prestar atenção naquela regata branca apertadinha e decotada que ela usava.

—vem tomar café, temos o evento às duas na galeria de arte… e amanha temos outro também pela tarde em um evento. —falei me lembrando dos compromissos que tínhamos nesse fim de semana, e não querendo dizer o evento de domingo já que até eu estava inclinada a não ir, porém já tinha assumido o compromisso e teria que comparecer, mas por alguma razão me sentia tímida de ir àquele evento ao lado de Cassie. Vai saber por que, né?!

—vamos demorar muito hoje? —perguntou enquanto se sentava e servia algumas coisas no prato. Não acredito que ela não colocou bacon!

—fiz bacon, também… pega. —estendi o prato de bacon para ela. Cassie me olhou por alguns segundos e negou.

—não como carne, baby… to aqui ha um tempão e você não percebeu isso?! —ela perguntou quase incrédula, dando um sorrisinho de canto, Decepcionado?

—é que… bem, só achei que não gostava muito das que tinha… —dei de ombros, eu realmente não pensei naquilo… ela me olhou com as sobrancelhas arqueadas e revirou os olhos. Sentei ao seu lado e dei um beijinho em sua bochecha enquanto ela tomava um gole do capuccino. —desculpa é que eu sou meio lerda e não percebo as coisas… —sorri, e de brinde ainda recebi um sorrisinho lindo dela.

—ta tudo uma delícia… —falou enquanto comia um pedaço de wafle com calda de chocolate. Sorri brevemente enquanto tomava meu café.

Não demorou mais que 15 minutos para ambas terminarem o café da manhã, e tomei coragem para resolver aquele assunto de uma vez por todas, tirei meu prato da pia e sentei na diagonal com ela, sentando de modo que ficasse de frente para a mesma. Cassie serviu mais capuccino, assim como eu.

—Cassie… —chamei exitante enquanto mexia o café, sem desviar os olhos da xícara, senti seu olhar sobre mim e tentei ser mais forte que a pressão que seus olhos me causavam —acho que agora que ficou bem claro… deveríamos resolver nossa questão… —a olhei de soslaio, vendo-a me olhar, desviei rapidamente me voltando para a xícara. Ela suspirou alto, e cruzou os dedos das mãos, apoiando os cotovelos sobre a bancada.

 

Point of View, Cassie Moretz.

—eu concordo… —respondi, fazendo-a me olhar. —eu acho que já tá mais do que claro que a gente não pode resistir a isso né… —desviei meus olhos dela, com uma estranha sensação de conforto e rendição… Não me entenda mal, ou como uma pessoa fraca, mas resistir a Demetria era impossível, ficou mais que claro que o desejo era recíproco ontem pela noite, e ficou claro também o carinho que sentimos uma pela outra quando Demetria recorreu a mim durante a tempestade com medo… resistir a ela era algo que estava fora de meu alcance, e sabia que do dela também… então era melhor aceitarmos e cuidar para que nada desse errado.

—está falando sério?! —Lovato piscou, como se tentasse voltar a realidade.

—estou… eu me rendo... —sorri de lado, olhando-a e admitindo.

Ela se levantou e veio em minha direção, virou o banquinho para si, e se colocou de pé entre minhas pernas.

—quer dizer então que vai parar de resistir a mim? —ela colocou os braços em volta de meu pescoço, fixando os olhos em mim.

—talvez… —me fiz de difícil, observando-a arquear as sobrancelhas e sorrir.

—duvido que consiga… —falou se inclinando sobre mim, colocando o rosto próximo ao meu pescoço, distribuindo beijos pelo local. Não resisti mesmo, e joguei minha cabeça para o lado, dando mais acesso a ela, por que eu estava me entregando tanto?! Demi mordeu minha pele, deslizando uma das mãos pela lateral de meu corpo.

—sem apelar… —sussurrei quando ela apertou minha coxa e sugou meu pescoço. Ela riu contra minha pele e a puxei para beijar seus lábios. Começou como um selinho demorado, passei a língua por seu lábio inferior, antes de aprofundar o beijo, era calmo, sem pressa, e delicioso. Sua língua se enrolou com a minha lentamente, e minhas mãos passeavam por suas costas enquanto as suas seguravam minha nuca. Desci minhas mãos até sua bunda, apertando-a e trazendo mais para mim, sentindo-a suspirar entre o beijo. Ela mordeu meu lábio antes de se afastar.

—e eu que apelo, né?! —falou dando um tapinha sobre uma das minhas mãos em sua bunda. Sorri antes de me reclinar para beijar seu pescoço, beijando lentamente e sugando sua pele, apalpando-a outra vez. Ela gemeu abafado quando minha língua passou por sua pele, antes de empurrar meus braços levemente. —parou, porque temos que nos arrumar para sair… —sorriu para mim.

—podemos almoçar fora? —pedi de imediato, queria muito um sanduíche… meu Deus eu deveria ser mais saudável agora, né?!

—podemos… —ela revirou os olhos e sorriu. —mas já tá tarde e temos que estar lá as duas… nada de short muito curto porque não quero socar a cara de ninguém que olhar para o que é meu… —ela juntou as sobrancelhas, parecendo brava. Nem tínhamos nada sério e Demetria já tava dando crises de ciúmes agora?!

—você é ciumenta nesse nível?! —arqueei a sobrancelha para ela, segurando sua cintura.

—é que… —ela começou a dizer nervosa —eu não gosto muito que mexam com você… lembra a festa na casa do Nick? — riu nervosa —pois é… —deu de ombros.

—sabia que era ciúmes! —ri a puxando mais para mim e apertando em um abraço. —tá bom não vou ficar com ninguém lá… —falei enquanto a abraçava.

—lá? E em outros lugares, vai? —falou levantando o rosto e me olhando emburrada, com um biquinho nos lábios.

—por deuses, Demetria! —falei entre uma mistura de riso e surpresa —para de ciúmes, não vou não… —revirei os olhos —e você também não vai. —completei a olhando brava. Ela se encolheu um pouco entre meus braços e concordou. Dei um beijinho em sua testa antes de a soltar de meu abraço. —vamos nos arrumar ou não sairemos a tempo.

[…]

Terminei de me vestir, colocando um short preto e uma blusa também preta, regata e soltinha com o logo do Aerosmith, aberta dos lados de modo que meu sutiã ficasse com a renda um pouco exposta. Calcei o coturno de cano baixo e fiz uma maquiagem mais leve já que era de dia, passando lápis e rímel, finalizando com um batom marrom quase imperceptível. Penteei meus cabelos, deixando os cachos das pontas modelados, trancei a lateral do mesmo, fazendo quase um sidecut.

Bati na porta do quarto de Demetria, ouvindo-a dizer “pode entrar”. Abri a mesma e entrei no quarto, olhando-a de imediato, ela estava tão linda… Estava em um vestido salmão sem mangas e frente única, com uma fenda na perna. Reclinava-se em direção ao espelho, passando rímel. Os cabelos soltos caindo por seus ombros pareciam mais curtos já que estavam ondulados. Passou um batom coral e se virou para mim.

—wow… —ela riu maliciosa —uma gata dessas que eu to pegando?! —falou presunçosa, vindo em minha direção.

—convenhamos que eu que to pegando aqui… —sorri maliciosa, em um tom convencido, abraçando sua cintura e mordendo seus lábios, conferindo se não havia borrado os batons. Ela colocou a mão em minha bochecha, empurrando meu rosto para o lado, simulando um tapa, as sobrancelhas arqueadas em uma expressão indignada.

—diminui esse ego, tá? —ela revirou os olhos. Sorri a puxando mais para mim e tentando beijá-la, ela virou o rosto, e percebi que ela estava segurando a risada.

—aaaaa nem vem com birra, Demetria! —falei apertando sua cintura e atacando seus lábios, beijando-a com vontade. Já que tinha admitido mesmo, ia usufruir do meu direito! Nossas línguas se encontraram com pressa, e nos beijamos com desejo claro, a empurrei sobre a cama ao nosso lado, ficando sobre ela e percorrendo todo seu corpo com minhas mãos.

—eeeeeei —ela me empurrou pelos ombros, afastando nossos lábios e me olhando.—tira essa cara de safada se não eu não resisto… —falou manhosa, mordendo os lábios. Porra, Demetria! Colabora! —nós temos que ir, meu bem… —falou depositando um selinho rápido em meus lábios e me tirando de cima dela, levantando da cama e me puxando pela mão. —vamos. —falou calçando as sandálias douradas de salto.

—ah não… você vai de salto? —fiz biquinho, tava com manha mesmo!

—vou, o que tem? —ela me olhou desentendida.

—você fica muito mais alta que eu… —revirei os olhos, falando com a voz enjoada.

—eu sou mais alta que você de todo jeito, honey… —ela riu convencida, acariciando meu rosto, me limitei a revirar os olhos e dar língua pra ela —essa língua eu sei o gosto… agora vamos… —falou me puxando antes que eu pudesse responder alguma coisa.

Acabamos que nem fomos almoçar, e nos dirigimos direto ao local. Era um evento de caridade e estava um pouco mais cheio que esperava, descemos do carro que viemos disfarçando toda a vontade de nos beijar já que o motorista era um agente, e após isso Demi ligou para uma concessionária providenciando um carro blindado com a parte de trás com divisória. Rápida e direta, né?!

Uma tonelada de flash’s nos atingiu assim que Demetria pisou fora do carro, em meio a sorrisos e acenos, atravessamos o tapete, entrando no salão. De imediato um fotógrafo chegou e nos pediu uma foto, nos abraçamos de lado e talvez eu devesse ter subido mais minha mão já que a mesma ficou em seu quadril. Fomos em direção a um aglomerado de pessoas próximas dali, cumprimentei alguns famosos juntos de Demetria, e logo a vi retorcer os lábios ao Ariana fazer questão de me abraçar, a cumprimentando meio a contragosto em seguida. Por que tanto ciúmes da menina assim?!

—ei… —falou após algum tempo, me puxando da rodinha de pessoas em que estávamos —eu vou lá com Wilmer pra gente andar por aí e depois ele ir embora… —ela revirou os olhos —vai ficar bem, aí? —perguntou olhando as pessoas da rodinha.

—vou sim, fique tranquila. —sorri, tentando confortá-la.

—cuidado com a Ariana… —ela revirou os olhos, a olhei desentendida —ela tá te comendo com os olhos…

—para de ciúmes, Demi… —sorri brevemente —tá tudo bem, vai lá com seu namorado. —falei debochada, não conseguindo resistir.

—para de graça, não suporto ele. —crispou os lábios me olhando. —vou lá… —me soltou um beijinho, e devolvi antes dela virar as costas e ir em direção a ele. Observei de soslaio Demi o abraçá-lo e beijar sua bochecha, dando um sorriso falso. Desviei o olhar e voltei para a rodinha de pessoas.

[…]

Já fazia algum tempo que Demi havia saído dali de perto, e estava perambulando pelo local após dar algumas entrevistas e encontros rápidos com Lovato. Um dos agentes de Demi se aproximou e pediu que eu chamasse ela e Wilmer, pois tinham pedido uma entrevista com nós três.

—ei Demi, —chamei, tentando soar casual, ela fez sinal para que cumprimentasse Wilmer, e aí lembrei que tinha que fingir que não sabia do contrato. —oiiii —falei me virando para ele, sorrindo falsa e me fingindo surpresa, ele me olhou assustado —a Demi fala muito de você! —estendi a mão cumprimentando-o.

—ah… —ele riu —obrigado… ela também me disse que são boas amigas… —o filho da puta fingia bem, isso que era pior! Se Demi não tivesse me falado, juraria que ele era super gente boa, sínico!

—tão pedindo pra gente dar entrevista, nós três juntos… —falei olhando onde os repórteres estavam. —vou indo lá, vão logo, Demi explica pra ele como devemos agir… —falei sorrindo tentando não soar sínica, virando as costas para eles e saindo em direção aos repórteres.

—estamos aqui com Cassie Moretz, amiga de Demi Lovato, que está fazendo sucesso nas redes sociais e queremos saber, qual seus planos na mídia? —o repórter perguntou, e gelei na hora. Meu Deus! O que eu vou responder?!

—ela vai fazer algumas propagandas e ser minha companheira oficial em tudo, né Cassie? —Demi apareceu ao meu lado, passando o braço por meus ombros. Por pouco não me lasco! Sorriu para mim, assim como eu.

—claro! Por enquanto estou focada nos estudos e pretendo deixar as coisas fluírem naturalmente… O que tiver que ser, vai ser… —sorri, tentando suavizar aquele assunto e sair logo dele.

Fizeram algumas perguntas irrelevantes para nós três, e tentei ignorar algumas coisas que tentavam insinuar que eu tinha um caso com Demetria mesmo com Wilmer ali na entrevista. Quando finalmente acabou, sai dali irritada, Demi ainda tentou falar alguma coisa mas fiz sinal para que ela continuasse ao lado de Wilmer, fui para o meio do povo e acabei trombando com Nick, que me olhou de imediato.

—Cassie! —falou surpreso, me abraçando de imediato, o que me deixou sem reação, e devolvi o abraço meio sem jeito. —nem te vi, e aí? Tudo bem?

—ah to bem, e você? —tentei soar educada.

—to ótimo agora, —respondeu com um sorriso de canto, o que me deixou intrigada, isso era uma cantada?! —tá com sede? Vamos pegar algo para beber…—falou me puxando pelo braço, indo em direção a mesa de bebidas. —quer o quê?

—sei lá, pode ser esse aí de morango… —dei de ombros, apontando um líquido vermelho. Ele serviu em um copo e me entregou, servindo um drink verde para ele. Nos afastamos dali e começamos a conversar sobre coisas aleatórias e filmes, após uns 20 minutos vi Demi se aproximar, olhando de um modo não muito agradável para Nick.

—oi… —falou me olhando, colocando a mão em meu ombro e sorrindo para mim. —oi. —se virou para Nick, soando mais seca do que jamais havia visto.

—e aí, Demi. —disse ele, simpático. —tava aqui falando com a Cassie sobre alguns filmes…

—sei muito bem os filmes… —falou debochada e meio baixo. —vem aqui comigo, por favor… —me chamou, e concordei de imediato me despedindo de Nick e a seguindo. —ele tava dando em cima de você? —ela perguntou enquanto andávamos lado a lado, me olhando fixamente.

—não! Para de neura! —a olhei incrédula. O ciúmes dela tava muito pra quem nem namorava!

—é que ele deu em cima de você da outra vez. —revirou os olhos, suspirando. Entramos no banheiro feminino, e ela me olhou. —desculpa, é que eu não gosto de gente dando em cima de você…

—Demetria, ciúmes não vai adiantar nada. —revirei os olhos, e ela concordou meio cabisbaixa —E eu sou lésbica. —completei, colocando o copo que estava em minha mão sobre a bancada que estava escorada, não ia beber suco no banheiro, né?!

—sério? —perguntou surpresa e eu concordei —pensei que fosse bi… —ela deu de ombros. —menos mal que nenhum cara tem chance… —ela riu.

—Demi já disse que eu não vou ficar com ninguém… —reafirmei, revirando os olhos.

—eu sei, eu sei… —ela se apressou em justificar. —mas é que mesmo se não tivéssemos esse… —ela pareceu pensar —isso que temos… —nomeou —você não teria interesse nele, e isso me conforta. —ela deu de ombros.

—certo, ciumenta. —revirei os olhos. —o que viemos fazer aqui mesmo? —cruzei os braços a olhando.

—algo que eu não tava mais aguentando ficar sem… —falou me puxando para dentro de um dos box’s, me colocando contra a parede e me beijando. Tudo tão rápido que apenas tive tempo de corresponder, juntando nossas línguas em um beijo quente. Suas mãos acariciavam minhas costas por baixo da blusa, enquanto as minhas desciam por seu corpo, puxando uma de suas pernas para cima, a que o vestido era aberto, e acariciei sua pele, fazendo um caminho perigoso pela parte interna de sua coxa, sentindo seu sexo emanar quentura mesmo sem tocá-lo, ela soltou o ar pelos lábios no momento em que cheguei próximo a sua intimidade.

—Demi?! —ouvi alguém chamar do lado de fora do banheiro, e nos afastamos depressa. —você tá, aí? —reconheci como sendo um dos seguranças do local que tinha me cumprimentado mais cedo e que eu tinha comentado como ali deveria ter comida já que eu estava morrendo de fome, fazendo o cara do tamanho de um armário gargalhar.

—oi… —ela falou ainda sem ar —to sim, to retocando a maquiagem.

—tudo bem, senhor Wilmer está te procurando. —gritou do lado de fora do banheiro.

—já estou indo. —respondeu. Voltou a me olhar, e passou a mão pelos cabelos. —porra! —praguejou baixo.

—a gente tem tempo… —falei rindo de canto e abrindo a porta do lavabo, saindo do mesmo e indo até o espelho.

—já estamos indo embora… —ela falou se aproximando de mim e encostando seu corpo no meu —quero você quando chegarmos em casa… —sussurrou mordendo o lóbulo de minha orelha, antes de se afastar, a segui e saímos do banheiro lado a lado, dando de cara com Wilmer.

—o que estavam fazendo juntas?! —ele perguntou com a sobrancelha arqueada.

—qual é cara, nunca assistiu Harry Potter e a câmara secreta?! —falei socando seu ombro de leve, tentando ser a “amigona” —mulheres não podem ir ao banheiro sozinhas… —disse antes de sair de perto dos dois, circulando pela festa, logo Ariana e Miley se aproximaram com conversas aleatórias e cheias de duplo sentido que eu fazia questão de cortar.

 

Point of View, Demi Lovato.

Wilmer pareceu não acreditar muito na história de ir ao banheiro por medo de algo, mas não deu muita audiência, andamos por alguns minutos pelo local antes dele dizer que precisava ir embora e finalmente sair dali.

Fui atrás de Cassie, e a vi conversando com Miley e Ariana, fechei os punhos tentando não me estressar com aquilo. Ariana tava tão atirada pro lado de Cassie que mais um pouco e ela caía!

—ah eu te acho muito gata… —ouvi ela falar quase babando em cima de Cassie, a loira se limitou a dar um sorriso fechado e desviar os olhos. Obrigada por não me fazer surtar! Me aproximei, tocando seu braço.

—vamos? —falei baixo para ela, sorrindo brevemente para as duas ali.

—claro, to com fome… —disse Cassie, e juro que senti um tom malicioso em sua frase. Por deuses! Não me faz imaginar coisas aqui! —tchau —abraçou levemente Miley e depois Ariana, que vez questão de tocar sua cintura com a unha.

Saímos dali com mais alguns flashes e sorrisos automáticos, correndo para o carro. Entramos no mesmo e tentamos nos distrair com qualquer coisa que não fosse a vontade enorme de nos beijar.

Chegamos em casa e assim que fechei a porta da mesma, Cassie me puxou, pressionando seus lábios contra os meus, uma de suas mãos envolvia minha cintura enquanto a outra percorria a lateral de meu corpo, infiltrei meus dedos em seus cabelos, a puxando mais para mim. Ela foi me empurrando até a sala e me inclinando para deitar sobre o tapete, e ficou sobre mim assim que meu corpo atingiu o mesmo. Nossas línguas batalhavam por dominância, envolvendo-se em uma lascividade extremamente quente, sentia seu corpo tão quente quanto o meu, fervendo de tanto desejo, o ar começou a faltar em nossos pulmões, e ela desceu beijando meu pescoço, seus lábios fazendo todo meu corpo arrepiar.

—você não tava com fome? —perguntei em meio a mordidas e chupões, tentando manter a sanidade de não gemer só com aquilo. Que dom era aquele de me deixar totalmente excitada tão fácil?!

—fome de você… —sussurrou em meu ouvido, mordendo a parte abaixo dele e fazendo um caminho por minha clavícula e meu ombro, mordendo e beijando cada centímetro.

Não evitei gemer quando ela sugou a lateral de meu pescoço enquanto acariciava minha coxa descoberta. Ela começou a afrouxar a parte de cima de meu vestido com a outra mão, apoiando o cotovelo próximo a minha cabeça, consegui baixar um pouco o banho, e começou a beijar a parte exposta de meus seios, arranhando de leve minha coxa, subindo cada vez mais.

Beijava bem próximo a meus seios, e não resisti, pegando sua mão em minha coxa e a colocando sobre minha intimidade, ainda coberta pelo vestido e lingerie. A sentir sorrir maliciosa e tocou a área com a ponta dos dedos, e tinha certeza que estava muito quente, meu corpo se arrepiou de imediato com aquele simples toque. Cassie distribuía beijos e chupões pela parte descoberta de meus seios, e chegou bem próxima aos meus mamilos, mas voltou a me torturar com aquela calma, seus dedos começaram um movimento lento sobre meu clítoris, e gemi de imediato, desejando aquele toque cada vez mais rápido e forte. Sugou com força a parte exposta do vale de meus seios e massageou meu clítoris com mais pressão, fazendo um gemido escapar por entre meus lábios e cada vez escapavam mais. Ela puxou meu vestido para cima, e tocou minha entrada por cima da calcinha, enquanto me olhava, mordeu os lábios ao perceber o quão molhada eu estava, e subiu os dedos outra vez voltando a massagear aquela área enquanto me olhava fixamente. Gemi diante dos seus toques, fechando os olhos, logo senti seus lábios contra os meus, e gemia entre o beijo conforme seus dedos massageavam-me. Sentia meu corpo ferver de desejo e minha intimidade totalmente encharcada, quase implorando por Cassie. Eu tava quase para pedir pra ela me comer de uma vez! Meu corpo arrepiou e cravei as unhas em sua nuca, mordendo seu lábio inferior, gemendo em seguida, mais um pouco e eu teria um orgasmo só com aqueles toques… Não acredito que eu tava tão fraca assim pra sexo! Gozar rápido assim, Demetria!

Um iceberg caiu sobre mim, e todo o tesão foi brutalmente interrompido, Cassie e eu arregalamos os olhos uma pra outra, não acreditando que tínhamos sido interrompidas outra vez. A campainha tocou outra vez, e ela saiu de cima de mim, deitando no tapete.

—porra! —grunhi. Eu ia matar quem estivesse naquela porta, não é possível que tenham interrompido a minha foda!

—acho que o destino não quer que a gente transe… —falou enquanto eu me levantava, rindo a contragosto.

—só pode! —falei irritada, arrumando minhas roupas e indo em direção a porta, como é que não me avisaram que tinha gente vindo?! Como só deixaram entrar?! A mas eu ia matar quem estivesse ali! Girei a maçaneta e puxei a porta com certa indignação e estresse. —mãe?! 


Notas Finais


oooooi, nao me matem... amo vcs hehehe juro q o hot tá chegando
gente não esqueçam de me seguir no twitter meus amores @kateverona2 sou bem lesa e engraçadinha confiem S2
leiam minha outra fic tbm por favorzinho... https://www.spiritfanfiction.com/historia/a-perdicao-de-atena-13791277
e mais uma perguntinha, vocês preferem o hot no pov da Demi ou da Cassie e porque? POR FAVOR RESPONDAM ISSOOOOO S2
até logo, amo vcs S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...