1. Spirit Fanfics >
  2. Psicopata? (V) Taehyung >
  3. Para Sempre.

História Psicopata? (V) Taehyung - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


OIE! MAIS UM CAP. CONTINUA, E EU REALMENTE ESPERO QUE GOSTEM PELO AMOR DE DEUS! SE GOSTAREM, COMENTEM SOBRE ELA. AMO OLHAR OS COMENTÁRIOS DE VOCÊS.

Capítulo 8 - Para Sempre.


Fanfic / Fanfiction Psicopata? (V) Taehyung - Capítulo 8 - Para Sempre.


- Não me obrigue a fazer isso Elly! - Disse ele me puxando e apertando ainda mais a gola sobre meu pescoço.

- Não Taehyung... por favor! Eu lhe imploro! Não faça isso... - Disse chorando tentando tirar as mãos dele da minha blusa.

Ele está louco, a ponto de me matar a qualquer momento. Ele me empurrou no chão do banheiro, e em seguida veio e me puxou pelo cabelo, me arrastando até a cadeirinha que estava no banheiro. Assim que sentou sobre a cadeira, levou meu cabelo acima expondo meu rosto molhado a ele.

- Eu já cansei de suas tentativas! Você tem que aprender a me respeitar!  Ou então, eu não vou me segurar e te sufocar.

- Se você... quisesse... me matar... Já tinha feito isso! - Falei sem pensar, saiu sem eu querer.

Ele olhou pra mim, e me encarou fazendo um olhar que não consegui fixar. Ele colocou uma mão no meu pescoço, e depois a outra. Ele apertou minha garganta, e eu sabia que ia morrer ali mesmo. Ele apertou ainda mais, me esforcando pela garganta. Continuou até um pedaço da minha língua sair pra fora, e depois disso ele continuou apertando mais ainda. Eu lembro que minha vista ficou embaçada e depois passou para o preto.

Acordei e estava deitada na cama. Me levantei e tossi bastante. Vi o Taehyung sentado na cadeira em frente à TV. Ele virou o rosto quando me ouviu, e deu um sorriso de canto.

- Eu quase te matei a mão. E ainda, está  viva. Agradeça, eu não te matei, porque eu vou precisar de você.

Me levantei, e fui olhar no espelho. Meu pescoço estava vermelho, quase em um tom de sangue. Olhei pro lado, e tinha uma garrafa de vidro. E veio aquela ideia, de pegar e quebrá- lá em sua cabeça. Não! Melhor não... mas só vai bastar uma lapada na cabeça dele, e você está livre. Decidi então pegar a garrafa, e fui pra trás dele.

Vamos... Só uma única... e ele cai duro no chão... Não, não posso! Mas eu vou estar livre... 

Antes que eu pudesse tacar em sua cabeça ele se virou bem rápido e levantou, pegando meu pulso fazendo com que eu soltasse a garrafa de vidro. Ele me levou pra cama ficando em cima de mim, segurando meus braços.

- Você já percebeu que nunca vai dar certo suas tentativas de fuga? 

- E você já percebeu que eu sou um ser humano que quer ser livre?

- Mas não vai ser, e vai ficar presa a mim pelo resto de sua vida! Ou seja, pra sempre!

- Não! - Disse tentando me soltar das mãos dele. Ele segurou com mais força e começou a rir. 

- Você é como um pássaro preso em uma gaiola voando por todo lado, a procura de uma saída. - Ele pirou. Agora eu tô presa com um psicopata e louco! - A partir de agora, você é meu brinquedo! - Agora deu! Ele vai me estuprar! Não  meu Deus! Que ele não faça isso comigo! 

Fechei os olhos e quando percebi ele saiu de cima de mim. Graças a Deus!

- Não se preocupe. Eu posso até bater numa mulher, mas nunca abusarei. Eu não sou estuprador, e sim um louco. Um bandido.

Eu não falei nada, só fiquei calada. Ele definitivamente é um louco. Eu não vou ficar aqui! Eu não vou de jeito nenhum! Só se Deus quiser.

Algum telefone tocou, era o dele. Ele foi pegar o celular, e atendeu. 

- Oi? Não, ainda não. Ok, eu vou procurar. Como é? Eles estão atrás dela? Ela não vai sair daqui. Não mesmo. Ok. Ela tem que ficar aqui, e pelo resto da vida. OK, mas ela vai ficar. Vou precisar dela. Ok.

Ele desligou o telefone e o jogou. Em seguida ele gritou. Ele veio em minha direção puxando o meu braço, e nos levou pra fora.

- Vamos! Entra no carro.

- O que aconteceu?  - Perguntei sem saber o motivo dele estar tão bravo. Ele saiu as pressas, o mais rápido possível.

- O que aconteceu? - Perguntei no meio do caminho.

- Nada! Fica calada! Quando chegarmos você vai saber.

- Tudo bem...- Levantei os braços de rendição.

Chegamos em um lugar, parecia hospedaria de hotéis. Ele falou com a recepcionista e eu olhei em volta. Ele segurou minha mão, e disse que iríamos ficar por alguns meses, e que éramos noivos.

Eu ia desmentir, mas eu senti uma coisa gelada nas minhas costas. Era uma arma que estava de baixo da minha blusa. Então eu concordei.

Ela pediu a identidade e ele deu uma. Eu vi que era falsa, mas ela não percebeu. Ele me puxou pelo braço e eu o segui.  Ouvimos a mulher dizer: "Aproveitem a noite!" E eu fiquei sem rumo! Ele olhou pra mim e sorriu.


Notas Finais


OIE! GOSTARAM? CABÔ MAIS UM CAP. E VOU TRAZER O PRÓXIMO MAIS RAPIDO POSSIVEL❤❤❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...