1. Spirit Fanfics >
  2. Psycho - seulrene >
  3. .unico

História Psycho - seulrene - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


prometo trazer pwp's melhores, não desistam de mim...

Capítulo 1 - .unico


 

 - Não deveríamos fazer isso S-Seulgi, meu pai...- Falou a bela jovem que arfava dentre os beijos e afagos calorosos, Joohyun se esforçava ao máximo para não gemer de forma manhosa, mas o jeito que a maior maltratava seu pescoço com os lábios, naquele momento chegava a ser pecaminosa de tão boa. - M-merda você faz tão gostoso... - Seulgi riu baixinho enquanto ouvia os murmúrios carregados de prazer, apalpava as nádegas e trazia o corpo delgado cada vez para perto de si.

- Eu sei que faço... - Beijou e travou suas mãos na cintura da mulher, acariciando lentamente, a deitando devagar e pondo seu peso em cima de Irene, essa que deixou-se levar pelos encantos da mais nova, que agora a tinha para sí em seu quarto, em sua cama e em seus lençóis.

Aquela era a primeira vez das duas, digo, uma com a outra, pois ambas já haviam se deitado com outras moças e outros rapazes do “panteão”, se é que podemos nomear tal lugar onde os filhos dos deuses moravam e eram ensinados.

Seulgi como boa filha de Afrodite, não poupava em colecionar corações, a maioria das garotas já havia conquistado, somente Joohyun que resistia aos seus chamados, até aquele momento pois agora, ela sentia a doçura dos lábios, a maciez da pele, era como um sonho realizado.

- Você sente seu corpo esquentar...? – Sussurrou com o tom aveludado, roçando seu nariz e fungando o cheiro sutíl e até maduro que vinha de Bae, como resposta recebeu apenas um aceno positivo, agora ela retirava a parte de cima das vestimentas, deixando a parte dos seios a mostra, não tardou em tocá-los com certa destreza, massageando o mamilo direito com agilidade e ao mesmo tempo carinho, Irene tremeu, gemeu baixinho – Isso meu bem... é o amor, ele esquenta você, te entorpece. – Segurou o queixo e forçou a troca de olhares, Joohyun, pode jurar que viu chamas nos olhos da mulher sobre sí, aquilo estava tomando rumos bem mais estreitos e profundos, grudaram os lábios novamente, era viciante.

Totalmente nuas, Kang virou se e colocou a menor em seu colo, com uma perna de cada lado, Bae se viu montada,, seus seios livres a faziam parecer pertencente a um quadro, tamanha beleza emanada. A mulher abaixo de sí tinha suas mãos fortes impulsionando rebolares em seu ventre, totalmente úmida e excitada, obedeceu.

Era noite e o quarto iluminado pelo pequeno lampião tornava tudo mais apelativo, Seulgi agarrava o corpo da menor, enquanto a mesma se esforçava, tentando saciar seu desejo no roçar de sua intimidade no baixo ventre, os olhos fechados expressavam necessidade.

- Me diga Joohyun... O que você quer que eu faça...- Travou suas mãos nas coxas do ser arfante, Kang sentia a umidade lhe molhar inteira, só conseguia visualizar em sua mente a imagem da intimidade latejante e brilhosa, pronta para sí.

Direcionou suas mãos para os dois montes medianos e massageou com gosto, apertando os bicos túmidos entre seus dedos, observava a expressão de completo prazer estampada na face da mais velha.

- Me tome para você... N-não é isso o que você sempre quis? – Gemeu baixo, mirando as duas esferas castanhas que transbordavam fogo e prazer. – Me ame Kang Seulgi... Honre aquela que exerce poder sobre ti... – Terminada essa frase, a maior não conseguiu pensar em mais nada, sua mente entrou em efervescencia, seu corpo acompanhou e seu coração se encheu de um sentimento estranho, até aquele momento.

Ergueu seu tronco agarrando a anca da mais velha com seu braço esquerdo, colando o corpo contra sí, gemeu discreta com o atrito entre os mamilos, a mão direita foi de encontro com a intimidade quente, masturbando devagar o nervo que tanto necessitava de atenção.

Irene era uma completa bagunça, se esfregava e gemia de forma livre, aproveitando do prazer, aqueles dedos pareciam fazer mágica, nunca havia sido tocada de maneira tão habilidosa, agora entendia a fama dos filhos de Afrodite, eles sabiam “amar” como ninguém. O lugar já estava repleto de um cheiro de sexo, com toda certeza a cama de Seulgi iria ter o perfume da mais velha entranhado, e isso não era nada ruim.

Dois dedos foram enfiados na intimidade pulsante, ocasionando num gemido alto e rasgado, Joohyun quicou uma vez e sentiu seu interior invadido de um jeito tão gostoso, quase inimaginável, seus olhos fechados a impedia de ver o olhar da pessoa cujo os dedos eram engolidos.

Foi rebolando em seu proprio ritmo, arfando manhosa, seu corpo estava entrando em ebulição.

- Senta devagarzinho, amor... – Bae ouviu baixinho, quase num sussurro, Kang falar. – Quero sentir essa buceta quentinha melar meus dedos, mas não quero que goze neles... – Joohyun mordeu os lábios, imaginando onde a mulher iria querer que ela gozasse.

Obedeceu e seu prazer se acentuou, usou do resquicio de auto controle para não quicar como uma cadela no cio.

- Não dá... – Respondeu a fala da outra com um fio de voz, afinal, seu cérebro estava ocupado formulando gemidos ao invés de frases, então, perdeu as estribeiras e passou a rebolar com velocidade. – D-deus... você me come tão b-bem... – Aquilo servia para massagear o ego de quem já tem ele lá em cima, saber daquilo deixava Seulgi feliz e satisfeita, mas não era novidade.

Retirou a menor de cima de sí e trocou as posições, guiou suas mãos para as coxas, apertava e provocava uma onda de arrepios em Irene, que se sentia exposta, e amada. Ela se sentia venerada e amada na sua mais pura forma, e se ela não tomasse cuidado, Seulgi iria conseguir seu coração para sua extensa coleção.

Essa estava ocupada demais mordendo a pele alva, subindo seus lábios, deixado marcas vermelhas em toda a area sensível, até que alcançou o lugar. Irene agarrou os cabelos da outra a puxando para mais perto, suas pernas abertas, pareciam que iam desabar tamanho prazer, e mesmo deitada, encontrava dificuldade.

- Agora sim eu tô comendo você... – Mirou a mais velha e sorriu safada, voltou a chupar, sentindo o gosto e o cheiro característico de mulher que tanto amava.

Joohyun se desfazia em gemidos e Seulgi imaginava o problema que iriam se meter se caso alguém escutasse aquela bagunça. Seu queixo e sua boca já estavam melados com o liquido, sentia a outra rebolar em sua boca, e deus sabe o quão gostoso estava sendo chupar aquela buceta.

Ela tinha sede de sentir o gozo quentinho em sua boca, desejo e vontade de ver Bae Joohyun, tremer em sua lingua, até que isso aconteceu.

A mais velha foi lentamente se desfazendo em prazer, seu apice estava vindo forte como nunca antes, suas pernas fraquejaram totalmente e sua visão tornou a  escurecer por segundos, aquilo iria demorar para sair de sua mente e para sua surpresa, quando abriu os olhos eles foram de encontro com as orbes vermelhas de Seulgi que terminava de “limpa-la”.  

Havia gozado na boca dela, e ela tinha um sorriso quase que orgulhoso no rosto enquanto engatinhava sobre sí, Joohyun estava exausta, nunca um sexo lhe deixou daquele jeito, era vergonhoso o seu estado, descabelada e suada, despida, mas a visão parecia trazer deleite para Kang. 

A maior a abraçou e beijou os lábios de forma casta, porém ao sentir seu próprio cheiro impregnado na face da outra, Joohyun aprofundou o ósculo e naquele momento, Irene teve certeza, havia se apaixonado por Kang Seulgi.


Notas Finais


titulo nada haver mas ignorem...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...