História Psycho Love - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Visualizações 14
Palavras 1.373
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura

Capítulo 2 - Revenge


Flórida Estados unidos 1997

- Doutora quinzel supervisionando a paciente de número 4479 para reabilitação.- a voz da doutora acabou com o silêncio da pequena sala branca.

- como se sente hoje Lauren?- sempre era a mesma pergunta e isso me irritava.

- bom... Você me parece está bem. Como se sente sabendo que vai sair daqui hoje?- minha mente andava tão atordoada que eu havia me esquecido que iria sair desse lugar.


- a senhora sabe que eu não fiz nada para estar aqui, e eu não tenho nada.- a doutora me analisou por um tempo e eu permaneci em silêncio.

- seus pais te colocaram aqui para um pequeno tratamento Lauren, e creio que isso te fez bem- 

- quantas vezes tenho que dizer que eles não são meus pais- a paciência era uma virtude que eu não recebi e a doutora percebeu isso em meu tom de voz.

- tudo bem Lauren, essa é nossa última consulta. Pode ir para seu quarto e arrume suas coisas, seus pais estão te esperando- revirei meus olhos e saí daquela sala.

Caminhei pelo corredor branco e parei na frente da porta de madeira rústica.

Entrei no pequeno cômodo e Arrumei a mochila que havia ali com minhas roupas.

Depois de tudo pronto, sai do quarto e fui até a saída.

Depois de dois meses eu estava na rua de novo.

- Olá filha- a voz grossa de Jhon soou animado e eu apenas fiquei em silêncio.

- como está?- logo a esposa de Jhon apareceu ao lado do mesmo, com o pequeno Chris nos braços.

Um sorriso maldoso surgiu em meus lábios, quando os olhos do garoto me fitaram com medo.

Sem responder as perguntas dos meus queridos pais, eu caminhei até o carro e logo todos entraram e fomos para a casa deles.

- amanhã você já volta para escola ok- clara falou calmamente e eu fitei a mulher que franziu o cenho e voltou a olhar para frente.

Escola... Seria bom voltar a escola. 

(...)

Depois de ter chegado em casa ontem, eu logo fui para o quarto que eu ficava e tomei um banho e dormi.

Acordei cedo e me arrumei para ir para escola. 

Como não era muito longe, fui caminhando até parar em frente a entrada da escola.

Alguns olhares foram direcionados a mim e eu apenas ignorava. Fui caminhando até a diretoria e bati na porta.

A voz suave da diretora foi ouvida por mim como um sinal  que eu poderia entrar.

Entrei na sala e a mulher me fitou curiosa.

Deixei que o sorriso sádico surgisse em meus lábios e me encostei na porta e sem que ela percebesse, eu girei a chave e tranquei a porta.

- no que posso te ajudar Srt jauregui- o sorriso não saia de meus lábios.

Caminhei até a mulher que estava com cenho franzido em sinal de curiosidade.

- o que está fazendo Lauren- em passos rápidos me coloquei atrás da cadeira da mulher, e pressionei a pistola em sua cabeça.

Senti o corpo da mulher estremecer e sua respiração ficar alterada.

- por favor Lauren, não faça nada que possa te prejudicar- a voz trêmula da mulher só me fazia ter mais certeza do que eu queria.

- você só precisa fazer um favor pra mim- disse calma e coloquei a boca da arma na nuca da mulher.

- eu quero que chame aqui na sua sala, três pessoas. Precisamos conversar- a mulher continuava em silêncio e eu já estava perdendo a paciência.

Tirei o gatilho e o som fez a mulher tentar se soltar do aperto em seu pescoço.

- não torne as coisas mais difíceis, Sra Jackson- a mulher pegou o microfone que havia sobre a mesa e levou para perto dos lábios.

- se você falar algo que eu não mandei, eu vou acertar uma bala em sua cabeça. E eu acho que não é isso que você quer- a mulher apenas assintiu e esperou que eu falasse.

- chame a Srta Willians.-nessa hora flashes se passaram em minha mente

- agora chame o Sr Edward- mais flashes vieram em minha mente e o ódio tomava conta de todo meu corpo.

- por último cheme a Srta Davies- o sorriso se alargou em meus lábios quando três batidas foram dadas na porta.

Fui até a porta com a arma apontada para a diretora e abri devagar para que não viesse barulho.

Em passos rápidos voltei para o lado da diretora e coloquei minha mão que eu segurava a arma atrás da cadeira.

- mande os entrar- sussurrei e era agora que o show iria começar.

- entrem por favor- a voz da Sra Jackson saiu calma 

Os três entraram na sala e seus olhos se arregalaram quando me viram ali.

- sente por favor- os três se sentaram nas cadeiras a frente da mesa e sai do lado da diretora e escondi a arma atrás de minha costa e fui até a porta e a tranquei novamente.

Esse ato não passou despercebido pelos três.

E quando o babaca do Edward iria se pronunciar, eu tirei a arma de trás de minhas costas e levei o cano da arma até meus lábios.

- shhh... fique em silêncio, não vai querer se machucar não é- todos na sala estavam apavorados e isso me deixava mais confiante

- o que você vai fazer ?- a jovem de cabelos longos e loiros, vestida de líder de torcida se pronunciou e eu apenas sorri 

- vocês se lembram o que fazeram no dia 4 de maio desse ano?- os três me olharam assustados 

- bom, como ninguém se lembra, eu faço questão de lembrar vocês. Nesse dia vocês foram até a casa de uma menina e falaram que queriam conversar, os pais dessa menina não estava em casa e vocês se aproveitaram disso. Mesmo que a menina não tivesse deixado vocês entrarem, vocês não ligaram e bateram nessa menina e quebraram tudo na casa, pra que quando os pais dessa menina chegasse, acreditassem que havia sido ela. Vocês sabiam que eles mandaram essa menina para uma clínica psiquiátrica? Ela ficou lá por dois meses, e foi diagnosticado com psicopatia e distúrbios emocionais. Mas essa menina mostrou que estava melhoram e deixaram ela sair. E hoje essa menina quer vingança- lembrar de tudo isso não me afetava mais, nada que eu passei me afeta mais. Porque meu pai disse que eu sou forte e que eu posso fazer o que eu quiser.

- por favor me desculpa, eu não queria fazer aquilo- as lágrimas escorriam pela bochecha da menina, que até então não havia se pronunciado

- pedir desculpa não vai adiantar nada agora- disse e fui até minha mochila e tirei de lá um silenciador e coloquei na pistola. 

Peguei uma corda e uma fita. Amarrei os quatros e coloquei a fita na boca dos quatro.

- vamos terminar esse show- disse e subi em cima da mesa e mirei a arma na direção do garoto que estava chorando.

- adeus Edward, espero te encontrar no inferno seu cretino- disse e acertei em cheio na cabeça do garoto. O sangue escorria pelo seu corpo e olhar de medo das outras meninas me deixava leve 

- sua vez Srta Willians- a menina tentava gritar mais a fita em sua boca a impedia.

- eu te encontro no inferno vadia- mirei em seu peito e apertei o gatilho

O sangue Machava o uniforme de menina e vermelho ficava melhor que amarelo

A outra menina se remexia na cadeira e chorava descontroladamente.

- faça companhia aos seus amigos no inferno, e me espere lá. Porque até lá, eu vou fazê-los pagar- disse e mirei na cabeça da menina e de olhos fechados eu terminei meu show.

- vamos assistilos sangrar- olhei para diretora que chorava e tinha medo nos olhos

Fui até o telefone e digitei o número da polícia.

Tirei a fita de boca da mulher e coloquei o telefone perto de seus lábios.

- delegacia de polícia no que posso ajudar- a voz rouca do policial saiu pelo auto falante e a mulher arregalou os olhos.

- por favor me ajuda, uma aluna acabou de matar três alunos na minha sala, me ajuda por favor ela é completamente louca- a mulher falava e sua voz saia chorosa o que me fazia rir

Antes que o policial pudesse falar alguma coisa, eu desliguei o celular e me sentei no chão.

E olhei para os corpos sem vida a minha frente e sorri.

Minha vingança havido sido feita e eu não poderia fugir.



Notas Finais


****


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...