História Pupila - Capítulo 1


Escrita por: e camilacinica

Postado
Categorias Fifth Harmony, Joe Jonas, Nick Jonas
Personagens Camila Cabello, Joe Jonas, Lauren Jauregui, Nick Jonas, Normani Hamilton
Tags Camila, Camila Cabello, Camren, Comedia, Demi, Demi Lovato, Fifth Harmony, Joe, Joe Jonas, Lapa, Lauren, Lauren Jauregui, Lésbica, Lésbico, Lgbt, Nick, Nick Jonas, Normani, Normani Kordei, Rio De Janeiro, Romance
Visualizações 165
Palavras 9.988
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, LGBT, Literatura Feminina, Orange, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLÁ CARALHO
QUEM JÁ ME CONHECE NÃO VAI SE ASSUSTAR COM MEUS GRITOS, QUEM NÃO ME CONHECE, SE ACOSTUME, PORRA
ENTÃO
"GABRIELA PORQUE VOCÊ ESTÁ POSTANDO UMA FANFIC NOVA E LARGOU BE YOUR EVERYTHING AS MOSCAS?"
É MUITO SIMPLES: porque eu quis! Brincadeira. Está sendo um pouco difícil dar um final digno a história, por isso, sigo preferindo não colocar final algum até que eu tenha algo realmente BOM pra dar pra vocês.
E TAMBÉM PRA COMEMORAR QUE O LULA TA LIVRE CARALHO
Enfim, não, eu vou explicar. Essa ideia surgiu a partir de um meme que quando vocês lerem esse capítulo vocês vão identificar qual é e eu fui falar com a Bruna @camilacinica (no tt, no wtt e aqui esse é o user dela, pra quem não conhece o ícone, além de amor da minha vida ela é autora de All About Her, Satisfaction e outros hinos que se não vieram por aí estão vindo) sobre a ideia que tive. Era pra ser uma one shot, mas nos empolgamos, então acabou virando uma short fic. Já está tudo escrito, então vocês NÃO precisam se preocupar com demora para atualizar, vamos soltar um capítulo todo o sábado até a conclusão da fanfic. Não sabemos exatamente quantos capítulos temos porque só fizemos o texto direto, não separamos, estamos dividindo aos poucos conforme editamos e corrigimos erros, mas deve ter até no máximo uns 20 capítulos.
Essa história é muito importante pra gente, porque, primeiro, se passa no Rio de Janeiro, cidade na qual moramos e amamos intensamente apesar de ter um pequeno defeito chamado GOVERNANTES e ELEITORES DO BOLIRILO. Eu, recentemente, comecei a ressaltar a importância de escrever histórias que se passem no lugar onde moramos e, daqui pra frente, pretendo honrar isso que tanto falo (e sim, terão outras histórias. Sim, todas elas se passarão no Brasil).
Eu sou MUITO sortuda de poder ter do meu lado alguém como a Bruna, que além de ser uma fanfiqueira safada como todos desse fandom, é um presente que foi posto na minha vida. Entenda de uma vez por todas que eu te amo demais e que você é TUDO pra mim!
Bom, eu acho que não tenho mais o que falar, espero que vocês gostem dessa história tanto quanto gostamos de escrevê-la. Foi uma experiência única escrever mais uma fanfic inteira pelo WhatsApp (sim, foi assim que escrevemos, da mesma forma que fizemos com Scared Of Happy que se vocês não conhecem, deveriam porque é um ÍCONE) e muitas outras que ainda virão. Queria agradecer também a todo o apoio que recebemos no twitter, antes mesmo de postarmos, quando só anunciamos a história.
"Pupila" está aqui, também, para marcar o nosso início na era clean, onde prometemos que não vai ter tanto sofrimento assim. Estamos irritadas de ler certos padrões em fanfics e queremos mudar - pra melhor - a nossa experiência escrevendo e a dos leitores lendo. Esperamos que vocês gostem desse primeiro capítulo, que traduz como vai ser a pegada da história. Esperamos que se apaixonem pelos personagens como nós fizemos e, principalmente, que a história possa fazer vocês se divertirem, porque é esse o objetivo!
CHEGA DE FALAR DIREITO AGORA EU VOU GRITAR
BRUNA ESSE CARALHO DE MOMENTO É NOSSO, NOSSA FILHA ESTÁ NASCENDO, PUPILA ESTÁ AQUI PORRAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
SEM MAIS DELONGAS
BOA LEITURA CARALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Capítulo 1 - Mulher hétero vai a bar LGBT


“Sabe, depois que eu te conheci

Ficou difícil de viver

Eu fico aqui imaginando coisas com você”

 

- Meu pai, que mulher! Se eu não fosse gay, eu queria. - O homem exclamou, deitado na cama da outra.

Ela odiava admitir, mas ele era lindo. Pena que era ela lésbica e ele gay. Fariam um belo casal.

- Cala essa boca, Joseph. - ela caminhou para o outro lado do quarto, procurando seu celular.

Ela estava deslumbrante. Não que precisasse de muito para que Lauren Jauregui ficasse fabulosa, mas haviam dias que parecia que ela fazia de propósito. Gostava de se arrumar para sair com suas amigas porque, além das noites serem agradáveis e renderem ótimas memórias, ela sabia que poderia vir a conhecer alguém interessante.

Estava cansada de fingir que não queria estar com alguém. Estava cansada de ser solteira e dizer que estava bem com isso. Lauren não lidava nem um pouco bem com a solidão, não a provocada por falta de pessoas a sua volta porque ela sabia que tinha muitas pessoas que a queriam bem, mas porque ela sabia que não conseguia fazer ninguém ficar. Todas elas eventualmente iam embora e Lauren se via de volta nesse espiral de procurar estar com alguém. Não sabia se era porque já estava chegando nos quarenta ou porque ela realmente já tinha tido experiências ruins demais, talvez era uma mistura dos dois.

A questão era que esse vazio a preenchia de tal maneira que às vezes ela não queria nem levantar da cama. Não por não ter ninguém, mas por sentir que ninguém era capaz de amá-la. Talvez houvesse algo de muito errado com ela, mas Lauren nunca descobriu a resposta.

Estava cansada de ter pequenos affairs. Ela queria algo grandioso e arrebatador, mas também era realista. Com a idade chegando, ela não achava que fosse encontrar o que procurava. Sabia que ia ter uma noite divertida. Talvez levasse alguém pra casa, talvez não. A questão é que, quem quer que fosse, iria embora na manhã seguinte para nunca mais voltar.

- Vamos? - Joseph se levantou ajeitando os cabelos no grande espelho do quarto da amiga antes de enfiar o celular no bolso. - Demi já mandou umas três mensagens.

- Elas já chegaram? - Lauren abrindo o aplicativo do Uber.

- Mani já mandou dez fotos das cervejas e da caipirinha. – Joseph comentou rindo respondendo as mensagens que as amigas estavam lhe enviando.

- Então vamos que já chegou o carro. – Lauren conferiu rapidamente a janela e foram em direção à saída. O prédio estava com o elevador ruim, precisaram descer as pressas pelas escadas.

 A morena reclamava a cada passo que dava, não devia ter colocado uma botinha com salto, só esperava que ninguém começasse a inventar ideia de dançar, estava realmente com os pés doendo. Não havia parado um minuto na farmácia, com o tempo virando constantemente na época do ano, todos os moradores da cidade iam atrás de antialérgicos e remédios para gripe, ate mesmos os que eram controlados.

Às vezes as pessoas se esqueciam que ela não poderia receitar nada, uma vez que não era médica e que não poderia liberar a venda de tal produto. Não julgava, as filas para uma consulta era imensa e as vezes era melhor continuar doente e esperar passar com chás e fé, isso que se precisava nos dias atuais no Rio de Janeiro.

- Patrick vai nos encontrar lá? – Perguntou já colocando o cinto dentro do sedã partindo para o bar.

- Não. – Seu amigo fez um bico antes de revirar os olhos. – Ele esta agarrado com a pós, parece que o chefe dele marcou uma conferencia em Belo Horizonte uma semana antes de apresentar o trabalho e está correndo.

- Preciso marcar um horário com ele. – Revirou os olhos só de se imaginar sentando na cadeira de um dentista. – Não vai ter jeito, esses dois dentes lá de trás terão que ir.

- Ele ama arrancar siso. – Disse como se fosse algo bem divertido, Lauren apenar ignorou deixando para pensar naquele problema outra hora.

Não demoraram muito para chegar, o transito havia diminuído no sentido em que estavam e quase não se atrasaram, o que somente aconteceu, pois o motorista errou a rua, o que lhes custou cinco reais de desconto e dez minutos de atraso.

- Até que em fim, merda. – Normani apagou o cigarro soltando a fumaça na direção contaria antes de abrir os braços e apertar a amiga, ganhando um beijo na bochecha. – Achei que ia ter que buscar vocês.

- O moço errou a rua. – Joseph disse beijando sua bochecha voltando a sua obsessão de ajeitar os cabelos.

- Está frio, vamos entrar. – Lauren abraçou seu corpo passando as mãos pelos braços para esquentar. Vestia uma bata azul clara de manga comprida com a barra para dentro da calça, calça jeans de lavagem clara com as bainhas dobradas e a maldita botinha que havia se arrependido de vestir.

- Vão vocês, estou esperando a amiga da Demi. – Joseph já havia entrado e cumprimentava algumas pessoas já conhecida do local.

- Só vou porque estou com muito frio. - Normani assentiu piscando antes de virar o rosto quando alguém chamou seu nome e sorrir abrindo os braços para cumprimentar. Lauren não ficou para ver quem era, estava realmente frio, pagou a entrada e entrou enfiando a pulseirinha vermelha no pulso.

O local estava cheio e animado, acenou para um grupo conhecido e partiu em direção a loira que implicava com o cabelo do amigo. Sorriu ao se aproximar deixando a bolsa próximo a da amiga no sofá de couro vermelho no canto que estavam.

- Você deveria parar de usar aquele shampoo. – Demi decretou finalmente se virando para Lauren.

- Ele usa porque é o favorito do Patrick. – Lauren debochou rindo.

- Gado.

- Quem aguenta?

- Lauren! - Demi exclamou animada, se aproximando da mulher antes de levantar e lhe dar um abraço. - Achei que você fosse virar lenda, porque nunca mais te vi!

- Tem só dois meses, Demi. Eu estava muito ocupada com a farmácia, me desculpa.

- Dois meses é muita coisa sem ver essa sua cara branca!

- Você é exagerada demais. - Lauren murmurou, chamando o garçom com a mão e pedindo cervejas para ela e para Joseph.

- Você é insensível, ok?

- Aí, sempre que junta a Demi e a Lauren é essa galinhagem, quem aguenta?

- Cale a boca, Joseph. - Demi revirou os olhos e deu um gole em seu copo de cerveja.

Normani não demorou a entrar novamente, seguida por uma mulher um pouco mais baixa que ela, vestida com um vestido branco que ia ate quase os joelhos e um salto relativamente alto. A mulher parecia um pouco tímida, com os braços colados no corpo e olhando para os lados como se não estivesse acostumada com o local, mas assim que viu Demi, pôs um enorme sorriso no rosto e foi direto abraçá-la. Ela tinha o maxilar bem marcado e a boca carnuda, Lauren e Joseph a observaram por um tempo antes de desviar a atenção para outra coisa.

- Gente, essa é Camila, nossa amiga que falamos que íamos trazer! Camila, esses são Lauren e Joseph! - Ela sorriu e se aproximou, dando dois beijinhos em cada um.

- Oi, tudo bem? - Cumprimentou os dois de forma simpática, abrindo um sorriso social. Lauren abriu um meio sorriso enquanto a abraçava e ajeitou os óculos que estavam quase caindo assim que se afastaram.

- Tudo sim, e com você?

Carioca é muito engraçado. Perguntando pra um desconhecido se está tudo bem e o outro respondendo com empolgação, como se a outra realmente se importasse com o bem estar da pessoa. Definitivamente é o melhor povo do Brasil e sem choro.

- Tudo bem, graças a Deus. - Camila se afastou dos dois, percebendo que eles eram bem cheirosos e bonitos. Estavam sentados um ao lado do outro e cochichavam de vez em quando, rindo de piadas que pareciam ser só deles. Camila achou que eles formavam um casal bonito, com uma cumplicidade que era agradável de ver.

Ela voltou a se sentar e ponderar o que iria beber. Havia muito tempo que ela não bebia sem estar sozinha em casa, então era estranho pedir uns drinks, mas logo ela desencanou e chamou o garçom, entrando no assunto deles logo em seguida.

- Gente, eu estou com fome. – Lauren decretou depois de terminar a terceira cerveja. – Vai querer o que? – Perguntou ao amigo já chamando o garçom.

- Batata frita. – Disse por alto.

- O carioca ele tem essa coisa com batata frita, não é? – Demi ralhou implicando com o homem. – Qualquer coisa é “Ah, pede a batata frita”.  

- Vocês são insuportáveis, mano. – Joseph revirou os olhos rindo.

- Você come cachorro quente com purê de batata. – Camila jogou na roda zoando a mulher, que era paulista.

- Isso sim é imperdoável. – Lauren pontuou fazendo o pedido. No fim cada um pediu alguma porção, era somente para beliscar, sempre tinham a mania de sair durante a madrugada e comer em algum fast food.

Lauren se distanciou do assunto quando a quarta cerveja chegou, agradeceu e parou alguns segundos para observar o local, o que não tinha feito antes. Cumprimentou educadamente algumas mulheres que lhe cumprimentaram de longe, mas nada que lhes dessem abertura para se aproximarem.

Estava completamente sem o mínimo da paciência para qualquer conversinha naquela noite, não sabia se era cansaço, irritação dos meses corridos do trabalho ou só uma profunda falta de interesse em mais um caso vazio. Se acontecesse ao decorrer da noite de alguém lhe chamar atenção ao ponto de querer, não iria se afastar, mas também não correria atrás.

Percebeu uma movimentação próxima e desviou o olhar da DJ para seu lado, arqueando a cabeça ao perceber Camila remexendo em sua bolsa de um lado, tirando de lá seu celular e digitando algo rapidamente para então guarda-lo novamente. Deu uma golada na cerveja e se impulsionou para frente, pegando das mãos do garçom o drink da morena, essa que não havia reparado o mesmo ali.

- Nossa, obrigada. – Disse educada tomando um gole.

- De nada. – Sorriu de volta. – Esse drink é maravilhoso. Eles servem um com frutas tropicais, gin e gelo de côco.

- Eu amo gin com gelo de côco. – Confessou se aproximando para falar, uma vez que o som estava bem alto. – Talvez eu peça depois desse, se aguentar. – Brincou e então riram.

- Eu pedi um, você prova. – Deu outra golada na cerveja enquanto conversavam sobre os drinks. Camila era divertida e adorava fazer novas amizades, principalmente as que conversavam sobre qualquer coisa, havia sido assim ao conhecer Demi, já Lauren não conseguia segurar a risada por muito tempo, não sabia se era o que falava ou a forma engraçada e contar as coisas.

- Eu gostei da sua blusa. – A mulher elogiou já tomando do drink de Lauren, esse que já havia sido pedido a segunda rodada. – Preciso comprar blusas novas, essa coisa de trabalhar sem uniforme é horrível. Coloco todas as minhas roupas de sair no dia a dia e quando vejo, estou sempre com a mesma coisa.

- O que você faz? – Agradeceu ao garçom novamente quando lhe entregou o drink, havia dado um tempo na cerveja e estava na água e vodka.

- Trabalho na prefeitura.

- Uau. – Riu vendo a revirar os olhos. – Eu tenho algumas críticas sobre o transito, policiamento e atendimento a saúde. – Foi a vez de Camila gargalhar, já um pouco alta pelo álcool. Bateu de leve na perna de Lauren e manteve a mão ali, em seu joelho, por alguns segundos.

- Sempre escuto isso. – Negou. – Mas fique sabendo que não estou nessa área.

- Poxa. – Comeu uma batata. – Quando eu acho uma ponte para melhorar a cidade, ela me barra.

- A ponte para melhorar essa cidade é ir pra rua, fechar avenida e queimar pneu. – Ironizou divertida. – Sério, menos a parte do pneu que é poluente. – Disse mais baixo, como se falasse para si. – E você?

- Sou farmacêutica. – Tomou um gole do gin. – Por isso disse da saúde, vejo e escuto cada coisa na farmácia.

Camila somente notou que já estava ao seu lado, onde Joseph estava um tempo atrás, quando o viu, de canto de olho, caminhando em suas direções ajeitando a blusa social que usava. Fez menção de se afastar para que sentasse ao lado da namorada, no entanto vincou as sobrancelhas um pouco confusa quando passou direto sentando-se ao lado de Normani e enfiando uma porção de batatas na boca, continuando o assunto de antes de ir ao banheiro.

- E-eu não queria atrapalhar vocês. - Camila falou, sem conseguir entender direito o que estava acontecendo. - Me perdoa, eu tô meio bêbada e não sei como mudei de lugar.

- Você sentou aqui porque com a música alta, estava difícil a gente se ouvir. - Lauren explicou, rindo um pouco.

- Ah, eu posso levantar!

- Você quer levantar por qual motivo? - Lauren perguntou confusa, sua ansiedade social imaginando se ela tinha dito ou feito algo de errado.

- Pro seu namorado sentar do seu lado, quer dizer, ele estava aqui. - O sorriso de Lauren aumentou e Camila não foi capaz de entender o que estava acontecendo ali.

- Meu namorado? - Ela chamou o homem do outro lado da mesa. - Camila acha que você é meu namorado!

Os dois caíram na risada, chegando a ficar com as bochechas coradas de tanto rir. Eles eram melhores amigos, frequentavam vários lugares juntos e muitas pessoas achavam que eles namoravam, mas não, eram apenas amigos, até porque suas orientações sexuais não permitiam que tivessem atração um pelo outro.

- Mentira? - Joseph disse, limpando uma lágrima do canto do olho. - Eu sou gay, mulher. Apesar de que, se não fosse, ela seria a minha primeira opção, olha esse monumento em forma de mulher! - Ele comentou, atraindo a atenção de Camila para Lauren, que olhou a mulher de cima a baixo.

- Você também é um gato. - Lauren respondeu, jogando um beijo pra ele, que estava usando uma jaqueta branca, blusa de banda, calça cor de vinho e tênis. Joseph chamava a atenção onde quer que entrasse, assim como Lauren, então os dois juntos era quase como se o bar inteiro estivesse olhando para eles.

Camila demorou mais do que previa encarando Lauren. Não sabia sua idade, mas, seja ela qual fosse, ela estava muito conservada. Seus cabelos na altura do ombro tinham um caimento bonito, um corte despojado, combinando de forma inusitada com seus óculos de armação escura, os quais pareciam ter lentes relativamente grossas. Suas sobrancelhas eram grossas, feitas de forma impecável, a pele parecia ser macia e o nariz junto com a boca formavam uma combinação harmoniosa, que não pareciam encaixar em nenhum outro rosto além do dela. Camila não sabia o porquê de ficar tanto tempo estudando a outra, mas desviou a atenção assim que percebeu que Normani lhe olhava de forma estranha.

Lauren, graças a Deus, não pareceu perceber, ainda animada conversando com Joseph.

- Aí gente, deixa eu contar, antes de eu conhecer essa mulher sem defeitos que é a Mani, eu usava anticoncepcional porque tinha uns namorados por aí né, aí tá, conheci ela, namoramos, casamos e acredita que até hoje eu tenho problema por causa do período que tomei esse diabo desse remédio? Que inferno.

- Isabela virou para mim esses dias e decidiu que também iria usar anticoncepcional, eu quase surtei lá em casa. - Demi continuou causando algumas risadas pela forma espalhafatosa com que contava os surtos da filha.

- Mas já? – Camila arregalou os olhos, um pouco chocada.

- Eu quase morri. Falei “menina você tem dezesseis anos, o que esta acontecendo?”

- Quase quarenta minutos para ela explicar que só queria tomar pra não menstruar mais. – Normani explicou negando. – É o pessoal da escola, começa com esse negocio de não querer mais menstruar porque doí e é chato pra treinar. Mas ela viu a Demi outro dia sem conseguir andar com cólica daquele estranho que ela usava.

- Eu te falei que isso era bomba, mas ninguém me ouvia. – Lauren tomou seu drink.

- Eu tenho alergia a quase todos. – Camila disse fazendo careta. – Teve uma época que precisei parar, fiquei uns seis meses sem usar nenhum.

- Tiago correu riscos de mudar de patente? – Mani perguntou rindo, Camila apenas revirou os olhos com as bochecha coradas.

- Correu risco? – Negou. – Nunca vi ele tão animado quando falei que iria parar de tomar remédio, deve ter durado uns dez segundos até receber a noticia que iriamos usar camisinha sim. – Lauren fez uma careta discretamente para Joseph, que riu da mesma forma, por trás do enorme copo de caipirinha. 

- Ele queria um irmão pra Ana. – Demi brincou.

- Ana já vale por dez, esta ótimo. – Sorriu ao lembrar-se da filha. Não que refutasse qualquer ideia relacionada a outro filho, sempre gostou de pensar em mais de um, no entanto, o estágio de relacionamento como estava com Tiago não era nem um pouco aconselhável.

- Seu marido quer mais filhos? – Lauren questionou quando o assunto dispersou com a chegada de um casal amigo de Joseph, voltando a conversa somente para as duas.

- Oh não. – Negou sorrindo de forma doce. – É meu ex marido. – Esclareceu.

- Eu sinto muito... – Disse sem graça por ter tocado naquele assunto.

- Não. – Riu tocando seu braço mais uma vez, coisas comuns que costumava fazer, mais ainda quando estava bêbada e sem um pouco da noção do equilíbrio. – Tudo bem, já faz um tempo e foi super tranquilo. Chegamos ao acordo que não estava mais dando certo. – deu de ombros. – Ele não é pai, eu que tenho uma filha, Ana Julia.

- Sério? – Perguntou surpresa, louca para desviar completamente do ultimo tópico. Camila abriu um sorriso lindo e viu como seus olhos brilharam ao falar da menina.

- Sim, ela é amiga da Isa, estudam juntas. – Mordeu a língua para não perguntar nada, curiosa com a idade da mulher, pois não dava nem trinta a quatro a mesma. – E ela já me da dor de cabeça de sobra.

- Bom, nesse caso... – Sorriu. – É melhor prevenir mesmo.

- Qual me indica? – Lauren vincou as sobrancelhas com se aproximando por causa do som. – O anticoncepcional... – Remeteu ao assunto passado, fazendo as sobrancelhas grossas arquearem e um sorriso de lado aparecer em seus lábios.

- Eu não me arrisco a te contar agora. – Brincou com a borda do copo, era uma piadinha interna com as meninas, mas Camila poderia entender de forma rude.

- Então qual você usa?

- Eu? – Arqueou as sobrancelhas, dessa vez surpresa com a pergunta. Camila assentiu tomando um gole de outro drink e comendo um pedaço de queijo junto a azeitona. – Eu não uso essas coisas. – Fez careta. – Como eu disse, é uma bomba pro nosso corpo, menstruação é uma parada tão comum e saudável.

- Mas... – A outra negou tentando fazer com que Lauren entendesse o ponto que era queria, sem ser indelicada. – Até com seus namoros longos? Digo, prefere camisinha? – Camila realmente não sabia mais em que ponto que estava fazendo aquelas perguntas tão íntimas para uma mulher que não havia conhecido antes. Lauren havia lhe dado liberdade e já haviam conversado sobre vários assuntos na mesa, no entanto, iria colocar a culpa no álcool, que lhe deixava mais solta e curiosa. – Eu estou sendo intrometida... – Riu sem graça vendo a mesma na mesma posição lhe encarando. – Me desculpa.

- Não. – Riu negando. – Bom, não, eu não preciso dessas coisas. – Passou a mão pelos cabelos jogando sobre os ombros. – Digo, preciso, segurança é importante e existe a feminina, mas anticoncepcional pra mim é só por causa da menstruação. – O cérebro da morena não lhe ajudou muito com aquela informação, e a farmacêutica percebeu. – Camila, eu sou lésbica.

- Oh... – O assunto caiu como uma bigorna em seu cérebro, piscou algumas vezes encarando sua bebida enquanto assentiu, estava um pouco lenta.

- Eu sou... – Olhou para os lados antes de se aproximar de Lauren, com as sobrancelhas arqueadas. – Hétero, você sabe...

- Hum.... Não. – Negou rindo tentando acompanhar a mulher.

- Digo, nós... é... Entende?

- Nós? – Lauren vincou a testa.

- Não vai rolar... – Camila murmurou como se estivesse pedindo desculpas. Já a outra permaneceu lhe encarando tentando compreender se realmente havia escutado aquilo.

- Bom... – Sorriu, dessa vez um pouco irônica antes de virar o resto de sua bebida. Aquele tipo de coisa lhe irritava profundamente. – Relaxa, não estou interessada em você.  – Piscou virando-se para frente, uma vez que Joseph chamava sua atenção. Camila ficou com a boca aberta um pouco confusa encarando o perfil da mulher.

Camila estava envergonhada, queria sumir dali, mas Lauren parecia tranquila e, ao contrário de Camila, parecia estar achando a situação divertida. Camila não quis soar rude ou parecer convencida, ela só achou que algo estivesse acontecendo porque Lauren estava sendo gentil, mas percebeu que entendeu tudo errado e ainda soou bem narcisista.

Não queria que a mulher tivesse uma imagem errada dela.

- Desculpe, eu... Isso foi estúpido, me desculpe. - Lauren sorriu.

- Está tudo bem Camila, de verdade. Mulheres hetero costumam fazer isso.

- Mas soou como se eu fosse convencida. Eu não sou. - Deu um gole em sua bebida, não sabendo mais onde enfiar a cara, ainda mais depois de saber que ela não era a primeira a fazer isso.

- Relaxa! - Lauren tornou a olhá-la. - Escute, eu conheço alguns anticoncepcionais bons, mas, repito, é um veneno pro corpo. Camisinha é melhor.

- Eu sei que é, mas se pudesse me indicar, eu iria agradecer.

- Tem o Yaz e o Yasmin. Eles são bem caros, mas são dos melhores que tem. Geralmente são os que tem menos chance de falhar e não costumam dar reações negativas ou fazer seus hormônios explodirem. - Começou a falar e Camila arregalou os olhos.

- Como assim explodirem? - A mulher gargalhou.

- É uma brincadeira! Mas nada te impede de ficar como a Demi, estou avisando.

- Eu sei!

- O iumi também é muito bom. Mas recomendo que consulte sua ginecologista antes de tomar, não troque sem antes falar com ela. - Camila assentiu.

- Tudo bem, Lauren, obrigada. - Passou a mão nos cabelos. - Eu realmente não queria soar estúpida naquela hora. Por favor, não me leve a mal ou ache que eu sou louca, eu só estou há bastante tempo sem conhecer pessoas novas e eu realmente quero fazer amizades, as minhas antigas se afastaram por causa do Tiago e eu não quero parecer que não sei lidar com pessoas ou que acho que todo o mundo está dando em cima de mim. - Lauren deu um sorriso gentil.

- Voltamos nesse assunto? Meu Deus, eu já te disse que está tudo bem, mulher! - Camila respondeu a morena com um belo sorriso, aliviada pela sua paciência e gentileza. - Mas, sem querer soar intrometida, por que suas amizades se afastaram por causa do Tiago? Ele era um cara ruim?

- Não! Não, ele é ótimo! Inclusive até hoje ele costuma passar algum tempo com a Ana, porque ele ficou muito apegado a ela, mesmo não sendo o pai. A questão é que ficamos por muito tempo juntos. Morávamos juntos. Fazíamos tudo juntos. E chegou um ponto que eu não saia mais sem ele, não por ele me obrigar nem nada do tipo, mas porque eu sentia que precisava disso e dele. Acho que foi um dos motivos pelos quais terminamos também, eu precisava de um tempo só pra mim e pra entender quem eu era sozinha. Tive dois relacionamentos muito longos, de anos, e acho que nunca me vi solteira me virando sozinha. A experiência tá sendo diferente, mas boa. Enfim, eu só aparecia com o Tiago nos lugares e chega um momento em que suas amigas só querem sair com você. Elas gostavam dele, mas não ficavam muito confortáveis de falar certos assuntos perto dele não porque ele era homem, mas porque, no fundo, eles não eram tão próximos assim, então foi dessa maneira que me afastei de todo o mundo. Demi e Normani são poucas das que restaram e agora elas estão me levando nos lugares para que eu possa sair e ver mais gente. - Camila acabou de tomar o conteúdo de seu copo. - Ele não era ruim, eu que era maluca. - Ambas riram.

- Entendi. – Lauren assentiu cruzando as pernas. – Elas estão te introduzindo ao mundo novamente. – Brincou e mais uma vez Camila sorriu concordando.

- Achei que ia ser mais complicado, elas são casadas e a maior parte dos amigos também ou estão em outros relacionamentos, mas foi tranquilo. – Comeu alguns anéis de cebola. – Era o que eu realmente precisava, me conhecer de novo.

- Tem quanto tempo?

- Uns nove meses. – Balançou os ombros. – Mais ou menos, ainda ficamos naquele vamos não vamos.

- Eu entendo. – A outra sorriu tomando sua água, já sentia seus lábios dormentes e a ponta da língua perdendo tato. – Já passei por isso. – Brincou com a tampinha lembrando do seu ultimo relacionamento mais longo. – Nada comparado ao tempo que vocês estavam juntos, mas foram dois anos de relacionamento mais um nesse vai e não vai. Por fim, não foi. – Elas riram.

- Nós nos acostumamos um com o outro. – Confessou desviando o olhar para a pista de dança onde alguns casais dançavam uma musica mais calma. – Apesar de gostar muito dele, acho que no inicio foi um pouco de desespero. – Lauren precisou se aproximar devido ao barulho que havia recomeçado. – Eu era muito nova, já tinha uma filha e não queria ficar sozinha, agradeço por ter sido ele a aparecer. – Sorriu voltando a atenção para a farmacêutica, que em reflexo sorriu também.

- O bom é que você não teve grandes dramas. – Deu de ombros.

- Meus pais quase me mataram quando eu contei que estava grávida, mesmo eu já tendo vinte anos e já morando com o Pedro. Acho que eles acharam que eu fosse largar a faculdade ou algo assim. Por fim, deu tudo certo, mas esse foi um grande drama. – Lauren assentiu, imaginando a situação. – E você, qual foi seu grande drama?

- Tive muitos, mas tem um que é ótimo. Apresentei minha primeira namorada na ceia de Natal, foi desastroso. – Lauren negou rindo. – Minhas tias debochando dos meus primos que até eu havia arrumado uma namorada antes deles, minha mãe tentando compreender que não, o Joseph não era meu namorado e meu pai divertido me constrangendo falando “se eu me separar da sua mãe, não acredito que será minha concorrente.” – Camila gargalhou jogando a cabeça para trás.

- Não acredito. – A olhou espantada. – Eles são tranquilos em relação a isso?

- Bom, eu não sei, mas acho que sim. – Viu a feição um pouco confusa na face da outra e explicou. – Eu nunca perguntei se eles estavam de acordo ou bem com isso, eu estava e foi o suficiente. Eles me respeitam e assim seguimos.

- Uau. – Assentiu engolindo as batatas que havia enfiado na boca. – Isso foi muito seguro da sua parte.

- Eu me tremia dos pés a cabeça enquanto gritava no meio da sala e eu não me importo com a opinião de vocês, eu me amo e sou assim, para no fim minha mãe terminar de desenformar o bolo me jogando um “tudo bem, querida, já entendemos, só pare de gritar e vá chamar seu irmão para o café”.

- Eu não esperava por isso. – Confessou divertida.

- Ninguém espera uma história divertida ou bonita quando se trata de um “coming out”, é histórico. Tem que ter o drama e tal. – Camila abriu a boca sem saber o que responder, Lauren havia lhe dado outra certeira.

Não era como se estivesse sendo rude ou deselegante, mas estava fazendo com que repensasse em coisas que nunca realmente parou para pensar. Ficou chocada, mas nem tanto quando Demi lhe contou sua história, a família inteira havia virado as costas e não aceitava sua sexualidade de forma alguma, Normani também havia passado por situações ruins e outras pessoas. No entanto, estava realmente impressionada com o fato de que uma história engraçada como a de Lauren estava lhe deixando mais surpresa do que quando escutou a de Demi.

- Olha... – Deixou a garrafinha sobre a mesa chamando a atenção da morena para si. – Você esta me deixando constantemente sem falas e esta se tornando um problema para mim. –Compartilharam uma risada. – Que bom que sua história é feliz.

- Tem alguns problemas, mas nada relevante. – Deu de ombros antes de se levantar ajeitando a calça. – Vou ao banheiro, já volto.

- Espera, que eu vou também. – Normani se levantou beijando os lábios da esposa antes de correr atrás de Lauren e abraçar sua cintura enquanto caminhavam para o outro lado.

- Ai eu sou tão abençoado por ter mulheres lindas como minhas amigas. – Joseph disse sentando no lugar de Lauren. – Camila, você esta incluída.

- Ei. – Demi gritou, aproximando sua cadeira. – Porque não apresenta seu irmão pra ela? – Camila vincou as sobrancelhas encarando a amiga.

- Verdade! – Joseph se virou animado para a mais nova amiga. – O que acha?

- Preciso ver fotos dele antes. - Disse, divertida. - Mas não estou procurando nada sério!

- Gosto assim, espírito livre. - Joseph começou a mexer em algo no celular. - Não se preocupe quanto a isso, meu irmão é um piranho. Ele também não tem nada sério com ninguém, então me agradeça quando ele virar seu pau amigo. - Camila corou por uns momentos, ela nunca nem cogitou nada do tipo. - Aqui, esse é ele. Procurei logo uma foto sem camisa pra mostrar os atributos do boy.

- Caralho, isso é de família? Pode dar meu número pra ele, ele é lindo. - Comentou sabendo que o único motivo pelo qual estava disposta a dar o número pra um desconhecido era porque ela estava bêbada. - Qual o nome dele?

- Nicholas. - Joseph disse, mostrando mais uma foto do rapaz.

Curiosamente, eles não se pareciam. Nicholas tinha os olhos inchados, uma barba por fazer que era bem falhada, uma boca grossa, mas menor que a de Joseph e as sobrancelhas bem finas. Seus olhos, pelo menos a foto, eram castanho escuro e seu corpo era algo que faria qualquer mulher hetero babar. Camila não queria nada tão cedo com ninguém, mas, após alguns drinks, ela definitivamente estaria disposta a transar com um cara como ele.

- Meu Deus, essas héteros não podem ver meu irmão. A baba chega a escorrer. - Ela riu, bebendo um pouco de drink e Joseph guardou o celular.

- Eu não posso fazer nada, ele é lindo.

- Isso porque não te mostrei o outro.

- Quantos irmãos você tem?

- Três! Mas o outro é mais velho e casado, inclusive tem filhas. Minhas sobrinhas são as coisas mais lindas do mundo. Mas lembro que quando ele era solteiro, as meninas ficavam doidas atrás dele. - Camila sorriu com o canto da boca.

- Que genética é essa? Deus abençoe.

- Genética de quem? - Lauren chegou na mesa, sentando-se onde estava anteriormente, ao lado de Camila.

"A sua." Camila quis responder, mas seria errado porque ela sabia que não estava falando de Lauren e que não faria sentido e ela pareceria uma louca. A questão era que, mesmo babando no irmão de Joseph, ela esqueceu tudo o que viu na tela de celular do homem assim que Lauren voltou para a mesa, ajeitando seus óculos e bebendo mais um pouco de água. Havia algo magnético sobre estar na presença dela.

- Da família do Joseph. - Lauren riu.

- Menina é cada homão! Da primeira vez que fui na casa dele, cheguei a questionar se eu era lésbica mesmo ou se não podia fazer uma exceção! - Lauren brincou, vendo Joseph cair na gargalhada.

- E podia? - Perguntou antes que pudesse conter a sua língua. Se sentia a hétero inconveniente do rolê, dando várias bolas fora com Lauren várias vezes seguidas em um espaço de algumas poucas horas.

- Não, eu não podia, deus me livre só de pensar. Mesmo assim, não tem nada de errado em admitir que os caras são bonitos. - Camila sorriu, assentindo, e se imaginando porque ela sempre tinha que fazer observações estúpidas. Estava se sentindo a hétero deselegante do rolê e talvez ela fosse mesmo.

- Nicholas bem que tentou. – Joseph disse encarando a amiga divertido. – Ele passou uns dois meses tentando cantar a Lauren.

- E então ela pegou a ex dele. – Demi bateu palmas, como se tivesse orgulhosa.

- Em minha defesa, eu não sabia que a Olivia era ex dele. – Levantou as mãos em rendição. Camila havia escolhido apenas se manter em silencio enquanto eles conversavam, achava que assim não daria mais nenhum fora. – Ele se contentou com a minha amizade.

- Vocês fazem coisas de hétero, não entendo. – Joseph reclamou.

- Ele é a melhor pessoa para ir ao Maracanã. – Deu de ombros.

- Gosta de futebol? – Perguntou, quebrando seu próprio pacto de ficar calada. Lauren moveu a cabeça de um lado para o outro.

- Mais ou menos, quando não tem nada pra fazer eu vou com o Nick. Ele é super divertido para fazer qualquer coisa.

- Vou passar o numero da Camila para ele. – O homem avisou, fazendo com que Lauren arqueasse uma sobrancelha voltando a olhar para a morena. Essa que sentiu as bochechas corando, fingiu que não viu, desviando o olhar para as batatinhas.

- Só espero que não tome o meu lugar no Maracanã. – Brincou tocando seu joelho para chamar sua atenção.

- Boa noite. – A atenção dos quatro voltaram para uma mulher loira com um sorriso bonito parada ao lado de Demi. – Hum, sou Iara e, odeio ter que fazer isso, mas esta no contrato da amizade. – Revirou os olhos enquanto eles riam. – Minha amiga ali no bar esta falando de você a noite inteira... – Lauren arqueou as sobrancelhas quando Iara apontou para si, no entanto a mesma parou de falar quando viu Camila lhe olhar com as sobrancelhas vincadas e os lábios em linha reta. – Se não estiver acompanhada.

- Não estou. – Negou rapidamente tomando um gole do drink de Normani.

- E sua amiga disse que se chamava Lauren. – Apontou para o bar onde Normani estava conversando com um grupo de mulheres como se fossem conhecidas, era praticamente o seu dom fazer amizades daquela forma em qualquer lugar. No entanto, uma dela estava olhando em sua direção com um meio sorriso, completamente sem disfarçar o interesse.

- É a de cabelo curto? – Iara assentiu.

- Fernanda. – Lauren entrou em um dilema naquele momento, queria e não queria ir. Estava boa demais a conversa, pensar em conhecer outra pessoa não estava nos seus planos, mas havia prometido que não iria começar a se fechar para o mundo somente porque outras experiências não haviam dado certo e se não gostasse, poderia voltar e continuar a noite entre amigos.

- Bom, me apresente a ela então. – Levantou-se fazendo Iara sorrir animada.

Camila piscou lentamente movendo as pernas de forma mecânica para que Lauren passasse, sentiu os dedos gelados tocando seu ombro para não desequilibrar, chegou a respirar fundo quando seu corpo passou bem próximo, deixando seu perfume no ar, era doce, mas não enjoado, somente agradável.

Sentiu que Joseph falava alguma coisa enquanto Demi ria, mas somente conseguiu prestar atenção nas duas seguindo para onde Normani e as outras estavam. Lauren sorriu cumprimentando algumas delas e então uma morena linda de cabelo curto, tinha uma parte dos cabelos raspados e usava batom escuro, a tonalidade de sua pele era semelhante a de Normani e com o brilho da luz se aproximava de algo dourado. Observou quando as duas seguiram para a outra parte do bar, onde estava mais calmo e se sentaram, logo chamando o garçom para servir alguma coisa.

- Camila? – Somente desviou a atenção quando Joseph estalou os dedos a frente de seu rosto.

- Oi... – Respondeu incerta e um pouco confusa.

- Vamos dançar? – Vincou as sobrancelhas olhando para o lado vendo o casal de amigas em um beijo intimo enquanto riam e conversavam baixinho. – Não quero ficar de vela.

- Vamos. – Assentiu já se levantando.

- Você ficou interessada em alguém? Posso desenrolar quem você quiser. - Joseph afirmou com tranquilidade, encostando em seu ombro.

- Não! - Falou quase que em desespero. - Não estou interessada em ninguém!

- É que você estava olhando na direção de Lauren por muito tempo após ela sair e... - Ele se aproximou. - Ela é assim mesmo, sempre leva alguém pra casa. Achei que pudesse levar alguém também. Eu conheço quase todo o mundo que frequenta aqui.

Camila estava quase hiperventilando com o teor daquela conversa.

- Não, eu tô bem! Eu juro. - Falou mais para si mesma do que para o homem. - Eu só quero... - Encarou os olhos castanhos de Joseph, que lhe transmitiam segurança e tranquilidade. Pensou em despejar sobre ele o turbilhão de coisas que sentia, mas deixou pra lá. Devia ser somente efeito da bebida. - Dançar. Eu quero dançar!

- Vem cá, baby! - Joseph puxou Camila pela mão com um sorriso, dançando ao seu lado. Era bom dançar com ele, ele era respeitoso, divertido e dançava muito bem. Seu olhar vez ou outra escorregava para Lauren, que não demorou muito a estar com os lábios grudados nos da outra mulher.

Joseph estava atrás dela, segurando sua cintura e dançando no ritmo da música, então ele não conseguiu ver quando Camila encarou o beijo que Lauren dava na desconhecida tão profundamente que parecia que ela fazia parte daquilo também. Notou o jeito com que Lauren começou segurando seu rosto com delicadeza, quase como se não soubesse se podia beija-la. Quando ganhou confiança, as mãos escorregaram para a sua cintura em um aperto que parecia firme, o tipo de cena que se vê nos filmes e se deseja que estivesse você a protagonizando.

Camila estava sozinha há muito tempo, muito mais do que ela estava acostumada. Sentia falta de pequenos momentos como tomar café da manhã junto com alguém, ou dormir de conchinha. Mas também sentia falta de alguém puxando sua cintura para si, fazendo suas pernas bambearem. Ela tinha certeza de que esse foi a sensação que a bela mulher que estava sendo beijada por Lauren sentiu. Observou Lauren puxar a desconhecida para si e a outra, completamente perdida e inebriada, puxava os cabelos de sua nuca em um desespero visível por ser tocada.

Ela estava uma bagunça. Pediu licença a Joseph e foi até o banheiro, pois sabia que não era saudável ficar observando duas pessoas se beijarem da maneira que ela estava fazendo, ainda mais por, trinta minutos atrás, estar querendo reafirmar sua heterossexualidade dizendo que ela não queria nada com Lauren e passando a maior vergonha do mundo, porque Lauren também não queria nada com ela.

Se trancou na cabine, revisando em sua mente tudo o que tinha bebido. Alguma daquelas coisas tinham de ser afrodisíacas, porque não era possível que ela estivesse se sentindo daquela forma do nada simplesmente porque estava vendo sua mais nova colega beijando uma mulher desconhecida.

Joseph voltou para a mesa após alguns segundos, limpou a garganta para o casal que se beijava e sentou-se, encarando as amigas com um sorriso divertido.

- Eu não queria falar nada não... – Começou, Demi revirou os olhos rindo. Tomou um pouco da nova caipirinha conferindo como Lauren estava, e não parecia com problema algum atracada a outra mulher no final do bar.

- Achei que tivesse sido só eu. – Normani pontuou ajeitando os cabelos cacheados. – Achei que era coisa da minha cabeça.

- Ponto duplo pra Lauren. – Demi decretou rindo se levantando, ajeitou a jardineira jeans que usava e prendeu os cabelos. – Vou ver como ela esta. – Deu as costas para os amigos e caminhou em direção ao banheiro.

Camila apoiou-se na pia com os olhos fechados, fez o máximo para controlar sua respiração repetindo o mantra mental de que o álcool em seu sangue estava muito elevado e desencadeando sentimentos confusos e reflexivos. Abriu a torneira molhando a mão e passando em sua nuca para aliviar o calor estranho que havia se instalado em seu corpo.

Voltou a abrir os olhos encarando metade de seu corpo, sua mão ainda pendia em seu pescoço e ajeitou da mesma forma com que havia visto Lauren fazer com a outra mulher, adicionou um pouco mais de pressão imaginando-a ali, lhe tocando da forma intima e certeira. Não era estranho, muito pelo contrario, era uma sensação boa e quente.

Tão quente que nem percebeu quando entreabriu os lábios respirando um pouco mais ofegante, apertou as coxas ludibriando a pressão que havia crescido, a ponta de seus dedos já estavam brancas de tão apertadas contra o mármore gelado, quase não reconhecia seu próprio rosto, vermelho, e sua pupila dilatada.

Estava tão concentrada que levou um susto quando a porta se abriu, somente percebeu o vergão em seu pescoço quando retirou sua mão apoiando as duas na pia voltando a realidade rapidamente. Logo a figura loira de Demi apareceu ao seu lado ajeitando os cabelos e a roupa.

- Tudo bem? – Ergueu a coluna limpando a garganta antes de assentir diversas vezes. Demi observou em silencio sua amiga jogar um pouco de água no rosto e em sua nuca, percebendo suas bochechas coradas. – Tem certeza?

- Sim. – Assentiu enxugando as mãos na calça mesmo. – Aquele drink é forte demais.

- É só a bebida ou...

- Sim. – Novamente assentiu, certa do que falava, mesmo que sua voz falhasse e seu corpo inteiro lhe entregasse. – Falta de costume.

- Se você diz... – Sorriu. – Me espere rapidinho. – Demi entrou em uma das cabines e Camila ficou do lado de fora, encostada na pia brincando com alguns pingentes de sua pulseira. – Teremos que arrancar Lauren do bar para ir embora, não sei o que aquela mulher tem. Parece até mel.

- Cristo. – Camila sussurrou com os olhos fechados, negou, odiando sua amiga por voltar naquele assunto justamente naquele momento.

- Ela fala “a” e as mulheres praticamente se jogam aos seus pés. – Deu descarga. – Dizem as boas línguas que ela é tipo a Angelina Jolie das gays. – Camila engoliu em seco negando discretamente quando a porta se abriu e Demi saiu rindo, sorriu através do espelho enquanto a esperava lavar as mãos.

- Imagino. – Assentiu tentando não pensar em nada daqui ou realmente teria problemas em sair do banheiro.

Camila encarou a mesa de modo fixo, não podia olhar para Lauren ou nada do tipo porque não queria que seus hormônios lhe traíssem. Demi se encarregou de ir atrás de Lauren e Camila foi se sentar, encontrando Joseph e Normani que conversavam e riam de algo. Suspirou e tomou um copo inteiro de água gelada, esperando que aquilo aplicasse o calor no resto de seu corpo.

Não resolveu.

Para o desespero total de Camila, Demi começou a se aproximar com Lauren, que ajeitava os óculos no rosto após limpar eles na blusa. Ela estava... Diferente.

Os cabelos pareciam mais bagunçados e aquilo só acendeu em sua mente a imagem da mulher passando a mão por eles. Imaginou se eles eram tão macios quanto pareciam ou se começariam a ter uma textura diferente após alguém começar a puxa-los, como a estranha fazia. Sua boca estava um pouco inchada e vermelha e Camila estremeceu, desviando o olhar.

Lauren se sentou no único lugar vago - ao lado de Camila - e ela detestou sentir que seu perfume havia se misturado com o de outra pessoa, tornando o cheiro um pouco diferenciado. A Farmacêutica engatou uma conversa com Demi, esparramando as mãos sobre a mesa.

Camila reparou em seus anéis, suas veias e sua memória lhe traiu novamente, lembrando do jeito que ela apertou a cintura da outra. Ela apertou as coxas de novo se virou para o outro lado, passando a mão nos cabelos de forma miserável. Bebeu mais um pouco de água. Só queria ficar sóbria.

Joseph reparou todo o movimento da mulher e sentiu um pouco de pena dela, pois sabia que ela devia estar desesperada sem entender o que estava acontecendo. Ele era bom em ler pessoas e a pior parte disso era que ele percebia que Lauren não estava nem aí. Não que fosse culpa dela não perceber que tinha uma mulher praticamente pingando ao seu lado, não após a mulher querer se reafirmar hétero por pura babaquice. E Lauren não costumava ficar com meninas que pareciam com Camila - pelo menos ele nunca viu - então ela só não fazia o tipo de sua amiga mesmo, independente de ser hétero ou não.

De qualquer maneira, seria mais fácil se Camila aceitasse que ele arrumasse alguém pra ela ficar, assim, pelo menos, o que quer que ela estivesse sentindo naquele momento, iria aplacar.

Ele esticou a mão por cima da mesa e capturou a mão de Camila, que pareceu surpresa, mas grata pelo gesto.

- Tem certeza que está tudo bem? - A mulher assentiu.

- Sim. Obrigada por perguntar. - A movimentação ao seu lado chamou a atenção de Lauren, que desviou o olhar para o seu lado e franziu o cenho.

- Tudo bem? - Dessa vez quem perguntou era Lauren. Camila podia desmaiar ali mesmo ao ouvir aquela voz baixa e rouca sussurrando algo para si.

- Sim. - Respondeu, rezando para que pudesse sair do lado daquela mulher o mais rápido possível.

- Eu... – Engoliu em seco se levantando rapidamente. – Acho que já vou. – Decretou. Não conseguia mais se manter ali e parecer um ser humano normal, seu corpo já não estava responder por si e precisava urgentemente de um banho gelado. Agradeceu mentalmente pela filha estar passando o fim de semana com o pai, assim não precisaria fingir que estava bem depois daquela saída, poderia somente se jogar na cama e se afundar ali ate o dia seguinte.

- Já? – Demi perguntou um pouco decepcionada, era definitivamente cedo.

- Já. – Assentiu.

- Vai sozinha? – A bendita Lauren perguntou e logo abriu a boca para responder, fechando logo em seguida reanalisando a pergunta e interpretando de uma forma diferente. Não estava perguntando se não iria levar ninguém para sua casa, mas se, naquele horário, ela iria sozinha, uma vez que olhou no relógio parecendo preocupada logo em seguida.

- Vou chamar um Uber. – Quase sorriu, comemorando internamente o primeiro fora evitado da noite.

- Nós não vamos demorar muito, se quiser podemos ir juntos. – Joseph ofereceu. – Assim não vai sozinha e fica mais um pouco. Daqui a pouco eles começam a servir um tipo de bebida estranha que é super gostosa e forte.

- Isso! – Lauren bateu palmas animada, logo batendo um cumprimento com o amigo. – Você não pode perder essa Camila, é sua primeira vez aqui e tem que fazer as honras da casa. Abriu a boca de fechou varias vezes vendo como seu sorriso estampava boa parte de seu rosto, seus olhos pareciam animados e os óculos charmoso dando um toque diferente em seu rosto.

- Eu... – Tomou um pouco de ar antes de assentir. Aceitou sua derrota contra o que quer que fosse. Não queria realmente ir embora pelo fato de estar cansada, mas não sabia o que estava acontecendo e permanecer ali com a morena não iria ajudar. – Só preciso de um ar pro álcool evaporar , vamos fumar Normani?  - A negra vincou as sobrancelhas para a amiga sem entender nada.

- Você...

- Vamos? – Demi discretamente bateu na coxa da esposa, um sinal claro que somente elas entendiam. A mesma assentiu dando de ombros, pegou sua bolsa e se levantou, deixando a mesma aliviada, mas o universo não estava tão ao lado de Camila assim.

Ao dar a volta na mesa para sair, sua sandália virou e perdeu o apoio do pé esquerdo, arregalou os olhos sentindo que iria cair com tudo no chão, pelo menos era isso que preferia ao invés das mãos apertando sua cintura.

- Opa. – Apertou os olhos engolindo em seco pensando em qualquer coisa que lhe tirasse daquele momento. Lauren havia lhe impedido de cair e passar vergonha segurando sua cintura e sussurrando bem próximo a seu ouvido.

Demi engasgou com a caipirinha vendo o estado de desespero de sua amiga, iniciando um crise de tosse, sendo acolhida pela esposa, já Joseph revirou os olhos negando, voltando para sua cerveja.

- Tudo bem? – Lauren perguntou divertida ainda completamente ao que estava acontecendo ali. – Vou de soltar. – Avisou antes de largar sua cintura com cuidado, conferindo se não tinha machucado o pé. – Esse lugar fica horrível depois de um tempo para quem usa salto.

- É. – Assentiu ainda desordenada, deu a volta ajeitando sua roupa. – Obrigada. – Murmurou caminhando apressadamente até Normani e puxando seu pulso, deixando Lauren um pouco confusa vendo as duas se afastarem. Demi buscou o ar rindo um pouco e limpando o canto dos olhos.

- Camila é um pouco... Inusitada. – Riu dando de ombros, tomando um gole do drink que o garçom havia deixado. Joseph revirou só olhos mais uma vez encarando a amiga.

- Como pode ser tão lenta?

Lauren não pareceu prestar atenção no que a outra disse e suspirou, desviando a sua atenção para outra coisa. Joseph apenas revirou os olhos e cochichou para Demi que era melhor eles não se meterem e deixar aquilo como estava.

Do outro lado do bar, Normani tirava dois cigarros do maço, fazendo Camila negar com a cabeça veementemente.

- Não, eu não quero isso. - Normani franziu o cenho.

- Ué, você disse que queria fumar.

- Não, me perdoa! - Passou a mão nos cabelos de forma desesperada, não iria esquecer aquelas mãos em seu corpo tão cedo. - Eu só queria sair de lá.

- Camila, o que ta acontecendo? - Normani perguntou, mesmo que ela já soubesse a resposta. Quis extrair algo da outra. - Você tá agindo de forma estranha a noite toda. - Comentou expelindo fumaça pela boca.

- Eu... - Camila pensou em falar tudo o que estava lhe afligindo, mas não queria soar como uma bêbada carente desesperada por atenção. Soltou o ar, se dando por vencida. - Eu só não estou acostumada a sair, entendeu? Às vezes não sei como agir, como lidar com as pessoas. Mas eu vou ficar bem. - Falou quase que num fôlego só, querendo acreditar naquelas palavras.

- Tudo bem. - Normani preferiu não pressionar. Ela entendia que devia estar confusa com seus sentimentos, ou talvez fosse somente a bebida.

Aproveitou que Normani estava distraída com o cigarro para respirar fundo e fechar os olhos, se perguntando o que estava acontecendo com ela. Ela nunca havia se sentido ou agido desse jeito e sabia que nada daquilo era saudável, mas ao mesmo tempo os sentimentos eram novos e pareciam encher seu corpo de energia, mesmo que fosse uma energia que ela não entendia e não queria sentir.

Suspirou, vendo a amiga apagar o cigarro e jogar a bituca em um canto, era hora de voltar para a mesa e para perto daquela mulher. Rezou para que Joseph tivesse levantado e ela pudesse se sentar com Normani e Demi, mas Normani logo pegou seu lugar ao lado da esposa e Joseph permanecia no mesmo lugar, então só lhe restava sentar ao lado de Lauren, que não parecia dar lá muita atenção para a sua presença.

- Você não tem cara de quem fuma. - Lauren comentou divertida, querendo puxar assunto e brincar com a outra, que começou a olhar para os lados quase que em desespero.

- E-eu... Eu não fumo! - Falou com o tom de quem confessava algo muito ruim. - Eu só queria tomar um ar. Me expressei mal.

- Relaxa, eu só estou brincando. - Lauren abriu um sorriso, lhe dando um cutucão de brincadeira.

Camila queria dar três socos em sua cabeça e um no estômago, apenas porque ela sabia que doía mais. Ela nunca se amaldiçoou tanto por ter dito algo em toda a sua vida - e olha que um dia ela tinha mandado seu pai se foder. Acontece que, mesmo assim, Lauren disse que não tinha interesse, então não tinha chance daquilo rolar - até porque, ela nem tinha certeza se sabia o que queria.

A noite sucedeu sem maiores acontecimentos, ao menos para os quatro amigos que conversavam e riam de qualquer coisa, já com o álcool operando de grosso modo em seus corpos. Dizer que Camila não se divertiu ou distraiu durante a noite seria uma grande mentira, principalmente quando voltou a beber e sua vergonha e confusão passou por um curto período de tempo. Mas ainda ficava nervosa e quase tonta quando Lauren lhe tocava ou esbarrava, fosse para chamar sua atenção ou aleatoriamente, se manteve em vigilância quanto aquilo, não podia e nem queria, ser a estranha que não sabe conversar ou que age de forma estranha.

O auge de sua noite, como se já não tivessem acontecimentos suficientes, foi rejeitar uma bebida de alguém no bar havia lhe enviado sem nem ao menos saber quem era, o que gerou algumas brincadeiras e piadas sobre quem poderia ser. Até mesmo Lauren entrou no jogo apontando para uma morena com um grupo de amigos, de acordo com suas fontes, mostrava indícios suficientes de que estava interessada.

Se perdeu ainda mais tempo escutando sua explicação enquanto lia a mulher em questão, prestando atenção com como sorria de canto ou piscava lentamente, já por causa da bebida, do que prestando atenção do que dizia propriamente dizendo.

Não soube quando se permitiu sorrir e somente observa-la, estudando todos os ângulos de seu rosto e pequeno detalhes que talvez passaria despercebido em um conversa superficial.

Lauren tinha sardas, poucas e claras, abaixo dos olhos e no corpo do nariz, esse que se enrugava de forma fofa toda vez que sorria ou ria, a pequena argolinha ali era um charme e tinha a mania de constantemente estar arrumando ou rodando. Percebeu também que falava de forma pausada e calma, também mexia muito com as mãos, essas que chamavam muito sua atenção por algum motivo inexplicável. Os anéis dispostos em ângulos perfeitos, as unhas certas e pintadas em um tom claro, as veias que pareciam pulsar, seus dedos eram longos e finos, sua mãe costumava dizer que eram dedos de pianistas. Questionou se em alguma momento de sua vida fez aulas de piano ou teclado, e essa foi somente mais uma das perguntas aleatórias que sentiu vontade de fazer durante sua análise complexa e minuciosa sobre a mulher.

Lauren não pareceu perceber que recebia tamanha atenção, não que fosse acostumada com todos lhe encarando, somente era distraída e alheia demais para perceber os olhos castanhos vidrados em todos os seus detalhes, esses que brilhavam e seguia todos seus movimentos. Todos na mesa já haviam percebido a forma quase encantada que Camila se encontrava, não era indiscreta ou desconfortável, apenas como se Lauren fosse a única pessoa naquele local.

Quando deu a hora de irem, se despediram rapidamente, Camila já havia aceitado o fato que passaria mais alguns minutos na presença daquela mulher que tanto estava mexendo com sua cabeça e sentimentos, Joseph era educado e não lhe colocava em situações constrangedoras como questionamentos e coisas do tipo, apenas ficou em silêncio entendendo que aquele assunto não lhe cabia a partir do momento em que Camila escolherá não compartilhar.

- Deixamos Camila primeiro e depois vamos pro meu apê. - Lauren disse assim que entraram com Uber, cumprimentando o homem.

- Vou dormir lá então. - O homem decretou.

- Tudo bem. Vamos estender a festa, quer vir? - Brincou com Camila sentada ao seu lado, essa que arregalou os olhos sem saber o que responder, pois no fundo não entendeu a brincadeira.

- Ah eu... - Negou engolindo o nó na garganta, obrigando seu corpo a agir normalmente. Olhou para Joseph procurando pro uma explicação, estava se sentindo mentalmente incapaz de lidar com a morena. - Eu vou pra casa.

- Desistente! - Acusou, ainda na áurea divertida.

- Não, é que... Minha filha chegará amanhã cedo e eu tenho trabalh...

- Ei, calma. - Lauren sorriu tocando seu ombro, deixando o local quente. - É só uma brincadeira. Não precisa se explicar.

- Ela ainda não está vacinada contra as suas piadas, Lauren. - Joseph ajudou sua nova amiga.

- Isso significa que temos que sair mais vezes. - Falou. - Semana que vem tem um happy hour em um bar na Barra, acho que você deve ir. Será legal, bem mais tranquilo e calmo que hoje. - Jogou seus cabelos os ajeitando enquanto sorria de lado. Não entendeu quando soltou um suspiro, procurando disfarçar logo em seguida com uma tosse seca.

- Posso ver. - Assentiu desviando para frente, encarando a rua noturna como se fosse algo muito interessante. Lauren assentiu, um pouco confusa, não havia se acostumado com o jeito da nova amiga, deu de ombros deitando a cabeça no banco e colocando os braços a frente dos olhos.

- Pode ver ou pode ir? - Joseph perguntou divertido, vendo Camila passar a mão nos cabelos.

- Posso ver se posso ir! - Disse no mesmo tom que ele, vendo Lauren dar uma risadinha. - Eu manterei vocês informados sobre.

- Sem problemas. - Lauren respondeu, pegando seu celular e começando a digitar algo no mesmo.

Camila se permitiu encarar a cidade que passava pela janela, evitando estar tão consciente do corpo de Lauren do lado dela, que começava a se esparramar um pouco do seu lado do banco, como se estivesse permitindo seu corpo sentir o cansaço da semana toda. Ela afastou as pernas o máximo que conseguia sem invadir o espaço de Camila, digitando algo rapidamente no celular com a cabeça encostada no banco atrás de si.

Joseph riu consigo mesmo, baixinho, no banco do passageiro. Ele sabia que, se tudo o que viu esse noite não fosse fruto de sua cabeça, Camila definitivamente iria em qualquer lugar que Lauren chamasse ou fosse. Ele iria se divertir bastante até Lauren perceber que aquela mulher, pelo menos naquele momento, estava caidinha por ela.

O resto do caminho foi silencioso. Lauren não saiu do celular, como se alguém estivesse lhe mandando mensagens naquele momento, mesmo já sendo mais de três horas da manhã. Camila imaginou que ela deveria ter muitas amigas ou alguém a esperando em casa. Talvez uma namorada. Sabia que hoje em dia os relacionamentos eram diferentes, existiam pessoas não monogâmicas que namoravam, saiam, ficavam com outras pessoas e no fim da noite sempre voltavam para si. Ou então podia ser apenas uma amiga precisando de ajuda ou algo do tipo. De qualquer maneira, queria afastar esses pensamentos de sua cabeça porque ela sabia muito bem que não era nada saudável ficar sonhando sobre uma mulher que não estava interessada nela naquele momento e provavelmente nunca estaria.

Se despediu deles assim que chegou na porta de seu prédio, situado no centro da cidade, subindo o elevador após cumprimentar o porteiro, que parecia um pouco surpreso ao vê-la chegando tão tarde. Não que ninguém tenha perguntado nada aquele homem enxerido, claro.

Tirou, primeiramente, os sapatos, sentindo o chão gelado o apartamento sob seus pés. Foi diretamente até o banheiro, ligando a água no quente e se enfiando debaixo da mesma assim que tirou as roupas. Queria se livrar um pouco do efeito de álcool em seu corpo e por seus pensamentos em ordem por pelo menos alguns momentos antes de se jogar na cama e só precisar pensar em tudo que aconteceu hoje no dia seguinte.


Notas Finais


E CHEGAMOS A CONCLUSÃO DESTE PRIMEIRO CAPÍTULO PORRAAAA

Precisamos saber muito, muito, muito o que vocês acharam desse começo, a opinião de vocês é fundamental pra gente. Precisamos também que comentem o que acham que vai acontecer daqui pra frente, porque eu tenho certeza que NINGUÉM vai adivinhar qual vai ser a próxima coisa que a Camila vai fazer KKKKKKKKKKKKKK

Bom, esse capítulo foi bem grande, né? Animem-se, TODOS tem mais ou menos o mesmo tamanho! Fanfic terminada, com dia certo pra atualizar e capítulos enormes é aqui mesmo, pode vir! Se gostaram, indiquem para outra fanfiqueira safada, custa nada ;)

Como disse, fica combinado que atualizaremos todo sabádo, então, até sábado que vem!

Caso queiram acompanhar os HINOS que a Bruna escreve é só ir no perfil dela @camilacinica (que também é o twitter dela) MAS EU TO FALANDO SÉRIO VAI LÁ CONFERIR ALL ABOUT HER AQUELA FANFIC É PERFEITA E NUNCA ERROU CARALHO

quem quiser também pode ir lá no meu twitter @ lmjgabx mas que fique claro que eu só falo merda lá! Boatos de que se pedirem com carinho liberamos os capítulos em um prazo menor do que de sábado em sábado rs

quem me mandar nude recebe os capítulos adiantado

(gente é brincadeira tá pelo amor de deus não me mandem nude, mandem pra Bruna)

A GENTE VAI FICANDO POR AQUI MERDAAAAAAA]

OBRIGADA A QUEM LEU, OBRIGADA A QUEM GOSTOU, OBRIGADA A QUEM NÃO GOSTOU

BEIJOS DE LUZ NO COLO DO ÚTERO E ATÉ SÁBADO QUE VEM


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...