História Pura Consequência - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Selena Gomez
Tags Adolescentes, Clichê, Ficção, Gravidez, Jelena, Justin, Pregnant, Pura Consequencia, Romance, Selena
Visualizações 204
Palavras 1.141
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - Kisses and problems


Fanfic / Fanfiction Pura Consequência - Capítulo 10 - Kisses and problems

— Qual a necessidade? — eu os perguntei, me ajeitando no banco.

— Nós só queremos consumar o casal por alguns segundos, ora! — Halsey riu, olhando para Erick com uma certa alegria.

Justin permanecia calado, o que me fazia ficar confusa sobre os sentimentos dele. As coisas que Erick havia me dito enquanto eu estava na maca do hospital estavam mexendo comigo, mesmo que eu insistisse em não dar tanta importância. Afinal, éramos apenas amigos.

Amigos que moravam juntos e tinham um filho.

— Eu não preciso agarrar o meu namorado na frente de...

Sim, eu fui interrompida.

Justin, em movimentos repentinos, me puxou para um beijo calmo, sem mãos bobas. Repousou uma mão na minha cintura e outra no meu pescoço, pedindo permissão para um beijo de língua. Não tinha como relaxar naquele ato, pois o refeitório inteiro já estava aplaudindo e gritando, me fazendo corar e parar aquilo. O Bieber assustou-se com a minha reação, que foi me afastar dele e começar a correr.

Para qualquer lugar.

O meu médico disse que eu não podia passar por emoções fortes, então eu não estava correndo tanto como queria, pois eu precisava - antes de tudo - rever as prioridades na minha vida. 

Fora do colégio, vendo os alunos irem para suas casas, entrei na cafeteria que eu costumava frequentar no meu primeiro ano escolar. Tentando manter a calma, fui até o caixa e pedi um cupcake de mirtilo que estava representado numa lousa negra. Minhas mãos suadas repousaram firmemente no balcão e meus olhos encararam o coreano de cabelos platinados que anotava o pedido com a maior animação. 

Peguei o pedido e sentei numa das cadeiras do balcão.

— Está tudo bem, senhorita? — o coreano perguntou, tirando o avental e sentando-se ao meu lado com um copo de café. — Se não quiser conversar, tudo bem.

— Você já ficou confuso sobre seu amigo? — ele assentiu com a cabeça. — Ele me beijou e eu não sei fazer.

O garoto - da minha idade, pelo que parecia - pôs a mão na frente da boca, fechando seus olhos enquanto ria baixinho. Olhei para seu rosto, ainda mais confusa, me perguntando do que ele estava rindo.

— Olha, você gosta dele? — murmurei um "acho que sim" — Então diga para ele. O cupcake vai ficar por conta da casa, corra logo atrás dele. 

Engoli o último pedaço, estalando um beijo na bochecha do rapaz e cruzando a porta, tudo em passos não muito rápidos. 

— Em que buraco você estava? — esbarrei em Erick, que parecia ter me procurado bastante. 

— Não me diga que eu estraguei tudo. — ele assentiu com a cabeça, levando meu último fio de esperança. 

— Ele nos explicou tudo e foi embora, dizendo que precisava pensar um pouco. — meu melhor amigo me abraçou de lado e eu encostei minha cabeça em seu ombro. — Tudo bem você ficar na minha casa hoje? 

— A Halsey não vai se importar? — perguntei, com os olhos marejados.

— Ela vai sair para resolver uns problemas hoje à noite, mas antes ela irá passar por lá e deixar umas roupas para você. 

Segunda-feira, 5:49 P.M.

Nós fomos andando até a casa do Erick, e Halsey passou mesmo para deixar algumas roupas. Quando ela chegou, eu já estava afundada nas comidas saudáveis que a mãe do meu melhor amigo preparou para mim. Meu estado era péssimo, principalmente sem ter notícias de Justin.

Naquele momento eu estava mais perdida do que um cachorro sem dono, deitada na cama ao lado de Erick que acariciava meu ventre.

— Você vai acabar incomodando o bebê, pare com isso! — reclamei baixo, com a voz chorosa, o que fez ele rir um pouco. — Nem tenho barriga ainda.

— Minha mãe disse que sua gravidez é estranha. — riu nasalmente. — Você viu os efeitos dos sintomas muito rápido. 

— Meu corpo está expulsando o bebê mais rápido...

— Pare de pensar nisso, certo? — o rapaz disse, tocando a ponta do meu nariz. 

Bastou alguns segundos para que o celular tocasse, revelando a foto de Justin, o nome do mesmo e o símbolo de ligação. 

Droga, ele estava ligando.

Erick pediu silêncio e atendeu o telefone, colocando a chamada em viva-voz. 

Olá, meu caro! — a voz do outro lado da linha estava embolada.

Lágrimas involuntárias desciam rápido enquanto eu roía a unha do dedão. Não estava acreditando que o Bieber se encontrava bêbado.

— Justin, onde você está? — Erick perguntou, se levantando da cama e vestindo uma camiseta de forma rápida.

A Jenna deve saber, não é? — meu corpo congelou por inteiro, e minha respiração ficou falha. — Meu amor, onde estamos mesmo?

Sabe quando você finalmente acha que encontrou a pessoa perfeita? Aquela pessoa que te protege desde o começo, que não deixa você ficar para baixo, que te apoia sempre...

Eu não tinha achado aquela pessoa.

Eu tinha achado um amor que a cada erro voltaria para o ex e esperaria o meu perdão.

Eu não tinha achado aquela pessoa.

Após Erick sair para buscar o Justin, me deixando no quarto sozinha, eu resolvi sair com a roupa que eu estava. Saí sem a mãe dele ver, segurando um cartão de centro médico com um número e endereço. As lágrimas eram cortadas pela minha mão que as enxugava freneticamente, e meus cabelos voavam junto ao vento. Tropecei umas três vezes nas pedras soltas da calçada, mas nem me importei.

Chegando em frente ao centro, pude ver  duas mulheres grávidas entrando e mais uma saindo aos prantos. A sensação que percorria meu corpo e minha mente era extremamente ruim, mas meu coração estava decidido e ninguém o faria mudar de ideia, a não ser...

— Selena, o que está fazendo aqui? — Cornell, que cruzava a rua, perguntou e chegou mais perto. — Está com problemas? O que aconteceu? Não está pensando besteiras, não é? 

Segunda-feira, 8:56 P.M.

— Toma aqui. — ele me entregou uma xícara de chá de camomila, meu preferido. — Então você gosta dele, mas o cara está com a Jenna e você acha que eles voltaram por culpa sua?

— Sim. — passei a mão na testa, enxugando o suor. — Eu sei que é muito cedo, mas eu gosto dele.

— Te entendo.

— Você ainda quer uma chance? — o olhei, tentando parecer normal ao fazer aquela pergunta, e ele assentiu.

— Se Justin te machucar, eu cuidarei de você.

Meu celular tocou, indicando chamada de Erick. Atendi e coloquei no viva-voz, pedindo pra Cornell fazer silêncio.

 Me diga que você não fez besteira. — meu amigo disse com a voz rouca e grossa. Justin está comigo, mas está melhor e quer te ver.

— Coloque-o na linha. — disse, tentando parecer seca. 

Selena, precisamos conversar, mas não pode ser por telefone. 

— Você chamou Jenna de meu amor, só quero entender. — Ignorei o que ele disse, puxando o assunto principal.

 Eu te amo, você me entendeu?!


Notas Finais


COM QUEM VOCÊS ACHAM QUE SELENA DEVE FICAR??
Cornell ou Justin???

Aaah, passando para agradecer todos os comentários até agora! Isso me dá muita motivação para escrever, então obrigada!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...