1. Spirit Fanfics >
  2. Pure angel - Kuroshitsuji - Sebastian Michaelis >
  3. Desejo

História Pure angel - Kuroshitsuji - Sebastian Michaelis - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Primeiro de tudo, perdão pelo péssimo desenho, essa semana me meti em dois desafios e estou fazendo alguns para algumas amigas, acabei sem tempo de fazer o da fanfic, tentei fazer ontem a noite, mas eu só tinha algumas horas disponíveis, então não saiu nem perto do que estou acostumada, perdão de coração por isso

Sobre meu plano de rendição, fui fortemente aconselhada a migrar para o wattpad, sinceramente planejo fazer isso mesmo, então eu vou postar uma one extra lá para atrair seguidores já que demorei muitos anos para conseguir os que tenho aqui, é realmente uma situação muito triste, mas fazer o que

Vou deixar o link nas notas finais do meu perfil no wattpad, estou postando pure angel lá também

Capítulo 2 - Desejo


Fanfic / Fanfiction Pure angel - Kuroshitsuji - Sebastian Michaelis - Capítulo 2 - Desejo

Angel jogava as roupas dentro da própria mala, desde que se mudou para Londres vivia em um apartamento apertado com outras cinco mulheres, agora ela tinha dinheiro o bastante para ter seu próprio apartamento. Também havia pedido demissão, iria abrir um site só para si, era mais fácil assim e não seria roubada.

– Pode me dizer o que está acontecendo? Você passou a noite toda fora, voltou, pediu demissão e agora está fazendo as malas... Para onde vai? - Mey olhava curiosa para a amiga.

– Vou comprar um apartamento, agora eu tenho dinheiro de sobra. Não suporto mais essa exploração com roubo, toda essa força que fazem... Eu não posso ter outro emprego, mas pelo menos não vou suportar tanto abuso. - Jogou os cabelos castanhos para trás olhando para a amiga.

– De onde surgiu tanto dinheiro? - A ruiva apoiou as mãos na cintura encarando a melhor amiga.

– Longa história, faça suas malas, você vem comigo. - Fechava o zíper da mala com um suspiro de alívio. - Anda Mey, vamos perder o Uber.

– Só me diga que não está envolvida com drogas. - Disse preocupada.

A inglesa riu apoiando a mão sobre a boca. - Bem acabou se tornando um vício para mim... Ele não sai da minha cabeça desde então.

– Ele quem? - A outra se sentou olhando para ela.

– Sebastian... Foi ele quem me deu todo esse dinheiro. - Colocou os fios atrás da orelha. - Só consigo pensar nele a cada segundo.

– Por que ele te deu tanto dinheiro? - Perguntou agora com um pouco de preocupação.

– Para que eu transasse com ele. - Segurava uma mecha do longo cabelo castanho, a alisando.

– Você se vendeu... Amiga... - Antes que a ruiva finalizasse Angel a interrompeu.

– Eu faço de graça, porque não receber para isso? Foram 100 mil libras de qualquer forma. - Moveu os ombros. - O problema foi eu ter gostado... Não, eu amei cada segundo com ele... O equilíbrio, a força equilibrada com o carinho, os beijos, as mordidas, todos aqueles sussurros... A forma como o corpo gostoso batia contra o meu, a rouquidão de sua voz... Absolutamente tudo tornou a melhor experiência da minha vida.

A ruiva tinha um sorriso bobo nos lábios.

– Eu só quero sentar nele até que o belo pau grande e grosso se desgaste. - Disse apertando as mãos diante dos seios.

Mey Gargalhou divertida. - E eu bem achando que diria que estava apaixonada.

– Eu me apaixonei pelo sexo, não por ele, não sei absolutamente nada sobre ele... Na verdade eu adoraria descobrir. - Mordeu o polegar com um sorriso safado nos lábios.

– Vamos procurar, ele é Sebastian do que? - A amiga se levantou indo até o próprio celular.

– Eu não sei, ele trabalha nas empresas Michaelis ao centro. Deve ter um cargo alto já que me pagou tanto por sexo. - Apoiou as mãos na cintura pensativa.

– Espera... O presidente da empresa se chama Sebastian Michaelis, eu vi a pouco tempo no jornal. - Ruiva pesquisou rapidamente no celular.

Ambas se olharam surpresas.

– Agora só comprova que eu não tenho a mínima chance de sentar nele outra vez. - Angel se sentou sobre a cama dando um longo suspiro.

– Não seja tão negativa... Aqui diz que ele é solteiro. - Mey apontou para a tela do celular.

– E o que eu vou dizer? Oi Sebastian, lembra de mim? Você me comeu gostoso no outro dia, porque não fazemos outra vez? - Apoiou a mão na testa. - Ele deve achar que vou querer mais cem mil.

– Sabe que ele é empresário agora, sabendo disso pode usar para se aproximar, que tal pedir ajuda com algo? - A amiga disse se sentando ao lado dela.

– Verdade, eu quero abrir esse site com doações em streaming. - Sorriu de forma maldosa. - Arrume suas coisas logo, vou mandar a mensagem para ele.

– Isso ai, temos muito o que conversar. - A ruiva sorriu. - Vamos passar na casa da Rachel? O bebê nasceu.

– Eu ainda nem conheço o marido dela. Temos que comprar uns presentes no caminho então. - Angel pegou o celular.

– Ok. - Mey correu até seu quarto.

A de cabelos castanhos mordia o indicador. Caminhava de um lado para o outro pensando no que enviar, mal conhecia aquele cara, não fazia ideia da reação dele.

"Sebastian, perdão o incômodo. Eu sei que é um homem de negócios, poderia me ajudar com algo?" Enviou.

Caminhou de um lado para o outro, mordia o polegar de forma ansiosa pela resposta, sentia o interior vibrar de nervosismo.

ʕっ•ᴥ•ʔっ

Sebastian digitava de forma apressada no computador de seu escritório até o apitar de seu celular, a notificação fez com que a tela apagada se acendesse. Curioso ele segurou o celular, desbloqueou, imediatamente ergueu as sobrancelhas surpreso pela mensagem.

A abriu rapidamente e quando seus dedos alcançaram o botão para responder o TOC TOC da porta ecoou.

– Abra. - Olhou em direção a imensa porta de madeira.

– Senhor Michaelis... Angelina está aqui. - Irene disse com a voz levemente ríspida.

O de cabelos negros abriu um imenso sorriso, enfiou o celular no bolso e segui em direção a porta.

Angelina estava parada pouco distante dali, uma saia vermelha justa ao corpo, os cabelos vermelhos curtos, junto de uma blusa social branca, no braço ela trazia o blazer vermelho.

– Oi meu amor. - A ruiva apoiou a mão no rosto do britânico o selando os lábios com carinho.

– Não esperava pela sua visita hoje. - Sorriu com carinho beijando a mão da bela mulher.

– Quis fazer uma visita para meu amante favorito. - Pegou a bolsa no banco. - Venha temos muito o que falar hoje.

O inglês seguia a mulher puxando a gravata e já desfazendo o nó.

– Estive pensando... - Angelina apoiou a bolsa na poltrona da sala dele. - Eu não tenho mais idade paga apagar seu fogo.

Sebastian trancou a porta, gargalhando em seguida. - Você só tem 45, não exagere.

– E você 26, eu tenho idade para ser a sua mãe. - A ruiva dizia apoiando as mãos na cintura. - Você precisa de uma cachorra Sebastian, uma bem safada, uma submissa.

– Lá vem você outra vez com essa história. - Retirava o blazer do terno, abrindo os botões da camisa.

– Meu amor, você é um dominador, é o único que não consegue ver isso. Você é um predador e todos são suas presas. - Ela se aproximou dele, subiu as mãos pelo belo corpo definido. - Você fica mais gostoso com o tempo...

Ele deu um sorriso sacana em direção a Madame Red.

– Olha o que você faz, me esqueci do que ia dizer. - Apoiou ambas as mãos no peitoral masculino. - Me lembrei, você precisa de uma submissa, precisa de alguém para controlar... Não pode negar quem você é.

– Eu não quero falar disso agora. - Apoio a mão na nuca da ruiva, subiu os dedos delgados pelos cabelos vermelhos os puxando. - Sinto falta do cabelo longo. - Beijou os lábios dela, mordendo o inferior e o puxando com os dentes.

– Se você gosta deixarei crescer outra vez. - A mulher antes dominadora e imponente já estava refém dele.

– Sim, deixe-o longo. - Beijou o queixo feminino com carinho, seguiu beijando o pálido pescoço, enquanto puxava os fios vermelhos para trás em busca de fazer com que ela mantesse o pescoço desprotegido.

Mordeu com os caninos afiados, deslizando a língua até o tórax feminino, soltou os fios vermelhos abrindo a camisa usada por ele.

– Eu venho para conversar e acabo com as pernas abertas para você outra vez. - Angelina ria apoiando as mãos na mesa atrás de si, enquanto a cabeça de fios negros afundava entre os seus seios de forma faminta.

A boca do britânico percorriam a parte desprotegida dos seios, os apertava em suas mãos arrancando gemidos deliciosos da bela mulher.

Ela não perdia tempo abrindo a calça dele, enquanto as mãos masculinas percorriam o monumental traseiro dela.

– Sebastian... - Chamou pelo nome dele ao enfiar a mão dentro da calça e tocar o monumental volume.

ʕっ•ᴥ•ʔっ

Angel estava agora no elevador do prédio da antiga amiga.

Ela e Rachel se conheceram quando a loira era ainda diretora de filmagem, foi graças a ela que Angel se poupou de gravar com homens e gravava 99% das vezes sozinha. Ou seja a mulher havia a salvado e bela tinha uma eterna dívida de gratidão.

A de cabelos castanhos, tocava o celular no bolso da calça a cada cinco segundo na esperança de uma resposta do empresário que temia ter incomodado, ou que ele a tivesse ignorado.

– Amiga, se ele não respondeu porque ele não tem mais interesse. Esqueça. - Apoiou a mão no ombro da melhor amiga.

– Você tem razão. Fui só mais uma para ele. - Suspirou frustrada.

Mey a olhou com ternura. Ambas saíram do elevador em direção ao apartamento da velha amiga.

Angel checou o celular uma última vez. A porta foi aberta e os olhos dela atraídos pela figura que abria a porta.

Obviamente ela entrou em estado de choque, o homem ali se parecia em muito com Sebastian, ela reconheceria os traços dele em qualquer lugar, não era ele, mas de fato eram quase idênticos.

– São as amigas da minha Rachel? - Disse com gentileza abrindo a porta para que pudessem entrar.

– Como vai papai? - A ruiva sorriu para ele entrando.

Angel permanecia paralisada.

– Muito feliz Mey, o pequenino é muito fofo. - Disse com um estonteante sorriso.

A de cabelos castanhos estava ainda mais chocada da amiga não notar a semelhança.

– Você eu não conheço. - O de cabelos azulados olhou para ela.

A bela balançou a cabeça estendendo a mão em direção a ele.

– Angel... - Disse de forma apressada.

– Prazer Angel, sou Vincent. - Disse de forma gentil. - Entre.

Ela entrou alisando uma mecha de cabelo.

Rachel estava no sofá segurando o pequeno garotinho de fios azuis.

– Gegê vem ver meu gorduchinho. - A loira chamou animada, enquanto Mey já estava o lado dela admirando o bebê.

A de cabelos castanhos se aproximou sorrindo. O bebezinho parecia uma miniatura de Vincent, os cabelos azulados, imensos olhos azuis que esses vinham de Rachel, o sorriso banguela simpático.

As três soltaram um Awn de fofura pela cena fofa, o pequenino babava o punho cerrado agora sorria para as três que o observavam.

– Querida acredito que ele vai puxar o tio. - Vincent disse brincalhão.

– Sim, herdou o gene galã do pai de vocês. - A loira riu. - Falando dele, você o avisou que já estamos em casa com o bebê?

– Sim. Mas sabe como Sebastian é. - O de cabelos azulados moveu os ombros.

Imediatamente Angel ligou os pontos, seu olhar foi para Vincent.

– Eu sabia que você tinha traços familiares... Você é da família dele... - Olhou surpresa, mas de fato reconfortada por reconhecer que não estava louca por ver aquele homem em todos os lugares.

– Você conhece o Sebastian? - Rachel olhou curiosa para ela.

– Sim... Não muito, mas sim. - Colocou os fios atrás da orelha.

– Oh não, ele prometeu te ligar e nunca o fez? - O homem perguntou preocupado.

– Não. - Ela riu apoiando a mão na boca. - Ele faz muito isso?

– Mais do que imagina. - A loira quem respondeu. - Sebastian é do tipo que não repete mulher na cama.

– De fato, mas existe uma excessão. - Sorriu para a esposa.

Angel olhava para ambos sem entender.

– Não importa, ele nunca ligou para nenhuma das pretendentes, nem mesmo as que ele transou. - Rachel dizia. - Mas ele é um amor de pessoa, eu e Vincent nunca conseguimos ficar irritados por ele ser tão gentil.

– Meu irmão caçula tem muito carisma quando o convém. - Disse o de cabelos azulados movendo os ombros.

– Vamos falar do bebê, Sebastian é um caso perdido. - A loira dizia apertando o pequenino contra a bochecha.

ʕっ•ᴥ•ʔっ

Sebastian vestia a camisa outra vez, se inclinando diante do computador para checar os emails.

Angelina estava deitada na poltrona dali, suada, ofegante e exausta, nua de tudo olhava para ele.

– O que aconteceu? - Buscava fôlego.

– Estou esperando o email do joalheiro que pedi para fazer a pulseira de ouro do Ciel. É uma tradição de família o padrinho e tio dar uma pulseira de ouro na primeira visita a um bebê. - Dava o nó na gravata outra vez.

– Até hoje ainda não fui ver meu sobrinho. - Angelina sorriu.

– Nosso sobrinho. - Ele sorriu.

– Céus, eu estou transando com o cunhado da minha irmã mais nova. - Ela gargalhou.

– Pobrezinha. - Vestia o blazer.

– Seb, temos que falar sobre o que eu comecei dizendo. - Ela se levantou vestindo peça por peça das suas roupas. - Você é um dominador, precisa começar a lidar melhor com isso... Soltar esse tigre que existe em você.

Sebastian gargalhou, passou a mão nos fios negros para trás. - O que recomenda? Que eu foda com você mais um pouco?

– NÃO. Eu não aguento. - Ela riu se virando de costas para que ele fechasse a saia. - Você precisa de uma submissa, para você controlar ela, brincar com ela até que esteja satisfeito, e que seja da mesma idade que você, não uma velha como eu.

– Você não é velha, é uma das mulheres mais lindas que já vi. - Sussurrou contra a orelha dela subindo o zíper da saia e em seguida dando uma gostosa palmada no belo traseiro.

– Querido... Procure alguma dessas mulheres que realmente quer muito ser sua, convença ela a assinar um contrato de submissão, pesquise coisas que te excitam. Confie em mim. - A ruiva se virou de frente para ele. - Pense nisso.

– Pensarei, juro que pensarei. - Beijou as mãos dela com carinho. - Só me responda, porque isso é tão importante para você.

Angelina pegou a bolsa no chão colocando os fios vermelhos atrás da orelha. - Para que eu possa transar com você sem que tente me partir ao meio.

Ele gargalhou apoiando a mão no queixo.

– Você estando saciado, eu só finalizo. - Riu divertida.

Sebastian sorriu. - Angelina, não sei o que fazer com você... Essa sua língua.

A ruiva piscou para ele indo até a porta. - Você gosta de ruivas? Conheço alguém...

O britânico balançou a cabeça de forma negativa. - Gosto de mulheres de cabelos castanhos.

– Algo me diz que isso é sarcasmo. - Angelina sorriu parada na porta.

– Você me conhece, acha que eu ligo para cor de cabelo? - Sorriu de lado para ela, um sorriso sínico.

– Nem deveria ter perguntado, qualquer uma faz o seu tipo. - Acenou por cima do ombro saindo.

Ele só riu e assentiu de forma positiva.

Fechava o notebook, ao ver o horário, já era hora de ir embora. Puxou o celular da mesa e então se recordou da mensagem recebida.

– Merda, eu havia me esquecido. - Abriu a mensagem outra vez.

"My pure angel, diga o que precisa." Respondeu enfiando o celular no bolso.

ʕっ•ᴥ•ʔっ

Angel tomava um chá com Rachel, Vincent e Mey, o pequenino havia dormido.

A conversa fluía bem, quando o celular da de cabelos castanhos vibrou. Por de baixo da mesa ela olhou, ergueu as sobrancelhas surpresa. Era Sebastian, ainda a chamando pelo apelido do outro dia. Apoiou a mão na boca tentando conter o sorriso. Digitou alí mesmo.

"Estou querendo abrir meu próprio site para streaming de pornô, você acha que seria lucrativo?" Enviou mordendo o polegar em seguida.

Não demorou muito para ela receber uma resposta.

"Acredito que sim, se me recordo bem seus números são grandes, mas você deve oferecer uma recompensa para quem doar."

Leu com atenção e percebeu que não havia pensado nisso.

"O que sugere?" Enviou outra vez.

Havia dispersado totalmente da conversa que acontecia na mesa.

"Talvez, você retirasse uma peça de roupa, ou fantasias. Faça uma pesquisa de mercado sobre isso."

Sorriu ao ver a resposta, era só uma conversa de negócios, mas para ela era o paraíso, podia ouvir a voz dele enquanto lia a mensagem, a tão marcante e excitante voz dele.

ʕっ•ᴥ•ʔっ

As semanas se passavam, o site dela havia sido aberto e os lucros eram alarmantes, toda streaming ela só se tocava e se despia se doassem certas quantias, graças as ideias propostas por Sebastian, tudo havia funcionado muito bem. Por mais que tudo já estivesse pronto, os dois mantinham contato. Angel tentava de todas as formas incitar ele a uma reunião para que ambos pudessem se ver e ela então tentar seduzir o homem. Frustrantemente ele nunca nem ofereceu para uma reunião, sempre ligava ou mandava mensagens, provavelmente por ser muito ocupado.

Mas com o passar das semanas Angel se sentia imensamente frustrada, ela desejava ele, mas não sabia como o abordar, já que era sempre ela quem era aborda pelos outros e a posição imponente dele não ajudava muito.

Naquela noite, Mey, Angel e as outras garotas ficaram de sair para comemorar o lançamento bem sucedido do site, a de cabelos castanhos prometeu pagar a todos uma noitada no bar mais caro de Londres. Era um lugar finíssimo.

As cinco garotas foram animadas, com suas melhores roupas, se sentaram na área vip, em uma mesa diante da janela. O som alto do bater das taças e risadas femininas preenchiam o local. Não demorou muito para que elas ficassem bêbadas, as mais fraquinhas primeiro claro, Angel sendo uma delas.

Bard, Lau e Sebastian adentraram o bar, seguiram em direção a área vip.

– Nem acredito que já é sexta, essa semana foi um inferno. - O loiro dizia apoiando a mão na nuca.

– Não vejo a hora de me aposentar, se eu vê mais um chá, eu me mato. - Lau disse puxando a cadeira de uma das mesas.

– Quanto drama. - Sebastian puxou outra cadeira se sentando.

– Você é um nerd, por isso gosta dessas coisas. - Bard se sentou na frente do amigo.

– Você está no colegial? - O moreno perguntou franzindo o cenho.

Lau gargalhou. - Ele tem menos maturidade do que um cara do ensino médio.

O britânico e o chinês riram do amigo.

Mas o loiro parecia distraído com algo atrás de Sebastian.

– Bard, eu sei que sou bonito, não precisa me olhar dessa forma. - O de cabelos negros olhou para ele.

– Não estou olhando para você... Na mesa um pouco atrás... É a Angel, a atriz pornô. - Bateu com as costas dos dedos no peito do amigo ao seu lado.

O inglês revirou os olhos e voltou a olhar o menu de bebidas.

– Uou, é ela mesma. - Lau disse interessado. - Ela é mais gostosa pessoalmente.

– Vai ser uma longa noite. - Sebastian bocejou.

– Devíamos ir falar com ela? - Bard vou para o amigo.

– Acho que não, é incoveniente. - o chinês disse movendo os ombros.

– Nem pedir o telefone? - O loiro fez uma expressão de um cachorrinho abandonado.

– Deixem a garota em paz, ela só deve querer se divertir, beber, tudo que ela menos quer é um macho incoveniente indo a incomodar. - Sebastian olhou para o melhor amigo. - Onde está Grelle?

– Ela ficou de vir daqui a pouco, sabe como são as mulheres com toda essa arrumação. - Lau pegou o menu de bebidas lendo.

– Não vejo a hora de ouvir os dramas do triângulo amoroso dela. - Bard sorriu apoiando as mãos na nuca.

– Eu gostaria que ela valorizasse Othello, é um homem gentil que a ama. - O britânico moveu os ombros acenando para a garçonete.

– Mas sabe que Grelle pensa mais com a parte de baixo do que com a de cima. Desde antes da transição ela era assim. - O chinês disse olhando para Sebastian.

– Pau do Will deve ser de ouro. - O loiro disse debochado.

– Só o pau mesmo, porque ele é um puta escroto. - O moreno disse sorrindo.

Os três riram.

A noite continuou, Grelle chegou e se juntou ao rapaz, beberam e riram um pouco como o esperado.

– Preciso ir ao banheiro. - Sebastian se levantou, apoiou o blazer na cadeira.

O britânico passou as mãos no cabelo, indo em direção ao banheiro.

– Meninas eu preciso ir ao banheiro. - Angel dizia rindo, já estava mais que bêbada.

A de cabelos castanhos caminhava cambaleante, olhava as placas que dançavam em seus olhos, arrancando risadas dela. - Qual desses é o que eu devo ir?

Virou para o da direita e quando ia entrar com tudo seu corpo colidiu com outro, um bem forte e alto, ela apoiou as mãos no belo abdômen e seus olhos seguiram aquele corpo até o rosto.

Ambos pareciam surpresos com o encontro.

– Sebastian! - Exclamou surpresa.

– Angel. - Ele disse tranquilizando o olhar.

– Eu não esperava te encontrar aqui. - Alisava o cabelo buscando o ajeitar.

Sorriu com doçura tocando o nariz dela. - Posso dizer o mesmo. Como vão os negócios?

– Muito bem, estou aqui para comemorar. - A de cabelos castanhos apertou os dedos na camisa preta de gola alta que ele usava, a camisa era justa ao corpo dele realçando alguns músculos.

– Fico feliz por você. - Sorriu para ela.

– Eu fico feliz de encontrar você... Se você soubesse só um terço da vontade que eu estava de te ver outra vez. - Colou o corpo ao dele.

– Por que queria tanto me ver? - Olhou com um cínico sorriso.

– Eu não consigo te tirar da cabeça desde aquele dia... Você é tão bom, porque não me leva para a sua casa agora? - Apoiou as mãos nos ombros dele.

– Você está muito bêbada, nem sabe o que está dizendo. - Riu apoiando a mão no quadril dela e a fazendo dar alguns passos para trás.

– Eu sei sim, eu quero você tanto. - Apoiou a testa no ombro dele. - Me leve para a sua casa.

– Angel eu não transo com mulheres bêbadas, é contra a minha índole. Me ligue quando estiver sã. - Sorriu para ela. - Volte para a sua mesa.

– Não, foda comigo. - Apertava os dedos contra a camisa dele.

Os homens passavam olhando a cena para entrar ao banheiro.

– Não vou foder com você, não com você bêbada desta forma. Façamos o seguinte. - Encostou ela contra a parede e sussurrou contra a orelha feminina. - Volte para a casa, descanse, retire o álcool do seu sangue, então me ligue, vou te foder o quanto quiser se fizer isso.

As pernas dela bambearam outra vez, os olhos azuis se fecharam. - Tudo bem.

– Boa garota. - Ele sussurrou antes de se afastar.

– Espera, eu faço isso, te obedeço bonitinho, se me beijar. - Sorriu de forma safada para ele.

– Você está bêbada, daremos nosso primeiro beijo com você completamente alcoolizada? - Ergueu as sobrancelhas.

– Só um pequenino, você me deixa na minha mesa e eu vou embora, relaxar para receber você amanhã. - Sorriu animada para ele.

– Odeio ser chantageado Angel. - Encostou ela na parede outra vez. - Um único beijo.

– Só unzinho. - Indicou com o indicador.

Sebastian apoiou as mãos na parede e aproximou os lábios dos dela, chupou sem pudor o lábio inferior, em seguida capturou os lábios da moça, envolvendo em um quente beijo. As línguas de ambos se encontraram e aprofundaram aquele beijo, intenso. Angel agarrou aos fios negros dele desesperada, enquanto ele só teve tempo de segurar no quadril dela e pressionar os corpos.

Um quente e profundo beijo sedento, ambos ficaram sem fôlego, os lábios vermelhos e levemente inchados.

– Vou te levar até a sua mesa. - Segurou em uma das pequenas mãos femininas e seguiu por entre as mesas.

O sorriso de Angel ia de orelha a orelha, ela mordia o polegar de felicidade agora, apertando a mão dele, o corpo masculino volumoso, chamava atenção dos olhares ali.

– Perdão por atrapalhar a noite das senhoritas. - Sebastian puxou a cadeira vazia e segurou a mão da moça para que ela se sentasse.

Todas as mulheres ali olhavam perplexas para o belo homem que ali estava.

– Se comporte. - Olhou para a de cabelos castanhos com ternura.

Ela assentiu sorrindo.

Era como um pai chamando a atenção da filha pelo seu mal comportamento.

– Boa noite. - Se inclinou em forma de despedida, mas antes que ele pudesse sair Angel o segurou pela manga da camisa.

Ele de inclinou diante dela, num ato impulsivo a atriz beijou os lábios dele com carinho em um selinho.

Sebastian sorriu para ela. - Você não tem jeito mesmo. - Beijou o rosto dela e acenou em seguida se retirando para a sua mesa.

As meninas se debruçaram na mesa em busca de olhar ele por trás.

– Ele é o tal Sebastian? - Mey disse surpresa. - Ele é mais gostoso pessoalmente

– É, eu disse não disse? - Riu mordendo o polegar.

ʕっ•ᴥ•ʔっ

A de cabelos castanhos acordou em sua cama, a dor de cabeça era gritante, ânsia de vômito e as pernas bambas.

– Exagerei. - Suspirou fechando os olhos.

O celular dela vibrava sobre a mesa de cabeceira.

– Alô. - Ela atendeu sem nem ver quem era.

– Angel, como vai? - Era a voz de Sebastian.

Imediatamente ela se sentou corretamente segurando o celular.

– Você deve estar morta de ressaca. - Riu divertido.

– Oh céus. Você me viu neste estado? - Apoiou a mão na testa.

– Pelo jeito você não se lembra de nossa conversa. - O moreno riu outra vez. - De qualquer forma eu só gostaria de saber se está bem. Estava realmente fora de si ontem.

– E-eu estou... Só com um pouco de ressaca mesmo. - Moveu os ombros mordendo o polegar, enquanto segurava o celular na outra mão.

– Ótimo então, seja mais cuidadosa. Se fosse um homem ruim teria te feito coisas horríveis, teve sorte de encontrar comigo e não com algum mal intencionado. - Disse de forma seria. - irei desligar então, tenha um bom dia e juízo.

– Me perdoe pelo que eu disse, não lembro o que foi, mas deve ter sido realmente grave para tirar o seu sossego. - As bochechas dela adquiriram um tom vermelho.

– Foi inquietante de fato. Eu quero lhe contar pessoalmente tudo que me disse. Quer sair para tomar um café? - Disse com uma tranquilidade.

Ela apoiou as mãos na boca dando um largo sorriso, era o que ela queria a muitas semanas.

– Sim, claro. - Sorria animada segurando o celular.

– Ótimo, te busco em uma hora... Vou levar alguns remédios para a sua ressaca. - A voz dele demonstrava um certo carinho.

– Obrigada. - Mordia o polegar animada.

– Até já, my pure angel. - Ele desligou em seguida.

A de cabelos castanhos deu um imenso sorriso afundando o rosto contra o travesseiro e gritou de felicidade.

Logo depois a ficha caiu.

– O que será que eu falei para ele? - Levantou apressada indo até Mey.

A ruiva já fazia o café da manhã, junto dela Hannah amiga de ambas havia dormido ali.

– Gente, Sebastian me ligou preocupado sobre ontem... Eu fiz alguma besteira? - Enrolava os longos fios em um coque.

As duas tinham olhares maldosos.

– Não sei o que falaram, mas você abordou ele na entrada do banheiro masculino... Vocês apoiaram na parede e conversaram sobre algo... - Mey apoiava a espátula na bochecha enquanto pensava.

– Você agarrou ele. - Hannah completou.

Angel olhava perplexa, como se tivesse descoberto uma coisa perturbadora.

– Em seguida ele te levou até a nossa mesa, e você agarrou ele outra vez. - A ruiva riu.

– Meu Deus do céu. - A de cabelos castanhos se atirou sobre a bancada. - Me matem, eu prometi que o veria hoje para ele me contar o que conversámos.

– Não se preocupa, ele parecia gostar dos beijos, só estava incomodado de você estar tão bêbada. - A de cabelos platinados disse tentando acalmar a amiga.

– Ele deve achar que abusou de mim de alguma forma, quando fui eu quem agarrei ele. Meu Deus, eu sou um monstro. - Escondia o rosto com as mãos. - Quando transamos ele se recusou a me beijar, deveria haver um motivo, então eu o agarrei... Eu me sinto péssima.

– Amiga você estava muito louca, ele com certeza entende. - Mey dizia apoiando a mão no ombro dela. - Só se desculpe, foi o álcool agindo.

– Foi consentido, você não precisa pensar nisso. Já que nem se lembra. - Hannah disse com tranquilidade. - Vá se arrumar para sair com ele.

– Melhor eu cancelar, eu não tenho coragem de olhar para ele depois disso. - Suspirou.

– Quem vai perder o gostosão que está a semanas querendo não somos nós. - A ruiva sorriu de forma maldosa.

– Vou me trocar. - Se ergueu indo em direção ao quarto.

As duas riram da amiga.


Notas Finais


Meu perfil no wattpad: https://my.w.tt/dYaNMlNnK7

Perdão pelo desenho mais uma vez, troco quando eu arrumar me livrar desses desenhos que preciso fazer, mas quem quer ver meus desenhos tô no Instagram postando, ou depositando eles quando quero apagar


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...