1. Spirit Fanfics >
  2. Pure angel - Kuroshitsuji - Sebastian Michaelis >
  3. O contrato

História Pure angel - Kuroshitsuji - Sebastian Michaelis - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


1/7 oficialmente vamos começar a fanfic week, mais uma vez uma semana se one para vocês ai, tirando as três que estão saindo semanalmente agora vai ter as one, tenho que agradecer pelo apoio em Silence, e pelos comentários, fico sempre feliz em ler eles
Infelizmente o capítulo foi um pouco menor que o normal, mas espero que entendam na próxima semana ele será longo como o normal, mas dessa vez precisei reduzir para conseguir acabar tudo o mais rápido possível
Infelizmente o desenho também é antigo, não consegui fazer um novo :(

Capítulo 6 - O contrato


Fanfic / Fanfiction Pure angel - Kuroshitsuji - Sebastian Michaelis - Capítulo 6 - O contrato

Angel estava deitada na cama de bruços, usava somente uma fina calcinha.

– Esse contrato é exatamente como ele disse que seria... Nada extremo demais. Mas tem alguns termos assustadores. - Dizia apoiando o marca texto contra a bochecha.

– Tipo o que? - Mey dizia curiosa.

– Tipo eu estar a disposição dele 24h por dia, todos os dias da semana. - Inflava as bochechas com ar.

– Amiga... Você já está assim sem precisar de um contrato. - A ruiva riu.

– Verdade... Viver sem saber quando ele vai me ligar para me comer é uma sensação muito boa de se pensar. - Sorriu afundando o rosto no travesseiro.

– Ótimo, nada que te convença a não aceitar. - A melhor amiga disse pegando o contrato.

– Ele quer me dar um apartamento mais próximo do trabalho dele e um apartamento maior. - A de cabelos castanhos balançava as pernas sorrindo.

– Onde eu assino? - Disse Mey brincalhona.

– Para. - Angel riu se sentando sobre os pés.

– Então... - A ruiva sorria. - Sebastian cozinha, limpa, fode bem, ainda é multimilionário, quer te fazer de cachorrinha dele, te dar um apartamento e te comer sempre que quiser... Não estou vendo o motivo para você recusar.

– Eu quero mais amiga. Mesada de 10 mil não é nada... Eu quero ele, todos os dias. Quero ser namorada dele, com aliança de compromisso, ligações e beijos. Não quero ser só a buceta particular dele. - Se ajoelhou apoiando as mãos nos ombros da amiga. - Quero pacote completo.

– Exigente você. - A melhor amiga sorriu. - Muito simples.

Mey pegou nos braços uma caneta, se sentou outra vez e em um espaço em branco no contrato rabiscou.

"A submissa terá direito a dormir com o dominador por quatro dias da semana."

"A relação entre ambos será de fidelidade e lealdade, sendo dos dois um casal"

– Leia. - Entregou para a atriz.

Marie pegou com cuidado o papel e caminhou sobre a cama mordendo o indicador da outra mão, enquanto lia.

– Ele disse que teríamos uma reunião de negócios, para eu provavelmente reclamar do que não estou disposta a fazer... - Se ajoelhou na cama. - Se ele recusar e não quiser me ver mais?

– Se vai começar com esse tipo de pensamento melhor nem ir atrás dele. - A ruiva abanou a mão sobre o ombro. - Se quer entrar em um relacionamento onde você tem medo de falar algo com ele, melhor não ter.

– Credo... - Disse formando um bico nos lábios.

– Amiga... Nós passamos o final de semana com ele... Não é o bastante, mas eu te garanto que Sebastian não gosta de mulheres frágeis e medrosas. Você não é frágil nem medrosa, mas se for agir assim por medo de perder ele, ai que vai perder mesmo. - Apontou para ela.

Angel mostrou língua. - Eu só gosto dele de verdade, não quero fazer uma besteira.

– Não fará, confia nele e em você mesma. - Retribuiu mostrando língua para a melhor amiga.

– Você tem razão... Vou colocar as cartas na mesa e impor minhas vontades. - Apoiou as mãos na cintura.

– Menos na cama, esse vai ser o lugar dele. - Mey riu brincalhona.

– Impor minhas vontades... Menos na cama. - Riu brincalhona.

(´∩。• ᵕ •。∩`)

Sebastian caminhava pela empresa sendo seguido pela secretaria.

– Meu horário de amanhã, como está? - Perguntava abrindo o blazer e caminhando em direção a sua sala.

– Almoço com os investidores árabes sobre a extração de petróleo. Logo depois você tem uma reunião com seu advogado e um juíz de justiça. Depois está livre. - A loira caminhava tentando acompanhar o ritmo do outro.

– Ótimo. Ligue para a Senhorita Angel veja se ela pode falar comigo. - Adentrou a sala retirando o blazer.

– Sim, senhor. - Se inclinou para frente e se retirou.

Pouco depois a porta foi aberta sem nenhum aviso prévio, Angelina adentrou com uma expressão seria.

– Oi para você também. - O de cabelos negros sorriu para a ruiva.

– Não vem com essa. Onde esteve durante todo final de semana? - Apoiou as mãos na cintura fina.

Estava ainda mais bela no belo vestido vermelho de seda.

– Estava na casa da Angel. Você viu quando saímos juntos da festa. - Dizia tranquilo.

– Ótimo. Agora você passa um final de semana todo transando com uma interesseira. Quanto custou? - A ruiva apoiou as mãos na mesa dele.

– Nada... Porque desse seu drama? Não foi você que mandou eu sair com outras mulheres? - Cruzou os braços olhando para ela.

– Sim... Mas tem algo de errado com essa garota. - Angelina coração desviando o olhar.

– O que tem de errado com ela? - Ergueu uma das sobrancelhas.

– Ela parece querer só o seu dinheiro. - A médica cruzou os braços olhando para a direção imposta que ele estava.

– Mesmo que seja isso... Não é de graça. Eu posso comer ela o quanto eu quiser que no fim da noite ela ainda vai pedir por mais. - Moveu os ombros com um sorriso vitorioso. - Angel é meu maior fetiche desde que coloquei os olhos nela.

– Você só pensa com a cabeça de baixo. - Apoiou os dedos na tempora.

– Por isso ela trabalha tão bem. - Piscou para a bela ruiva.

– Você é um caso perdido. Nunca achei que você seria usado por uma mulher. - Angelina claramente estava extremamente irritada.

– Isso é relativo... É um negócio. - Se levantou. - Não era exatamente o que queria?

– Eu não gosto do rumo que as coisas com essa garota estão indo... - A médica acompanhou o moreno com os olhos.

– Diga para mim... Está com ciúmes? - O britânico caminhava em direção a ela.

– Não seja idiota. - Angelina recuava conforme ele avançava.

– Entendo... Se você só está interessada no sexo comigo, qual é a diferença entre você e ela? - Continuou a avançar até que Angelina batesse as costas contra a parede.

Sebastian normalmente era um homem calmo e charmoso, galanteador e elegante, raramente deixava transparecer o sádico dominador que realmente era. Mas Angelina conseguia desvendar absolutamente tudo sobre ele pelo mísero olhar.

O homem que a encostou contra a parede não era o elegante empresário, mas sim um dominador confiante.

Ela apoiou ambas as mãos contra a parede, a presença dele pesava uma tonelada, o ar se tornava mais denso e sua calcinha levemente úmida.

– Você não pode usar sexo para tudo... Principalmente nesse tipo de situação. - Disse entreabrindo os lábios já a espera do beijo dele.

– Quem disse que não? Da forma que fui educado diz que eu posso ter tudo que eu quero. - Segurou a mecha vermelha curta e a levou até os lábios beijando. Enquanto uma das mãos permanecia apoiada na parede.

– Você... - Ela agarrou de forma desesperada a gravata e se inclinou para frente em busca de um beijo.

– Senhor Sebastian, senhorita Angel na segunda linha. - A secretária disse pelo telefone.

Sebastian imediatamente puxou a gravata da mão de Angelina e seguiu até o telefone atendendo.

A ruiva ficou ali plantada como uma árvore, havia acabado de tomar um fora por causa de um telefonema daquela mulher.

– My pure Angel, como vai? - Perguntou com um delicioso sorriso nos lábios ao atender.

"Excelente e você senhor Michaelis?" - Disse brincalhona.

– Melhor agora. - Sorria pegando alguns papéis com a mão disponível.

"Bobo. Fico feliz que tenha ligado. Eu li o seu contrato." - Disse tranquila.

– Isso me alegra, baby. E então? - Se sentou em sua cadeira.

Angelina se sentava na mesa esperando que o telefone acabasse.

"Temos que tratar de alguns detalhes, para que eu possa assinar." Ela dizia com tom sério.

– Algo te aflige? - Ergueu as sobrancelhas.

"Prefiro falar sobre pessoalmente. Podemos nos ver?" Tom dela permanecia sério.

– Claro, amanhã? - Apertou o botão chamando pela secretária.

"Amanhã seria ótimo. Qual horário?" Angel dizia.

A secretária entrou na sala.

– Qual horário tenho com o advogado amanhã? - Segurava o telefone olhando para a loira.

– Depois do almoço, pelas 14h. - Disse Irene passando as páginas da agenda de forma apressada.

– Às 14h. O advogado estará aqui, podemos conversar corretamente sobre isso. - Segurava o telefone contra a orelha.

"Ótimo para mim... Mestre." Disse provocativa.

– Não faça isso. Não, enquanto não assinar o papel me dando autorização para te foder até o fim do mundo. - Apoiou a mão na testa.

Angelina revirou os olhos, se levantou indo até ele.

"Nos vemos amanhã." Disse retomando o tom brincalhão.

– Até amanhã. - O moreno sorriu desligando.

– Parece um garoto apaixonado. - A ruiva se sentou sobre as coxas dele.

– Eu diria um garoto ansioso. - Sorriu olhando para ela.

– Acho que foi uma ideia ruim te convencer a ter uma submissa. - A médica apoiou a mão no rosto dele. - Venha dormir comigo.

– Angelina... - Afastou a mão dela do rosto dele. - Não entendo você... Durante anos me confessei, disse dezenas de vezes o quanto eu amei você. Você jamais retribuiu meus sentimentos. - Suspirou olhando para ela. - Estou fazendo o que me disse para fazer, saindo com uma mulher da minha idade, uma capaz de matar meus desejos. E você está tentando atrapalhar?

– Eu só estou... - Nem ela era capaz de descrever aqueles sentimentos. - Não sei o que está havendo... Só não quero que vá.

– Se levante. - Disse em um senso tom autoritário.

Imediatamente a ruiva se levantou.

– Essa conversa está destruindo meu humor. - Ele se levantou em seguida. - Vá para casa. Mande um beijo para o pequeno Finnian. - Seguiu em direção a porta.

– SEBASTIAN! - Chamou indo em direção a ele.

– Não venha. Não quero ter que lidar com isso agora. Estou de excelente humor. - Abanou a mão sobre o ombro. Abriu a porta em seguida já olhando a secretária. - Angel virá amanhã para o encontro com o advogado.

– Sim, senhor. - A loira assentiu.

– Vou mais cedo para casa... Estou com dor de cabeça. - Caminhou em direção ao elevador, batendo o dedo em um dos botões em seguida.

Angelina suspirava abraçando o próprio corpo, desolada. Era tarde para ela se dar conta.

⊂(◉‿◉)つ

Sebastian estava no telefone com sua sexóloga.

'Você deu uma amostra para ela?" Grelle ergueu as sobrancelhas.

– Foi uma amostra besta, ela ainda errou. Mas eu me fiz de besta. Não queria a castigar assim, iria assustar ela. - Moveu os ombros segurando o celular. - Foi tão satisfatório.

"Oh! Você pegou leve com ela. Eu já imaginava que iria se sentir assim. Agora espero que não tenha piedade." Disse quase em tom repreensivo.

– Não vou. Eu já tenho planos para nossos próximos jogos. Você fez o que eu te pedi? - Disse com um evidente tom de empolgação na voz.

"Sim. O apartamento está todo montado e mobiliado. Inclusive a sua sala da dor." Disse provocativa a última frase.

– Excelente. Você não me decepciona. - Sorriu segurando o telefone.

"Lembre-se de a levar para fazer os exames..." Agora o tom da ruiva era sério.

– Tarde demais. Já fizemos sem camisinha no outro dia. - Passou a mão na nuca já afastando o celular da orelha.

"Você está louco Sebastian? Transar sem camisinha com desconhecidas? Nem sabe se essa garota tem alguma doença." Falava alto do outro lado da linha.

– Relaxa... Confio nela. Tenho certeza que Angel é saudável. - Sorriu apoiando o telefone na orelha outra vez.

"Confiar não é o bastante nesses casos. Seu maldito irresponsável." Disse irritada.

– Grelle estou passando por um túnel... Pode ser que a ligação... - Desligou a ligação rindo. Jogo o celular sobre o ombro na cama. – Perdão amiga, não estou afim de lidar com as suas broncas agora.

(◍•ᴗ•◍)

Angel vestiu um terninho com a saia justa ao belo traseiro, por debaixo sua melhor lingerie. Usava óculos de grau e um belo rabo de cavalo como uma verdadeira mulher de negócios.

Ela adentrou no imenso prédio da empresa segurando uma pasta de negócios, caminhava em uma fina linha reta como uma bela modelo.

Parou diante da recepção.

– Boa tarde, eu vim para a reunião com o senhor Michaelis. - Disse apoiando a pasta no imenso balcão.

– Senhorita Angel? - Perguntou para confirmar.

– Sim. - Assentiu.

– Décimo sexto andar. - Entregou uma discreta credencial.

– Obrigada. - A de cabelos castanhos colocou a credencial em seu peito e seguiu até o elevador. Apertou o botão no topo.

O estômago dela revirava, estava tentando se impor, para conquistar suas vontades, mas sabia que no primeiro olhar castanho avermelhado ela abriria mão de absolutamente tudo, não só a mão, provavelmente até às próprias pernas.

Apoiou o rosto contra a pasta ficando com as bochechas vermelhas. - Marie Claire fique firme, se imponha.

A porta se abriu. Antes de sair ela se recompôs e saiu para o andar, uma sequência de árabes vinham conversando em direção ao elevador.

– Ótimo, pegamos ele em um dia de bom humor. Isso torna os negócios mais fáceis. - O grupo entrava no elevador.

Angel mordia o lábio inferior ao ouvir, se estivesse falando de Sebastian, provavelmente ela estava com sorte.

– Senhorita Angel? - A secretária se aproximou olhando a credencial.

– Sim. - Segurou a pasta com ambas as mãos.

– Senhor Sebastian já está a sua espera, na sala de reuniões. - Caminhou com ela em direção a sala.

O moreno estava diante de uma das janelas com o advogado. A de cabelos castanhos sentiu o coração disparar.

– Olá. - Deu um deslumbrante sorriso. O tornava ainda mais bonito naquele terno de milhares de libras.

– Oi. - Ela não pode evitar sorrir.

– Por que não se senta para que possamos conversar? - Apontou para a mesa.

A atriz se sentou diante da mesa, apoiando a pasta.

– O advogado vai acompanhar nossos termos, não queremos nenhuma violação dos direitos humanos e abuso não concorda? - Sebastian se sentou na cadeira na outra ponta. No meio o advogado.

– Tudo bem por mim. - Apertou os dedos na pasta.

– E então? Quais seus comentários sobre o contrato? - O moreno cruzou as pernas olhando para ela.

– Eu estou de acordo com quase tudo. Mas as aulas de yoga e dança? Acho desnecessário. - Abriu a pasta retirando o contrato. Arrumou is óculos no rosto.

– Eu imaginei que discordaria. Eu coloquei como um acréscimo, para flexibilidade. - Sorriu de forma maldosa. - Se não te agrada podemos cortar.

– Vamos ficar só com a yoga então. Nada de dança. - Disse com o olhar sério contra o dele.

– Tudo bem. - O inglês assentiu entrelaçando os dedos diante do corpo.

– Sobre a mesada... Não quero. - Disse seria.

– Tem certeza? - Ele ergueu as sobrancelhas.

– Absoluta. - Afirmou passando as páginas.

O britânico olhou para o advogado que moveu os ombros.

– Tudo bem. - O de cabelos negros concordou.

– Eu quero adicionar algumas coisas se puder. - O olhar azulado foi em direção a ele.

– Claro. - Concordou outra vez.

– Quero que durma comigo pelo menos três vezes por semanas. - Começou devagar.

– Angel... Eu posso tentar, mas não posso te garantir que farei sempre. Preciso viajar a negócios sempre. Te darei minha palavra, mas não um termo no contrato. Pois, sei que não serei capaz de cumprir sempre. - Olhou serio para ela.

– Sua palavra me basta. - A de cabelos castanhos assentiu.

– Ótimo. - Sorriu de lado.

– Sobre o apartamento... É muito Sebastian, acabei de me mudar... - Disse movendo as mãos.

– Infelizmente o apartamento não pode ser retirado do contrato. Ele é onde estará nossa sala de jogos. Já está mobiliado e pronto para você e a Mey. - Disse de forma tranquila.

– Sebastian... - Antes que ela reclamasse ele respondeu.

– Você terá dois, o seu antigo e esse novo, não me importo onde quer viver ou onde vai viver. Isso é escolha sua, mas nossas sessões serão no apartamento novo. Se estiver lá quando eu for te comer tudo estará bem. - Moveu os ombros.

Não havia o que retrucar, era o termo que ele não estava disposto a abrir mão.

– Tudo bem. Há mais uma coisa. - Ela dizia colocando os fios de cabelo que escapavam do rabo de cavalo atrás da orelha.

– Diga. - Assentiu.

– Eu quero... Que sejamos um casal fora das sessões. Quero ser sua namorada. Quero que sejamos fiéis e leais um ao outro. - Disse ela olhando receosa para ele.

O advogado se prontificou a responder, mas foi atropelado pelo empresário.

– Tudo bem. - O moreno assentiu. - Seremos um casal.

– Com direito a aliança de compromisso? - Os olhos azuis brilhavam de felicidade.

– Como queira. - Assentiu.

– Me dê uma caneta. - Disse apressada.

Sebastian sorriu e se levantou, retirou a caneta do bolso entregando para ela.

– Você precisa escolher uma palavra de segurança. - Disse a olhando nos belos olhos azuis.

– Eu havia me esquecido. - A de cabelos castanhos apoiou a caneta na bochecha.

– Pense em algo simples. Que sempre vá se lembrar. - Sorriu olhando para ela.

– Roxo? - Olhou curiosa. - É minha cor favorita.

– Tudo bem. A minha será preto então. - Virou a cabeça em direção ao advogado. - Tudo bem?

– Sim, perfeito. - O homem assentiu.

Angel assinou rapidamente e Sebastian fez o mesmo em seguida. Entregou para o advogado que acenou e se retirou com todos aqueles papéis.

– Pegue suas coisas, vou te mostrar o apartamento e teremos nossa primeira sessão. - Sorriu abrindo a porta da sala.

– Já? - Perguntou curiosa.

– Você se opõe? - Parou a olhando.

– Não, de forma alguma. - Balançou a cabeça olhando para ele.

– Excelente. Você se lembra de tudo que estava escrito no contrato? - Ergueu as sobrancelhas para ela.

– Sim. - Sorria colocando as mãos para trás.

– Excelente, não esperava menos de você. - Ambos seguiram até o elevador.

O sorriso da atriz era gigantesco.

– Tem algo que você precisa pensar sobre... Você não vai poder assumir publicamente. - Sebastian apertou o botão do elevador.

– Eu? Porque não? - Ergueu as sobrancelhas.

– Seus espectadores... Eles provavelmente te dão dinheiro não só para te ver nua e coisas assim... Muito provavelmente eles esperam ser notados por você. Se você anunciar que está namorando isso pode cair. - Fechou o blazer. - Precisa pensar nisso já que não quis o meu dinheiro.

– Droga, eu não havia pensado nisso. - Se apoiou na lateral do elevador inflando as bochechas com ar.

– E então? - Sorriu olhando para ela.

– Eu vou pensar sobre isso. - Mostrou língua.

– Se me mostrar língua eu vou te castigar. - Apontou para ela.

Ela mostrou outra vez.

– Você está me desafiando? - Ergueu as sobrancelhas.

– Não. - Sorriu saindo do elevador.

– Angel... - Ele sorriu, caminhou até ela a pegando nos braços e carregando sobre seu ombro.

A de cabelos castanhos gritou rindo.

Era o hall de entrada da empresa, o britânico acenou para as mulheres na recepção que olhavam perplexas para a cena.

– Que vergonha. - Angel ria com as mãos apoiadas nas costas dele.

O britânico a seguia acertando o belo traseiro com uma palmada, enquanto caminhava em direção ao seu carro na calçada.

William já abria o carro ao ver o casal se aproximar. Marie ria divertido com a situação, Sebastian era do tipo que não havia pudor para suas vontades. Já via o quanto seria divertido o relacionamento de ambos.


Notas Finais


Última coisa djebfjendj eu sempre fico em dúvida em que parte do capítulo devo desenhar, vocês preferem que tipo de parte? As partes românticas? As mais bem humoradas ou os hentai?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...