História Puro Êxtase - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Rock Lee, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Suigetsu Hozuki
Tags Narusasu, Romance, Yaoi
Visualizações 308
Palavras 4.544
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoas, tudo bem com vocês?

Hoje eu cheguei com um Lemon básico para esquentar as coisas rsrsrsrs. Eu estou sem notebook ainda, mas, minha santa priminha me emprestou o dela nesse final de semana e depois de alguns extresses resolvi escrever para acalmar o juízo e acabou saindo essa belezinha. Espero que gostem desse meu pedido de desculpas pela demora em postar.

Kissus e boa leitura.

Capítulo 1 - Loucamente SEU!


Fanfic / Fanfiction Puro Êxtase - Capítulo 1 - Loucamente SEU!


Sasuke..................


      Sabe aquele momento onde nada faz sentindo, mas, ao mesmo tempo você se senti cheio de coragem para fazer qualquer coisa? Pois, é exatamente nesse momento que me encontro agora - pensei olhando a fila da boate que estava prestes a entrar e cometer as maiores loucuras da minha curta existência.


        - Você sabe que sair para beber e bancar o louco não vai resolver os seus problemas, não sabe? - Meu melhor amigo e confidente perguntou pela décima vez naquela noite.

  - Apenas por hoje vai sim, eu quero esquecer esse pesadelo que a minha vida se transformou em um piscar de olhos, entende? Eu quero apagar da minha mente essa história de ser prometido a alguém que nem conheço desde que nasci, quero esquecer essas malditas tradições da minha família, eu quero deixar de ser o menino obediente e submisso – confessei irritado – Mesmo que seja só por hoje.... Eu quero ser livre, quero quebrar essas regras estúpidas que fui obrigado a seguir desde que me entendo por gente - afirmei seriamente olhando para o Suigetsu.


        - Pensa direito Sasuke, por favor, eu não quero que acabe fazendo algo que vá se arrepender depois, ouviu? A gente saiu de casa escondido e estamos prestes a entrar em uma boate com identidades falsas, isso vai dá merda e você vai se arrepender depois, tenho certeza.
 

   - Acredite em mim.... Eu não vou – afirmei com convicção – Tudo que acontecer aqui hoje, não me trará arrependimentos.... Eu sinto isso – expliquei na última tentativa de convence-lo a entrar naquela boate comigo - Então, vai ficar ao meu lado ou não? Vamos Suiguetsu – pedi cheio de charme – Vai ser divertido, você vai ver.
  

- Eu tenho escolha?  - perguntou com sarcasmo - Te deixar sozinho é que eu não vou - disse suspirando derrotado.
   

- Não, você não tem escolha alguma – respondi animado assim que ultrapassamos a fila imensa de espera após subornar um dos dois seguranças da boate com nossas identidades falsas é claro, afinal ninguém deixaria adolescentes de dezessete anos entrar nesse tipo de festa.

A boate era nova e muito bonita, tinham acabado de inaugurar, então, basicamente era a novidade da cidade.... A pista de dança estava lotada, as pessoas estavam dançando como loucas, alguns pareciam acasalar na pista, mas, isso não me assustou pelo contrário fiquei bem mais empolgado.

 Suiguetsu até quis se fazer de difícil, mas, acabou entrando no clima e me puxou para a pista de dança depois que começou uma de suas músicas preferidas. Primeiro tentamos ser sexy dançando um para o outro, mas, depois caímos na gargalhada e cada um dançou do seu jeito.

Após alguns minutos dançando uns caras começaram a se aproximar soltando cantadas baratas para mim, mas, eu os afastava rudemente, não estava afim de ficar com ninguém, vim apenas para curtir e festejar a minha vida, festejar o termino da minha doce e mínima liberdade.

Dançamos mais umas três músicas na pista de dança até que resolvi ir até o bar pegar bebidas.  Um bartender lindo me atendeu, o cara com certeza deve ser muito cantado nessa profissão.... Afinal, ruivo, sarado e sexy é uma combinação fatal.... Que quase me levou a querer canta-lo, mas, desisti afinal não quero chamar atenção desnecessária.

Depois que o gato bartender me entregou as bebidas fui em direção a mesa onde o Suiguetsu me esperava todo animado.

- Toma Suiguetsu, trouxe tequila e vodca para aproveitarmos a noite inteira – ofereci colocando as garrafas em cima da mesa.

- Você comprou garrafas? Pretende sair daqui carregado por acaso? – perguntou assustado – Não tem medo de ser deserdado, não hein? – disse em pânico – Você é louco Sasuke, completamente louco.

- Meus pais estão me vendendo para um desconhecido em casamento, não é? Então, posso dizer que essa noite é a minha despedida de solteiro – decidi sorrindo, começando a colocar nossos drinks – Vamos aproveitar Sui, se for para ser deserdado que seja.... Ao menos é uma alternativa de eu acabar escapando desse casamento arranjado.

- Conhecendo o seu pai, você só não casa se morrer e olhe lá.... É bem capaz dele te buscar no inferno para casar – afirmou sorrindo – Aceita Sasuke que dói menos, no final do ano você será um homem casado e ponto final.

- ENTÃO, UM BRINDE AO MEU CASAMENTO – gritei com sarcasmo.
 

De repente, começou a tocar Don’t Stop The Music da Rihanna, eu simplesmente pirei, engoli minha bebida, me joguei na multidão e comecei a rebolar, rodar igual a um maluco, jogando o cabelo que não tinha de um lado para outro, eu simplesmente amo essa música.
   - Sasuke não acha que já bebemos demais, não? – Suiguetsu perguntou preocupado depois de me ver virar o quarto copo de tequila.
   

- É claro que não – gritei para que ouvisse a minha voz em meio ao som alto da pista de dança – Muito pelo contrário, ainda estou completamente lúcido, sabia? Ainda não estou dançando pelado em cima de uma mesa Sui, então, relaxa ok? – pedi oferecendo-o mais dose de tequila até que ele esqueceu o mundo e resolveu aproveitar o momento.

Estávamos nos divertindo como adolescentes loucos e inconsequentes pela primeira vez, hoje esquecemos completamente os rígidos costumes de nossas famílias. Acho que nunca dancei assim em minha vida, mas, a bebida acabou me desinibindo completamente.

Eu esqueci completamente os meus problemas.... Esqueci meu noivado forçado, esqueci meus pais controladores e principalmente esqueci os pudores nos quais fui criado.

Eu apenas aproveitei cada segundo de liberdade naquela boate, dançando, bebendo e aproveitando as últimas horas, minutos e segundos de uma liberdade que nunca será completamente minha.

Eu já estava no sexto ou sétimo copo de tequila quando fomos convidados para a área VIP da boate. Eu até pensei em recusar o convite, mas, acabei aceitando quando percebi se tratar de uns colegas do Colégio.

- Uau quem diria que eu viveria para ver a “princesa” Uchiha em uma boate para maiores de idade clandestinamente – Neji debochou sorrindo, junto de seus amigos Shikamaru, Shoji e Rock Lee.

- Agora que viu, acho que já pode morrer, sabia? Não vai fazer falta alguma – respondi-o entrando na brincadeira.

Neji é meu eterno rival no colégio, competimos em basicamente tudo desde o jardim de infância. Nossa relação não chega a ser de ódio, mas, também não posso dizer que morro de amores por ele.

- Seu humor ácido me encanta Sasuke – Lee disse gargalhando – Que bom que veio, sabia? As coisas aqui já estavam ficando entediantes, mas, vê-lo dançar daquele jeito na pista de dança animo-nos... Onde aprendeu a dançar daquele jeito hein? – perguntou curioso.

- Que jeito? – indaguei não entendo do que ele estava falando.

- Sexy.... Muito sexy – respondeu olhando-me dos pés à cabeça – Não imaginava que o herdeiro Uchiha tinha tantos encantos escondidos, sabia? Resolveu entrar no time dos “rebeldes” finalmente? – indagou sorrindo.

- Rebelde? – debochei – Um rotulo tão frívolo assim não me define querido.... Eu sou o que eu quiser ser, apenas isso – afirmei bebendo mais uma dose.

- Calma Uchiha, não é porque resolveu se rebelar que deve acabar em coma alcoólico, ok? Vai com calma na bebida ou amanhã não vai lembrar nem do seu nome – Neji disse me impedindo de colocar mais uma dose de tequila  garganta abaixo – A noite está apenas começando, ainda temos muito que aproveitar antes de você cair bêbado no chão, entende?

- E como sugeri que aproveitemos hein? – Suigetsu perguntou já um pouco alto pela bebida.

- Que tal jogarmos verdade ou desafio? – Lee sugeriu animado – Sem regras é claro, o perdedor fica submisso por uma semana ao vencedor – propôs achando que eu desistiria.

- Calma ai, sem regras? Estão malucos? Isso vai acabar dando merda Sasuke – Suigetsu interviu preocupado.

- Aceito – afirmei decidido – Vamos jogar.

- Aí vocês são problemáticos – Shikamaru resmungou entediado – Eu estou fora desse desafio idiota.

- Ah Shikamaru você é sempre um estraga prazeres – Shoji afirmou colocando uma batatinha frita na boca – Eu quero participar.

E assim a noite ficou mais emocionante quando as apostas começaram.

- Verdade ou desafio Lee? - indagamos assim que a garrafa girou e parou entre o Lee e o Neji.

- Desafio é claro - respondeu confiante, confiante até demais na minha opinião. 

- Eu te desafio a beijar o bartender – Neji desafiou Lee iniciando a brincadeira.

No momento que ouviu o desafio ele pareceu bem arrependido, mas, após tomar um gole de tequila, respirar fundo, ele levantou-se da mesa e foi em direção ao bar. Assim que o bartender se aproximou para verificar seu pedido, Lee o puxou pelo colarinho da camisa e tascou um beijo daqueles de cinema, no entanto a parte mais engraçada foi o tapa que ele recebeu após o beijo.

- Retiro o que disse, essa brincadeira até que parece divertida – Shikamaru afirmou sem parar de gargalhar do Lee que voltava para a mesa massageando o rosto vermelho do tapa.

- Verdade ou desafio Neji? - Lee indagou com cara de poucos amigos assim que chegou em nossa mesa.

- Desafio - Neji respondeu sem titubear.

- Eu te desafio a fazer um strip-teaser no meio da pista de dança – Lee desafiou Neji, apenas para se vingar do tapa recebido.

- O que? Está maluco Lee? – perguntou sem acreditar.

- Sem regras, lembra? – afirmou com um sorriso debochado no rosto – Aceita ou não?

- Se existe algo que eu não gosto é perder, você sabe muito bem disso – afirmou levantando-se da mesa onde estávamos e seguindo para pista de dança.

E como se estivesse tudo planejado, assim que ele chegou a pista de dança começou a tocar uma música extremamente sexy fazendo-o entrar no embalo. Enquanto observávamos tudo da área VIP, ele dançou começando a retirar a camisa lentamente, porém, quando ele iria tirar a calça os seguranças o impediram.

O que gerou um protesto por todos que pararam de dançar para admira-lo, o coro de vaias foi alto. Mas, assim que Neji voltou para a área VIP todos se aquietaram.

- Na melhor parte me impediram, mas, eu fiz e isso é o que conta – afirmou sorrindo – Agora minha vez, verdade ou desafio Sasuke? - perguntou sorrindo com sarcasmo.

Por um momento até pensei em falar verdade, mas, tem certas coisas que não desejo que sejam reveladas para todos e conhecendo o Neji como conheço ele fará questão de expor algo bem constrangedor sobre mim.

- Desafio - Afirmei depois de pensar com calma.

- Desafio? - indagou com deboche - Bom, muito bom.... eu te desafio Sasuke.... Eu te desafio a dançar para… aquele cara ali – desafiou apontando discretamente para um cara de cabelos louros sentado sozinho em uma mesa mais afastada da nossa, também na área VIP.

- Apenas dançar, não é? – perguntei um pouco incerto, recebendo seu acenar positivo – Ok, eu danço – concordei recebendo um sorrisinho misterioso em minha direção por todos da mesa.

- Sério que você vai dançar? – Suigetsu sorriu sem acreditar, droga ele sabe que eu odeio perder e mesmo assim não acredita que posso dançar para um estranho? Amigo da onça, é claro que vou dançar – pensei mais determinado ainda, levantando da mesa, bebi mais uma dose de tequila, era a décima ou vigésima nem lembro mais. Mas, o importante é que dê sorte.

Me aproximei do estranho, dancei perto de sua mesa para ele me notar, cheguei cada vez mais perto e ele levantou o olhar para mim, e nossa que olhos…. Azuis sombrios. Por um momento me senti tendo um déjà-vu assim que nossos olhares se encontraram, mas, resolvi continuar a dançar.

 O estranho me olhou um pouco surpreso e até levantou uma sobrancelha em desafio – como se indagasse o que eu desejava -  Porém, antes que ele falasse alguma coisa comecei a dançar para ele da forma mais sexy que podia, o olhando em seus lindos olhos rodeados de escuridão.

Eu devia estar louco, a bebida realmente fez efeito sobre meus pensamentos e raciocínio, pois, se estivesse em meu juízo perfeito jamais aceitaria essa aposta maluca. Mas, se existe algo que eu detesto é perder. E essa noite eu definitivamente não vou perder para ninguém – pensei tomando coragem o suficiente para o próximo passo.

Coloquei uma mecha do meu cabelo atrás da orelha e continuei a movimentar meu corpo sensualmente, nossos olhos nunca se desencontravam, parecia que estávamos num mundo só nosso.

As coisas estavam saindo do meu controle sem mesmo eu perceber, pois, quando menos esperei ele levantou-se de onde estava e me puxou em sua direção, levando-me até sua mesa.
 

Sem me fazer de rogado, sentei em seu colo, assim que ele me puxou para o sofá, depois me virou para olha-lo, nossa, esse cara era lindo. Coloquei a mãos entrelaçadas em seu pescoço e me aproximei para beija-lo, mas ele foi mais rápido e me beijou com possessão, como se eu fosse fugir a qualquer momento, o que não era bem uma mentira.

Nossa como ele beijava bem, de longe o melhor beijo da minha vida sem dúvidas. Pelo menos por agora, pode ser a bebida me iludindo, não sei. Mas, não tive muito tempo para pensar nisso, pois, ele me puxou pela nuca para ficarmos mais próximos ainda, sua língua acariciava a minha com exigência e seus lábios se encaixavam perfeitamente nos meus como se fossemos a metade de um todo.

Nos separamos depois de um tempo por falta de ar, seus olhos encontram os meus e esses olhos azuis sombrios não me eram estranhos…. A sensação de déjà-vu voltou com força, mas, minha memória estava falhando, maldita bebida, isso ainda vai me ferrar... ou me matar – pensei tentando raciocinar sem sucesso.
 

- Já nos vimos antes? — Murmurei o encarando, mas sem me lembrar de onde. Ele sorriu sombrio, antes de me responder.

- Essa é a sua melhor cantada? – perguntou sorrindo.

- Não foi uma cantada, apenas uma constatação – disse seriamente.

- É mesmo? – debochou – Mas, chega de falarmos e vamos para o que realmente interessa – afirmou me puxando pela nuca para um novo beijo.

O beijo era intenso, ele era muito mais experiente que eu. Isso ficou bem visível quando ele assumiu o controle da situação, e Kami como esse homem beija bem.
     

Em pouco tempo meu corpo estava em chamas, ainda nós beijávamos quando comecei a rebolar em seu colo involuntariamente.
   

Ele estava começando a ficar excitado e sinceramente eu também não estava muito diferente. Quando enfim nos separamos ele fez algo que eu não esperava, mas, que me deixou a ponto de subir pelas paredes.
   

Ele afastou a alça folgada da regata que usava por baixo da jaqueta de couro, deixando um de meus ombros a mostra para logo depois começar a distribuir beijos que foram subindo para o meu pescoço até chegar a minha orelha esquerda.
   

- Não deveria brincar com fogo garoto, isso é extremamente perigoso – sussurrou com uma voz grave e sexy – Não tem medo das consequências? – indagou mordiscando o lóbulo da minha orelha, arrepiando-me completamente.
 

- Hoje eu estou afim de desafiar todas as consequências – respondi-o sorrindo, enquanto, rebolava em seu colo de forma sacana apenas para provoca-lo mais ainda.
 

- Ótimo, lembre-se, foi você que me seduziu primeiro ok? – disse antes de se levantar comigo em seu colo, colocar-me no chão e rapidamente seguir me puxando para um espaço afastado, onde acabamos saindo em uma espécie de saída secreta da boate.   
 

- Onde está me levando? – perguntei meio receoso, dando-me conta que ficar sozinho com um completo desconhecido não é a coisa mais sensata a se fazer na vida.
 

- Vamos para um local mais reservado – respondeu sorrindo – Hoje eu vou te ajudar a quebrar todas as regras, aceita? – perguntou assim que paramos em frente a um luxuoso carro laranja em um estacionamento subterrâneo que nem imagina existir.
 

Por um momento o pensamento de estar passando dos limites me veio à mente e a vontade de desistir e voltar para onde meus amigos estavam bateu forte, mas, ao olhar em seus olhos eu perdi as forças e apenas anui positivamente com a cabeça a sua pergunta.
 

Eu sou virgem, nunca transei com ninguém ou até mesmo tive caricias mais ousadas.... Mas, pelo visto hoje isso vai mudar completamente – pensei sentindo um nervosismo tomar conta de mim.... Mas, também sentindo um sentimento completamente novo que fazia meu corpo arder apenas em pensar no que estava prestes a acontecer.
 

O caminho até o local reservado foi rápido, em pouco menos de dez minutos estávamos em uma cobertura de hotel de luxo. E assim que entramos no quarto, ele me puxou para seus braços fortes e voltou a me beijar com paixão.
 

Eu mal raciocinava quando ele me virou de costa e me abraçou por trás, permitindo que eu sentisse consequentemente sua excitação roçando em minha bunda. E que excitação é essa Kami-sama? – pensei também excitado.

Então, ele começou a acariciar minha cintura com as mãos grandes e calejadas, deu beijos e pequenas mordidas em minha orelha esquerda, me arrepiando dos pés à cabeça o levando a rir de leve contra meu pescoço.

E aproveitando minha distração uma de suas mãos subiu por meu abdome liso até alcançar meu mamilo direito onde começou a apertar, massageando-o com maestria até me fazer gemer.

- Ah.... ahh... ahhh-aaa – gemi sôfrego.
  

Como se estivesse saboreando minha pele, ele voltou a atacar meu pescoço. Dando um chupão, que se não estivesse tão excitado daria umas porradas nele por marcar minha pele. Mas, a excitação estava grande o suficiente para não ligar muito para a situação e assim que senti sua outra mão guia-se para dentro da minha cueca, fiquei tenso.
 

Ele mal encostou em mim e eu gemi alto, estava muito sensível. Ele tocou em minha intimidade lentamente massageando meu pênis com uma habilidade impressionante. Mas, foi diminuindo o ritmo conforme eu ia me animando.

– Mais, por favor, mais rápido  – Implorei, e ele gemeu ao ouvir meu desespero.

Ele finalmente cedeu a mim e voltou a me tocar com mais rapidez, encostei minha cabeça em seu peito e rebolei minha bunda no seu pau, ele estava muito duro. Ele continuou com a tortura até que eu não aguentei mais e gozei forte enfiando minhas unhas em seu braço.

Kami! Esse homem sabe como me fazer tremer – pensei respirando diversas vezes tentando controlar minha frequência respiratória, sua mão continuou parada lá,  mas, de repente ele começou a se mexer de novo e eu com certeza não ia aguentar.

– Para... Eu... não... consigo... mais – Tentei dizer, mas estava ofegante, quando sua mão tocou meu ânus, senti o prazer novamente, como se não tivesse acabado de gozar forte em seus dedos.
 

– Você consegue sim.....  oggi ti scoperò in un modo che non dimenticherai mai (Hoje eu vou te foder de uma forma que jamais esquecerá) – Sussurrou e eu não entendi nada, mas pelo seu tom de voz foram coisas sujas que só me excitaram mais.

– Pare de falar safadezas para mim – Tentei fingir que ele não me afetava. Mas, o infeliz não me ouviu e aumentou a movimentação em meu pênis com uma mão, enquanto, com a outra enfiou um dedo em mim, fazendo-me gemer novamente sem poder me conter.
 

– Ah... Isso...... não vale – resmunguei indeciso entre o desconforto e o prazer de ser tocado em uma área tão inexplorada assim. Não sei quando ou onde ele conseguiu lubrificar seus dedos, mas, a sensação de algo gelado e escorregadio era presente enquanto brincava com minha entrada ao seu bel prazer.
 

 - Vou te foder muito duro essa noite, garoto gostoso – sussurrou rouco em meu ouvido, tremi de prazer só com a voz dele.

 Me virei um pouco para ele, só o suficiente para beija-lo. Ele me olhou com um faminto desejo e eu o beijei com vontade. Ainda estávamos de costas para porta nos beijando ardentemente e ele me tocando com desejo. Querendo provoca-lo coloquei a mão por cima de sua calça e apertei um pouco, ele gemeu baixo no meu ouvido.

– Você é todo perfeito – Seus beijos eram distribuídos em meu ombro — Todo meu — Falou me dando um chupão no pescoço, outro né? Tirei sua boca de lá não querendo ter outras marcas e ele me olhou sério.  Mas, fui mais rápido e me aproximei mais e beijei-o lentamente, nós entramos em uma batalha de olhares que até o final da noite não haveria vencedores

 – Você também é muito gostoso — Disse voltando a beija-lo desta vez no pescoço. Distribuo beijos e chupadas, direitos iguais meu amigo – Muito, muito, muito gostoso – afirmei descendo mais beijos, beijei todo seu abdômen sarado após retirar a camisa que ele usava, ele só me olhava com prazer e desejo, mas mesmo assim controlado.

 – Quero te comer até amanhecer... vou te desvirtuar. — Ele falou roucamente no meu ouvido – Você é meu, apenas meu – falou de forma possesiva, enquanto passava a mão na minha bunda até que volta a colocar a ponta do dedo no meu ânus.

Com certa pressa ele me jogou na cama e subiu em cima dela ficando de joelhos me olhando enquanto se despia lentamente, assim que ficou completamente nu, rapidamente ele se jogou em cima de mim, mas não rápido o bastante, pois eu tive um deslumbre do monstro que tinha entre as pernas e Kami-sama! -  Fodeu, estou completamente e literalmente fodido - pensei olhando para aquilo que ele tinha entre as pernas quando ele se levantou para pegar uma camisinha, ouvi-o dar um risinho como se já soubesse o que eu estava pensando.

Deitou-se em cima de mim novamente apoiando um braço para não me esmagar, sua outra mão foi para meu ânus, mas não tocou só ficou com a mão por cima. Olhei novamente para aquilo e coloquei as mãos tampando meu rosto envergonhado assim que ele começou a retirar minhas roupas, deixando-me assim como ele completamente nu.

- Nervoso? – indagou retirando meu braço do rosto – Se quiser ainda podemos parar por aqui – afirmou me dando um olhar sereno e tranquilo – Não faço nada forçado, se estiver na dúvida apenas te levo para casa – ofereceu sorrindo.

Eu estava nervoso, era verdade. Mas, a forma como ele foi compreensível o suficiente para pensar em mim antes de mais nada me deu a certeza que mesmo sem conhece-lo, ele era o cara ideal para perder minha virgindade.

- Eu estou bem, apenas vá com calma, por favor – pedi nervoso.

- Eu quero você, mas, serei gentil - garantiu sussurrando em meu ouvido, antes de voltar a me beijar. Seu beijo foi uma espécie calmante, pois, sentir seu corpo junto ao meu enquanto nos beijávamos intensamente me acalmou de uma forma inexplicável.
 

Com calma ele voltou a me preparar, seus dedos eram gentis e ao mesmo tempo intensos. E assim que achou que minha entrada estava dilatada o suficiente, ele posicionou seu pênis em meu ânus e entrou em mim, soltei um grito agudo, a dor não foi gigante, mas mesmo assim senti um desconforto. Ele parou todo dentro de mim e me olhou, começou a se movimentar devagar observando cada expressão minha, ainda doía, porque ele é simplesmente grande e eu sou virgem, quer dizer era até poucos segundos atrás.
 

– Você está bem? — Ele perguntou acariciando meu rosto.

- Sim, apenas continue – pedi sentindo uma sensação gostosa se apossar do meu corpo ao sentir cada vez mais ele investir dentro de mim.
 

O único som do quarto era dos nossos corpos se batendo. Minhas unhas arranhavam suas costas e sua mão segurava uma perna minha a colocando numa posição melhor para ele. Nós éramos perfeitos um para outro, como se fossemos um todo.

Seus lábios vieram aos meus e eu aceitei com paixão. Ele era mais intenso do que tudo que eu tinha imaginado. Esse homem era um deus do sexo- pensei - enrolando minhas pernas envolta de sua cintura enquanto fechava os olhos me entregando ao prazer.

– Olhe para mim, quero que olhe para o homem que te fez gozar – Ele disse roucamente me olhando intensamente.

E quando eu olhei meus lábios estavam abertos em um grito mudo. Ele me beijou desse jeito e continuou estocando em mim em busca de sua própria libertação. Remexi meus quadris contra o dele, esse homem não era humano. Quando senti que iria gozar novamente ele saiu de mim, eu quase gritei de raiva. Eu queria vê-lo se entregando ao prazer tanto quanto o meu próprio. Ele me olhou com aqueles olhos cheios de promessas e um sorriso safado, me botou de joelhos a sua frente e segurou minha cintura.

Então, segurei em seus cabelos e dei um beijo totalmente erótico, ele sorriu contra minha boca e me puxou mais para ele. Num passo rápido ele me colocou de quatro e eu não tive nem tempo de reagir, ele me penetrou fundo, duro e forte, gritei de prazer agarrando o lençol da cama com força.

Ele continuou a se mover rápido, uma mão estava em meus mamilos e a outra bombeando meu pênis. Ele beijou meu ombro,e me virei para receber outro beijo. Os beijos dele eram viciantes, o que esse homem tem que me faz querê-lo tanto? Ele aumentou a velocidade para alcançar sua própria libertação, me fazendo quase vir também.

– Goze para o seu homem — Ele sussurrou rouco e mordeu o nódulo da minha orelha. Não se podia negar que éramos ótimos juntos na cama, éramos como fogo e gasolina se consumindo.

Ele me pegou no colo e ficou em pé ao lado da cama me fazendo agarrar nele com minhas pernas em volta do seu quadril. Ele me olhou e eu entendi, não precisamos de palavras para nos compreender nesse momento. Coloquei minhas mãos em seu ombro para me firmar e ''cavalguei'' nele.

Gemíamos baixo no ouvido um do outro, depois de um tempo eu não conseguia mais, estava exausto, esse homem não cansa nunca. Ele percebeu, me jogou contra a parede e continuou seu massacre. Sério não sei como não morri ainda, esse homem existe mesmo? Porém, para o meu alivio deu para perceber pela sua expressão que ele estava quase, então, ele me levou novamente para cama e continuou me estocando.
 

– Eu vou gozar — Sussurrei em seu ouvido e ele se arrepiou.
E em busca de seu prazer me penetrou mais depressa, bem em cima do meu ponto G, bombardeando sem parar. Eu já estava quase lá novamente, só me segurando.... Mas, quando ele disse.

- Vem, goza para mim - foi o suficiente para nós dois nos entregarmos ao prazer juntos, meu Kami foi a melhor noite da minha vida – pensei ainda sentindo os tremores por meu corpo.

Esse deve ter sido o orgasmo mais forte de todo o mundo, se sexo é assim, quero todos os dias – pensei sorrindo como um bobo.
Por fim ele despencou em cima de mim acariciando minha barriga, sua cabeça estava em meu peito. Eu sorri, acariciei seus cabelos e ele me olhou estranho.

– Isso foi... uau... a melhor noite da minha vida - Falei ainda ofegante e bocejei. O sono já estava vindo com tudo. Olhei para o relógio em cima do criado mudo que só agora notei e já era quase de manhã.... Meus amigos devem pensar que estou morto e enterrado agora. Mas, eu não tenho forças para pensar em mais nada, depois, apenas depois penso melhor nas consequências dos meus atos – pensei antes de cair no sono.

 

 


Fim.
 


Notas Finais


E ai pessoas, gostaram? Resolvi aproveitar meu lado inspirado rsrsrsrs. Bom, eu tenho plot para construir uma long fic com essa one shot. Mas, vou começar a posta-la apenas quando terminar as que já tenho em andamento. Mas, como uma forma de não perder a história resolvi postar essa one shot antes para apimentar as coisas rsrsrs.

Kissus e até os comentários.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...