História Push and Pull (BMin) - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias 4Minute, Bangtan Boys (BTS), Black Pink, Got7, K.A.R.D, Pentagon (PTG), TWICE
Personagens B.M, BamBam, Hui, Hyun A, J.Seph, Jackson, JB, Jennie, Jiwoo, Mark, Momo, Park Jimin (Jimin), Sana, Somin, Tzuyu
Tags Blackpink, Bmin, Bts, Kard, K-pop, Romance, Twice
Visualizações 34
Palavras 1.969
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente estou voltando com um novo capítulo, bem mais rápido do que eu costumo postar porque vi varias carinhas novas nos comentários e isso me deixou extremamente feliz, esse capítulo já estava escrito não postei antes porque estava com problemas na internet, enfim se esse capítulo tiver um retorno tão bom de vocês como o anterior, esse mês tem capítulo de novo, se não só mês que vem, beijos amo vocês ♥️♥️♥️

Capítulo 12 - Gashina


Fanfic / Fanfiction Push and Pull (BMin) - Capítulo 12 - Gashina

Saímos em direção a sala de reunião apressados procurando chegar o mais rápido possível, sentamos em nossos determinados lugares e esperamos os funcionários da CUBE chegarem, algo que não demorou muito para o bem da minha curiosidade.

– Queremos cancelar a história do namoro. - o senhor de idade olhou para mim e para Hui - observem os gráficos da empresa depois dos boatos do namoro de vocês. - disse pegando seu notebook e jogando para Jackson que estava ao meu lado.

– Como pode ver - outro funcionário da CUBE começou a falar - nós estamos perdendo mais dinheiro agora do que quando se tratava dos boatos da homossexualidade do Hui, queda no preço das ações, fãs loucas na porta da empresa, o Pentagon está perdendo cada vez mais fãs, a notícia do namoro precisa ser desmentida agora, tanto a Somin, quanto o Hui, quanto a CUBE estão sendo extremamente prejudicados.  

– Como você pretende fazer isso? Tem fotos dos dois juntos em todos os lugares! - Jackson respondeu parecendo irritado.

– Não tem fotos dos dois em momentos mais íntimos, como beijos ou abraços, nada disso foi flagrado, pensamos em como reverter a situação e chegamos a seguinte história, Somin é a prima de Hui, eles estavam a muito tempo sem se ver porque as agendas não batiam, quando Hui não tinha show ela tinha um desfile ou uma seção de fotos fora da Coreia, vamos falar isso para tentar explicar o porque dela nunca ter aparecido como modelo no país, e que sempre trabalhou na HOLA mas só foi mostrada em países estrangeiros porque ainda estava no colégio e não queria ser alvo de piadas de mão gosto dos colegas de classe, precisamos manipular fotos da Somin em desfiles e seções fotográficas assim como dela e do Hui juntos quando criança para provar o quanto eram unidos.

– Como vocês conseguiram criar toda essa história em tão pouco tempo? - Jackson disse fazendo um pergunta retórica. - tudo bem, vamos tentar arrumar tudo isso ainda hoje, Hui e Somin, já sabem o que devem fazer, podem ir.

Hui levanta da cadeira irritado e sai batendo a porta, eu com o pouco de educação que me resta me curvei antes de sair, não que eu me preocupasse com o Hui mas estava curiosa sobre o que ele ia fazer e porque estava tão bravo, ele saiu tão rápido mas nem sequer pode ir embora sem os funcionários da CUBE ao seu encalço, decido procurar pelo garoto e logo que avisto o mesmo começo a segui-lo tentando não fazer muito barulho, ele para em uma área afastada e vazia da empresa, jugo dizer que está em reforma, senta em um das muretas que tinha no local, e abaixa sua cabeça abatido, mas o que diabos é isso? Ele está chorando?

– Hui o que está acontecendo? - pergunto me sentado ao seu lado.

– O que você está fazendo aqui? - pergunta sem levantar a cabeça mas pela sua voz era claro que estava chorando.

– Eu te vi sair desnorteado, sem conhecer a agência, fiquei preocupada. - digo e escuto sua risada irônica, a essa altura eu já não estava entendendo nada.

– Preocupada? - fala baixinho como se estivesse em um universo paralelo - e desde quando alguém se preocupa comigo? Eu sou o grande Hui, que tem uma bela voz, que compõem ótimas musicas, e que canta praticamente a música inteira de um grupo de DEZ integrantes, mas eu não sou reconhecido por nada disso, nunca fui reconhecido por nenhum dos meus talentos, afinal quem se importa? Ninguém se preocupa, para as pessoas eu sou só o líder, nem sabem meu nome, eu sou tratado com desprezo até pelas as fãs mesmo sendo super gentil com elas, a maioria nem faz questão de puxar assunto comigo, e mesmo implorando para receber o amor das pessoas, eu tinha um grupo que estava fazendo sucesso e isso me fazia feliz, mas depois de todos esses malditos escândalos a gente nunca mais vai conseguir se reerguer, você entende isso? Sabe o quanto está sendo difícil pra mim? - ao ouvir as palavras do garoto meu coração doeu, mesmo ele sempre me tratando mal, eu sabia o que era ser rejeitado pelas as pessoas, eu sabia o quanto machucava.

– Não. - menti - Eu não sei, mas Hui você é completamente capaz, como você mesmo disse, tem uma bela voz, compõem ótimas musicas, e praticamente canta a música inteira de um grupo de DEZ integrantes, você é muito talentoso.

– Você está dizendo isso por pena.

– Eu pena? Porque eu teria pena de um cara que foi o maior filho da puta comigo desde que me conheceu. - digo divertida e escuto uma risada de Hui. - Nem sempre vamos agradar a maioria das pessoas, mas eu tenho certeza que várias fãs amam você.

– Eu sou gay. - ele fala e eu me espanto, não por preconceito e sim por ter sido pega de supresa. - Eu nunca falei isso pra ninguém, e não faço a mínima ideia do porquê estou falando isso pra você, eu não queria ser assim, eu me odeio por causa disso, eu estou em frente um garota super bacana e bonita que qualquer cara iria se sentir atraído mas eu não sinto nada. - sou pega de supresa quando sinto Hui puxar meu rosto bruscamente e me beijar de forma desajeitada, fiquei alguns segundos sem reação, e escutando um barulho assustada o empurro com todas minhas forças.

– Ma-Matthew? - digo olhando seus olhos cheios de ódio vendo ele se virar para ir embora - Matt, meu amor eu posso explicar. - o abraço sentindo ele se soltar bruscamente. - Por favor me escuta.

– Você prometeu... - ele disse com seus olhos sem vida encarando o chão. - Como eu pensei... você é uma vadia mesmo, faz um favor... me esquece, você não é mais nada pra mim. - terminou a frase e saiu levando meu coração junto.

Caí no chão chorando alto, eu não ligava se alguém ia ver, e nem se Hui assistia toda a cena, minha vontade de morrer era grande, ele disse que eu era uma vadia? Eu só fui uma diversão pra ele? O que eu vou fazer com todo esse amor? Porque doí tanto assim? Batia no peito forte na esperança que meu coração parasse para que não doesse nunca mais, nessa confusão inteira, ele sempre me apoiou e agora eu estraguei tudo, Somin de fato nada na sua vida nunca deu certo, não era agora que ia começar a dar.

– Somin se acalma. - Hui tentou me tranquilizar.

– Vai embora, só vai embora. - disse sussurrando entre lágrimas.

– Por favor...

– Eu quero ficar sozinha! - gritei tão alto assustando o garoto que foi embora chateado, provavelmente se sentido culpado.

Por que eu tinha que seguir o Hui? Somin sempre muito curiosa, viu o que aconteceu? Ta orgulhosa? Meu coração dói tanto que tenho a impressão de estar sendo perfurada com uma faca, minha respiração está horrível e uma dor de cabeça desconhecida apareceu, eu nunca achei que terminaríamos por minha culpa, e nem que a separação não seria nem um pouco saudável, eu não quero voltar pro dormitório, eu sinto vergonha, não estou pronta para ver ele.

Enxugo as lágrimas e me levanto caminhando sem direção pelos corredores da agência, eu preciso ocupar minha cabeça de algum jeito antes que fique maluca.

– Somin aí está você, por não me atendeu? - Jackson fala segurando meu braço. - o que aconteceu com você?

– Matt, ele... acabou. - digo abraçando Jack que estava sem entender mas retribuiu o abraço.

– Vocês terminaram? - ele perguntou confuso.

– Sim.

– Oh Somin, eu sinto muito. - disse mexendo em meus cabelos.

Minutos se passaram apenas no silêncio, Jack apesar de ser um grande idiota era meu amigo, ele sabia que eu não estava bem e queria me ajudar nem que fosse com um abraço, e confesso está ajudando muito.

– Somin eu sei que está difícil, mas - fala quebrando o abraço - eu preciso te informar de tudo o que está acontecendo ok? - concordo com a cabeça - fizemos a manipulação das fotos e iremos jogá-las na internet daqui algumas horas, também estamos providenciando um quarto só para você, para que todos saibam que você de fato é uma modelo profissional da HOLA, e não corra nenhum risco de descobrirem que na verdade você é tratada como qualquer um nessa empresa, tudo bem pra você?

– S-sim.

– Somin vá para seu quarto, você precisa descansar. - Jackson fala indo embora.

Bem que eu queria, mas não quero encontrar Matt, na verdade até quero mas o sentimento de culpa e vergonha não deixam, me sento em uma das cadeiras do corredor e pego meu celular, varias notificações e mensagens de meus amigos e pessoas que eu nem conhecia perguntando apenas sobre dois assuntos: Matthew e Hui, e acredite eu não estava nem um pouco afim de falar sobre nenhum dos dois, guardo o celular e me dirijo a sala de treino, precisava fazer algo que me acalmasse e por incrível que pareça naquela sala onde acontecia aqueles treinos absurdos tinha o que eu precisava, música e um gigante espelho preso em todas as paredes, sim eu iria dançar, dançar até que minha pernas doessem mais que meu coração, era um dos poucos talentos que eu tinha acho que a única coisa que eu podia afirmar sem medo que eu sabia fazer.

Chegando na sala tomo um grande susto, Jennie a maior modelo da Coreia estava na minha frente, bato em meu rosto para verificar se não estava louca de vez e não, ela continuava ali, a garota notou minha presença e se virou para mim sorrindo.

– A minha sala de treino está com um problema por isso estou usando essa - Jennie estava ali e estava falando comigo, MDS - Você não se importa né?

– Não. - digo me retirando da sala mas ela vem até mim e segura meu braço.

– Você é a garota prodígio né? - ela pergunta e eu encaro sem entender. - Incrível com poucos meses de treinamento você anda causando demais garota, acho que eu devia me preocupar. - fala sorrindo.

– Eu e-estou indo. - puxo meu braço.

– Fique. Eu estava afim de fazer uma batalha de dança mesmo. -  Jennie disse entediada - sabe dançar?

– Sei.

– Ótimo, venha!

Jennie colocou uma música, e logo fez um passo, na minha opinião fácil para que eu o reproduzisse, assim o fiz logo depois fazendo um passo mais complexo e ela conseguiu fazer igualzinho sem o menor problema, ela fez outro e eu outro e foram assim por longas e cansativas duas horas, a “brincadeira” não estava mais divertida, estava com um ar pesado, não sei se é porque sou fã da Jennie e fico nervosa perto dela ou se é porque ela me olha de maneira estranha, distraída nos meus pensamentos erro um passo e ela ri.

– Você pode até ser boa garota prodígio, mas nunca vai ser melhor que eu. - diz me olhando de uma forma ameaçadora? - Espero te ver de novo, hoje foi muito divertido! - fala voltando a ser “normal” e indo embora.

Ok. Já são meia-noite preciso voltar pro meu quarto, Matt já deve ter dormido.

Caminhei de volta para o dormitório correndo, admito essa agência a noite parece um filme de terror, abri a porta do meu quarto com todo cuidado para não fazer nenhum barulho, e para meu espanto Matt não estava em sua cama, procurei por todo dormitório e nada dele, então o vazio e a dor no peito que algumas horas atrás eu estava sentindo voltou, eu sou tão horrível assim? Deitei na minha cama e chorei por horas em posição fetal e depois de muito tempo consegui pegar no sono.


Notas Finais


Vou repetir, vocês estão livres para me corrigir desde que não seja de maneira ofensiva, se vcs acharem que tem algo errado não fiquem com medo de me falar ok? O que acharam do capítulo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...