1. Spirit Fanfics >
  2. Quadro verde - Adrinette >
  3. Capitulo 27: ameno( parte 1)

História Quadro verde - Adrinette - Capítulo 28


Escrita por:


Notas do Autor


O capitulo de hoje ta curto porque vai ser dividido em 2. Ok?! Ok.
GENTE DESCULPA A DEMORA PRA POSTAR, É QUE EU SAI O FIM DE SEMANA TODO ;----;
mas to aqui, vou continuar a regra de postar dia sim dia não, e vamos la.
Comentários sempre bem vindos
Thanks for reading♡♡

Capítulo 28 - Capitulo 27: ameno( parte 1)


Fanfic / Fanfiction Quadro verde - Adrinette - Capítulo 28 - Capitulo 27: ameno( parte 1)

                        ○♡Adrien♡○

Hoje acordei pensando nas relações da vida, em como são mutáveis, de tantos jeitos e formas que acabam por transformar sutilmente coisas importantes - tanto no comportamento como no modo de pensar das pessoas -. Estranho é ter certeza de que daqui a um ou dois anos, não serei o mesmo de agora, assim como a 1 ano atrás eu era alguém diferente. O que me levou a questionar, eu tenho controle de quem vou ser amanhã?

Me considero uma pessoa reservada, certamente não tenho dom de liderança ou postura para tomar redias de situações inusitadas. Sou um garoto simples, vivendo num universo particular, inteiramente meu... costantemente buscando descobri quem sou! Preciso decifrar qual o meu papel em meio a vasta insignificância da minha existencia; peculiar é que ninguem sabe ao certo o que - ou quem - realmente é, muito menos como lidar com o mundo exterior. Todos vivem em universos particulares, seguindo um dia de cada vez. 

Então por que... por que me preocupo tanto com essas coisa bobas??

Sempre tive uma mente muito organizada, onde até minhas paranoias possuiam um lugar específico. Tudo possuia um fundamento, contexto, explicação! Félix me criou obstinado, exigente comigo mesmo, e por muito tempo achei que me sentia bem vivendo assim, a sombra dos caprichos dele, afinal, ele só quer o meu bem, certo?!

Bridgette foi um verdadeiro anjo em minha vida, não teria palavras para descrever o quão sou grato a ela por ter dado aleagria aquela casa. Felizmente me fez sensato, flexível... sem - é claro - desaltorizar as fortes opiniões de meu irmao.

Para Félix tudo é cimetrico, pos ele é calculista demais para viver sem planos, sempre esta argumentando algo em sua mente perspicaz. Eu o admiro mais que tudo, afinal, sei que a vida dele não foi facil, e se esforçar em meio a tantos problemas e traumas deve ter sido muito doloroso. Por isso me esforço para agrada-lo de todos os modos possíveis, na tentativa de compensar as lembranças ruins com as boas. 

Por muito tempo esse foi meu unico objetivo, ser o orgulho de alguem, me tornar forte como ele, colocar sua opinião acima da minha sem refutar - mesmo que magoasse -. E eu nunca, em hipotese alguma, sequer uma vez, achei que teria coragem de fazer algo capaz de causar qualquer dor de cabeça a Félix. 

Bem, isto foi antes da Marinette entrar na minha vida... Ela sim é uma lider nata, dona de com controle tão absoluto de sua vida que chega a ser invejável. Foi observando essa garota tão peculiar que percebi... até então eu era apenas uma reprodução automatica de tudo o que não é definitivamente "eu". Então, quem sou? Do que gosto? Quais meus medos? Paixões? Vocações e sonhos? Eu sequer os possuia? E se sim, tais coisas eram excêntricos a ponto de serem desejos inteiramente meus? Por que derrepente precisavam ser?

Fiquei aturdido com o fato de Marinette ter todas essas respostas na ponta da língua, não sobre mim, mas sobre si mesma. "Estou a 17 anos convivendo comigo diariamente, assustador seria 'não saber' quem sou". Essa frase pequena, vinda dela num dia comum enquanto almoçamos no refeitorio, me desestabilizou por completo.

Foi como se meu sistema inteiro entrasse em pane, com um enorme outdoor pairando sob minha cabeça, escrito em neow ." então quem diabos sou eu?". A partir desse dia, entrei em uma missão de auto-conhecimento sobre tudo a meu respeito, como se aos poucos desfizesse as rochas superficiais da ideia raza que possuia de mim. Ja não queria ser como Félix, nem como Bridgette, eu só precisava - nem que fosse apenas uma vez - saber como era ser eu.

Marinette foi a maior incógnita no meio disso, pos meus sentimentos se tornavam cada vez mais confusos quando ela estava por perto... desde que começamos a namorar - algo que nem eu sei bem como aconteceu - tenho me tornado alguem cada vez mais distante de quem costumava ser... não para agrada-la de modo alguem, me sinto diferente apenas pelo fato de que aos poucos tenho descoberto algo novo em mim. Algo bom.

Derrepente minha existencia banal deixou de ser tão "insignificante".

hoje de manhã tivemos prova de Física, questões simples, em menos de 6 minutos eu resolvi todas as alternativas, no entanto, havia um limite de 30 minutos para poder entregar a prova. Nesses poucos minutos, eu estava divagando em minha mente, cronometrando o tempo que levaria para cumprir meus afazeres diarios. Derrepente, Marinette que estava a meu lado, se aproximou dizendo baixo

Adrien... você pode me fazer um favor?-

Notei que a menina parecia incomodada, talvez estivesse com dificuldade em resolver sua prova, olhei pelo rabo do olho anuindo com a cabeça, disposto a ajuda-la no que precisasse... mas a resposta recebida fez as borboletas do meu estômago darem cambalhotas afoitas.

- Você pode por favor sair da minha cabeça? - mordeu a ponta do lápis sorrindo de canto

- bem eu...- franzi o cenho confuso - eu não entendi o...pedido -

- e que você fica uma gracinha quando ta distraido no mundo da lua - suspirou apaixonada - isso me tira todo o foco, eu fico babando por esse seu rostinho de príncipe e acabo tendo que ler a mesma questão 3 ou 4 vezes pra procurar a resposta... - 

- v-você quer ajuda pra... terminar a prova?- respondi um tanto sem jeito sentindo o rosto acolorar uns 6 tons de vermelho

- Não, consigo fazer sozinha...- ofertou uma piscadela boba, fazendo meu coração palpitar - Eu quero que você saia da minha cabeça por no minimo 15 segundos... - fez bico manhoso falando num tom de voz mais infantil, tão fofa - fico pensando tanto em você que não consigo levar a prova a serio. - encostou a cabeça no meu ombro manhosa - para de ser perfeito só um pouquinho vai... assim bem rapidinho, eu juro que termino ligeiro. Dai você pode voltar a ser o centro de todos os meus suspiros e pensamentos - 

Sinceramente não sei reagir a esse tipo de comportamento, somente anui sorrindo sem graça vendo-a beijar de leve o lapis e encosta-lo na ponta do meu nariz como se num passe de mágicas isso fosse resolver o tal problema. Marinette alternou o olhar entre mim e a prova por alguns segundos, bufou fazendo careta piedosa, virou-se para mim outra vez sussurrando 

- eu queria tanto um beijinho seu...- tocou a própria bochecha - agora. Pra dar boa sorte -

Me enclinei mais para cumprindo o pedido... ela murmurou "outro", em seguida "mais um". Sorri ameno pronunciando uma resposta ao ultimo pedido

- só se prometer prestar atenção na sua prova -

- eu vou, prometo... - levou o indicador a bochecha outra vez 

Desci os labios até o rosto abonecado dela para selar o último agrado, no entanto, Marinette repentinamente virou o rosto dando-me um beijinho curto estalado, audivel a ponto de chamar a atenção da professora Madelieve, que automaticamente nos encarou desconfiada. Eu particularmente não soube disfarçar, permaneci estático com o coração sambando no peito, sem conseguir pronunciar sequer uma palavra. Ja Marinette, milagrosamente parecia totalmente focada a prova, disfarçando a gafe cometida com um sorriso ladino travesso.

- Adrien - a professora chamou, tomando minha atenção - parece que esta destraindo sua colega de classe... ja acabou sua prova? - anui com a cabeça vendo ela se aproximar em passos mansos, puxando a folha de minha mesa - pode se retirar então -

Pus minha mochila sob o ombro me levantando de imediato, um tanto desengonçado, caminhando para a porta. Antes de sair, olhei rapidamente para Marinette vendo-a dizer com os labios mudos

" te amo, pateta "

Caminhei para fora da sala com um sorriso gigante estampado no rosto, sem perceber, estava saltitando alegre pelos corredores indo direto pro club de leitura. Eu precisava escrever, escrever sobre essa sensação nova que me invadia o peito. Quero anotar cada pequeno detalhe intenso desse amor que me florence terno, por isso comprei um diário com folhas em branco... por meses, tenho me esforçado para colocar em palavras tudo o que sinto.

É meio difícil escrever algo que não consegue explicar... pior ainda é perceber que existe sim algo que não posso explicar de jeito lógico. Amor é arte, é poesia e sentimento. Como poderia eu? Um mero quadro entender os sentimentos de quem me pincela?! Sempre me julguei uma moldura tortuosa feita de um molde quebrado. Minha mae morreu, meu pai não se importa comigo, o unico a me ver bem quisto é meu irmão, que me criou para seguir as expectativas dele, sem me perguntou quais eram as minhas. 

Até pouco tempo, eu sequer possuia tais pensamentos. Estava contente sendo apenas um quadro feito para enfeitar a lista de realizações pessoais do meu irmão, era apenas um menino de olhos verdes tristonho, com uma mentalidade cega de obediencia a unica pessoa proxima de mim a vida toda.

Mas então, eu percebi não estar sozinho. No dia em que meus olhos encontraram o azul céu das orbes sorridentes daquela garota, algo em mim se acendeu... de um modo que não sei explicar.

Minhas respostas não estao nela, nunca estiveram. Mas por ve-la sendo pura tinta bruta, dominando o próprio pincel que desliza colorindo sua vida, eu tive certeza... tive certeza das minhas duvidas. Tudo o que havia guardado no fundo da mente me veio a tona, me fez querer ver, explorar, aflorar, tudo em mim.

Ja não me importo com minha moldura, e nem quero ficar preso a um unico jeito de ser. Quero me mostrar ao mundo, sem medo de represália, sem limites que me impeçam. Quero chegar nos confis da caverna mais profunda em minha mente, e convidar meus sentimentos remprimidos a sair, se transbordando em mim. Se for para viver, quero sentir isso da melhor a pior maneira, mesmo que isso me faça chorar, quero ser o unico a poder definir quem sou... 

Porque de nada adianta uma pintura que não sabe ser interpretada pelo seu próprio artista.

[...]

Não demorou muito para nos reunirmos no refeitorio outra vez. La estavam todos, debatendo sobre como a prova havia sido ruim, das dificuldades que tiveram, quais alternativas marcaram, etc etc. Permaneci calado escutando as diversas reclamações, perfuntando a mim mesmo o que um adolescente faz da vida se não estudar?Será que essas pessoas realmente tem dificuldade em manter o basico de auto-disciplina?! Agradeci aos céus por ter sido criado por alguem tão exigente com minhas notas, caso contrário, eu seria apenas um menino mimado herdeiro de um cara rico que não liga pra minha educação. 

- Adrien nunca reclama de nada, aposto que ele ja tem o gabarito impresso antes de vir pra ca - Alix fala descontraída - viram em quanto tempo esse loiro safado terminou?! 6 fudidos minutos, obvio que ele cola -

- infelizmente não - Kim defendeu o amigo - esse cabeça de vento realmente tem uma puta memoria de elefante, sempre foi assim. -

- verdade - Nino acrescentou - ele não cola de ninguem, a gente que cola dele, haha -

- não sei como a Mari foi gostar de alguem tão "certinho" - Ayla soa sarcástica - geralmente ela tem dedo podre pra homem -

- amiga??- Marinette arquea a sobrancelha vagamente ofendida com o comentário - algum problema com Adrien ou com meu gosto?-

- com seu gosto sim, com Adrien definitivamente não. Ele é tipo aquelas florzinhas que nascem no meio do lixo - eu a encaro franzindo o cenho, sem entender a comparação - calma, Adrien, vou explicar. Bem, a Marinette deve ter sido gari em outra vida porque ela só pega boy lixo. Mas você é diferente. Você é um doce -

- se isso foi um elogio... bem, obrigada - falo rindo baixo da comparação 

- para de ficar exaltando ele - Marinette sorriu - ele vai acabar ficando convencido demais - 

- o Adrien? Convencido? Hahaa, piada boa - Nino debocha - ele é um santo ! -

- com certeza, ele é um cara timido demais pra ser convencido. - kim cutuca Marinette zombeteiro - Mari fez a escolha certa -

- eu tenho pena dele - Alix sorri travessa - imagina só ter que aguentar a Marinette como namorada, ufs, garota,eu sou sua amiga mas a verdade seja dita -

- surtadaaah - Ayla gargalha alto - desculpa Mari, Alix ta certa, olha esse rostinho de neném do Adrien, nem sei como ele atura suas paranoias, isso sem falar na safadeza.-

- mano, Adrien não tem cara de quem transa, eu não consigo imaginar uma coisa dessas - Alix balança as mãos explicando - ele é o tipo de cara que da vontade de colocar num potinho e amar sem tocar -

- sem falar no jeito bruto da Marinette - Ayla sorri de canto - se ela for pra cima, acho que ele desmonta todinho -

- vocês so falam isso porque não sabem as baixarias que ele fala na cama - Marinette fala abertamente, captando o olhar curioso do grupo todo - as vezes ele é tão violento que volto pra casa com as pernas bambas de tanto fud---

Pigarreio, me sentindo muito constrangido. Coloco os fones de ouvido outra vez junto ao capuz da jaqueta começando a andar mais rápido. 

Como ela pode falar assim na frente de todo mundo?! Eu entendo, são nossos amigos proximos, mas aqueles momentos sao intimos, são nossos. Não é algo que deva ser compartilhado em conversas publicas assim.

Marinette veio atras segurando meu braço carinhosamente.

- hey darling. Eu cheteei você? Desculpa!-

- Você se quer sabe por que fiquei chateado? - bufo irritado

- provavelmente falei algo que te desagradou - fez bico manhoso - por favor pedoa...não foi por querer -

- tudo bem, deixa pra'lá - desviei o olhar cabisbaixo 

- ah não, não fica assim - ela me agarrou a cintura feito criança - vamos pra sua casa, eu compenso minhas besteiras com comida pra você, anda, vai, deixa, eu sei fazer varios doces pra melhorar seu humor -

- pra minha casa? - a encaro perdido - estou de castigo, esqueceu? Não podem--

- hoje é dia de provaaaa Adrieeenn - falou com voz lamuriosa - a gente sai cedo! Da tempo de chegar la antes d Brid e do Félix. É rapidinho vai, to com tanta saudade de ficar sozinha com você -

- esta me pedindo pra fazer algo que provavelmente vai dobrar ou triplicar meu castigo? - sinto um arrepio ruim so de pensar na possível confusão - de jeito nenhum -

- ADRIEEENN...- falou de modo piedoso tão alto que as pessoas ao redor olharam rapido dando pequenas risadas das atitudes infantis de Marinette, ela estava literalmente agindo como uma garotinha birrenta que faz escândalo por não atenderem suas vontades - ADRIEN POR FAVORIZNHO -INHO-INHO!!! - choramingou baixo

- aaaaah - viro os olhos - ta bem! Mas só por duas horas!! Você precisa sair antes de Bridgette chegar - imponho condições. 

- ihihihihi - Marinette segura minha mão dando pulinhos de alegria - o que meu príncipe quer comer hoje pra adoçar o humor? Macarones? Bolo? Torta? Pudim? Donuts? Brownie? -

Ouvi-la citar tantas opções me arrancou um riso idiota, sentindo o rosto ruborizar pelo apelido carinhoso. Passo o braços por cima dos ombros dela colando seu corpo diminuto ao meu

- Você já me adoça o suficiente - beijo-lhe os cabelos proximo ao ouvido esquerdo - e eu? O que posso fazer hoje pra agradar minha princesa? -

- que tal limpar a bagunça dessa vez? - sorri travessa satirizando o motivo do meu castigo

- só se você não inventar de correr pela casa feito maluca - faço careta marrenta

- pode deixar - aperta o abraço ainda mais - vou me comportar dessa vez... prometo. -

- conseguiu se concentrar na prova depos que eu sai? - falo envergonhado com um sorriso de canto feliz

- não, haha, mas estou alegre de ter terminado aquela maldita prova logo - fitou-me com um olhar tão singelo que tirou-me o folego por alguns segundos - assim posso cumprir minha palavra e passar o resto do dia inteirinho pensando em você. Meu docinho favorito -


Notas Finais


TO APX POR ESSE CAP AAAA
dps d expurgar toda a putaria q me habitava, estou soft. Por isso o cap d hoje foi diabetico de tao doce kkkkk
Comentem babys, gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...