História Qual a diferença? (Jimin - Longfic) (HIATUS). - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Suga, V
Tags Deadgirls, Jimin, Jisun, Medicina, Sunmin
Visualizações 44
Palavras 2.064
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Como eu disse-lhes, assim que eu houvesse escrito mais três capítulo, eu postaria mais um. E cá estou eu, cumprindo com minha palavra.
Eu estou conseguindo escrever os capítulos rapidamente e posso afirmar para vocês que logo logo, chegaremos ao capítulo "quatorze".

O capítulo de hoje retrata o primeiro dia de aula da Sun na faculdade, o capítulo - segundo eu - foi bem escrito e detalhado - espero não ter deixado nada passar em branco - e assim como eu, espero que vocês gostem.
Talvez vocês achem que as coisas estejam acontecendo rápido demais, mas por enquanto eu não vejo dessa maneira. Estou cortando coisas que julgo serem totalmente desnecessárias que continham na fanfic anterior - e cai entre nós, é muita coisa - e tentando de uma maneira bem feita, chegar logo na parte em que nosso bolinho safado da as caras, e temo dizer, será em breve.
Outra coisa é que nessa estória, Sun, é filha única.

Agora um assunto que está bem falado ultimamente, como está os coraçõeszinhos de vocês para com esse comeback? Eu tô surtando, mas não por um bom motivo - infelizmente :,) - , estou sem internet em casa, o whats e spirit são as únicas coisas que ainda pegam, de modo lerdo mas, é melhor que nada.
Minha fonte de informações dos meninos é minha amiga Tatá - bixa maravilhosa salva vidas.
Pelo pouco que vi dos trailers meu coração já se incendiou de afobação e expectativa. O Jimin tá tão, mas tão lindo que eu quase morri, meu nenê - Jeon - tá com uma carinha ainda mais de criança, parece que toma remédio pra ficar cada dia mais jovem. TÁ TODO MUNDO MARAVILHOSO, é isso.

Perdoem-me os erros, preciso achar uma beta rapidamente e urgentemente.

Enfim, boa leitura e para quem for ver a live - algo que eu não vou conseguir hoje :,) (vida injusta) - uma ótima interação com os meninosಌ

(Caso a palavra "ouvesse" me apareça no capítulo, me avisem por tudo que é mais sagrado).
(Não revisado).

Capítulo 4 - Primeiro dia.


Fanfic / Fanfiction Qual a diferença? (Jimin - Longfic) (HIATUS). - Capítulo 4 - Primeiro dia.

                              3.


Jantar com Jeon era sempre muito relaxante, a companhia do moreno era algo que sempre me fazia bem, sua áurea e essência eram coisas deliciosas de se sentir. No decorrer que comíamos eu lhe explicava tudo que tinha sido dito à mim pela recepcionista e muito afobada lhe contei que minhas aulas começariam pela segunda da semana que viria após essa nova se passar e claro, não pude deixar de elogia-lo pela comida deliciosa. Pedi para que no dia seguinte - que seria nossa folga por ser domingo - ele me acompanhasse nas compras dos materiais que estavam na lista que fora entregue à mim. Não era muito o que se comprar, mas a pequena quantia de coisas listadas ali não deixavam de ser importante.

Por isso assim que terminamos de limpar à cozinha desejamos um a o outro uma boa noite e fomos dormir, bem, não deitei-me prontamente, antes de dormir realizei algumas ligações. Deveria contar para as pessoas mais próximas sobre a novidade relacionada a bolsa de estudos. Os primeiros a saberem foram mamãe e papai, ambos me parabenizam orgulhosamente e proferiram palavras capazes de me fazerem chorar. Fazia cerca de sete meses que não os via pessoalmente e olha que não moramos tão longe uns dos outros, mamãe disse que futuramente marcaria um jantar para comemorarmos.

Em seguida liguei para Jenne, minha amiga de longos anos que assim como meus pais, não via há muito tempo, a contei tudo recebendo parabenizações, mas não demoramos a conversar pois logo eu já caía em sono profundo.


.


.


.


7:47 PM.

Era surpreendente o quão rápido se passou a semana, às horas aparentavam passar em um piscar de olhos. Céus, creio que ansiosa seja a palavra que mais me definia no momento.

Não cansava de me encarar no espelho já vestida com a roupa que usaria no primeiro dia de aula - no caso hoje - , para ter certeza de que era uma peça de veste adequada para um primeiro dia de aula na faculdade.

Examinava minha mochila para ter a plena certeza de que não tinha esquecido nada em segundos à segundos.

- Você está linda. - me assustei pela voz súbita ecoada pelo quarto e me virei, para encontrar Jeon encostado no batente da porta me olhando com um sorriso dócil e um olhar amoroso.

Sorri para ele agradecida pelo elogio, indo até meu amigo o abraçando fortemente enquanto afundava meu rosto em seu peitoral que cheirava ao seu perfume viril. Senti seus braços me rodearem me puxando mais contra seu corpo.

- Eu sei - disse ouvindo-o rir por minha fala convencida - , mas você sabe como fico afobada quando ansiosa. - murxoxei por ainda ter meu rosto afundado em seu tronco e não demorou para que eu sentisse meus fios da nuca serem afagados. - Mas com esse carinho todo eu esqueço minha ansiedade rapidinho, então continua. - rimos juntos e recebi um selar no topo de minha cabeça antes dele se afastar, acabando com o abraço e com o carinho que estava quase me fazendo dormir, recendo em troca uma lamúria de descontentamento da minha parte. - Malvado. - murmuro o vendo sorrir.

- Sei que você ama meu cafuné - gabou-se recendo uma revirada de olhos minha - , mas a gente precisa ir, sabe como é o trânsito plena segunda e se não quiser chegar atrasada é melhor sairmos um pouquinho mais cedo. - justificou, balancei a cabeça em concordância.

- Tem razão. - inspirei com vontade. Lhe dei às costas para ir até minha cama e pegar a mochila sobre os lençóis dobrados, voltando em seguida em sua frente com um sorriso misto. - Vamos! - o moreno passou seus braços sobre meus ombros, caminhamos assim até chegarmos a porta de saída a qual fechamos assim que saímos de nosso apartamento.

Nós dirigimos ao elevador descendo até o andar do estacionamento aonde adentramos o carro do mais alto, logo seguindo para nosso - mais especificamente, meu - rumo: Yonsei.

E sim, Ggukie tinha um carro, esse que ganhara de seus pais assim que completou a maior de idade. Também já tirara sua carteira então não havia sobre o quê se preocupar.

Meu nervosismo era iminente, batucada com os pés o solo do carro e mordiscava o lábio em uma mania viciante e repetitiva. Escutei uma risada ao lado, quase como um sopro e não demorei a ouvir sua voz.

- Arrancar o lábio ou abrir um buraco no solo do carro não vai te ajudar. - disse ele, tentando estorvar meus atos em um tom risonho.

Ignorei-o, mas não de forma birrenta, e sim por não haver argumento para retrucar um fato verdadeiro.

O trajeto diante fora silêncioso, não um silêncio perturbador e sim calmeiro porque não foi preciso muitos minutos até que eu tomasse controle sobre meus hormônios e os alcamasse e também para que eu chegasse na universidade e... puta merda, ela estava cheia, lotada de adolescentes.

Eu estava ciente de que as aulas de diversas áreas começavam hoje, mas, nossa, não imaginei que teria tanta gente assim.

Jeon parou o carro na frente da universidade tomando o lugar do carro que acabara de sair, desligou o automóvel e suspirou audível. E o silêncio se fez presente mais uma vez. Eu olhava através da janela aberta do carro a movimentação ao lado de fora e merda, eu tenho que repetir isso, era muita gente, mas tipo, muita gente mesmo.

- Não sei se você percebeu mais a gente já chegou. - meu amigo disse soando brincalhão, ri pelo nariz.

- Palhaço. - balbuciei divertida, suspirando pesadamente logo após. Esperei até que um surto de coragem me atingisse e assim que aconteceu agarrei minha mochila fortemente virando para me despedir de Jeon com um selar em sua bochecha. - Até mais tarde.

Sai do carro em seguida fechando a porta, mas antes que fosse possível meu distanciamento do automóvel ouvi meu nome repercutir dentre os lábios do moreno.

- Venho te buscar às dez e meia, correto? - perguntou e assenti.

Jeon havia insistindo em me buscar após o turno da faculdade acabar, alegando que seria muito tarde para que eu voltasse de ônibus ou metro, e eu acabei acatando ao seu pedido que não me incomodara em nada, seria até melhor para mim e bem menos cansativo.

- Boa aula. - desejou e eu sorri agradecida acenando para si para logo em seguida caminhar até a entrada do edifício e droga, ali dentro se assemelhava a um formigueiro.

Adolescentes por toda parte, alguns em grupinhos e outro apenas sentados esperando serem chamandos, era muitíssimas pessoas. Me sentei em uma das diversas poltrona enquanto observava ao redor e analisava alguns alunos, vendo se conseguia apenas com o olhar adivinhar a área em que iriam cursar. Queria adivinhar quem seriam meus companheiros de turma à cursar pediatria.

Sim, eu cursaria pediatria. Uma área em que eu cultivava uma paixão absurda dês de pequena. Eu apreciava o modo como os médicos cuidavam de mim quando criança, gostava agora depois de velha também, mas era... diferente, à maneira tão cativante com qual eles cuidavam de serezinhos com doeças respectivamente graves, era admirável ao meu ver e eu sempre quis ter esse cuidado com uma criança. Eu sempre quis ser igual a eles. E agora isso estava mais próximo de se concretizar, talvez nem tão próximo, mas dois anos passam rápido, não?

Saio de meus pensamentos assim que um assobio repercutiu pelo ambiente.

- Por favor, atenção aqui, foquem em mim! - pediu alguém enquanto batia palmas e assim todos fizeram, as conversas instantaneamente se findam e a única voz a ser ouvida era de um careca - dono do pedido - , que suponhei ser o supervisor do local pela maneira à qual se portava e se vestia, todo padrãozinho. - Me chamo Byun, mais conhecido como o supervisor do local - capiche - , e hoje cordenarei vocês à suas respectivas salas de aulas. Então peço extrema atenção, para que não se percam. - pausou e analisou o local para ter certeza da compreensão de todos, mas logo continuou. - Ditarei as áreas cursadas, uma por vez e caso uma delas for a sua queira se aproximar.

Logo ele começara à ditar as primeiras áreas, essas que foram administração, engenharia e arquitetura. Esperava por minha vez ansiosamente e quando o senhor careca voltou - apaguei-me a esse apelido - pedi silenciosamente para que fosse minha área a ser chamada.

- Agora os estudantes de neurocirurgia, advocacia e pediatria.

Tamanha fora minha alegria interna ao ser chamada, finamente eu iria dar inicio ao meu tão almejado sonho. Traçei passos próximos ao supervisor e assim que um aglomerado de pessoas se formou a sua frente, ele começou a guiar-nos até a grande escada rolante que dava ao segundo andar, o andar das salas. Adentrou os diversos corredores do edifício e eu podia afirmar-lhes uma coisa, Yonsei era muito bela.

A decoração do local aparentava ter sido feita com muita dedicação, os mínimos detalhes escolhidos com grande precisão.

A primeira sala fora a dos estudantes de neurocirurgia e pelo pouco que vi, podia afirmar que era muito bem organizada e decorada, depois seguimos o longo corredor aperolado. Não foi preciso muito esforço para enxergar a plaquinha pendurada em uma porta ao longe, nela continha escrito: pediatria.

O senhor Hyun abriu-a revelando uma grande sala, por eu estar em seu encalço foi possível que eu visse um homem sentando sobre a grande mesa do professor, essa que com toda certeza lhe pertencia. Ele nos dirigiu um largo sorriso na medida em que entrávamos e nos sentavamos em nossos lugares escolhidos. O supervisor se despediu de nós, deixando-nos nas mãos do nosso mais novo professor.

O analisei minimamente após sentar na terceira carteira na fileira do meio, notando sua blusa de lã verde musgo até seus sapatos bem encerados, não me surpreenderia caso conseguisse ver meu próprio reflexo ali. Ele não aparentava ter menos de quarenta anos, algumas rugas eram possíveis de serem avistadas.

Com todos os alunos acomodados ele deu início em seu discurso:

- Boa tarde. - nos desejou, sendo respondido em uníssono. - Bem, antes de fazer a chamada para ver se todos estão presentes queiram deixar-me me apresentar. Sou o cara que vocês teram que aguentar durante dois longos anos - rimos juntamente a ele - , e sou também, algo que tenho certeza já terem notaram, o professor que exerce o aprendizado na área pediátrica. Me chamo Chany e sou cursado nisso há mais de vinte e um anos. - disse, para logo após soltar uma risada baixa. - Então devem suponhar que estou na casa dos quarenta - confessou nos arrancando boas risadas - , até porque essas rugas na testa não me deixam mentir. - e foi assim que demos início a uma série de risadas, apresentações e longas explicações.

E devo confessar, eu já estava adorando tudo isso.


.


.


.


10:26 PM.

A aula findou de forma fugaz, tão ligeiro quanto meus passos em direção ao carro de Jeon estacionando em frente à Yonsei.

Em somente uma aula eu consegui absorver duas informações; primeira, seria o quão engraçado e imperativo meu professor conseguia ser, ri tanto que acabei por ficar com soluços que ocasionaram em mais risadas. Segundo, seria o fato do quanto eu teria que me esforçar para conseguir me tornar concursada.

Sim, eu tenho total noção do quão complicado é uma faculdade, o que ela nos impõe e nos obriga, como por exemplo a metermos a cara nos livros e decorarmos nomes de doenças complicados que nem em anos eu saberia que existia - pelo menos quem não cursava algo relacionado à medicina. Mas não imaginei que seria tão mais complicado quanto imaginei. Só a pequena explicação do meu professor foi capaz de me fazer enxergar que eu não teria apenas que meter a cara nos livros e sim devora-los, engoli-los e quem sabe até dormir agarrada com os mesmos.

Se um dia eu pensei que seria fácil estudar pediatria, pensei errado.

Abri a porta do veículo e o adentrei, desejando uma boa noite ao amorenado, inspirei fortemente o aroma que me atingiu, seu perfume domava o lugar. Joguei minha mochila no banco do passageiro e pus o cinto, aconchegando-me no banco de uma forma que eu pudesse me sentir relaxada e confortável.

- E então, como foi a aula? - ouvi-o perguntar e não contive uma risada ao fitar.

- Você não vai acreditar. - e sorri, sorri de uma forma cansada e encantada, pronta a contar-lhe detalhadamente tudo sobre meu primeiro dia de aula.


Notas Finais


Querem mais?

Queria pedir para que vocês comentassem, me deixem saber o que estão achando, por favor, isso é muito importante para mim, okay?!
Espero vocês no próximo☾!

Perfil: @DeadGirls ღ.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...