1. Spirit Fanfics >
  2. Qual o seu desejo? (JIKOOK,KOOKMIN) >
  3. Vamos para o chalé?

História Qual o seu desejo? (JIKOOK,KOOKMIN) - Capítulo 44


Escrita por:


Notas do Autor


Eu sei, a imagem é um spoiler, espero que gostem.
Desculpa os erros.


Boa leitura ❤️

Capítulo 44 - Vamos para o chalé?


Fanfic / Fanfiction Qual o seu desejo? (JIKOOK,KOOKMIN) - Capítulo 44 - Vamos para o chalé?

Às onze e meia, meu amigo passa para me pegar e juntos vamos ver seu sobrinho. Às uma já estamos de volta e vamos para a piscina. A água está fresquinha e deliciosa. Às duas e meia, meu amigo volta para casa e eu fico deitado na beira da piscina. Meu telefone apita. Uma mensagem. É Markson me chamando para almoçar. Recuso o convite e deito na espreguiçadeira para ouvir música.

Meu celular apita de novo. Que saco! Pego o aparelho e fico sem ar quando leio: “Quer ir beber comigo?” É Jungkook! Meu coração dispara. Jungkook está em Busan, mas talvez estejamos bem longe um do outro já que o chalé do meu pai é afastado. Pego a Coca-Cola e bebo. Minha garganta ficou seca de repente, e o celular apita outra vez. “Você sabe que não sou paciente. Responde.” Com as mãos tremendo, começo a digitar, só consigo escrever: “Estou de férias.” Envio a mensagem e minha barriga se contrai até que ouço o celular apitar e leio sua resposta: “Eu sei. Muito bonita a porta vermelha do chalé do seu pai.” Quando leio isso, dou um gritinho, largo o celular e corro desesperado até a porta. Na minha corrida, derrubo cadeiras do quintal, bato com o quadril, mas não me importo.

Jungkook está aqui!

Rápido, abro a porta, mas minha cegueira é tamanha que não vejo nenhum carro que possa ser o dele, até que uma buzinadinha me faz olhar pra direita e eu vejo um homem numa moto maravilhosa. Ele desce, tira o capacete e seus olhos e sua boca sorriem para mim. Sem me importar com mais nada nem ninguém, corro até ele e me atiro em seus braços. Meu impulso é tão forte que nós dois quase caímos no chão, mas nada, absolutamente nada, me importa. Eu apenas o abraço e estremeço quando volto a ouvir sua voz em meu ouvido:

— Pequeno... senti sua falta.

Estou nervoso. Histérico!

Jungkook, meu Jungkook!, está nos meus braços. Na porta da casa do meu pai. Veio me buscar. Me encontrou e essa é a única coisa em que quero pensar. Quando me separo um pouco dele, sinto seu olhar percorrer meu corpo e então me dou conta da minha aparência.

— Jungkook, você podia ter avisado. Olha o meu estado.

Ele não responde. Apenas me olha e em seguida me segura pela nuca e me puxa pra ele, pronto para me dar um beijo apaixonado que faz todo Busan estremecer.

— Você está lindo, querido.

Ai, meu Deus! Vou ter um troço. E ainda por cima me chama de “querido”!

— Como está o braço? — pergunta de repente.

Eu mostro a marca do ferro.

— Ótimo.

Jungkook faz um gesto com a cabeça e eu o convido a entrar na casa. Vai me seguindo e ofereço uma cerveja. Ele recusa e pede água. Eu o faço esperar na piscina enquanto me visto. Jungkook resiste, mas explico que essa é a casa do meu pai, que ele pode aparecer a qualquer momento. Ele entende e obedece. Em cinco minutos eu me visto. Um jeans, uma camisa fina e pronto.

Quando apareço, Jungkook olha para mim.

— Você recebeu duas mensagens do Markson.

Respiro fundo e, antes de conseguir responder, Jungkook me puxa para si e me beija com desejo. Seus beijos me fazem entender que ele sentiu tanta falta de mim quanto eu dele, e isso me deixa feliz. Apesar de que ele ainda me deve muitas explicações. Em meio aos beijos, entramos na cozinha. Jungkook me sobe na mesa para continuar me beijando e ao mesmo tempo me aperta contra ele.

Calor... estou sentindo um calor infernal e mais ainda quando ele abaixa a cabeça e morde meu pescoço. Somos dominados por um desejo ardente. E no fim sou eu que, me esquecendo de onde estou, do meu pai e da imagem de Nossa Senhora na cozinha, abro sua calça, enfio a mão na cueca e o toco. Quero mais. Jungkook, excitado por minhas carícias, desabotoa meu jeans e o arranca. Em seguida tira minha cueca e sinto o frio da mesa em minhas bunda. Continuo sentado ali e percebo como ele coloca depressa um preservativo. Reparo na minha tatuagem, mas ele não. Está cego de desejo. Gosto disso!

Me puxa para si. Com a respiração entrecortada e me encarando com desejo, ele me desce e me vira de costas para si e encosta seu membro na minha entrada, enfia alguns centímetros e depois me agarra pelo quadril e com um movimento certeiro mete completamente dentro de mim, consigo ver que ele morde o lábio. Sim... Sim... Eu precisava sentir Jungkook. Eu o beijo... ele me beija com desespero, e suas penetrações fortes e profundas dentro de mim me fazem gritar de puro prazer. Meu corpo o recebe com gosto... E eu quero mais! Eu solto gemidos e gozo. Estou feliz. Muito feliz e não quero pensar em mais nada enquanto deixo ele me comer como gosta. Como nós gostamos. Selvagem e possessivo. Após várias estocadas fortes que me dão a sensação de que ele vai me rasgar por dentro, Jungkook se joga para trás e solta um grunhido. Deixa sua cabeça cair sobre meu ombro e, por alguns minutos, nós dois permanecemos apoiados ali.

— O que você está fazendo aqui, Jungkook?

— Estava morrendo de vontade de ver você de novo.

Seu comentário me faz fechar os olhos. Adoro ouvir isso, mas não entendo por que ele não veio me ver antes. Por fim me beija e seguimos para o banheiro para nos limpar um pouco antes de sair da casa do meu pai entre beijos e risadas. Ele me sugere que a gente vá almoçar em algum lugar e, ao chegarmos à sua espetacular moto, pergunto:

— É sua?

Não responde. Dá de ombros e me entrega o outro capacete.

— Você tem medo?

Coloco o capacete que ele me dá.

— Medo não, respeito.

Jungkook sorri. Sobe na moto e partimos.

— Segure em mim com força. Se você tiver medo em algum momento, me avise, ok?

Concordo num gesto.

Eu o oriento pelas ruas de Busan e almoçamos num restaurante de uma amiga do meu pai. Ao me ver entrar tão bem acompanhado, ela pisca para mim e nos conduz até a melhor mesa da casa. Logo me enche de beijos e reclama por eu aparecer tão pouco, enquanto observo que Jungkook digita alguma coisa no celular. Quando acaba com os beijos e queixas, ela nos entrega o menu.

Ela se afasta, e Jungkook olha para mim e estende mãos por cima da mesa para pegar as minhas. Não dizemos nada. Apenas nos olhamos até que ele rompe o silêncio:

— Sou um babaca.

— É mesmo. Com certeza.

Seu comentário me confirma que ele recebeu meus e-mails.

— Quero que saiba que seu último e-mail me deixou louco de raiva.

Solto suas mãos.

— Você mereceu.

— Eu sei...

— Fiz o que você me pediu. E, como seu detetive não podia me espionar dentro do quarto, resolvi fazer isso eu mesmo.

— Reconheço que errei, mas não gostei do que vi.

Isso me surpreende. Me recosto na cadeira.

— Não gostou de me ver transando com outro?

Jungkook me encara. Seu olhar está sombrio.

— Não, porque eu não estava participando.

Não quero confessar que para mim ele estava, sim, na imaginação.

— Você me desculpa?

— Não sei. Tenho que pensar, Iceman.

— Iceman?!

Sorrio, mas não comento que foi Jackson quem colocou esse apelido nele.

— Tua frieza às vezes te transforma num homem de gelo. Iceman!

Faz um gesto concordando. Fica me olhando e exige que eu lhe dê a mão de novo.

— Peço desculpas por não ter te procurado esse tempo todo. Mas acredite em mim: eu estava muito ocupado.

— Por que não podia me ligar?

Ele pensa... pensa... pensa e, por fim, parece encontrar uma resposta:

— Prometo que da próxima vez eu ligo.

Tento fazer cara de emburrada. Não me respondeu, mas não consigo ficar bravo com ele. Estou tão... tão feliz por ele ter vindo até aqui e por estar ao meu lado que só consigo sorrir como um bobo e aproveitar a felicidade. Meu celular toca. É Markson. Jungkook vê o nome que aparece no visor.

— Pode atender, se quiser.

— Não... agora não. — Desligo o celular.

A comida estava uma delícia. Quando saímos do restaurante, consulto o relógio. São 16h15. Então me lembro de que marquei de encontrar meu pai às cinco.

— Você tem vontade de conhecer o circuito de Busan?

Jungkook me aproxima dele e sussurra perto da minha boca:

— Pequeno, vontade mesmo eu tenho é de outra coisa. Vamos, aluguei um chalé que...

— Alugou um chalé?

— Sim. Quero estar perto de você.

Sua proximidade, sua voz e sua sugestão me fazem suspirar. Fico querendo correr para esse chalé, mas não. Não vou fazer isso, por mais que a ideia me seduza. Não.

— Combinei com meu pai às cinco no circuito. O que acha de conhecer ele?

— Conhecer seu pai?

— É. Meu pai. Mas pode ficar tranquilo, ele não tem nada contra homens que andam com seu bebê!

Meu comentário o faz sorrir. E, após me dar um tapinha, me entrega o capacete.

— Vamos conhecer seu pai.


Notas Finais


Continua....


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...