História Quando Me Mudei - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Tags Lemon, Nico, Nill, Solangelo, Wico, Yaoi
Visualizações 36
Palavras 1.499
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Romance e Novela, Slash, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


CAPÍTULO MUSICAL

Eu realmente preciso de comentários pra saber se vcs querem mais capítulos com música assim.

EU ia fazer eles dançarem, mas ia ser estranho kkk

A música que eu usei foi "Lovely Night" de "La La Land"

COMENTEM

twitter: @khuscatoff

Capítulo 5 - Linda Noite


Eu estava tão entusiasmado para o festival, não sabia por que, nunca gostei de ir em festas ou lugares que tem muita gente. Posso explicar porque: Nas festas, todo mundo já beijou todo mundo, estão todos bêbados e falam cuspindo, estão suados e ficam passando a mão imunda deles em você. A comida é uma merda e não há um quarto nas festas em casas em que eu possas ficar que não tenha alguém transando lá dentro. Em festa em lugares públicos, eu tenho que esperar chegar em casa pra ir no banheiro, pois o banheiro desses lugares são tão sujos que você pega AIDS só de respirar lá dentro; você entra no banheiro, pronto, sinto muito, você tem AIDS. Eu prefiro mil vezes ficar acomodado na minha cama, tomando um pote de sorvete só pra mim enquanto atualizo minhas séries na Netflix. Muito mais legal, muito mais seguro e eu não pego AIDS. 

Eu estava quase pronto para o festival, mas eu não conseguia achar meu outro lado da bota preta e surrado que eu sempre usava. Pode-se dizer que meu quarto era uma completa bagunça. Eu jogava roupas para o alto procurando pelo bendito sapato, procurar por aquilo já estava me enfurecendo. Eu não o achava em lugar nenhum. 

Saí do quarto procurando pela casa o Sapato Desaparecido, e lá estava ele, de baixo do sofá, sorrindo para mim com uma cara de "Achou!". Não Nico! Sapatos não têm cara! Mas se tivessem, ele estaria sorrindo assim. 

Sem muita demora, calcei a bota e peguei meu celular. Me despedi de Sally que me ignorou com sucesso, pois estava muito ocupada trabalhando, e desci para o Hall do prédio à espera de William. Sentei no sofá do hall jogando aqueles joguinhos difíceis da Ketchapp cujo eu não suportava perder. Eu já estava na minha terceira tentativa de empilhar a maldita torre, que só ficava menor, quando a tela do jogo teu lugar À uma ligação. Uma ligação de William. 

Eu travei, não atendi de primeira, estava em pânico. Por que? Eu não sei! O celular vibrava na minha mão e eu apenas o encarava descaradamente. Algo invadiu meu coração repentinamente, tristeza. A foto de perfil dele no meu celular era ele sorrindo e só foi ali, sentado naquele hall, que eu vi que o sorriso de William era idêntico ao sorriso de minha mãe. Minha falecida mãe. 

O celular continuava a vibrar em minha mão, eu estava tremendo de nervoso lembrando-me de meu passado. Minha mãe falando de como eu era o menino mais feliz da vila. Essa felicidade tinha es esvaziado de mim quando me mudei para Nova York. Eu tentei, tentei nesse último ano letivo ser mais alegre e feliz, mas geralmente não dava certo. Ninguém conseguia passar um dia comigo sem levar uma patada ou ser mal tratado por mim. Eu era frio por dentro. As únicas pessoas que eu me aproximava era o meu grupo de amigos, os únicos que já tinha me visto chorar pelo menos uma vez. Eu não gostava de todos eles, é claro (cof cof Leo cof cof), alguns eu tinha apenas que suportar (cof cof Frank cof cof) e outro es tinha que olhar na cara todo o dia (cof cof Percy cof cof). Mesmo com eles, eu ainda era uma pessos fechada e meio fria, chrgava até ser meio grosso e antipático com eles. Eu sou assim. 

Esses pensamentos rodearam minha mente até que alguém pôs a mão no meu ombro perguntando se estava tudo bem, levantei os olhos marejados logo me assustando com quem estava alí. William Solace. 

Fiz que sim com a cabeça em resposta a sua pergunta e enxuguei os olhos, ele sorria preocupado para mim. 

"Como você entrou aqui?" perguntei realmente curioso enquanto me levantava e guardava o celular no bolso 

"Seu porteiro te viu, me viu lá fora e me deixou entrar" ele sorriu pra mim me guiando para fora do prédio "Está tudo bem mesmo?" 

"Sim" menti balançando a cabeça " Foi só um pequeno pensamento que me abalou, mas eu estou bem"

Ele sorriu como se acreditasse na resposta e me deu um capacete. Eu estranhei de início mas logo eu vi sua moto. Eu nunca havia andando de moto na minha vida, eu achava aquilo assustador. Eu sempre dizia, a vida era muito mais sugara sob quatro rodas. Mas fazer o que? Ele subiu na moto e eu fui logo atrás dele me segurando, apavorado, em sua cintura. (E que cintura!) Ele acelerou e eu me segurei mais forte nele. Will parecia um cara legal, a gente conversou durante esses dois dias que ele havia me convidado pra sair. Muitas vezes, no telefone, tive que me controlar para não agir como uma babaca escroto. 

Quando chegamos ao festival, percebi que não era tão ruim assim a musica que tocava. Era até que aconchegante ficar alí ouvindo o gosto musical de Will. Este, por sua vez, me tratava de uma maneira especial, era fofo e carismático, mesmo eu sendo frio com ele. Ele soltava comentários agradáveis sobre minha roupa e até disse que e era bonito. Pois é, Will deve ser míope ou tem de ser internado pra ontem. 

Eu não me lembro muito bem o que aconteceu naquela noite, lembro da gente tomando sorvete e de Thalia me ligando. Mas a parte daquela noite que mais me lembro foi quando a gente cantou.

Eu e Will estávamos brigando de como eu achava Pop horrível e ele achava Rock barulhento, Eu estava com raiva, pois eu realmente havia gostada de Will, de uma maneira que eu nunca tinha gostado de alguém. Ele havia me deixado alegre depois de tanto tempo comigo repreendendo minhas mágoas dentro de mim. Ele fazia eu me sentir bem, fazia com que eu quisesse me sentar ao lado dele e passar a tarde conversando e tomando sorvete. Eu gostava de Will, da presença dele, de como ele me olhava com aqueles olhos azuis cor do céu de verão, aquela pele bronzeada e aqueles cachos dourados... Não! Eu não podia me apaixonar por Will. Não podia deixar-me entregar naquela imensa ilusão. 

Amor não existe, o que existe é ilusão. 

Enfim, a gente havia desistido de brigar, caminhávamos em direção à sua moto, lentamente, o sol estava se  pondo. 

The sun is nearly gone. The lights are turning on. A silver shine that stretches to the sea” sua voz sai calma e serena "We've stumbled on a view. That's tailor-made for two. What a shame those two are you and me"  

Ele realmente disse isso?! Mas que...

Some other girl and guy. Would love this swirling sky. But there's only you and I. And we've got no shotentão ele se virou pra mim quase me fazendo bater contra seu peito  “This could never be. You're not the type for me

"Really?" retruquei irritado

"And there's not a spark in sight. What a waste of a lovely night” terminou ele

Eu respirei fundo e retruquei 

"You say there's nothing here? Well, let's make something clear. I think I'll be the one to make that call"

"But you'll call?" perguntou 

"And though you looked so cute. In your polyester suit

"It's wool" retrucou

You're right, I'd never fall for you at all. And maybe this appeals. To someone not in heels. Or to any ‘boy’ who feels. There's some chance for romance” pausa  “But, I'm frankly feeling nothing

"Is that so?" resmungou

"Or it could be less than nothing?"

"Good to know. So you agree?"

"That's right!" claro que concordava

"What a waste of a lovely night" ambos cantamos ao mesmo tempo 

No fim da música, ficamos de frente um para o outro, bem proximos, ele se aproximou mais olhando para os meus lábios, eu olhei os deles e uma vontade estranha de beija-lo me percorreu. Mas então lembrei daquele verso dizendo que eu não fazia o tipo dele e me afastei. Peguei meu celular e liguei para Percy

"Percy" soou como Pershi novamente "Pode vir me buscar?

Percy disse que logo logo estaria ali, não falei com Will desde então, Percy chegou, entrai no carro. Will tentou conversar comigo, mas eu não respondi suas mensagens. Lembro de chegar em casa, deitar na minha cama e ficar pensando em mil e uma coisas, uma delas era: Por que diabos que querida beijar o Solace? Eu não posso amar, esse negócio de amor não existe. 

Eu fiquei pensando em seu sorriso, de como lembrava minha mãe, e de sua bela e afinada voz que perto da minha, era a voz dos anjos. Mas, ele sendo assim, um coisa tão carismática e fofa, como ele pôde cantar uma coisa dessas pra mim. Ele nunca gostaria de mim, era isso que ele estava me insinuando? Mas por que eu estava me preocupando com isso, por que eu me importava se ele gostasse de mim. A gente mal era amigos, certo? Certo. 

William Solace me deixava confuso

Eu não vou me entregar à isso...


Notas Finais


Link da Música: https://www.youtube.com/watch?v=SKDnPGD8CIw

TRADUÇÃO:
"O sol quase desapareceu. As luzes estão ligadas. Um brilho de prata que se estende para o mar "sua voz sai calma e serena" Nós tropeçamos em uma visão. Isso é feito sob medida para dois. Que pena esses dois são você e eu "
Ele realmente disse isso ?! Mas que ...
"Outra menina e cara. Adoraria esse céu turbilhão. Mas só existe você e eu. E nós não temos nenhum tiro "então ele se virou pra mim quase me fazendo bater contra seu peito" Isso nunca pode ser. Você não é o tipo para mim "
"Mesmo?" Retruquei irritado
"E não há uma faísca à vista. Que desperdício de uma linda noite" terminou ele
Eu respirei fundo e retruquei
"Você diz que não há nada aqui? Bem, vamos deixar algo claro. Eu acho que eu serei o único a fazer essa chamada"
"Mas você vai ligar?" perguntou
"E, embora você parecesse tão fofa. No seu terno de poliéster"
"É lã" retrucou
"Você está certo, nunca me apaixonaria por você. E talvez essa paisagem. Para alguém que não está de salto. Ou a qualquer "garoto" que sente. Há algumas chance para o romance "pausa" Mas, eu sinceramente não sinto nada "
"É assim mesmo?" resmungou
"Ou pode ser menos do que nada?"
"É bom saber. Então você concorda?"
"Está certo!" claro que concordava
"Que desperdício de uma linda noite" ambos os cantamos ao mesmo tempo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...