História Quando menos se espera... - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Luan Santana
Personagens Luan Santana, Personagens Originais
Visualizações 49
Palavras 1.289
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura! 💙✨

Capítulo 19 - Estava com saudades!


Fanfic / Fanfiction Quando menos se espera... - Capítulo 19 - Estava com saudades!

{ Mariana }

Depois de contar a verdade sobre a minha gravidez para o Luan, nossa amizade só fortaleceu, assim como a minha amizade com Bruna. Nos víamos quase sempre, e passei a ter dona Marizete como uma segunda mãe.

Essa aproximação me deixava muito feliz, havia formado uma segunda família, e agradecia a Deus por isso.

Voltei a minha rotina exaustiva de trabalho, com muita coisa pra fazer, mas tudo dando certo. Entre umas reuniões e outras, projetos eram colocados em prática, e a cada dia eu ganhava mais pontos com as fãs do Luan, que já me enchiam de mensagens, com o que elas desejavam de melhoras.

O dia passou normalmente, conclui algumas ideias, e surgiram novas, mas teria tempo de sobra para por em prática.

Estava na saída do trabalho, a caminho do estacionamento para que pudesse finalmente ir para casa, quando o meu celular toca, fazendo com que eu procurasse o mesmo na bolsa. Ao encontrar, vejo na tela o nome do cantor.

(Ligação On)

- Alô? - digo ao atender.

- Oi Mari! - ele diz, e escuto um riso bobo do mesmo.

- Oi Luan, você está bem? - questiono.

- Na correria de sempre, né? E você, está bem?

- Estou bem sim! - sorriu.

- Anda comendo direitinho, né? - ele ri.

- Sim, estou tomando os remédios direitinho, e andando com marmita de salada pra todos os lugares! - riu.

- Isso mesmo, você tem que se cuidar, o bebê precisa que você fique bem! - o tom de preocupação surgiu.

- Não precisa se preocupar, tô me cuidando! - riu.

- Vou acreditar em você! Liguei só pra saber como você está mesmo, já que não sei quando vou voltar pra casa. - ele diz.

- Agenda tá lotada? - digo rindo.

- Super, graças a Deus! - ele ri - mas assim que possível eu volto, e vou acompanhar você nas suas consultas! - ele completa.

- Como sabe das minhas consultas? - pergunto curiosa.

- Tenho uma espiã cuidando de você! - ele dá uma risada gostosa.

- Êh Bruna! - riu.

- Vou desligar agora, se cuida, tá?

- Tá bom, tchau!

- Beijos, fica com Deus!

- Amém, você também! - ao finalizar a frase, o cantor desliga a chamada.

(Ligação Off)

[...]

Os dias se passaram rapidamente, e só fui perceber a rapidez em que o tempo passava, quando o mês de outubro chegara. Era o mês do meu aniversário, e também completaria 3 meses de gestação, e com isso vieram as consultas marcadas para a avaliação do meu bebê.

O dia da minha primeira consulta a minha ginecologista, que agora se transformará em minha obstetra, havia chegado. Estava muito ansiosa para que pudesse ver o meu grãozinho, sei que não daria pra ver muita coisa, mas já seria o suficiente para que eu pudesse ficar mais tranquila.

De última hora, Bruna me informou que não poderia ir comigo até o consultório, o que me deixou triste, pois estive compartilhando toda a minha ansiedade com ela. Sem contar que seria ótimo ter uma companhia.

{Luan}

A minha agenda estava sempre muito lotada, mas por sorte consegui uma folga para ir para casa, que coincidentemente era no mesmo dia da primeira consulta de Mari. Combinei tudo com Bruna, para que pudesse fazer uma surpresa para Mari, e ainda poder ver o bebê através da ultrassonografia.

Cheguei em casa bem cedo, por volta das 7h dá manhã, e a casa estava em silêncio, dando indícios de que ainda dormiam. Fui até a cozinha e comi um singelo sanduíche, pois minha barriga roncava de tanta fome.

Subia as escadas para colocar as malas da viagem, e me deparo com minha mãe saindo do quarto.

- Oi meu filho, chegou cedo! - ela vinha em minha direção.

- Benção mãe! - sorri e a abracei.

- Deus te abençoe, filho! Você quer comer alguma coisa? Daqui a pouco já tem que sair de novo! - ela disse acariciando levemente os meus cabelos.

- Comi um sanduíche agora pouco, vou guardar essas malas e já desço pra comer mais um pouquinho! - riu.

- Tá bom, vou aprontar as coisas então! - ela concluiu, e desceu as escadas.

Não demorou muito para que fosse de encontro com minha mãe na cozinha, conversamos por bastante tempo, até dar a minha hora de ir a encontro de Mariana. Eu estava ansioso por algum motivo, queria ver aquele bebê, saber se ele estava realmente bem, para que eu pudesse dar um suspiro aliviado.

Todo esse meu receio deve ser por conta da história da gravidez, Mari já sofreu de mais, e posso imaginar tamanha dor que sentiria caso seu filho tivesse algo.

Pelo que eu entendi, a ultrassonografia que a Mari iria fazer hoje, iria mostrar tudo, e também poderia mostrar alguma deficiência ou doença, mesmo que o feto ainda no útero. Fico admirado em como a tecnologia é maravilhosa, não sabia da existência desses exames, mas já estou encantado com todo esse universo.

Por algum motivo, Bruna combinou com a médica que não iriam revelar o sexo do bebê naquela consulta, segundo ela, iria fazer um tal de "chá revelação" onde todos iriam saber juntos. E ela iria logo em seguida para o consultório, pegar o resultado do exame, para que pudesse planejar todo o chá.

Decido de última hora passar no shopping, indo até uma loja de bebê, e comprando um pequeno par de sapatinhos brancos. Depois disso, sigo de carro até o apartamento de Mari, onde o porteiro deixou que eu passasse direto, sem interfonar para a dona do apartamento.

{Mariana}

Estava em casa me arrumando para que pudesse ir para a consulta, quando escuto a campainha tocar, e acho estranho, tendo que o porteiro não interfonou para informar. Vou em direção a porta, fazendo um coque cheio em meus cabelos, já que ainda estavam bagunçados. Abri a porta e dei de cara com Luan, segurando uma caixa de presente.

- Luan? - sorriu, surpresa.

- Mari, estava com saudades! - ele me abraça.

- Saudades também - sorriu - quando você chegou? O que está fazendo aqui? - riu.

- Cheguei hoje cedo, e vim pra cá pra te acompanhar na sua primeira consulta! - ele diz alegre.

- Sério? Ai meu Deus! Entra! - digo dando espaço.

- Convenci a Bruna de vir no lugar dela, eu disse que tentaria estar presente! - ele sorriu, se sentando no sofá.

- Eu achei que fosse brincadeira! - ri.

- Toma, comprei um presentinho! - ele diz me entregando a caixinha.

- O que é isso? - questiono.

- Abre! - ele riu.

- Aí meu Deus, que fofura! - digo olhando o lindo par de sapatinhos de crochê.

- Eu comprei branquinho, pq não sabemos o sexo ainda! - ele sorriu, me olhando.

- É o primeiro presente do bebê, obrigada Luan - o abracei.

- Não precisa agradecer! - ele sorriu.

- Eu vou terminar de me arrumar pra gente ir, pode ser? Se quiser, pode vir junto! - digo caminhando em direção ao meu quarto, e ele vem logo atrás.

- Já pensou onde vai ser o quartinho? - ele questionou, andando atrás de mim.

- Tá muito cedo pra pensar nisso ainda, mas vai ser nesse quarto em frente ao meu! - aponto para a porta do quarto.

- Tá ansiosa pra saber o sexo? - ele questiona me olhando pentear o cabelo.

- Tô um pouco, na verdade não me importo com o sexo, vindo com saúde já vou estar bem feliz! - sorriu.

- Se Deus quiser, tá tudo bem com ele! - e depositou a mão levemente em minha barriga, me causando arrepios, e ele deu um leve sorriso

- Vamos embora logo! - digo rindo.

- Vamos, tô louco pra ver o bebê! - ele sorri.

Fomos o caminho todo conversando, Luan era um poço de amor e carisma, e me encantava cada vez mais. Por um momento o nervosismo de ser diagnosticado algo no meu bebê sumiu, eu estava bem, e Luan me confortava.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...