1. Spirit Fanfics >
  2. Quando meu tempo voltou a ter sentido(Gu family book) >
  3. Capítulo 7-Jantar

História Quando meu tempo voltou a ter sentido(Gu family book) - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Oi caros bebês!Nesse capítulo não coloquei música,mas apartir do próximo com certeza eu trarei uma bem legal para vocês!!

Esse capítulo saiu bem maior do que os que eu costumava postar Wow até eu me impressionei 😆

Ah e desculpem qualquer erro. Tem umas coisinhas que passam despercebidas na hora da revisão hehe

Capítulo 8 - Capítulo 7-Jantar


Fanfic / Fanfiction Quando meu tempo voltou a ter sentido(Gu family book) - Capítulo 8 - Capítulo 7-Jantar


🅐🅝🅖 🅒🅗🅘

Eu havia acabado de sair de uma videoconferência entre os gerentes gerais dos hoteis pertencentes a rede de hotéis dos d

Cem anos com os das cidades em torno de Seul,daqui há alguns dias eu terei com as cidades que nao haviam participado da reunião de hoje.

Queria me atentar as diversas necessidades existentes em cada um. Evitar ao máximo negligênciar algum longe disso!

Era de minha responsabilidade manter todos em ordem por mais que a quantidade de hospedarias certo modo fosse alta.

Desejava que o senhor Park de onde quer que esteja,estivesse tranquilizado ao saber que o valioso reflexo de seu trabalho continuava vivo e progredindo a medida que o tempo passasse.

Planejei de visitar as hospedagens onde os gerentes precisavam de minha maior cuidado.

Era para ser um dia comum em minha rotina.

Assim que a reunião se encerrou peguei um café no andar de baixo, permitindo vagar por alguns instantes em pensamentos

Automaticamente uma ambientação antiquada é recriada ao meu em torno,desligado do exterior.

Dei de ombros tornando a saborear meu café enquanto observava o cenário formado pelas memórias,já tão falhas.

Daqui a pouco o moleque delinquente de sobretudo vermelho e um coque meio mal feito reapareceria,tratei de explorar as laterais,porém,o rapaz sorridente surgiu sem aviso prévio.

-Que susto,caralho.

O rapaz riu em reposta.

-Oi pra você também.

Revirei os olhos

-E as novidades?Foi com esse próposito que me chamou,né?-Disse recostando na superficie lisa da parede na qual eu também me apoiava.Cruzou os braços e ergueu a cabeça para o alto.

-Nossos amigos reencarnaram. Tae Sao,Chung Jo,o nosso pai o senhor Choi e Yeo Wool também.-Baixei o olhar para encarar a goticula de café no centro da xícara.

-Isso é ótimo!As coisas podem recomeçar e dessa vez não terá tantas tragédias!-Mencionou com um olhar brilhante e uma enorme empolgação,mas vejo a animação decair quando me encara.-Por que...?É uma ótima notícia...por que está triste?

-Não estou!Eu compreendo o quão bom isso é,mas emocionalmente...me sinto inseguro ,exausto,minhas costas parecem doer?Como assim?

-Calma AJusshi tá muito nervoso.

-Quem você chamou de Ajusshi,seu moleque!Eu continuo com essa aparência há séculos!Inclusive tô muito mais estiloso é bonito,o passar dos anos me fez ter bom gosto.

Inesperadamente ele continua rindo dos meus comentários, aquilo faz eu fitá-lo mais atentamente,reparar no vigor exalado por aquela versão minha de legitimos vinte anos.

-O que foi?- quis saber o garoto notando meu cenho franzido o estudando.

-Nessa idade...eu era mais feliz e apaixonado,invejo isso.

-Inveja de mim?-cortou minha reflexão-Que bobagem!Como ter inveja de você mesmo?

-Tem razão. Mas parece que estou perdendo as raizes...usmuro tristemente apertando a xícara.

-É impossível perder a essência,Ajusshi,a diferença entre nós dois é que você está mais preparado. Você se sente frágil porque reconhece que não é invencivel mesmo na nossa condição,mostra que temos humanidade,que somos quebráveis assim como eles.

-Cara.-prolongo a última sílaba em surpresa.-Quanta sabedoria

Estou aprendendo lições de vida com meu Eu mais jovem?O mundo dá mesmo voltas!

-Só estou falando em voz alta suas crenças mais profundas,nada demais.-coçou a nuca encabulado.

-De nada tá legal?-anunciou cruzando os braços.

-Valeu...?

-Se quiser passar um tempo é só me chamar,agora eu preciso fuhir de uma galera nada satisfeita comigo.-Acelerou os passos até estar correndo.-Tchau Ajusshi!

Queria entender o porquê dessa palavra me incomodar tanto.

-Ya não me chame assim!-gritei irritado vendo o desaparecer no horizonte.

Sacudindo um pouco a cabeça o cenário se desfaz ,retorno para o mundo cotidiano.

Inesperadamente um cheiro ,cheiro de sangue invadiu minhas narinas e de imediato eu reconheci.

Não era literalmente cheiro de sangue ,era mais um modo que encontrei para usar como comparativo.

Um elemento ,símbolo de vida . Quando captava esse aroma específico em uma pessoa não mostrava um bom sinal.

Aquilo despertava uma raiva primitiva e descontrolada das profundezas de meu ser.

Quem carregava o cheiro na alma trazia consigo a mensagem de que tal individuo cometera uma quantidade alarmante de crimes contra a humanidade.

Como se carregasse um letreiro gigantesto sugerindo "cautela".

A resposta atribuida no racional.

No caso do emocional significava

perigo !

perigo !

Eu já disse perigo?

O que me deixava mais puto era saber a quem pertencia o alarme inaudivel.

Um tiro certeiro.

Jo Kwang Woong

Não era impossível.

Mas espero.

Estou torcendo que eu esteja enganado!

Pois se meus instintos acertarem...

É só o que me faltava!

Esse desgraçado ter retornado.

Segurei uma das laterais do meu rosto cobrindo os rastros de uma quase transformação.

Esse cheiro tá me tirando do sério!

Abandonei meu sossego,caminho tempestuoso. A natureza ao redor estremece ao perceber meu estado de espirito alterado.

Você também é humano não seja impulsivo desse jeito!

Não faça nenhuma merda que não possa consertar!

Não entregue de bandeja a Kwang Woong a reação prevista!

Peguei as escadas de emergência ja que ninguém normalmente as usava, assim eu não correria riscos.

Subi os degraus utilizando os como associação psicológica afim de recuperar a calma,momentaneamente a ideia funcionou.

Adentrando o andar , um dos andares mais tranquilos por assim dizer.

Fiz questão de não interromper essa paz ,mas a certo ponto na caminhada cautelosa meus pés pesaram ,o cheiro cada vez mais próximo , ateando ainda mais meu instinto predatório.

O rastro de Kwang Woong começou a desaparecer e com ele foi se esvaindo tensão em minha musculatura.

Assim podendo me esconder e ver finalmente a nova cara daquele filho da puta.

Vejo a figura alta , magra, dos óculos quadrados de Sik Woo.

Estreito os olhos acompanhando o percurso apressado feito pelo por Kwon no corredor. Claramente sabia que estava sendo vigiado e por isso se adiantava.

Estava entre deixá-lo ir ou seguí- lo ,nisso optei pela segunda opção. Alcancei o recepcionista e junto dele desci no elevador.

Ele disfarçava com muito esforço o comportamento de quem recentemente deu de caras com uma assombração.

-Está tudo bem Kwon?Parece que viu um fantasma.-pergunto não tão interessado em seu bem estar ,mas em arrancar algo que comprovasse minha teoria.

Todavia algo em mim o fez reagir de um modo como se tivesse se assustado.

De repente saltou para o lado.

As engolidas em seco faziam juz a reação

Sinceramente nâo faço ideia de o que o aterrorizara tanto.

-Ando vendo muitos ultimamente.-respondeu fixando um olhar perplexo ao encontro de onde eu estava.

Aquela resposta foi bem inesperada me arrancando um sorriso.

O rastro se anulara completamento quando ele havia entrado no elevador.

Mesmo assim o acontecimento não refutava nenhum pouco as minhas suspeitas dele.

Estaria bem mais atento.

O mesmo passara o dia esquivando-se de mim.

O que ele vira eu supunha e sabia que só poderia ser isso a ter dado tanto medo.

Acredito que viu meu outro eu.

Provavelmente não me controlei perfeitamente.

Posso ter permitido que ele veja sem querer.

Estranho.

Estava certo de que eu não havia mudado

Como ele saberia?

A não ser que...estivesse lembrando.

Uma ligação corta meus pensamentos, é Ye Jin. Atendo a chamada adentrando ao escritório.

-Oi Kang Chi. Espero que não esteja ocupado.

-Não, não pode falar.

-Queria convidar você e o meu primo idiota...quer dizer Jin Wook para virem jantar aqui conosco.

-Conosco?

-Exato. Vou apresentar a vocês meu namorado.

-Wow finalmente.

A tantos meses que ela fala desse novo relacionamento e nunca chegavamos a conhecê-lo. Até que enfim.

-Parei com os mistérios,né?

-Quando vai ser?

-Na sexta as sete e meia tudo bem para você?

-Combinado. Vou dizer para ele.

-Ei , como você está?

-Na medida do possível,mas acho que estou me recuperando.

-Desculpa não poder te ajudar ,eu realmente não sei o que fazer no seu caso.

-Nossa não fiquw se preocupado comigo eu consigo me virar,ok estaremos lá

-Espero por vocês.

Estava preparado para contar agir como menino de recado e contar a notícia a Jin Wook. Quando comentei sobre o tal do convite parecia desanimado em seguida explicou o motivo.

Naquela mesma noite iria passar junto dos pais por tê- lo convidado primeiro,fora que fazia um tempo que eles não se viam.

A chateaçao de Park deveria ser amena afinal não existia modos de agradar a todos ao mesmo instante.

Ao citar seus pais bem...observava se um imenso desconforto por parte de Park.

Algo que eu nunca o vi ter pelo casal,mas de uns tempos para câ isso vem sendo bem perceptivel.

Não possuia as conclusões mais afiadas porém possuia minhas dúvidas.

Resolvi evitar insistir no assunto, muito menos perguntar o que estava acontecendo.

Considerei a melhor opção.

Caso contrário a atitude abalaria a fragilidade do momento.

Mudamos o rumo da conversa dali em diante.

(...)

A sexta foi uma tremenda de uma surpresa começando pelo fato de ter encontrado Yeo Wool vindo em minha direção nas proximidades ao prédio de Ye jin.

Dessa vez ela quem me notou primeiro ao longe por incrível que pareca.

Uma coincidência inesperada hein?

Mas nem pense que estou reclamando, por mim o destino,os Céus ou qualquer entidade aliada pode continuar criando esses encontros inesperados.

Eu agradeceria muito.

Ao seu lado vinha um cara trajando roupas escuras e com um topete parecido com aqueles que os Idols masculinos usam

Ou era um amigo ou um colega de trebalho.

O rosto dele me lembrava muito alguém...alguém que me dava nos nervos antigamente ,mas depois de conhecê-lo descobria que era um cara bacana com um enorme senso de responsabilidade e aquela coisa de segurança particular.

Ah

Lembrei

Não acredito em quem estou vendo.

De rosto muito parecidos

A voz iria confirmar tudo

--Oi Kang Chi. Surpresa te encontrar aqui.

-Também achei.-sorri-Estou indo visitar uma amiga nesse apartamento. E quanto vocês?

-Também vim por causa de uma amiga,já o... a propôsito esse é o meu parceiro de investigação,Suho.

O de preto se aproxima para me saudar.

-Im Suho. Prazer

A voz de Gon...

Fiquei impressionado com sua atitude

Se fosse o Gon de antes apenas me daria um olhar desconfiado ,amistosidade? Nem se fala! Passaria bem longe.

Este como sua versão anterior era sério e não era de perder tempo com palavras ,no entanto parecia ser um pouquinho menos desconfiado, até sorriu de leve ao me cumprimentar.

Um sorriso contido, caracteristico de pessoas reservadas. Recebi o aperto de mãos meio encabulado fazendo o erguer uma sombrancelha e retornar a posição original.

Não sei se quando você conhecia policiais pela primeira vez eles tinham uma mania de ler cada movimento e expressão sua.

Provavelmente.

Acho que virou um costumo deles.

De Yeo Wool não recodo de ter recebido essa atenção prolongadamente ou pelo menos não percebi tanto por causa da animação em revê-la

Mas dele eu frequentimente me sentia observado.

A sensação era mesmo desagradável.

No percusso pelo prédio Suho se manteve extremamente calado dava quase para pensar que o de topete não estivesse ali.

-Coincidência maior se nossas amigas forem a mesma pessoa.

Aquele comentário parecia sugestivo demais.

Eu duvido que Yeo Wool nâo soubesse das nossas amizades em comum.

Já tava bem na cara a muito tempo.

Mesmo assim não quis ser tão direto na resposta.

Acho que nao seria uma boa escolha.

-Seria uma grande coincidência.-falei.-Sem dúvida

paramos na frente da porta respectiva do apartamento de Ye Jin , toquei a campainha,

logo fomos recebidos pela mesma

-Oi pessoal!Que bom que vinheram. Oi vizinho-acenou referindo-se a Gon ,o outro fez uma curta reverência.

Vizinho?

-Eu preciso ir.-Avisou Suho para Yeo Wool quase saindo. foi quando Ye Jin interrompeu sua fulga.

-Por que não se junta a nós?-convidou encostando-se na porta querendo abrir passagem para nós.

-Desculpe eu preciso terminar algumas coisas...

-Não tem não.

Gon a encara nervosamente como se perguntasse o motivo dela ter estragado sua desculpa perfeita.

-Vamos?

Suho avançou alguns passos, mas a vergonha lhe impedia de caminhar mais rápido

-Com licença-dissemos os três em unissono criando uma atmosfera engraçada entre a gente.

-É uma pena que o Jin Wook. Não veio.-comentou Min dgitando a senha responsável por trancar a porta.

-Ele foi visitar os pais ele disse que falava contigo sobre assim que voltasse. Mas ele não me parecia bem...

Yeo Wool que se encontrava no meu lado esquerdo revela uma expressão corporal subtamente incomodo,aperta o antebraço por alguns segundos.

-Se vocês quiserem podem sentar no sofá ali da sala,fiquem a vontade.-Indicou Min apontando para a direção a ser seguida.

No momento em que ambos se dirigiram ao cômodo,nos deixando a sós. Ye Jin torna a falar.

Como assim?

-Não sei ao certo parece distânte dos pais,querendo evitar contato ,ao mesmo tempo, querendo estar com eles.-Expliquei

-Queria saber o que está havendo. Mas infelizmente ele não se abre.

-Isso me preocupa. -confesso acompanhando a na caminhada em linha reta.- Por que todo o mistério?

-Vai saber.-Min deu de ombros.

-Onde eu deixo isso.-Levanto as garrafas contendo Coca cola.

- Na cozinha,meu namorado está lá.-

-Está?-repeti meio encabulado.

-Não se preocupe vocês não são tão desconhecidos assim.-terminou mostrando um sorriso travesso,agora se dirigia para Yeo Wool e Gon.

Não tão desconhecidos

A frase martelaando dentro dos meus timpanos acentuando a ansiedade antes de conhecer o cara.

-Oi amigo onde eu posso colocar esse...refrigerante?-Me diriji a o homem que preparava as comidas com tanta perspicacia que parecia um mestre na arte culinária.

-Arregalei meus olhos quando se virou suavemente e informou.

-Pode deixar aqui no balcão senhor Choi.- Sinalizou no rumo do balcâo a mais ou menos um metro de mim.

-Kwon?-estreitei os olhos me asegurando de que não se tratava de nenhuma ilusão.

-Boa noite.

Que merda é essa?

Em um dorama a tela já paralisaria e logo viria um aviso de Continua no próximo capítulo.

(...)

-Olha Suho aqui tem video games. A gente pode jogar uma partida... Kang Chi!Tá bravo?

Sentei-me no sofá ao lado do que Suho estava.

-Eu tô chocado.-digo pausadamente.

Yeo Wool e Gon que me olhava de relance mostravam uma certa curiosidade.

Processando informações até 2060.

-O namorado de Ye Jin...

-Ele parece cozinhar bem,né?O cheiro alega isso.

Nesse lado eu concordo, porém deixei escapar o detalhe,o choque embaçou tal perspectiva.

-Ele trabalha no meu hotel e namora com minha amiga.-disse compassadamente aceitando gradualmente minha realidade.

-Opa. Deve ser impressionante mesmo.-Concordou apoiando uma das mãos sobre as coxas.

Gon continuo sem opinar prestava atenção mais no ambiente a volta como um gato procurando entender a nova moradia de seus humanos.

Claramente implorando para ir embora ,entretanto a indelicadesa o fazia repensar.

-Que tal dançarmos?-sugeriu Yeo Wool procurando tirar Suho de sua zona de conforto.

-Suho nega encolhendo-se um pouco no sofá.

--Karaoke?

-Piorou.

-Mas você é tão bom!

-Kang Chi vamos?

-Não sou muito bom,mas vamos!

Escutando aquilo pude perceber o lado competitivo do policial querendo se libertar,mas ele voltava a pensar novamente se era uma decisão indicada ou não. Enquanto perdia seu tempo decidindo como agir em seguida me aproximo de Yeo Wool e começamos a passear por variados tipos de desafios

Cantando músicas como New rules da Dua Lipa,Black Widow da Iggy Azaleia,Tonight tonight do Bigbang,Blueming da IU.

Yeo Wool ria das minhas reações em alguns trechos em que era a minha vez de cantar especialmente nas Inglesas.

A história irônica era que eu sabia me comunicar em outros idiomas. inglês,espanhol e Japonês

Francamente não sei te dizer qual me deu mais dor de cabeça para aprender,posso dizer que o tempo e as viagens deram uma acelerado no processi fora o meu forte interesse pela área linguistica. Mesmo sabendo esses idiomas e escutando as respectivas músicas ,eu não era de cantar muito,apenas quando gostava muito de uma buscava a letra e me esfoçava a aprendê-las,mas no geral curtia bem mais escutá-las. Até as do meu própio idioma eu errava,quer dizer aquelas de grupos com o conceito voltado para o Rap.

Muito rápido

Enrolava tudo.

Mas um ponto engraçado em ser um poliglota é entender exatamente o que está sendo abordado nas músicas.

Existe partes que eu gostaria de não entender...

Por isso admirava a ingenuidade de Yeo Wool em desconhecer algumas partes.

-Você entendeu o que acabei de cantar?

Comentavamos sobre a terceira regra de New rules.

-Eu entendi,essa parte eu peguei.-Sorriu maldosamente.

-Por que as situações tem que necesseriamente acabar em sexo?-Meu pensamento veio no tom de uma pergunta bem audível,me dei conta disso quando Suho respondeu sibilante.

-É uma ótima pergunta.

-A grande maioria das pessoas tem essa realidade. Os ocidentais expressam isso mais diretamente.-explicou Yeo Wool gesticulando.

O assunto estava prestes a se transformar numa espécie de debate a cerca da sociedade, queria ver o quanto um tabu tanto para mim como para muita gente virava um estudo complexo e profundo,as proesas admiráveis do século XXI era justamente transformar aspectos da realidade humana que raramente as pessoas possuiam coragem de discutir em sérios debates de nível intelectual.

Porém Kwon nos corta com o seu aparecimento.

-Percebi que vocês estavam cantando,uma pena que ninguém escolheu . Seria legal.-Houve uma pausa breve.- Bem vamos comer?

Na mesa nos selecionavamos a combinação mais atraente para cada um de nós,Ye Jin colocava toda

as bebidas sobre a mesa retângular ,por cortesia Kwon servia cada um,mas chegando na minha hora resolvi colocar eu mesmo.

Visualizava a maravilhosidade exaltada por cada comida,era fortemente tentado.

Como aceitar alimentos providos de alguém que você possui um desgosto danado?Poderia estar envenenada com suas intenções.

Agora eu estava delirando de verdade.

Coma e não pense nisso!

Essas ideias são surreais demais.

Não era só o cheiro,a textura o sabor uma das melhores coisas que já provei na vida.

-Que bom que gostou senhor Choi.-falou Sik Woo com um sorriso de satisfação.

Ergui meu o olhar franzibdo o suavemente afim de não ser o mínimo perceptível para os outros na mesa.

Nãi estrague meu momento seu idiota,ainda não confio em você,mas gosto de sua comida...Não pense que está ganhando pontos comigo!.

-Yeo Wool tem certeza que está bem para beber hoje?

-Relaza Suho!-Pediu ela confiantemente.-Estou bem!

-Melhor não forçar uma barra Yeo Wool.-recomenda Ye Jin.

-Gente eu tô bem!

Tentava entender ao certo do que estavam falando.

O que eles estavan querendo dizer?

Yeo Wool nâo estava num bom dia?havia passado por algo que eu desconheço? Ou tinha a ver com alguma doença momentanea que a impedia de beber bebidas Álcoolicas?

A preocupação na face de Suho me deixava inquieto da mesma for o de Ye Jin. Detestava estar por fora das conversas,especialmente quando vinha a incomodar as pessoas que me importo e eu não poder fazer nada a respeita.

A situação anterior e deixada de lado agora meu foco muda para Kwon que se achava agora na beirada da mesa oposta a minha.

Jogavamos um jogo de encaradas discretas lançadas um por outro,game over caso os olhares se encontrassem

Perdeu o medo rápido hein?

Analisava aquele cara ponto por ponto,queria derrubar a base matrz de toda aquela coragem,queria deixá-lo desconfortável de todos os modos,mas aparentemente ele não se destabilizava.

-O que vocês tem?-Questionoi Min seriamente.

-Nós?-conferi apontando para Sik Woo em seguida para mim .

O balançar de cabeça dela foi mais claro que palavras.

-Nada.-respondeu Sik Woo nivendo circularmenteos hashis na comida.-Certo senhor Choi?-Fitou-me pedindo por uma ação de concordância de minha parte.

Um sorriso torto se formou em meus lábios ligeiramente,porém disfarço o sobre um sorriso mais suav procurando copiar um tipicamente verdadeiro.

-Certo.

Claramente Ye Jin não se convencera de nada que falamos,mesmo assim não persistiu em descobrir.

Mais uma vez retornamos ao nosso joguinho de antes,contudo mantendo cautela em primeiro lugar.

Minhas fantasias eram basicamente eu quebrando seu pescoço no momento em que a face de Kwang Woong abandonar o corbetor de segurança e for ousado o suficiente para vir me enfrentar.

Censurei os pensamentos sem demora,não sei,mas ultimamente desconfiava do meu auto controle.

-Ye Jin onde fica o banheiro?-Quis saber Yeo Wool.

-Pega esse corredor e segue até o final.-Apontou para o corredor dentro da sala de estar..

Pede licença e segue o caminho orientado por Min.

Tem algo errado.

Talvez fosse impressão minha,mas os sinais no rosto de Teo Wool indicavam que algo estava estranho,voltei meu olhar para Suho que não parava de prestar atenção nela em sequer um instante.A atitude me deixava um tanto enciumado,mas naquele momento ele me daria pistas no objetivo de dar sentido e minha observação.

Bastante preocupado.

ez ou outra olhando para trás na direção do corredor.

Em torno de cinco minutos se seguiram,Gon não aguenta aguardar e adimito que estava meio inquieto também,porém foi esse que tomou a atitude de verificar se estava tudo bem.

Um bom momento para permitir minha audição romper as barreiras naturais. Acompanhei o diálogo deles.

-Eu pensava que estava bem,deveria ter te escutado.Odeio isso!-Murmurou a última frase tristemente

-Vou te levar para casa.

O silêncio reinou depois dali.

-Ye Jin pode abrir a porta por favor.-Pedi e recebi um aceno positivo de cabea de Min que se achava um tanto atordoada após a bebida.

-Não quer queu faça isso,meu bem?-Sik Woo ofereceu-se estando aparentemente mais sóbrio.

Sentia nojo ao vê-lo tão meloso com minha amiga, Kwon era falso em todos os sentidos,quando é afetuoso essa falsidade triplica.

Nem pense que continuará enganando Ye Jin por mais tempo!

Loho eu cuidarei de você!

-Não pode deixar eu vou.

Me retiro do local e sigo no rumo onde Yeo Wool e Suho estavam.

-Eu levo vocês.-ofereço me indicando para que me sigam.

-Você não tinha bebido?-indaga Suho.-indaga cismado

-Quase nada. Estou são.assegurei seguindo para a saida

Eu bebi a quantidade exata que uma pessoa comum precisava para perder os sentidos,mas devido a minha resistência incomum parecia que eu havia bebido simplesmente um suco qualquer,mas Gon observou isso bem tanto quanto Yeo Wool ,na verdade todos na mesa,naquela parte eu me descuidei,se Kwon suspeitava de algo apenas se confirmoun no entanto no estado de embriaguês que ele junto de Ye Jin se achavam a memória falharia.

No caso dos detetives bem...eles não tirariam a conclusão tão especifica quanto pensar que sou um ser humano diferente por não estar sob efeito de álcool. Ninguém atualmente acreditava nessas histórinhas místicas ou sobrenaturais,o céticismo desta geração me favorecia.

Segui as orientações de Suho para chergarmos a casa de Yeo Wool.

A primeira vez que o vi superando o número de palavras ditas em seu limite de conversas durante aquelas horas.

Yeo Wool pelo contrário não dizia nada.

Confirmando que as coisas estavam mesmo sérias.

A casa dela ficava num bairro longe da agitação metropolitana com várias casas pequenas no entorno.

Logo no início uma trilha gramadoa era apresentada.Yeo Wool pegou a chave para abrir os portões dando espaço para nós entrarmos.

Com o ruido das chaves ouviu-se um latidos roucos de dentro da residência ela respondeu ao aviso dos amigos caninos ,a voz não tinha lá muita animação.

Um jovem golden retriever acompanhado de um labrador adulto ,ambos animado em vê-la, felizes a ponto de lhe contagiar com a igual felicidade.

Depois vinheram em nossas direções.

Como era o desconhecido ali me transformei no centro das a atenções.

-Cuidado.-Eles podem não gostar de vocè...-Suho alertou em vão, o salto que o Golden retriever dera no intuito de alcançar minha altura provou o oposto das expectativas colocadas..

É inegável

Os animais me amam.

A situação arrancou um sorriso suave de Han o que me deixou aliviado internamente.

Já Gon observava as cenas perplexo.

-Se vocês quiserem ir. Fiquem a vontade. Eu estou bem.-Assegurou ela tentando bancar a durona,mas seria insuficiente para me convencer.

-Nós vamos te fazer companhia ,não está tão tarde.-passei o braço em torno de Suho que estremeceu e logo aderiu a ideia.

-Tudo bem então....


Notas Finais


Queridos preciso saber o que estão achando da história. Infelizmente eu estou perdendo um pouco da motivação para continuar,o que me deixa bem triste já que eu tinha o sonho ir até o fim e poder homenagear esse dorama que gosto tanto! Sugestões e comentários são mt bem vindos !🙂😊


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...