1. Spirit Fanfics >
  2. .quando um tigre e uma raposa se encontram >
  3. As coisas que ele diz quando ela não quer escutar

História .quando um tigre e uma raposa se encontram - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


"vou parar de escrever fanfic", ela disse...

eu basicamente usei o mesmo plot de one night mas hétero dessa vez com a Ilsoon no lugar do Ilsoon. acho que nunca
escrevi algo tão autoindulgente na minha vida, talvez por isso algumas coisas sejam extremamente questionáveis, mas fazer o que né.

espero que vocês gostem

Capítulo 1 - As coisas que ele diz quando ela não quer escutar


Se beleza é o que faz alguém desejável, então não é difícil desejar Jung Ilsoon.

Ela tem uma beleza convencional e conveniente, do tipo que se vê quando você liga a TV para assistir uma novela, mas não é tão inalcançável se seu objetivo for vê-la ao vivo. Com seus cabelos curtos, escuros e volumosos que às vezes lhe cobrem o rosto, ela costuma encher a cafeteria onde trabalha de rapazes maliciosos tentando a própria sorte. Ilsoon tem um nariz que custaria alguns milhares de dólares para ser moldado numa clínica de cirurgia plástica, mas que foi um um presente singelo concedido pela natureza. E os peitos, ah, como ela gosta de se gabar dos seus peitos.

Mas a maioria das pessoas que conhecem Ilsoon concordaria que amá-la envolve uma porção distinta de força de vontade.

Ilsoon tem o riso fácil, e o franzir de testa mais fácil ainda. Ela gosta de fingir que nada abala sua pose de durona, e seu chorar é reservado para ocasiões extremamente emocionais e íntimas — ou pra quando ela está muito bêbada. Ela esconde as orelhas por trás do cabelo quando se sente constrangida, porque é para lá que o sangue vai e não para as bochechas. Ilsoon tem a boca suja como a de um mafioso de baixo escalão e um apreço bem vocal por sexo como, bem, um mafioso de baixo escalão. Ela sabe mentir bem, muito bem, mas na maior parte do tempo é sincera porque quer ser, e ninguém sabe dizer qual dos dois atributos costuma ser mais fatal.

Mas Hyunsik particularmente discordaria de quem lhe dissesse que Ilsoon é difícil de amar por esses motivos — ou por qualquer motivo que seja. Porque tudo que Ilsoon teve que fazer para que Hyunsik se apaixonasse foi ser exatamente como ela é.

 

 

 

Ilsoon é uma amiga de amigos e numa universidade pequena como aquela, não foi muito difícil de fazer com que ela cruzasse os caminhos de Hyunsik em aulas extracurriculares. Mas o primeiro momento em que puderam se considerar amigos e não somente conhecidos ficará sempre na memória de Hyunsik como o marco inicial de algo muito maior do que ele imaginou que seria na época.

Hyunsik matava tempo encostado numa pilastra qualquer do pátio da universidade, e não tinha a intenção de assistir a cena que se desenrolava há alguns metros de distância, mas a moça bradava energicamente, havia o prelúdio de algum tipo de agitação física, e ele não pôde evitar de ficar alerta para o caso de algo dar errado.

— Tá com ciúmes de quê? Você não é meu namorado, se liga! — Ela reclamava alto com o rapaz ao seu lado. Ele tentou se impor fisicamente, estufando o peito e balançando os braços enquanto falava, mas a aura da moça mirrada de cabelos curtos sempre foi mais imponente, e Hyunsik conseguia ver algo que se assemelha a medo nos olhos que tentavam parecer raivosos.

Hyunsik já a conhecia nessa época — Jung Ilsoon, do terceiro semestre de Jornalismo, que, diziam os rumores, toda sexta-feira ficava bêbada e voltava para casa com alguém diferente. Mas eles não passavam disso, de conhecidos. Tinham alguns amigos em comum, então costumavam almoçar juntos e conversar casualmente quando se encontravam pelos cantos da faculdade, mas Hyunsik dificilmente teria a propriedade de se referir a si mesmo como “amigo” de Ilsoon. 

Ele tinha muita simpatia por Ilsoon, não negava que ela era linda, e achava injusto quando as pessoas se referiam a ela de qualquer forma negativa. Todos viam um grande problema na forma desinibida que a moça levava a vida, mas Hyunsik nunca se incomodou como os outros se incomodavam. Mas não estava apaixonado ainda, ou pelo menos não havia entendido que estava. 

Então só observava enquanto Ilsoon fazia menção de desferir um soco no rapaz com quem discutia, e ele por sua vez se afastava resmungando e xingando.

— Você é uma vagabunda! — Ele gritou, numa última tentativa de sair por cima.

— E você não sabe foder! — Foi a resposta dela, bem mais alta e estridente, que certamente lhe feriu o orgulho.

Então Ilsoon respirou fundo, ainda resmungando xingamentos. Num momento de autoconsciência de espaço e tempo, ela olhou ao redor, e seus olhos encontraram familiaridade em Hyunsik que observava. Ela não detectou julgamento em seu olhar, talvez um pouco de solidariedade, mas certamente curiosidade. Por isso, ela andou na sua direção, com uma expressão bem mais branda e amigável que a que tinha no rosto há alguns instantes.

— Que ceninha, né? — Ilsoon desdenhou de si mesma enquanto se aproximava, e Hyunsik sorriu amigavelmente.

— Foi um cenão, na verdade. Se eu tivesse gravado, ganharia um Cannes na certa — Hyunsik respondeu, e é a vez de Ilsoon rir. — Vocês tavam saindo?

Ilsoon fez uma careta, como se a ideia lhe causasse repulsa.

— Só fodendo mesmo. Na verdade, eu tô aliviada que terminou assim porque ele é chato pra cacete, além de muito ruim de cama, sério. Não há rostinho bonito que salve uma situação dessas.

— Então por que você tava com ele?

— Boa pergunta. Pra passar o tempo, sei lá. — Ilsoon deu de ombros e Hyunsik não teve opção senão reconhecer que era uma boa justificativa.

Ele não percebeu no momento, mas o olhar cúmplice que trocaram foi um reconhecimento de que talvez fossem bons cúmplices.

Então, aos poucos, foram se tornando amigos de fato, apesar de ainda estarem longe de serem “melhores amigos”. Eles dificilmente fazem um esforço para estarem juntos, mas quando acontece de se encontrarem, é como se nunca tivessem estado longe um do outro.

Eles discutem passionalmente sobre livros e fofocam sobre as pessoas que conhecem. Ilsoon fala pelos cotovelos e Hyunsik só fala o necessário, mas o necessário de Hyunsik sempre parece o suficiente para divertí-la. Ilsoon é completamente desinibida e Hyunsik é facilmente constrangido, então se tornou costume que ela flerte com ele apenas para ver sua reação exasperada. É uma combinação curiosa, todo mundo que os vê perambulando pelo campus concorda; mas é uma combinação que dá certo no final de tudo.

 

 

 

É meio dia de quarta-feira, dia da semana em que Hyunsik é arrastado por Changsub para ter seu almoço rodeado por pessoas que mal chega a suportar. Mas ele sempre vai, porque Changsub é insistente (“Esses calouros não largam do meu pé, mas não sei mais o que fazer pra me livrar deles”) e Hyunsik quer se esforçar em ser um bom amigo.

— Às vezes eu te vejo com a Jung Ilsoon por aí. — Um dos colegas comenta com Hyunsik, que apenas balança a cabeça em afirmação. — Você não se preocupa?

— Com o quê?

— Todo mundo sabe… a reputação dela.

— Que reputação? — Hyunsik pergunta, não por não saber o que vai ser dito, mas por puro desejo de causar constrangimento.

— Ah, você sabe, hyung. — Diz outro colega, que não havia se manifestado até então.

— Não sei não. Me diz, qual é a reputação da Ilsoon. — É a pergunta direta de Hyunsik, que de repente baixa seus talheres e foca toda a sua atenção no calouro à sua frente.

— Sabe, o que as pessoas dizem— eu não digo isso, mas pela faculdade as pessoas costumam dizer que… — O primeiro se enrola, constrangido, quase entrando debaixo da mesa.

— Ah, hyung você sabe. Sobre como ela tem vários namorados e às vezes até beija meninas. Uma completa pervertida.

— Ai, Gyonghee, você só fala bosta. — Changsub comenta mal humorado.

— Mas eu não falo essas coisas! São os rumores.

— Vou te dar um rumor novo pra vocês espalharem então: Ilsoon é minha amiga. E ela é uma pessoa fantástica. Muito mais inteligente e gentil que qualquer merdinha metido a sabichão dessa faculdade. E se ela namorasse uma pessoa ou vinte, isso não seria problema nem seu, a não ser que você fosse uma dessas vinte pessoas… o que eu acho bem difícil de acontecer.

Changsub fica em silêncio, olhos arregalados, porque apesar de Hyunsik não estar exatamente exaltado, ele geralmente não costuma agir tão defensivo assim. “Ilsoon deve mexer com ele”, Changsub pensa, mas não diz nada. Apenas acompanha Hyunsik quando ele deixa o refeitório pisando duro, sua comida pela metade, e eles decidem dividir um pacote de salgadinhos pra compensar a refeição perdida.

 

 

 

Se alguém olhar com atenção suficiente, se torna impossível não enxergar a tensão que há entre Ilsoon e Hyunsik, como se o véu da amizade fosse se romper a cada instante para dar lugar a algo maior. Essa possibilidade está lá, quase firme e palpável, até profética, mas eles fingem que não é nada além de uma impressão. “Somos bons amigos, só isso”.

É numa noite morna, em que eles trocam risos e flertes sem muito propósito (como deveriam ter se acostumado a fazer mas sempre parece perigoso), no chão da festa de um amigo, que Hyunsik percebe o partir desse véu.

— Quem de Publicidade você pegaria? — Ilsoon pergunta para Hyunsik. Ele analisa as pessoas que estão ao redor, e pensa mais um pouquinho encarando o nada a sua frente.

— Eu acho que nunca pensei sobre isso, pra ser honesto. — Ele reflete. Então balança a cabeça negativamente, sem resposta.

— Ninguém? Sério? Credo. Bem, em Publicidade tem uma caloura muito lindinha, mas acho que ela é fofa demais pra só pegar. Eu sinto que teria que levar ela num encontro, e sei lá, não tô na vibe de romance. Por outro lado, tem aquele… qual é o nome dele.... Nam Jiyoon? Alguma coisa assim.

Hyunsik faz uma careta.

— Eca, você pegaria ele?

— Eu sei! Eu sei, ele é insuportável. Mas muito bonito, então dá pra pegar e só. Im Hyunsik, você vai me dizer que ele não é lindo?

Após alguns instantes de reflexão pesada, Hyunsik dá de ombros.

— Ele é. Mas eu não pegaria.

— Ok, e de Jornalismo? — Ilsoon pergunta, seus olhos cheios de expectativa enquanto ela espera por uma resposta que Hyunsik hesita em dar. Ele dá um gole em sua cerveja, encosta a cabeça na parede e suspira.

— Hm… eu acho que… você. 

Ela sorri satisfeita, porque adora se sentir desejada, principalmente pelo cara que todo mundo parece querer, e porque Hyunsik sempre fica muito fofo quando desconcertado. 

— Obrigada. E com quem você namoraria? Tô falando de compromisso, viu?

Não há hesitação quando Hyunsik responde:

— Você também.

Ilsoon sorri novamente, mas dessa vez, por tabela. Num movimento rápido, ela tira as mechas de cabelo de trás da orelha.

— Você definitivamente não ia gostar de me namorar. 

— Por quê? 

— Você é um cara romântico, e eu não sou o tipo de garota que os caras românticos gostam de assumir. E sei lá, eu realmente gosto de não estar presa a uma pessoa só.

— Nada disso é um problema pra mim. 

Ela revira os olhos, rindo incrédula.

— Eu acho é graça.

Não há graça na voz de Hyunsik quando ele responde:

— Eu não tô brincando. 

— Eu tenho uma reputação, Im Hyunsik, e ela não é a das mais agradáveis. Você paga de compreensível feministo só até ouvir um “Você realmente tá namorando aquela vadia?” dos seus amigos, e depois eu que sou deixada de lado. Não, obrigada. 

— Soonie, eu realmente não me importo com o que os outros falam de você.

Ilsoon balança a cabeça. Ela olha pra Hyunsik, e seu olhar cortante lhe inspira sinceridade.

— Sério, qual é a sua jogada?

— Nenhuma jogada. Eu... só sou um cara que tá começando a se interessar por você. E que não liga se você não for muito monogâmica. 

Ela se vira para encará-lo — não, analisá-lo — e Hyunsik não sabe muito bem como deve se sentir sob seus olhos pesados e castanho-claros, medindo cada uma de suas intenções, até o momento em que seus lábios arqueiam para cima levemente. 

— Quer saber? Eu vou deixar você tentar me convencer. E quando encher meu saco, você vai saber. Vamos ver até onde isso vai dar.

O suspiro pesado, quase que frustrado de Ilsoon deixa evidente para Hyunsik que o véu se rasgou para ela também. Mas antes que ele possa pensar muito sobre isso, Ilsoon se levanta do chão onde eles estavam sentados anunciando que vai ao banheiro, sem antes parar e encará-lo novamente, com olhos mais gentis do que antes. Com seu sorriso malicioso, já familiar, ela comenta:

— Sabe, Im Hyunsik, eu também pegaria você. 


Notas Finais


eh isto jovens, espero que vocês gostem de acompanhar essa fic. ela já tá toda escrita mas vou postar os capitulos separadinhos pra ficar mais fácil de ler. todo feedback é bem-vindo, viu

até a próxima :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...