1. Spirit Fanfics >
  2. Quando verei as cores? >
  3. 24. Não Max...

História Quando verei as cores? - Capítulo 24


Escrita por:


Notas do Autor


Oiiii foxes sentiram saudades?? Ain desculpa a demora pra atualizar o capítulo... Falta de criatividade e um negócio muito top sabe? Mas enfim, prometo pra vcs que até mês que vem o próximo capítulo já estará pronto

Chega de enrolação.

Boa leitura 💞💞

Capítulo 24 - 24. Não Max...


Acordei na casa do Binnie, estávamos no sofá, olhei a janela, já estava quase amanhecendo, eu até conseguia ver pequenos flocos de neve pela janela, peguei meu celular ao meu lado e o liguei, demorou um pouco já que eu tinha desligado ele na noite passada, assim que ele ligou pude ver a hora, seis e cinco da manhã, estava cedo, bem cedo, deixando o eletrônico de lado, olhei a casa, Changbin dormia ao meu lado, Max bem no meu pé, a televisão estava ligada, passava um filme natalino... Natal... O dia que pedi o Changbin em namoro e ele aceitou, olhei minha mão, a aliança estava lá, ainda não conseguia acreditar que eu realmente estava namorando o Seo, namorando minha soulmate, se ele não estivesse dormindo eu iria dar pulinhos de alegria só pra ele saber.

Senti ele se mexendo ao meu lado então fiquei quieto, não queria acorda-lo a esse horário.

– Felix...? – Ele sussurrou, provavelmente querendo saber se eu estaria acordado ou não.

– Bom dia. – respondi com um sorriso enorme no rosto me aconchegando mais em seu ombro.

– Bom dia... Eu te acordei? – Ele disse meio rouco, típico de alguém que acabou de acordar.

– Não, acordei a alguns minutos atrás.

– Que horas são?

– Seis e dez. – Disse olhando meu celular.

– Ainda tá cedo... Talvez pra você seja tarde, talvez você quisesse ir embora de noite e eu acabei dormindo, me desculpa, eu te prendi aqui né? – Ele disse rápido colocando sua mão no rosto.

– Amor eu não quero ir embora... Eu acabei de tomar coragem pra te falar sobre esse negócio de soulmate, acha mesmo que em pleno Natal vou querer ficar longe de você? – Falei me desencostando de seu ombro enquanto o olhava e segurava sua mão.

– Vai que enjoou de mim, eu sou chato você sabe. – Demos risadas.

– Eu sei, mais ainda te amo.

– Ei! Não era pra concordar – nós dois demos mais risada ainda. – Eu tô feliz por ser você, eu queria que fosse você, desde que a gente se conheceu você tinha algo estranho...

– Tá me chamando de esquisito anão maromba? – olhei ele de cima abaixo com o cenho franzido.

– Olha a gente mal se conheceu e você me chamou pra almoçar, queria que eu achasse o que? – Ele disse rindo.

– Tá mas você aceitou, e talvez, eu tenha me apressado pouco... Mas não podia correr o risco de nunca mais te ver.

– Ohn isso é fofo... Mas sendo sincero, foi bom ter essas esquisitice, provavelmente a gente não estaria aqui agora.

– É... Eu não teria o único gnomio mais lindo desse mundo. – Disse me sentando eu seu colo vendo ele revirar os olhos e sorrir.

– Eu queria tanto ter um apelido engraçado pra te dar, mas você é tão perfeito e eu não preciso ver pra saber. – Ele colocou a mão em minha cintura.

– Você também é perfeito Hyung, e eu tenho sorte por ter você. – Sem pensar duas vezes me aproximei de vagar para ele saber que eu iria beija-lo, e pela primeira vez naquele manhã de natal senti aqueles lábios inchados por ter acabado de acordar, mas nada superaria o nosso primeiro beijo.

Assim que pedi passagem para língua senti algo, ou pior, o Max lambendo tanto meu rosto quanto o do Binnie.

– Não Max... – Não pude deixar de rir assim como o Seo que disse já dando risada. – Seu intrometido... Quando não é o celular. – Ele começou a fazer carinho no Max assim como eu, então escutei meu celular Tocar.

Era seis e vinte, quem me ligaria a esse horário?

Olhei o número, era desconhecido, eu até deixaria tocar mas então lembrei da minha irmã.

– Alô?

Oi, você é o Felix? Irmão da Minjee certo? – Uma voz de homem suou pelo celular, o que minha irmã estava aprontando?

– Sim sou eu.

Felix eu preciso que você venha buscar a Minjee... Você vai levar? – Aparentemente ele havia começado a falar com outra pessoa. – Mas é que eu tô falando com o irmão dela... Tá bom.... Então esquece Felix, Tchau. – a ligação foi encerrada, mas o que?

– Quem era sunshine?

– Eu não faço ideia, mas tem haver com a Minjee... Disse que era para buscá-la, mas depois mudou de ideia. – Disse encarando o celular.

– Acho melhor você ir pra casa ver se está tudo bem. – O Seo disse e eu fiquei em silêncio, não queria deixá-lo ali justo hoje, porém eu também não sabia o que estava acontecendo com a Minnie, sem contar que na noite anterior ela estava com um semblante triste e eu nem fiz questão de perguntar o que tanto a deixava assim. – Lix eu sei que você quer passar o natal comigo, eu também quero, porém, ela é sua irmã, precisa de você mais do que qualquer um, além do mais ela tá grávida.

– Você tem razão, eu vou lá, dorme um pouco ainda tá cedo, eu te ligo depois, e se tudo der certo o almoço na casa dos meus pais ainda está de pé. – sai do colo do mesmo, fui pegando minhas coisas enquanto conversava com ele e logo quando terminei me despedi com um beijo, era tão bom beija-lo, entendi agora porque o universo sempre nos atrapalhava, ele sabia que eu ficaria viciado no Changbin.

 Sai do apartamento e fui em direção ao meu carro, na recepção por mesmo que estivesse com o ar-condicionado ligado ainda podia sentir o frio que vinha lá de fora, na medida que eu chegava perto o meu coração começava a sentir uma angústia, não de que algo ruim iria acontecer, mas sim de tristeza, eu não sabia o que significava, tava com medo do que poderia ter acontecido.

Entrei no carro, de vagar fui até minha casa, não pude acelerar mais, a pista estava coberta de neve, dava até medo de por acidente o carro deslizar.

Em vinte minutos lá estava eu estacionando o carro na garagem, meu coração novamente apertou, abri a porta de casa, lá dentro estava quente o que era bom, então escutei choro vindo do quarto, me aproximei e parei na porta vendo minha irmã aos prantos enquanto abraçava um garoto, que se eu me lembrava bem se chamava Huening kai, o garoto da praia.

Ele me olhou e negou com a cabeça, entendi que era para deixá-los ali.

Me sentei no sofá peguei meu celular e mandei uma mensagem para o Binnie, ele não respondeu provavelmente porque tinha voltado a dormir, aproveitei o momento de estar com o celular e mandei mensagem para o Jisung contando sobre a noite anterior, ele não me respondeu óbvio, ainda faltava cinco minutos para as sete.

Deixei meu celular de lado, o que tinha acontecido? Por que a Minnie estava chorando? Por que o Kai estava aqui? Aliás, o Kai não mora em Sidney?

Foi então que eu tive a brilhante ideia de bisbilhotar, fui na cozinha peguei um copo de vidro e encostei na parede que por sorte ficava ao lado da cama da Minjee, ou seja, era fácil de escutar.

– Eu não sei o que fiz de errado, ele é minha soulmate né? Não deveria estar comigo? Principalmente agora... Então, por que ele tava com outra? Porque parecia feliz com ela e ainda veio dançar perto de mim? Isso só me deixou pior Kai...

– Eu sei, é ruim ver a pessoa que você gosta com outro, digo por experiência própria... Mas Minnie, já faz quatro meses...

– Eu sei, mas todo dia eu acordo olho pra mim e penso em tudo que eu fiz pra minha alma gêmea não gostar mais de mim.

– O problema é que ela gosta de você. – Pera eu buguei nessa parte, A soulmate dela era o Tae e o imbecil não gostava dela, aquela conversa estava me interessando, me ajeitei e tornei a ouvir.

– Se gostasse estaria aqui... Como eu vou cuidar desse bebê?

– Cuidando, minha mãe me disse que antes de eu nascer ela não sabia como fazer isso, nem mesmo meu pai, porém quando eu nasci ela disse que um instinto de mãe nasceu também, e a partir daquele momento, ela soube o que fazer, não vai ser diferente com você Minnie.

– Mas você tinha e tem o seu pai, o Ehyun não vai ter.

– Eu cuido dele.

– O que? – repeti ao mesmo tempo que minha irmã ao outro lado da parede, nossa que revira volta, não achei que ele iria querer isso.

– Eu cuido dele, te ajudo, em tudo o que possa imaginar.

– Você vai estragar sua vida com isso Kai, por que? – Eu com certeza estava igual minha irmã, sem acreditar que ele faria isso.

– Porque eu quero ver você sorrir... Melhor do que ver você correndo atrás de mim com um monte de areia na mão.

– Você merecia! – Os dois deram risada.

– Eu tô disposto Minnie, vou ser o pai desse garoto.

– Você é louco... E não é assim que as coisas funcionam, eu vou pensar no seu caso.

– Tá bom, pensa com carinho tá... Agora descansa, eu vou indo, tchau Minjee.

Me levantei o mais rápido possível e enchi o copo de água, e comecei a beber, como se nada tivesse acontecido me encostei no balcão.

– Felix? – Vi ele entrando na cozinha e logo coloquei meu copo espião com água na pia.

– Oi Kai... Ah é, então... Por que a Minjee tava assim? – perguntei me fingindo de desentendido.

– Tem haver com o Tae. – Ele abaixou o olhar, parecia triste. – Mas eu deixei ela um pouco feliz e isso é bom... Fala com ela depois, eu preciso ir embora.

– Eu falo sim... Ah Kai... O que tá fazendo aqui? – Afinal eu achava que ele morava na Austrália até agora. – É porque você mora na Austrália não?

– Não – Ele riu fraco. – aquele dia eu só fui visita do Soobin, eu sou da mesma escola que a Minjee... Mas enfim, eu estava numa festa, ela tava com umas amigas e, Meio que o Tae começou a deixar ela pra baixo, a pressão dela ficou alta então trouxe ela pra casa.

– Ela tá bem? – me aproximei um pouco preocupado.

– Está sim... Dormindo agora. – Ele sorriu.

– Você se preocupa muito com a Minnie né? – o encarei vendo sua bochecha corar.

– Sendo sincero Felix... Sim, me preocupo.

– Você tava falando dela. É ruim ver a pessoa que você gosta com outro... Você gosta de Minnie. – Sorri vendo ele corar mais ainda.

– Sim..?

– Bom...– Fechei a cara. – Se você magoar ela eu te mato, e o Beom também.

– Quando ela me der bola a gente conversa. – Ele disse rindo. – Eu vou indo Felix, falou cara.

Depois que o Kai foi embora eu fui até o quarto da Minjee, ela dormia quentinha embaixo das cobertas, deixei um beijo em sua testa e fui ao meu quarto, mandei uma mensagem para o Binnie dizendo que estava tudo bem, e confirmando o almoço na casa dos meus pais, aproveitei o horário para tirar um cochilo, estava cedo ainda, e eu estava com sono, então assim que deitei tudo ficou preto.

 Acordei antes do almoço com o celular tocando, eram meus pais, disseram para levar um refrigerante, depois da ligação me arrumei, acordei a Minjee e em menos de uma hora já estávamos prontos, passamos na casa do Changbin e fomos até meus pais.

A tarde foi divertida, conversamos sobre muitas coisas e anunciei meu namoro com o Changbin, claro com a permissão dele, todos ficaram felizes com a notícia, depois do almoço trocamos os presentes de natal eu ganhei um tênis do Beom e uma blusa da Minnie, uma calça do appa Dongyu, uma blusa de frio do appa Sunho, é... Eles combinaram o que me dar, um look completo. Até que era tudo bonito.

O resto da noite passei com o Binnie na casa dele, fiz o jantar pra gente e assistimos a um filme, a noite tinha sido legal. Afinal finalmente eu estava ao lado da minha soulmate. Agora o que estava na minha mente era, como seria o ano novo?



Notas Finais


Bom galerinha... Como não vai ter muita coisa importante até o ano novo, eu vou pular direto pra lá, pq depois do ano novo... hehe... várias coisinhas vão acontecer, achou que eu iria deixar assim?
Precisamos de um final mais único não é mesmo?

Obgda por lerem até o próximo capítulo, e dessa vez eu prometo, até mês que vem eu atualizo 🦊💞


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...