História Quanto tempo vai durar essa paixão? - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama
Visualizações 0
Palavras 1.258
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 5 - Não sei mais o que fazer


Antonio: Não é algo a mais, é respeito. Uma coisa natural. Você acha que pode ser outra coisa mas não é. Quando a gente conhece alguém que nos trata bem a gente cria um respeito pela pessoa. Só isso. -falou olhando fixamente para mim. 

Eu: Acho que você não entendeu o que eu quis dizer... 

Antonio: Pois então fale. 

Eu: Eu estou apaixonada por você. -falei e depois baixei a cabeça.

Antonio: Acho que não. Você deve estar confundindo as coisas. 

Eu: Como assim que não? Não consigo parar de pensar em você em todos os momentos, o meu coração acelera quando te vejo e fico o tempo todo te olhando e te admirando! Será que não me entende?

Antonio: Luna, você não está apaixonada por mim. Eu tenho a certeza disso. 

Eu: Por que insiste com isso? Não acredita em mim?

Antonio: Não é isso. Talvez você não soube identificar os sentimentos e que está criando coisas que não existem.  

Eu: Você não quer acreditar porque jamais vou ter chances com você. Além de ser meu professor, também é um homem casado e não posso sentir isso por você.

Antonio: Eu entendo. Quero que saiba que só gosto de você apenas como amiga e que tenho um grande respeito por você pelo o fato de ser minha aluna. 

Eu: Eu sei, Antonio... Acho melhor eu ir embora porque não quero ficar aqui. -falei quase começando a chorar. 

Antonio: Ainda não terminamos a nossa conversa. Por favor, fique aqui. -falou pegando no meu braço. 

Eu: Foi uma péssima ideia ter vindo na sua casa e te contar isso. 

Antonio: Luna... Não complique as coisas.


Quando me levantei do sofá, acabei tropeçando em algo e caí nos braços dele. Ficamos completamente perto um do outro e eu quase estava com o rosto próximo com a dele. Ficamos nos olhando por alguns segundo e quando me aproximei para beijá-lo, ele acabou se afastando de mim.


Antonio: Não. Eu não posso fazer isso, cometeria um grande erro. 

Eu: Desculpe... Eu não queria que as coisas chegassem a esse ponto. 

Antonio: Eu não poderia te beijar porque sou um homem comprometido e você é uma menina, não quero me aproveitar disso. 

Eu: Me perdoa, Antonio... eu estou muito envergonhada com isso. 

Antonio: Relaxa. Vai ficar tudo bem. 


Eu estava tão sem graça que só apenas abri a porta e saí da casa do professor. Nunca imaginei que as coisas chegariam a esse ponto. Estive perto dele, eu pude sentir o seu perfume e que quase ia beijá-lo. Isso não aconteceu porque íamos cometer um grande erro, ele não queria trair a mulher dele e eu não queria colocar o relacionamento deles em risco por causa desse sentimento bobo. 

Estou me sentindo tão mal que resolvi entrar na minha casa e fui correndo para o quarto. Deitei na cama e comecei a chorar. O que eu mais queria neste momento era um abraço de alguém que pudesse me entender. Depois de chorar muito, peguei o meu notebook e recebi uma chamada de vídeo da Gabrielly.


Gabrielly: Oi, Luna. Está tudo bem? Os seus olhos estão inchados de tanto chorar! 

Eu: Não, amiga. Não está nada bem. 

Gabrielly: O quê aconteceu para estar assim?

Eu: Eu fui na casa do professor. 

Gabrielly: Você contou que está apaixonada por ele?

Eu: Contei sim. Ele não acreditou em mim e ficou me dizendo que estou confundindo as coisas. 

Gabrielly: Como assim?

Eu: O Antonio ficou dizendo que só sinto um grande respeito por ele e nada mais. 

Gabrielly: E você acha que pode ser isso?

Eu: Não sei, Gabrielly. Estou muito confusa. 

Gabrielly: Dá para perceber que a conversa não foi boa. 

Eu: Você não imagina o quanto que estou envergonhada com isso. Nem sei como vou olhar pra cara dele. 

Gabrielly: Fique tranquila. Vai ficar tudo bem e sei que em breve vocês vão voltar a se falarem. 

Eu: Eu não tenho tanta certeza disso. Tenho medo de perder a amizade dele. Cometi o pior erro da minha vida por ter me apaixonado por um homem casado. 

Gabrielly: Isso é normal, já aconteceu comigo. Seria pior se você tivesse um caso com ele, aí sim que tudo iria se complicar. 

Eu: Pelo menos não vou chegar a ponto de ter relações com o meu próprio professor. 

Gabrielly: Eu acredito em você. Não vai acontecer o mesmo que aconteceu com a Tamires. Só não entendo como ela se interessou por aquele homem que tem a idade de ser o pai dela. 

Eu: Eu também não ia me envolver com o Antonio. 

Gabrielly: Pelo menos o Antonio é jovem, bonitão, simpático e inteligente. Se ele fosse solteiro, não teria problema nenhum. 

Eu: Bom, nessa parte você tem razão. Mas a realidade é outra. 

Gabrielly: Amiga, eu tenho que ir. Mais tarde a gente conversa, tá bom?

Eu: Ok. Tchau, Gabrielly. 


Eu desliguei o notebook e coloquei na mesa. De repente, escutei um barulho de toque de mensagem e vi que era do celular da Raquel, pois havia deixado carregando. Resolvi olhar a mensagem e estava escrito assim: "Que tal nos encontrarmos na praça hoje á noite?". Sem querer, acabei lendo o nome da pessoa e fiquei totalmente surpresa, pois era o tal "Professor Bruno". 


Raquel: Vejo que a menina mais chorona está aqui de novo. -falou entrando no quarto. 

Eu: Me deixa em paz, Raquel. Isso não é da sua conta. 

Raquel: Você leu alguma coisa que estava escrito no meu celular?

Eu: Claro que não. O que eu vou querer olhar pro seu celular que com certeza deve estar cheia de fotos com os seus amigos?

Raquel: Espero que esteja falando a verdade. Porque se você se atrever a olhar alguma coisa... Eu juro que conto para os nossos pais sobre a história com o professor bonitão. 

Eu: Você não vai se atrever a fazer isso, porque acabei descobrindo algumas coisas a mais sobre você. 

Raquel: Está toda zangadinha só porque a mamãe te deixou de castigo. Tadinha de você. 

Eu: Quanta falsidade. Espero que se arrependa por estar fazendo isso com ela. 

Raquel: E você deveria tomar vergonha na cara por estar gostando de um homem casado! Aliás, se eu tivesse no seu lugar também me apaixonaria pelo o bonitão. 

Eu: Eu não vou dizer mais nada porque cedo ou tarde você descobriria isso. 

Raquel: Fique tranquila. Pelo menos não vai contar para o papai que estou saindo com um rapaz. 

Eu: Com um rapaz? Nossa, que interessante. -falei debochando dela. 

Raquel: Olha só quem fala! Até você está fingindo que está feliz com isso. 

Eu: Só tome cuidado para que não se arrependa depois. 

Raquel: Eu não me arrependo de nada, querida. 

Eu: Você ainda é menor de idade, não pode ficar fazendo essas coisas. 

Raquel: E você fique com a boca calada! Senão eu espalho pra todo mundo que nem sabe beijar, que nunca ficou com nenhum rapaz. 

Eu: Faça o que quiser. Pelo menos eu não sou nenhuma oferecida. 

Raquel: Muitas garotas da sua idade estão namorando e até está perdendo a virgindade e você não.

Eu: Por que você se mete até nos meus assuntos íntimos? Vai procurar mais o que fazer! Me deixa em paz, Raquel!

Raquel: Olha só. Está toda nervosa porque nunca teve a sua primeira vez. 

Eu: Fica quieta. 

Raquel: Você nunca vai ter relações com o professor bonitão, ele não vai querer ficar com uma garota como você. 

Eu: E quem disse que eu vou chegar a esse ponto? Eu tenho cara de ficar com o marido das outras? 

Raquel: De você eu não duvido nada. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...