1. Spirit Fanfics >
  2. Quarentena. - Luniel >
  3. Capítulo Único: Partida de Futebol!

História Quarentena. - Luniel - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


roi, luniel shipper né? sofrendo por eles desde 2014?

oiiii galeraaaaa, bom, não sei se você quer está lendo isso é um leitor antigo meu, mas se for, você deve ter percebido que eu sumi por um ano

como eu já tnha avisado na one "Chegou a hora de dizer adeus", eu estava me afastando do spirit por problemas comigo mesmo. isso foi em junho de 2019, ou seja, se passaram 1 ano e 2 meses e eu simplesmente resolvi voltar :)

estava morrendo de saudade de escrever fanfics, serio, eu amo muito escrever. fiquei 1 ano sem escrever e eu já estava quase morrendo KKKKKKKKKK mas, enfim, estou de volta

resolvi voltar por causa da saudade de escrever e também pq, nessa epoca de quarentena, estou me sentindo muito sozinho, muito triste, muito cabisbaixo, sabe? (inclusive, se lerem isso, comentem por favor, eu fico felizinho 😊)

enfim, minha freqüência daqui pra frente vai ser incerta. pode ser que eu poste uma one por mês, ou também pode ser que tenha um mês que eu poste one toda semana. isso vai da minha disposição e da minha criatividade

e sim, vou continuar escrevendo luniel rs a promessa de encher esse site de fics luniel ainda está de pé

enfim, boa leitura! nos vemos nas notas finais!!

aviso: lukas passivo sim pq eu sou o maior stan de lbottom que vocês vão conhecer rsrsrrs 💃🥂

Capítulo 1 - Capítulo Único: Partida de Futebol!


Fanfic / Fanfiction Quarentena. - Luniel - Capítulo 1 - Capítulo Único: Partida de Futebol!

One-Shot — Quarentena

Ninguém aguentava mais.

Essa frase descrevia bastante bem o que o Brasil e o mundo sentia durante esse período. Todos trancafiados em casa, tendo que tomar inúmeros cuidados às vezes somente pra jogar um lixo fora.

Estava sendo desgastante viver neste período. Todos só queriam suas rotinas normais de volta: Levantar cedo, ir trabalhar ou estudar, dar uma volta no shopping, sair de noite para alguma festa com amigos.

Daniel se sentia assim. Estava sentado em seu sofá, com seus pés apoiados na mesa de centro logo a sua frente. Uma xícara de café em suas mãos e seus olhos vidrados na televisão, que passava nada menos que o jornal, com as mesas notícias ruins de sempre: o número de vítimas e mortes aumentando gradativamente a cada dia.

Daniel pegou o controle remoto ao seu lado e desligou o visor. Suspirou. Hoje não era dia de saber sobre mortes. Já havia visto isso nos últimos meses sem parar, precisava distrair a cabeça.

Ele fechou os olhos e entrou em um mundo somente dele. Quando isso passaria? Quando iria acordar e perceber que tudo isso não passou de um pesadelo terrível? Quando poderia ver noticiários normalmente sem ter que ouvir sobre quantas pessoas morreram naquele dia?

Pensar naquelas coisas o havia deixado até triste. Colocou sua xícara, agora vazia, na mesa de centro e se espreguiçou.

Lukas estava sendo sua única companhia nesses últimos meses. Ele não poderia estar melhor acompanhado, amava estar perto de Lukas. Ele sempre o fazia feliz, tirava boas gargalhadas de si com aquele seu jeito tão engraçado e zoeiro.

Aquela quarentena havia juntado eles de uma forma que nem eles mesmos esperavam que fossem se juntar algum dia. Uma forma mais… 

Picante.

Não sair de casa era sinônimo de não conhecer pessoas novas, e não conhecer pessoas novas resultava em não ter ninguém pra.. Brincar.

Dani? — ouviu a voz de Lukas atrás de si. Isso era sinal que ele estava descendo as escadas.

O tom de sua voz estava atípico. Daniel sorriu malicioso de olhos fechados somente por ouvir aquela voz.

Eles não conheciam pessoas novas pra se divertir, certo? Mas… Eles tinham um ao outro para isso.

— Hum? — Daniel fez um ruído, ainda de olhos fechados e cabeça encostada no encosto do sofá. 

Sentiu uma vibração perto de si, o que sinalizava que Lukas estava se aproximando.

— Estou com tanto tédio… — disse o menor. Daniel sentiu o sofá abaixar, ou seja, Lukas sentou-se ao seu lado.

Uma mão encostou na coxa de Daniel. O maior deu mais um sorrisinho, só que dessa vez de canto de boca.

— Você não estava jogando? — perguntou o maior.

— Sim. Mas, não estou mais a fim de jogar. — Lukas respondeu desinteressado. — Ou melhor, eu estou a fim de jogar. Só que outra coisa…

Daniel já sabia perfeitamente do que o menor falava, mas iria continuar atiçando-o. A mão do outro começava a subir pela sua coxa e quase a tocar em sua intimidade.

— O que quer jogar? — perguntou Daniel. Sua voz já estava alterada e Lukas se arrepiou com isso.

— Futebol. — respondeu o menor. — Só que o futebol que eu gosto é diferente… Eu gosto quando tem duas bolas.

Daniel sentiu seu pau pulsar dentro da cueca e aumentou seu sorriso. Finalmente, abriu os olhos e encarou Lukas na escuridão.

— Duas bolas? — Daniel continuava sorrindo. — Acho que nunca joguei futebol com duas bolas. Como seria?

— Eu posso te ensinar… — Lukas respondeu prontamente. — Na prática…

Ambos sorriram maliciosos. Daniel amava aquele tipo de joguinho que os dois faziam antes de transar loucamente naquele grande sofá. Aquilo só excitava-os mais.

— Acho que preciso que você me ensine. — disse o moreno. — Pode me ensinar?

— Claro que posso… — Lukas ainda sorriu safado. Sua mão subiu de um vez só e ele apertou o pênis alheio por cima do shorts.

Ooh...— Mologni mordeu os lábios. — Ainda não estou entendendo muito bem. Pode ir… Direto ao ponto?

— Lógico!

Lukas agarrou os shorts de Daniel com as duas mãos e o puxou para baixo de uma vez, fazendo a peça de roupa passar pelos pés alheio e tocar o chão. 

A mão de Marques massageava a intimidade do "amigo" por cima da cueca, enquanto este apenas repousava sua cabeça no encosto do sofá, suspirando.

A esse ponto, a cueca que cabia perfeitamente no corpo de Mologni já estava apertada. Ele precisava se livrar dessa peça urgentemente. 

— Está entendendo como se joga futebol com duas bolas? — agora, o mais baixo atacava o pescoço de Daniel. Aquela pergunta havia soado bem próximo de seu ouvido e aquilo só fez seu pau pulsar mais dentro da cueca, que estava sendo massageada por Lukas.

Sentia seu membro ser espremido por aquele pedaço de pano. Já estava dolorido de tão ereto.

— Acho que estou entendendo… — Daniel murmurou. — Mas, tem como você ser mais específico?

Sem falar nem mais uma palavra, Lukas retira a peça de roupa de Daniel, o deixando totalmente despido da parte de baixo. A mão gelada de Marques entra em contato com o pênis de Daniek, o que o faz gemer.

— Aaah, L-Lukas… — o maior gemeu baixo, mesmo que só houvessem os dois ali na casa.

— Antes que a partida comece, sempre tem as preliminares… — Lukas falou sussurrando e logo lambeu da base até a glande, girando sua língua ao redor desta.

Daniel sentiu espasmos em suas pernas e não perdeu tempo para apoiar sua mão nos cabelos de Marques. O menor chupava-o sincronizadamente, era quase como um profissional.

Lukas massageava as bolas alheias enquanto continuava chupando o outro perfeitamente bem. Daniel não parara de gemer nem um segundo sequer.

Seus olhos se mantinham fixos em Lukas. Gostava de ver o menor chupando-o, gostava de vê-lo tão concentrado ali como se aquilo fosse a única coisa importante no momento — e realmente era —, e, quando não era isso, gostava de olhar seus olhos o encarando enquanto tem seu pau na boca.

Lukas tirou o pau de Mologni da boca, fazendo um "ploc" ao sair. Ambos estavam sendo ligados apenas por um fio de saliva. 

— Depois de todos os preparos, sabe o que é importante agora? — Marques perguntou. Sua voz ecoava rouca pelo ambiente e fez Daniel tremer.

— O quê? 

Que as bolas acertem dentro da trave… — Lukas subiu para o ouvido do maior. — Bem lá no fundo. — deu uma lambida em seu lóbulo.

Daniel sorriu largo. Gostava daquela versão mais safada de Lukas. Ele ficava irreconhecível, até a voz mudava.

E Mologni adorava.

— Entendi… — Daniel continuava na brincadeira. — E, como faz pras bolas entrarem na trave? Você pode me ensinar também?

— Você é meio burro, hein? — Lukas disse e Daniel riu. Até nessa ocasião o menor o faz rir. — Mas, eu te ensino. Com muito prazer.

Lukas tirou um pacote de camisinhas de dentro de seu bolso. Ele já tinha em mente desde que estava descendo as escadas de que eles iriam transar. Ali mesmo.

Aproveitou para retirar sua calça e sua cueca, libertando seu pênis que estava sendo pressionado pelos tecidos. 

Encaixou a camisinha em Daniel com a boca, encarando-o profundamente com aqueles olhos. O pau de Daniel pulsou com aquele olhar.

Lukas sentou-se no colo do maior, aninhando-se ao corpo do outro e deixando que agora Mologni tomasse o controle da situação. O de óculos segurou a cintura alheia com as duas mãos, descendo-as para suas nádegas e as apertando.

Oooh, D-Dani… 

Aquele gemido era enlouquecedor. Lukas começou a se mover no colo de Daniel, fazendo com que seu pau ficasse muito próximo da entrada do outro. 

Daniel estava surtando. Lukas não aguentava mais esperar.

Mologni segurou uma das nádegas de Lukas com uma de suas mãos e com a outra encaixou seu pau em sua entrada. Apenas a glande havia entrado, o que fazia Lukas gemer arrastado.

— Aaaaaaahhhh… P-porra! — gemia conforme o pênis de Daniel o invadia lentamente. Lukas se encolheu no colo do outro, abraçando seu pescoço, enquanto se acostumava com todo aquele comprimento dentro de si.

Daniel começava a se mover bem devagar enquanto o menor soltava gemidos deliciosos bem perto de seu ouvido. O moreno segurava em sua bunda, apertando e dando tapas de vez em quando, enquanto seu pau entrava e saia, aumentando a velocidade aos poucos.

— Aaaah, Daniel. Caralho… — Lukas arfou e gemeu. Revirou os olhos e mordeu seu lábio inferior ao sentir Daniel o penetrar bem fundo. — Isso…

Você gosta quando vai fundo? — perguntou Daniel provocante.

— Sim… — Lukas nem raciocinava mais o que falava. — Quanto mais fundo melhor…

Daniel sorriu. Seu ritmo agora estava acelerado e suas estocadas estavam mais violentas. Lukas não parava de gemer em seu colo, sentindo tudo aquilo indo e vindo, indo e vindo dentro de si. Era uma sensação única, ele não sabia nem explicar o que sentia quando era estocado profundamente repetidas vezes.

Era uma mistura de alívio, tesão, prazer extremo. Era uma sensação perfeita.

— I-isso, D-Dani… Oooh, hmmm, mais f-forte… 

— Você pode me ensinar também? — Daniel perguntou malicioso. Os dois se entreolharam e riram. — Desculpe, eu ainda preciso aprender esse tipo de futebol.

Lukas começou a se movimentar sozinho. Daniel cruzou seus braços atrás de sua cabeça, assistindo aquela linda visão: Lukas em seu colo, se movendo pra cima e pra baixo.

Vez ou outra, o menor rebolava levemente sobre o membro do mais velho, o que provocava um gemido de ambas as partes.

Lukas sentava rapidamente. Adorava aquela posição, pois sentia todo o comprimento de Daniel bem fundo em seu interior. 

O barulho das bolas de Daniel batendo em suas nádegas, o vai e vem, os gemidos. Aquilo preenchia a sala daquela casa.

— Assim, Lukas! — Daniel mordia seus próprios lábios violentamente, ao ponto de quase tirar sangue deles. 

Seu pau sendo envolvido pela entrada de Lukas. Mesmo com a camisinha, era uma sensação perfeita. TInha certeza que não existia um lugar melhor que o interior de Lukas.

Daniel… — Lukas gemeu alto. Daniel apenas sentiu jatos quentes atingirem seu abdômen, o que indicava que Marques havia chegado em seu êxtase.

Sentiu seu próprio ápice chegar quando seu pau foi apertado pela entrada de Lukas ao gozar. Os dois basicamente haviam sincronizado suas gozadas.

Ooooohhhhh…. — Daniel quase gritou sentindo sua camisinha quase explodir.

Lukas caiu mole em cima do corpo de Daniel. Os dois respiravam ofegantes, aquilo havia sido uma adrenalina e tanta.

Daniel puxou o rosto de Lukas para um beijo. Calmo e objetivo. Os dois sorriram após e Lukas apoiou sua cabeça no ombro do mais velho.

— Parabéns! — disse Lukas. — Você fez um gol!

Os dois riram.

Essa havia sido a melhor partida de futebol de sua vida.

— (FIM) —


Notas Finais


não sei porque, mas sempre que eu escrevo luniel, eu imagino os meninos de 2015 nele. imaginem também, sei lá, não consigo imaginar eles atualmente fazendo essas coisas tlgd. o dani já é até pai vei

enfim, nas minhas fics, sempre imaginem o lukas e o daniel de 2014/2015, ok?

gostaram da one? sejam sinceros comigo tá

desculpe se existe algum erro de português ao longo da one, pode ter certeza que foi totalmente sem quererkkk

essa é a primeira vez que eu escrevo um lemon depois de um ano, então por favor, sejam sinceros: ficou bom? acho que perdi a mão pra fazer lemons errrrr...

não sei se vcs sabem, mas eu estou reescrevendo a minha luniel "only our love story", os 5 primeiros caps novos reescritos já estão lá, corram pra ler e me dar biscoito 🏃🏻🏃🏻🏃🏻

até a próxima fodinhas ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...