1. Spirit Fanfics >
  2. Quase impossível - Eldarya >
  3. Entre a vida e a morte.

História Quase impossível - Eldarya - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Olá pessoas!!!
Demorei mas voltei com mais um capítulo.
Boa leitura.

Capítulo 6 - Entre a vida e a morte.


Fanfic / Fanfiction Quase impossível - Eldarya - Capítulo 6 - Entre a vida e a morte.

- O que aconteceu com ela, Ezarel?! 

- Eu não sei! - o elfo se levanta com a garota em seus braços enquanto aerin pega as malas que eles carregavam - Eu estava indo para o barco quando a ouvi gritar. Corri até ela, mas quando cheguei, já estava caída no chão, sozinha.

- Merda! - Sussura - vamos, precisamos a levar logo! 

Os rapazes andam o mais rápido possível até o barco e assim que chegam, os outros começam a fazer diversas perguntas como “o que aconteceu com ela?” Ou “quem a feriu?”, mas eles estavam nervosos demais para ficar respondendo as perguntas. 

Ezarel estancava o sangue de Amarïe com a ajuda de um pano. A ferida era grande e ele sabia que a garota não aguentaria por muito tempo.

Precisava de ajuda imediatamente.

Aerin estava paralisado, assim que entrou no barco não conseguiu ter mais nenhuma reação. Estava ajoelhado próximo a Amarïe, seus olhos vermelhos e inchados de tanto chorar, suas mãos trêmulas e suadas. 

Não podia perdê-la.

Aerin sabia quem havia feito isso. Fora avisado antes do ocorrido. Amaldiçoou mentalmente o infeliz que machucara sua irmã. No fundo Aerin se culpava pelo que aconteceu, no fundo tinha certeza que se tivesse feito o que Isildur pedira sua irmã estaria bem. 

 

Flashback on 

 

Aerin estava sentado na areia da praia observando a linda lua que estava no ponto mais alto do céu estrelado. A brisa gelada do vento batia em seu rosto calmamente enquanto seu cabelo balançavam com o vento. 

Sem que o moreno percebesse uma figura sentou-se calmamente ao seu lado e anunciou sua presença. 

- O céu está bonito, né? 

O rapaz se virou rapidamente ao ouvir aquela voz que já era familiar e o questionou.

- O que faz aqui, Lórien? 

- Vim conversar com você...

- Me lembro bem das últimas conversas que tivemos... - O rapaz ergue o braço e afasta um pouco do tecido que cobria o seu pulso deixando amostra a cicatriz que carregava em seu pulso - A marca não sai, lembra? 

- Sinto muito por isso, garoto...- O mais velho abre um sorriso que faz aparecer todos os seus dentes perfeitamente brancos e bonitos -  Mas eu não podia correr o risco de você contar para todos sobre o nosso acordo.

- Eu não tenho nenhum tipo de acordo com você! 

- Ah você tem sim! Sabe porque você tem um acordo comigo, meu querido elfo? - Os rapazes se levantam ficando frente a frente - Pelo simples motivo de que se você não fizer o que eu quero, sua irmãzinha vai pagar o preço. 

- Não ouse tocar em um só fio do cabelo dela! 

- Por agora não farei nada com ela, aliás, ela está em coma, né?! 

- Miserável! 

- Eu não vou entrar no QG e a ferir, pode ficar tranquilo... Ela estará bem longe do Quartel General...

- Você não presta! 

- Só eu que não presto? Já esqueceu que foi por sua culpa que a Olívia morreu? 

- O que?! 

- Não se faça de desentendido, elfo! Eu sei muito bem o que aconteceu... Mais um motivo pra você fazer o que eu quero! 

- Sem chances! Eu não vou fazer nada pra te ajudar! 

- Veremos. 

Flashback off 

 

“Ela estará bem longe do Quartel General” isso não saia da mente de Aerin. 

Lórien o avisou. 

O moreno era muito teimoso e duvidava que ele faria algo com sua irmã.

- Eu vou o matar! 

- Quem você vai matar? Você sabe quem fez isso com Amarïe? - Valkyon questionou o elfo que não se deu conta que havia falado alto demais.

- Sim, eu sei quem fez isso com ela. - Ao terminar sua frase, o rapaz sentiu uma forte dor que começou em seu pulso e se espalhou por todo o corpo. Ele não podia falar a verdade, era impossível entregar Lórien.  

- Quem fez isso? 

- Eu não sei.

- Você disse que sabia, por que agora diz que não sabe? 

- Eu me confundi. Não faço ideia de quem fez isso.

Valkyon não acreditou muito nas palavras do rapaz, sabia que estava mentindo, mas não iria força-lo a falar o que sabia. 

...

Já estavam a mais de três horas em auto mar, todos estavam visivelmente preocupados com Amarïe. 

Nevra resmungava pelos cantos o quanto ele foi burro de ter ido na frente, sabia que Ezarel não tomaria conta da garota; Valkyon e Caméria tentavam achar uma forma de chegar mais rápido ao QG; Alajéa a Ezarel tentavam ajudar a elfa com algumas poções, mas nada parecia funcionar. O ferimento que a garota tinha era muito profundo, e precisava urgentemente de um cirurgia e transfusão de sangue. 

Aerin sentou-se a frente da ruiva e observava o que os representantes da guarda absinto estavam fazendo. 

- Valkyon, ela não tem muito tempo de vida, precisamos encontrar uma forma de chegar mais rápido ao QG. 

- Já pensamos de tudo, Ezarel. Não tem outra forma de chegar mais rápido ao QG. 

- Temos que fazer alguma coisa, não podemos ficar de braços cruzados! 

- Vamos chegar em algumas horas, devemos  manter a calma! 

- Calma?! - Aerin se aproxima perplexo  -“manter a calma” e deixá-la morrer? De maneira nenhuma! Minha irmã está a beira da morte. Ela saiu de um coma de dois meses e agora está com um ferimento profundo na barriga. Isso aconteceu em menos de uma semana! Eu já perdi meus pais e a Olívia, não vou perder a Amarïe! 

- Aerin, estou fazendo de tudo para a manter viva, mas não temos cem por cento de certeza disso. Ela está perdendo muito sangue, precisa de uma transfusão de sangue imediata! 

- O QUE VAMOS FAZER?! - O elfo se alterou. Não conseguia controlar a raiva que sentia naquele momento, era como se o corroesse por dentro. Aerin se via sem esperança. - Não podemos a deixar morrer!

...

No QG estava tudo aparentemente tranquilo. Ewelein voltara ao QG a três dias. Assim que voltou, imediatamente perguntou a Miiko aonde sua irmã estava, tinha um medo enorme de perder a mais nova. 

Amarïe passou por muitas coisas durante a infância, já havia ficado mais de quarto vezes entre a vida e a morte. A verdade é que tinham muitas pessoas interessadas nela, no que ela possuía. Seus pais sempre esconderam a coisa mais valiosa de Amarïe, eles nunca a contariam a ninguém, confiavam o segredo a sete chaves. Alguns dias antes de Ewelein ir morar no QG, ela e Aerin descobriram o que seus pais tanto escondiam sobre a ruiva, mas resolveram que só contariam a garota na hora certa.

Era de tarde, por volta das 16:00 quando Miiko foi avisada que o barco que os líderes das guardas estava chegando. A kitsune foi até a praia para os receber, mas quando chegou lá, notou que todos estavam desesperados.

- O que aconteceu?! 

- Amarïe. Alguém a atacou, ela precisa de uma transfusão de sangue imediatamente! - Caméria se aproxima de Miiko dando espaço para que Aerin passasse correndo com a ruiva em seus braços. Atrás dele estava Ezarel, os rapazes corriam o máximo que podiam, a vida da jovem estava por um fio.

- Quem a atacou? 

- Ainda não sabemos. 

- Quem a encontrou? 

- Aerin foi atrás da Amarïe e do Ezarel pois estavam demorando muito, quando eles

 voltaram, Amarïe estava coberta de sangue e desacordada. 

- Merda! Vamos, precisamos descobrir quem a machucou. 

...

Aerin chegou a enfermaria com a irmã em seus braços. Assim que Ewelein os vê, ela manda o rapaz deitar a garota na cama, e logo começa a fechar os ferimentos que Amarïe carregava em seu corpo. 

Quando Ewelein termina, começa a fazer testes nos rapazes para ver se o sangue deles é compatível com o de Amarïe, mas logo percebe que nenhum é conciliável.

- Nenhum é compatível! 

- Ewe, você e o Aerin são irmãos dela, pelo menos um de vocês deve poder doar sangue para ela.

- Nosso sangue não é igual, Ezarel...

- Mas...

- Agora não é hora para perguntas, precisamos achar alguém que seja compatível. Meninos, por favor chamem Miiko, Ykhar, Leiftan e Kero. 

Os rapazes saíram da enfermaria indo a procura das pessoas que Ewelein mandou chamar. 

... Algumas horas depois.

Depois que Ewelein realizou os testes, descobriu que Leiftan poderia ajudar.

 

Algumas horas depois ela terminara, foi perguntar aos meninos o que aconteceu. 

- Quem a encontrou? 

- Fui eu. 

- O que aconteceu com ela, Ezarel? Você viu quem a atacou? 

- Eu não sei quem fez isso. Eu estava saindo do quarto quando...

 

Flashback On

Já estava na hora de voltarem ao QG, todos tinham saído do quarto, menos Ezarel. O alquimista estava saindo do quarto quando ouviu um grito. O clamor por socorro vinha de fora do dormitório, o azulado reconheceu a dona daquela voz. 

- Amarïe! - Imediatamente foi em direção ao chamado da garota. Corria o mais veloz possível. - Pelo oráculo! O que aconteceu com você?! - ajoelhou-se ao lado da ruiva. Ezarel se deu conta que os olhos da garota estavam se fechando lentamente - Amarïe! Amarïe, não feche os olhos! Amarïe! - Sacudia a ruiva em seus braços.

Amarïe ficou inconsciente, imediatamente o rapaz se desesperou. Ela estava pálida, seus lábios estavam quase sem cor, seus dedos tão gelado quanto cubos de gelos e sua blusa cheia de sangue. 

Sem saber muito o que fazer, Ezarel gritou por socorro o mais alto que conseguia. Até que ouviu uma resposta para os seus chamados.

- Estou indo! 

O alquimista pegou a garota em seus braços pronto para se levantar quando Aerin chegou. Os rapazes tiveram um breve diálogo e logo correram para o barco. Precisavam chegar ao QG.

Ou a garota morreria.

Flashback off

 

- Ela tinha cinco cortes na barriga. Definitivamente foi um ataque! Não parecia uma simples espada ou punhal, tinha algo diferente. 

- Você nunca ajudou alguém com um corte parecido? 

- Já cuidei de muitos feridos e nenhum deles tinha algum ferimento semelhante. E os ferimentos formavam letras.

- Quais letras? - Aerin pergunta atônito.

- L e I. 

- Lórien isildur. - Aerin sussurra despertando curiosidade dos demais.

- O que? 

- Nada! 

- Aerin, você sabe de alguma coisa? 

- Não... Não sei de nada... Você deveria se questionar se o Ezarel sabe de alguma coisa, afinal, foi ele quem a encontrou.

- O que você está insinuando? 

- Que você tenha algo haver com o que fizeram com a Amarïe. 

- Você tá maluco?! Eu não encostei um dedo na sua irmã! 

- Não estou dizendo que você quem fez o trabalho sujo. 

- Escuta aqui... 

o azulado iria partir para cima de Aerin, mas Nevra e Valkyon o seguraram impedindo que isso acontecesse. 

- Deixem ele vir, eu vou arrebentar a cara dele!

- Ninguém vai arrebentar a cara de ninguém! - Ewelein intervém furiosamente - Vocês estão esquecendo que precisamos descobrir quem fez isso? Aerin, o Ezarel é o meu namorado e eu confio nele... Ele não fez isso.

- Ewelein, ele...

- Já chega! Aerin, eu já disse que confio nele. 

- Ok.

- Se algum de vocês quiser ver a Amarïe, pode ir um de cada vez. 

E assim foi feito, o primeiro a ver a garota foi Aerin. O elfo ficou cerca de 5 a 10 minutos ao lado da irmã. Ele falava a irmã - mesmo que ela estivesse dormindo - o quanto se sentia mal por não ter evitado que aquilo acontecesse e prometeu que faria de tudo para se vingar de quem a atacou. 

Sentia-se culpado. 

 

 

Ezarel foi o último a entrar na enfermaria para ver como Amarïe estava. Ela parecia tão frágil, respirava com ajuda de aparelhos e tomava soro. Ela não estava mais pálida e mesmo dormindo tinha um leve sorriso em seu rosto. 

Era tão linda.

O elfo se aproximou um pouco mais da garota e acariciou seu rosto. Sem que ele se desse conta, estava sorrindo. 

- O que você está fazendo, Ezarel? - Ele se repreendeu por estar acariciando o rosto da menina. Ela não era próxima a ele, desde quando ficou carinhoso com ela? Ele não podia. Rapidamente retirou sua mão do rosto da bela moça e cruzou os braços.- Você não sabe o quanto me deixou nervoso! Eu não poderia te deixar morrer em meus braços, garotinha... Sinto muito pelo o que eu te disse naquele dia. 

O que estava acontecendo com Ezarel? Ele estava de redimindo por ter dito aquelas duras palavras a garota, desde quando fazia isso? Só podia estar ficando maluco. Praguejou algumas palavras na língua elfica e saiu rapidamente da enfermaria indo direto ao seu quarto para tomar um banho e limpar aquela roupa suja de sangue. 

Desde que chegaram da missão, o elfo não foi para longe de Amarïe, nem sequer tomou uma ducha. Se sentia mal pela ruiva, se ele estivesse junto com ela durante o caminho, talvez ela não estivesse naquele estado. 

- Pare de pensar na Amarïe! - mais uma vez repreendeu seus pensamentos. Retirou sua roupa e foi ao encontro do banho, lavando todo o sangue que estava em seu corpo. E mais uma vez seus pensamentos o levaram a uma mesma pessoa, Amarïe. - Seu idiota! - Resmungou. 

Após terminar o banho, o rapaz se secou e foi pegar uma roupa limpa em seu guarda roupa. Se vestiu, penteou seus longos cabelos azuis e foi até a biblioteca fazer o relatório da missão.

- Olá Ezarel, o que faz aqui? - Kero ajeita seus óculos enquanto faz outra pergunta - devo imaginar que veio fazer o relatório da missão, estou certo? 

- Sim. Foi uma missão longa e cansativa e infelizmente tivemos esse incidente. 

- Ykhar me falou sobre a Amarïe... Sabe se ela já acordou? 

- Acredito que não... - Ezarel para de preencher a ata e olha na direção de Keroshane - A menos de uma hora atrás eu a vi e ela ainda estava dormindo. 

- Ah... Bom, quando terminar o relatório, deixe em cima da minha mesa, preciso resolver algo agora. 

- Ok. 

Após Ezarel terminar de fazer o relatório, ele põe em cima da mesa de Kero e vai ao laboratório de alquimia. Precisava parar de pensar em Amarïe. 

...

Passaram-se algumas horas desde que Amarïe havia chegado ao QG, Ewelein estava na enfermaria esperando ansiosamente sua irmã acordar, quando a garota começou a chamar alguém.

- Ezarel! Ezarel! 

- Amarïe, fique calma! - A enfermeira se aproximou de sua irmã e percebeu que ela ainda estava dormindo enquanto chamava o azulado, logo resolveu falar com ele.

- Ezarel! 

- O que aconteceu, Ewe? 

- Amarïe está chamando por você. 

- O que?! Ela acordou? 

- Ela ainda está dormindo, mas está te chamando, acredito que daqui a pouco ela acorde, então fique lá com ela, pelo menos durante alguns minutos. 

- Tudo bem...

O casal vai a enfermaria e Ewelein deixa Ezarel e Amarïe a sós. O elfo se aproxima da ruiva que estava deitada sobre a cama da enfermaria e fica a observando. Ela era muito bela, Ezarel admirava cada detalhe de seu rosto. 

- Ezarel! 

Mais uma vez a garota o chamava, ele não entendia o motivo de Amarïe estar o chamando mesmo desacordada. 

- Estou aqui, Amarïe. Está tudo bem! - O rapaz sussurrava calmamente para a garota.

Poucos segundos depois, Amarïe abriu seus olhos lentamente e assim que viu que Ezarel estava ali com ela, imediatamente envolveu o azulado em um abraço cheio de carinho. Mesmo sem entender muito bem e detestando ser tocado, o alquimista não foi capaz de negar o abraço, então a envolveu entre seus braços. 

Da porta da enfermaria, os olhos de Ewelein se encheram de lágrimas e seu coração sentia que estava apaixonada pela pessoa errada


Notas Finais


O que vocês acharam do capítulo de hoje?
Por que Amarïe estava chamando por Ezarel?
Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...