1. Spirit Fanfics >
  2. Quase impossível >
  3. Quem é você?

História Quase impossível - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Espero que gostem desse capítulo. Chegou o tão esperado momento (pelo menos por mim, rs). Foi escrito com muito carinho.
Boa leitura! <3

Capítulo 6 - Quem é você?


Fanfic / Fanfiction Quase impossível - Capítulo 6 - Quem é você?

POV Amarilis

Ouvir a história dele e contar sobre a minha foi completamente fora do normal. Eu nunca tive uma conversa com o homem além de "vamos pro motel ou pra sua casa?". Desde o Alisson eu nunca tive um relacionamento sério, nunca trouxe outro homem a minha casa e também nem quero, isso é muito fora do que eu estou procurando. Mas conversar com alguém, conhecer realmente a pessoa, beijar sem ter a maldade de tirar a roupa, foi algo bom e uma nova experiência, na qual fico muito feliz de estar vivenciando com o Bruno. 

 

Passei em casa e eu troquei rapidamente de roupa, ele ficou me esperando no estacionamento. Entramos no meu carro e fomos para o Coco Bambu, era tão engraçadinho ele deslumbrado com o lugar e com seus preços. 

 

-Loira, um prato desse restaurante deve ser o meu salário da semana. -Ele sussurra em meu ouvido, o que me faz rir. 

 

-Ainda bem que quem vai pagar sou eu, né? -Aperto seu nariz e me sento ao seu lado.

 

-Boa tarde, o que irão querer? -A garçonete se aproxima de nós, olhando de cima a baixo o Bruno. 

 

-Boa tarde, tudo bem? Primeiro eu gostaria que você não olhasse o meu marido dessa forma, ele é um homem muito rico e influente e se você piscar, ele faz você perder seu emprego. Aliás, chama outra garçonete, quero ser atendida por alguém mais... capacitada. -Viro o olhar para o Bruno que está com os olhos arregalados. A garçonete pede licença e se retira. 

 

-Loira, o que foi isso? O salário dela deve ser maior que o meu kkkk -Ele sussurra em meu ouvido e da risada.

 

-Eu não vou aceitar alguém te olhar com desprezo. Se a questão é dinheiro, deixa eles acharem que você tem. Desculpa se eu te ofendi, não quero que você pense que só porque você é pobre você não merece respeito e.. -Ele me interrompe com um beijo. E que beijo. 

 

-Relaxa, loira. Eu gostei de você me defender e gostei mais ainda de você falar que eu sou seu marido. Quem sabe um dia, né? -Rimos. 

 

-Oi, boa tarde! Meu nome é Luciana e eu irei servi-los essa tarde. Já escolheram o pedido? -A nova atendente parece bem simpática, de certo, já deve ter levado aviso. 

 

-Oi Luciana, tudo bem? Nós vamos querer um camarão internacional. Chá gelado pra mim e chopp mais gelado ainda pro meu marido, tudo bem? De entrada pode ser um ceviche de salmão e uns pastéis de carne de sol. -Entrego os cardápios em sua mão. 

 

-Combinado! Muito obrigada e tenha um ótimo almoço. 

 

-Você vem sempre aqui? -O Bruno questiona. 

 

-Até que sim, é o melhor restaurante que tem por aqui de frutos do mar, e eu amo frutos do mar. Você gosta? 

 

-Gosto do que tem pra comer kkkk pobre não pode ter frescura não. 

 

-Não é frescura. Você é ser humano e tem total direito de ter suas preferências, não aceitar o que vem. Bom, me conta da sua filha. -Decido puxar assunto. 

 

-Bom, a Duda é demais... A mãe dela e eu não ficamos juntos por nem um ano, começamos a namorar e ela engravidou, tentamos morar junto mas ela é muito chata, reclamona e tenta me controlar. Foi cada um pro seu canto mas eu não deixo de nem um dia estar longe da minha princesa. Um dia vou te apresentar ela, a baixinha é o máximo. -Vejo brilho nos olhos dele falando da pequena. 

 

-Eu irei amar conhecê-la. 

 

Os pratos chegaram e comemos muito, ele amou o almoço a sobremesa comemos churros. Paguei a conta no débito, nos retiramos do restaurante e já era quase 18h. 

 

-Me esqueci.. Tenho que ir buscar minha filha. Prometi que levaria ela pra dormir lá em casa hoje. Caraca, hoje o dia rendeu, e olha que eu virei a noite, to mega cansado. -Ele estrala as costas enquanto fala.

 

-Vamos, eu te levo pra sua casa, assim você economiza tempo. -Puxo ele para dentro do carro.

 

-E a loira vai entrar no morro? Essa eu quero ver. -Ele coloca o cinto e eu dou play no rádio. 

 

Fomos até lá falando sobre coisas aleatórias, contei sobre o que eu fazia na revista, ele me disse que era estoquista no mercado, falei das minhas amigas super legais e que queria que ela conhecesse os amigos dele, até que quando vimos, já estávamos no morro. 

 

-Pode virar aqui, é bem no comecinho. -Eu viro e paro o carro em uma viela, onde tinha uma portinha com dois degraus em frente. 

 

-Aqui é meu lar doce lar. -Ele faz uma força para empurrar a porta, eu dou alarme no carro. 

 

-Nossa, confesso que eu imaginei que fosse um muquifo todo mofado e cheio de roupa suja espalhada. -Brinco e rimos.

 

-Credo loira, eu sou pobre mas sou limpinho. Esse é o meu cafofo, é humilde mas é limpo. -Ele se senta na cama.  -Você

quer uma água, alguma coisa? 

 

-Quero sim, você. Pulo em seu colo e começo a beija-lo loucamente. 

 

Eu sei que eu to parecendo uma louca. Mas esse cara me deixa completamente sem reação. Uma hora eu quero fazer a difícil, na outra eu quero ele pelado na minha cama. Na outra quero não vê-lo mais, na outra quero acordar todos os dias do lado dele. Eu to completamente descontrolada e quando me dou por mim, já estou em cima dele, com ele só de cueca e eu só de calcinha e sutiã, enquanto não desgrudávamos nossos lábios por nem um segundo. 

 

-Caralho loira, assim você vai me deixar sem ar. -Ele para de me beijar e começa a descer os beijos para o meu pescoço, o que já me faz arrepiar.

 

Mano, com um toque esse homem faz eu perder completamente os sentidos, eu nunca me senti tão vulnerável perto de alguém. 

 

Faço um coque frouxo em meu cabelo e começo a descer os beijos por toda extensão da sua barriga, ele é tão magro mas ao mesmo tempo ele é tão gostoso, começo a retirar sua cueca com a boca, consigo ver pelo volume de sua cueca que ele já está tão excitado quanto eu. Retiro a sua cueca já exibindo aquele pau enorme, completamente louco de excitação por mim e enfio tudo na boca de uma só vez, o que faz com que o moreno gema baixo e puxe meu cabelo. No momento em que eu coloquei a boca, escutei um barulho.

 

Toc toc -Papai, eu cheguei, você tá ai? -A filha dele estava do lado de fora, merda. 

 

O Bruno me empurrou e ficou apavorado.

 

-Loira, a minha filha tá aqui. -Ele começa a procurar a cueca. -Eu disse pra ela que ela era a única princesa que viria visitar o castelo do papai, ela nunca mais vai confiar em mim e.. Meu Deus, como você é linda. -Ele para completamente suas ações e fica me olhando semi-nua. 

 

-Vai ficar parado me olhando? Se vai deixar sua filha esperando, pelo menos vamos foder né. -Me levanto e volto a beijá-lo. 

 

-Paiiii, você tá aqui? -A menina nos interrompe novamente.

 

-Loira, por favor me perdoa. Mas eu preciso te pedir, você pode sair pela janela? Eu não quero que minha filha te conheça desse jeito. 

 

-Relaxa, Bruno. Tá tudo bem. Dou um beijo em seu rosto e visto minha roupa.

 

Pulo pela janela e limpo a roupa com as mãos, que situação, eu no auge da minha vida pulando de uma janela na favela. Ai ai, vou em direção ao meu carro e aperto o alarme. Me deparo com uma garota de short jeans e chinelo, um cropped pink e várias tatuagens, deve ser a mãe da filha do Bruno. Ignoro e vou entrar em meu carro. 

 

-Ei ei, quem é você? -A louca vem em direção a mim gritando, caralho, fudeu. 

 


Notas Finais


Quaaaase que rola, mas deixa pro próximo. kkkkkk Obrigada por ler.
Meu instagram é @carollcamarossi, <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...