História Quase irmãos (Park Jimin) - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Agust D / Suga, Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Hot, Incesto, Jimin, Políamor, Tae, Yoongi
Visualizações 175
Palavras 2.355
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Hentai, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Steampunk, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oien gente. Esse final de semana foi bom demais para me fazer pensar sobre a história, tenho um monte de ideias(apenas ideias, ainda não escrevi muita coisa).
Pensei muito se deveria liberar esse capitulo logo ou se deixaria acumular mais rascunhos e esboços, para não ficar sem nada durante a semana. Mas fiquei ansiosa para postar esse aqui e decidi postar logo.
Esse capitulo foi inspirado nos 69 favoritos que recebi essa semana
Me digam o que acharam

Capítulo 20 - Matando a saudade de nós dois


Fanfic / Fanfiction Quase irmãos (Park Jimin) - Capítulo 20 - Matando a saudade de nós dois

—Por que você veio aqui hoje? Ainda mais tão cedo?

—Já quer me expulsar, Bi? — Ergueu a sobrancelha com um sorrisinho de lado

—Muito engraçadinho Min — dei um tapinha em seu ombro

—Tudo bem, tudo bem. Papai precisava de algumas instruções do melhor quase-advogado da coreia

Jimin era estagiário em um renomado escritório de advocacia, ele vai ser um grande advogado em mais ou menos um ano e meio, quem sabe até mesmo venha a ser um juiz um dia. Mas era incomum que meu pai precisasse de alguém para aconselhá-lo assim tão subitamente

—Pra que ele precisa de um advogado?

—Nada demais, só coisas do trabalho dele — respondeu sem me olhar, seu semblante mudou completamente

 Eu achei aquilo tudo muito estranho, Jimin estava com uma cara preocupada e tentava a todo custo desviar minha atenção daquele assunto, era como se dissesse que não queria que eu ficasse bisbilhotando. Quando finalmente desisti de tentar descobrir do que tudo se tratava, observei que Jimin estava extremamente sexy com roupas sociais. Ele sempre estava vestido assim quando chegava do trabalho, mas alguma coisa naquele dia estava diferente, talvez fosse apenas saudade

—Você tá muito gostoso com essa roupa, sabia? — Provoquei. Ele, que já estava sério, fechou ainda mais a cara e me olhou

—Não começa, Bi — Mas seus olhos diziam para que eu continuasse com aquilo

—E se eu não parar? — Aproximei-me dele, deixando nossos corpos bem próximos

—Porra — Agarrou minha cintura e colou ainda mais nossos corpos. Pronto, era isso, ele estava exatamente onde eu queria. Era como se eu fosse seu veneno favorito.

—Sabe, eu andei pensando, Min — Enrosquei meus dedos em sua gravada

—O que? — Ele já estava nervoso, arrepiado com nosso mínimo contato

—O quão alto eu consigo gemer do seu quarto aqui embaixo, sem que eles escutem lá em cima. Quer me ajudar a descobrir essa noite? — Mordi meus lábios inferiores enquanto o encara, podia ver todo desejo em seus olhos, aquilo me excitava ainda mais.

—Caralho, Bi. Você quer me deixar maluco — Apertou ainda mais minha cintura e aproximou nossos rostos, estávamos a poucos centímetros de um beijo apaixonado, mas logo ele me soltou e se afastou rapidamente, fiquei sem entender, até que ele começou a falar — Pai, os documentos do senhor estão nessa pasta — disse entregando o objeto e arrumando a gravata

—Obrigado filho — a cara do papai não era das melhores — Oh filha, você chegou tão quieta, nem a ouvi chegar

—Sou uma ninja — falei fazendo sinais com as mãos — que precisa urgentemente de um banho — comecei a caminhar lentamente em direção ao segundo andar, onde ficava meu quarto. Antes de subir a escada pude ouvir Jimin dizer que iria dormir em casa naquela noite, com a desculpa de que levaria ele mesmo os documentos na manhã seguinte.

HÁ! Mas a noite vai ser longa

Com toda a minha ansiedade, aquele jantar passou lentamente, estávamos somente nós três, Sun estava de plantão e Tae estava na escola — ele só volta para casa sexta à tarde. Apesar do nervosismo e desejo fazerem com que o tempo passasse bem devagar, até que foi divertido ter um jantar só entre a gente. Não me entenda mal, eu adoro a Sun, ela fez a vida do papai muito melhor, ele nem anda trabalhando mais como antes, mas passar um tempo com meus garotos fazia com que eu me lembrasse como minha mãe era feliz com a nossa família, causava-me uma saudade gostosa, eu nunca mais fiquei triste com a sua lembrança, parecia estranho para mim, mas eu ficava alegre ao lembrar dela. Pensar nela as vezes faz com que eu me pergunte se ela apoiaria meu relacionamento com Jimin.

Jantamos, comemos sobremesa, arrumamos tudo, assistimos as novelas que papai adorava. Apesar das atividades tranquilas entre nós, sentia uma tensão entre meu pai e Jimin, eles se olhavam e pareciam compartilhar da mesma preocupação, apenas resolvi não comentar nada sobre aquilo, não queria estragar um momento tão legal. No intervalo disso tudo Jimin e eu mal trocávamos olhares, era até bom, porque eu conseguia ver ele cada vez mais nervoso olhando para o relógio, ele devia estar contando os minutos tanto quanto eu.

—Bem crianças, está muito bom passar o tempo com vocês, mas estou morto de cansaço e ainda tenho que ler os documentos que você trouxe — ele arrumava seus óculos o que indicava que estava realmente cansado e pensativo — Alias, você acha que consigo resolver isso rápido?

—Bem, o senhor Kim fez umas observações para você, não sei se o senhor vai ficar contente — Jimin intercalava seus olhares para papai e para mim — quer falar disso depois? — Agora era nosso pai que olhava pra mim. Eu estava começando a ficar irritada com isso

—Claro — pigarreou — amanhã nos falamos no escritório, vou passar lá antes do trabalho

—O que vocês tanto falam, que ficam me olhando com essa cara de bunda, heim? Vou me retirar para que vocês possam continuar a conversa — Falei enquanto me levantava do sofá

—Deixa de ser boba. Relaxa aí garota — disse Jimin me puxando de volta

—Isso, fiquem aí conversando

Claro, que vamos conversar... Só que sem a parte da conversa

— Vou dormir — deixou um beijinho na minha testa — Não esquece que tem aula amanhã, querida — Assenti, meu coração já estava pulando para fora do peito

Logo, estávamos a sós, mas nenhum dos dois parecia disposto a dar o primeiro passo, Jimin estava com medo e eu, bem, eu queria que ele parasse de cu doce e viesse até mim. Como isso não aconteceu nos longos 30 minutos de espera, nem parecia que iria acontecer tão cedo, comecei a caminhar em direção ao seu quarto

—O que tá fazendo? — Perguntou se levantando do sofá, mas ainda ficou parado no meio da sala

—Você quer começar a se pegar aqui mesmo na sala? Por mim tudo bem — voltei a caminhar em sua direção de braços abertos e cara de safada

—Aí caralho, garota — Me puxou pelos braços e me levou até seu quarto

Simplesmente perdi a conta de quantas vezes me masturbei pensando nesse momento, quando, depois de dias afastados — dias que pareceram anos — ele finalmente se renderia para os sentimentos que tínhamos. Antes mesmo de fechar a porta, já atacou meus lábios e me prensou contra a parede.

 A cada beijo que dávamos, era como se a necessidade de mais aumentasse em nós dois.

Ainda me pressionando contra a parede, desceu delicadamente a alça da minha blusa, selou beijos por todo meu pescoço e ombros, ele estava delicado, como nunca fora antes

—Eu morri de saudades — disse entre beijos e lambidas em meu pescoço — ficar sozinho naquela casa — desceu minha blusa e começou a acariciar meus seios — sem você, é uma tortura — apenas fechei meus olhos e aproveitei aquele momento.

Suas caricias, suas palavras, era tudo perfeito

Ele abaixou mais minha blusa, aproveitou que era folgadinha e retirou por baixo, juntamente com meu short, já ajoelhado no chão, afastou minhas pernas e começou a beijar e acariciar minha coxa.

Eu já estava completamente entregue, sempre estive.

Começou a acariciar minha intimidade com seus dedos por cima da minha calcinha, era estranho vê-lo agir de forma tão delicada em um momento que ele costumava ser tão bruto, mas eu estava adorando aquela nova sensação. Ele me masturbava deliciosamente, eu rebolava discretamente em seus dedos entre gemidos, logo ele afastou minha calcinha para o lado e começou a me chupar. Sua língua era certeira e sabia exatamente onde me tocar, sabia todos meus pontos fracos, não preciso nem dizer que gozei em poucos minutos. Segurei em seus ombros e o levantei, nos encaramos durante segundos que pareceram eternidade, logo tomei a iniciativa de um beijo delicado, o guiei até sua cama e o fiz deitar, engatinhei pela cama e subi em cima dele de forma lenta e sensual, retirei sua camisa e deixei um monte de marquinhas roxas em seu abdômen, desci até sua calça de moletom e a baixei enquanto olhava diretamente em seus olhos

—Você é tão linda, Bi — afagou meus cabelos

—Você é tão gostoso, Min — peguei em seu pau e comecei a masturba-lo com minhas mãos lentamente, logo coloquei tudo na minha boca e chupava com vontade. Vontade e saudade.

Seu gemido rouco só me estimulava ainda mais, enquanto o chupava me tocava no mesmo ritmo. Ver sua cara de prazer me deixava ainda mais excitada. Inesperadamente, Jimin pediu para que eu virasse um pouco minha bunda para ele, sorri maliciosamente e logo sentei em sua cara. A sensação de tê-lo me chupando enquanto eu fazia o mesmo por ele, era incrível e indescritível. Quanto mais prazer proporcionávamos um para o outro, mais recebíamos em troca. Sim, era um pouco difícil de se concentrar, mas isso não fazia com que fosse menos prazeroso. Jimin logo gozou em minha boca, o jato de porra saiu com tanta força que quase não consegui engolir tudo. Tendo feito meu trabalho bem feito, ergui o corpo, ficando completamente sentada em seu rosto, comecei a rebolar ali e ele segurava minha coxa com força, quando senti meu orgasmo próximo, aumentei a velocidade dos meus movimentos, ele me acompanhou institivamente com sua língua

Estávamos em perfeita sincronia

Ser fodida por sua língua era, sem dúvida alguma, uma das sensações mais deliciosas que o universo poderia oferecer a qualquer ser humano. Meu segundo orgasmo chegou com tudo, o líquido de meu gozo escorreu pela minha perna, deixado o rosto de Jimin todo molhado. Nós até chegamos a rir da situação, mas não demorou muito para que estivéssemos agarrados e trocando beijos novamente, eu ainda estava por cima e seu pau já estava duro de novo, prontinho para me penetrar completamente. Encaixei ele dentro de mim lentamente, ambos demos um gemido arrastado

—Hoje eu tô no comando, ok? — Disse enquanto selava nossos lábios, ele apenas concordou com a cabeça e segurou minha cintura com força

Cavalguei cheia de vontade em seu pau delicioso, estávamos loucos de tesão naquele ponto. Apesar de ser uma transa diferente da que estávamos acostumados, era igualmente deliciosa, talvez até mesmo melhor. Quanto mais rápido eu me movia, mais ele apertava minha cintura e me ajudava com os movimentos, mesmo comigo estando por cima e suspostamente no comando, ele queria controlar tudo.

—Chega Bi — me virou bruscamente contra a cama, me deixando de bruços, apoiou seu corpo sobre o meu e começou a respirar em meu pescoço — deixa que agora eu cuido de você — aquilo foi o suficiente para que eu me derretesse toda e soltasse um gemido

Gemi ainda mais quando senti suas mãos passarem entre minhas coxas, sentia sua mão e seu polegar me tocando por trás enquanto as pontas de seus dedos encostavam em minha boceta molhada, o estimulo era tamanho que eu não controlava mais meu corpo, os espasmos eram frequentes, os gemidos cada vez mais altos.

—Você gosta assim, né? — Enfiou um dedo na minha segunda entrada, apenas assenti entre gemidos. Ele mordia meu ombro e me dava incontáveis chupões pelas minhas costas enquanto me tocava lá embaixo

—M-me fode — disse arrastando as palavras — com força

Essas palavras foram o suficiente para que ele libertasse o monstro que mora em seu íntimo. Ele me penetrou sem aviso ou delicadeza, segurou firme em meu pescoço, me dando uma deliciosa sensação, uma leve falta de ar. Com minha mão direita, segurei sua bunda gostosa, um sinal para que ele fosse mais rápido

—Quer mais, safada? — Perguntou aumentando a velocidade e me fazendo delirar de prazer, empinei mais a bunda e comecei a tocar meu clitóris, procurando aumentar ainda mais aquela sensação divina.

Jimin levou dois dedos até minha boca, fazendo com que eu os chupasse e lambesse, aquilo era extremamente sensual, eu não podia nem raciocinar. Logo, ele retirou os dedos da minha boca e os levou até meu cuzinho, revirei os olhos com a subita penetração. Falava coisas desconexas e todo meu corpo tremia

Trezentos chupões e mordidas depois, seguidas de uns cinquenta tapas na minha bunda, senti seu membro pulsar fortemente dentro de mim, fazendo com que eu alcançasse novamente meu orgasmo, dei um grito exageradamente alto, tinha quase certeza que meu pai poderia ouvir, isso se não estivesse em um sono profundo. Depois de algumas estocadas, Jimin gozou ainda dentro de mim. Eu odiava que fizessem isso, mas como era ele, eu não fiz muita questão

Nos deitamos lado a lado, ofegantes suados e com cheiro de gozo pairando pelo ar, fechei meus olhos e o abracei

—Melhor transa de todas — disse espaçadamente

—Coitados dos lençóis que estão todos molhados — rimos — vamos tomar um banho? Te levo até seu quarto

—Naaa, vou dormir aqui hoje — disse manhosa me encolhendo e chegando mais perto dele

—Se papai te pega aqui comigo, ainda mais pelada, a gente pode dizer adeus à nossas vidas

—Da última vez ele achou fofo a gente dormindo junto.

—Tá, mas pelo menos um banho e uma roupa a gente tem que colocar. Ele não vai achar nada fofo me ver com o pau pra fora do seu lado

—Mas seu pau é muito fofo — eu sorria com os olhos fechados

—Gabriela! — Falou com uma voz de comando irritante

—Chato para um caralho. Posso nem ficar com seu cheirinho na pele e me recuperar um pouco

Nos levantamos e fomos juntos para o banheiro, tomamos banho de banheira enquanto conversávamos sobre como as coisas ficariam entre nós, e bem, decidimos ficar juntinhos apenas nos fins de semana que eu fosse pra casa dele. Apesar disso, Jimin disse que eu deveria continuar saindo com meus “amigos”, percebi o quanto dizer isso foi difícil para ele, mas acho que ele pensava que dessa forma eu sofreria menos se tudo acabasse novamente, o que não era nem de longe a verdade.

Então era isso, eu o teria em meus braços novamente. Não era oficial, não era definitivo, muito menos seria sempre que eu quisesse, mas para mim, o mínimo de Jimin que eu pudesse ter comigo, era bom o suficiente

 

Seja meu verão em um dia de inverno, amor
Eu não consigo ver nada errado entre nós dois

Fallin' All In You - Shawn Mendes

 


Notas Finais


Atualizei as duas fics, agora posso dormir feliz :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...