História QUATRO ESTRELAS - Original - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Deuses, Drama, Família, Historia De Amor, Magia, Mitologia, Religião, Romance
Visualizações 6
Palavras 955
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá, leia a história até o fim, pois a cada capítulo ela melhora...
Favorite para receber mais capítulos!

Capítulo 14 - A Torre de Mufassa


Fanfic / Fanfiction QUATRO ESTRELAS - Original - Capítulo 14 - A Torre de Mufassa

Margarida foi amparada pelas enfermeiras que a colocaram na cama e lhe afirmaram que a dor logo iria passar. Em seguida elas saíram e a moça dos olhos de mel ouviu o trinco da porta a prendendo naquele quarto fúnebre e suas lembranças conseguiam pouco recordar da conversa que teve com Rafael e saber porque estava ali. Apenas ficou segurando o pingente de flor de esmeralda que era a única lembrança de seus pais verdadeiros. Não sabia se estavam vivos ou não, mas pediu ajuda para eles inconscientemente por toda a noite, onde ficou deitada em meio ao cheiro de alfazema que a fazia sonhar levemente.

Dormiu pouquíssimo tempo e pôde perceber o sol nascendo ofuscado pelas nuvens, era incrível como o tempo passava rápido. Um dia a moça estava no Vale em que nasceu preocupada com o irmão de criação e no outro ela estava raptada presa num quarto situado em outro povoado não tão belo e encantador. Esta agonia parecia não ter fim e se assemelhava a eternidade do medo.

A luz cinzenta ainda irradiava pela varanda e o clima frio tocava a pele de Margarida que se assustou com a porta sendo aberta mostrando alguém usando uma capa preta com um capuz que lhe tampava o rosto. Porém, logo notou o loiro dos cabelos e percebeu que era Belinda, a mulher que ficou sua amiga no tempo que passou no Vale da Terra e que no fundo sabia que lhe considerava uma pupila.

Belinda abaixou o capuz e deixou notar sua face que ficou assustada ao ver o rosto da jovem, marcado pelo tapão que havia recebido. A pele de Margarida era tão clara e frágil que ficava marcada facilmente. A moça se levantou e lhe deu um abraço.

— Bela! Achei que não a veria mais.

— E eu nem pensei nisso, Margarida. — a mulher tinha se afeiçoado muito rápido aos quatro jovens e só em imaginar que a moça estivesse correndo risco de vida, viu seu coração sair pela boca e o ar faltar por amargura — Vamos partir agora em silêncio, não temos tempo a perder!

Entrar na torre não foi fácil, precisou pôr o capuz muito comum em Mufassa para se disfarçar e com seus companheiros render todos os guardas para assim descobrir qual era o quarto que escondiam a menina, ora, precisaram ameaçar uma enfermeira para ela dizer onde estava Margarida.

Enquanto isso, o exército da Ordem dos Millians invadiu o povoado e Rafael fugiu, pois tinha medo apenas do nome de Max Millian que comandava aquela investidura, ora, na realidade, aquele que se denominava Dom Rafael tinha certeza que jamais descobririam onde a menina estava e quando viu além do mar os navios do inimigo perdeu toda a coragem e sumiu sem os seus companheiros que foram facilmente rendidos e presos nas embarcações.

A mulher pegou o braço de Margarida e a levou até o corredor e lá viu dois homens usando a mesma capa em volta de alguns moribundos desfalecidos no chão. Belinda logo acalmou a menina afirmando que eles estavam inconscientes, mas logo acordariam, pois apenas foram atingidos por uma arma não letal...

As paredes eram de pedras iluminadas pelas lâmpadas no teto, tudo com um ar muito obscuro que causava arrepios em Margarida que ainda sentia dor na costela. Todo aquele ambiente a fazia ter repulsa, pois jamais imaginou estar num lugar frio como aquele, não o frio da estação, mas o da alma... Provavelmenre, um local que se fazia magia negra... As duas andavam com um amigo de Bela na frente e outro atrás pronto para protegê-las de qualquer perigo.

— As escadas estão seguras, não é Peter? — perguntou Belinda ao homem da frente que se manifestava com uma expressão séria e sombria.

— Que os deuses digam sim...

E eles começaram a descer as escadas que iam formando círculos. Só mais tarde Margarida soube que esteve em uma torre, onde viviam os reis de Mufassa, e que lá existiam aposentos nobres para um magnânimo e até calabouços que torturavam os maiores inimigos. Ela nem imaginava, mas essa torre ficaria gravada em sua memória até o fim de sua vida por lembranças que nunca morrem.

Os andares finalmente foram chegando ao fim e pelo que pareceram tremendas horas chegaram ao térreo, em um saguão circular de pedras sem janelas e apenas uma grande porta de madeira que foi aberta por mais dois homens com o mesmo traje de Belinda. Margarida até pensou em perguntar quem eram os seus salvadores, mas quando percebeu já estava correndo por um gramado seco e sem vida, deixando a Torre de Mufassa para trás.

Enquanto corriam, um imenso barulho emergiu e vários aviões surgiram no céu. Belinda jogou a moça no chão caindo ao lado dela a abraçando não permitindo que nada a afetasse... Tiros... Era isso que ouviam.

Dois conjuntos de aviões guerreavam e elas estavam entre a batalha, pois Rafael não desistiria tão facilmente e os seus militares apareceram carregando armas gigantes prontos para uma grande guerra. A Ordem dos Millians estava pronta para enfrentá-los, mas a moça dos olhos de mel estava no meio daquela batalha. O que fazer?

O desespero nasceu na alma de Margarida como nunca antes. Ela chorava ouvindo as metralhadoras e algumas bombas ao longe e gritou de medo com a confiança que seria o último ato de sua vida.

O barulho aumentou ainda mais por causa de um tremor forte que surgiu. A enorme pedreira se desfez e uma avalanche caiu sobre a falada Torre de Mufassa de forma repentina e Margarida viu aquela cena tenebrosa desmaiando pelo choque. Uma forte fumaça subiu pelo solo enquanto os homens que guerreavam fugiram com medo da morte e Belinda desesperada tentava sair dali com a jovem.


Notas Finais


Esta história melhora com o passar dos capítulos...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...