História Quédate. - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Francisco "Isco" Suárez, Marcelo Vieira, Marco Asensio
Personagens Personagens Originais
Tags Alarcon, Isco, Madrid, Real
Visualizações 552
Palavras 2.325
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi bebês. Tá cedo né? Haha é pq daqui a pouco tem Real, então resolvi postar de uma vez.

Desculpa os erros e boa leitura! ❤

Capítulo 16 - Dieciséis.


Fanfic / Fanfiction Quédate. - Capítulo 16 - Dieciséis.

24 de dezembro de 2017 – Madrid, Espanha.

Depois que voltamos dos Emirados Árabes, a equipe de marketing finalmente tinha vindo até o meu apartamento fazer o que precisava ser feito. Sinceramente, tudo ficou do jeito que eu planejava que ficasse, e eu estava muito feliz com isso. Os cartões haviam ficado lindos, e os pequenos anúncios na internet também. Marcelo havia postado na rede social dele, o que impulsionou o começo do meu trabalho; eu estava finalmente fazendo o que amava de novo.

Isco também iria postar no Instagram dele, mas eu achei melhor não fazer. Até por que, depois de ter saído dezenas de fotos nossas e do nosso beijo dentro de campo na final do Mundial, a imprensa e os fãs estavam totalmente alvorados com isso. Aparentemente eu era uma nova Wag da Espanha. Pessoas falavam de mim sendo coisas boas e ruins e falavam de mim e Isco como casal. Mas sinceramente, eu não lia nada daquilo.

Além do mais, eu e Isco havíamos brigado ontem. Foi a nossa primeira briga, e foi terrível. Eu não sabia que quando eu começasse a trabalhar, isso poderia ser um problema. Eu já sabia sobre os ciúmes do Isco, mas era imprevisível saber se ele iria conseguir lidar com os meus clientes. E não foi exatamente o que aconteceu. A maioria dos meus clientes até agora eram masculinos, e isso não estava lhe agradando muito. Eu sabia que Isco estava me apoiando e iria se acostumar com aquilo, mas aqueles ciúmes eram totalmente desnecessários.

Talvez também não seja motivo, mas Isco estava totalmente estressado depois do vexame do Real Madrid diante do Barcelona ontem. Aconteceu o El Classico no Santiago Bernabéu, e além do Barcelona ter feito 3-0 em cima do Real, Carvajal havia sido expulso. Foi um dia estressante, ele estava mesmo chateado. Isco odiava perder.

Júnior novamente estava passando um tempo com a Victória, mas voltaria amanhã pela manhã para passar o Natal com o Isco. Mas, na próxima semana, Victória o pegaria para passar com ela o ano novo em Málaga. E Isco estava na casa dele, já que desde ontem quando eu o mandei ir embora, a gente não havia se falado ainda. Eu estava preocupada, não podia negar. Mas ainda assim estava chateada com aquela situação.

E eu, bem, agora eu estava fazendo o meu trabalho.

— Nós realmente só queremos o bolo de quinze anos exatamente do jeito que eu falei. A senhora acha que consegue entregá-lo nos primeiros dias de janeiro? — Um dos clientes perguntava do outro lado da linha.

— É claro, até o dia cinco está bom para o senhor e sua esposa? — Eu perguntei.

— Está ótimo! A festa da minha filha é exatamente nesse dia, nós mesmos vamos buscar — Ele murmurou — Muito obrigado, senhorita Alencar.

— Eu é quem agradeço, senhor Jiménez. Até logo — Eu murmurei e encerrei a ligação.

— Mais um! — Clarice sorriu terminando de anotar — Ainda bem que você deixou claro que não trabalharia no Natal e Ano Novo. Imagina, você estaria com entregas até a cabeça.

— Provavelmente, mas isso é incrível — Eu disse me jogando para trás e rindo — Eu estou tão feliz, Cla.

— Eu estou muito feliz por você também, morena — Ela sorriu, me fazendo sorrir também — Se continuar assim, você nem vai continuar aqui por muito tempo. Seu espaço no centro de Madrid será conquistado rapidamente.

— Isco me disse o mesmo outro dia — Eu murmurei sorrindo.

— E falando nisso, por que eu não o encontrei saindo do seu quarto vestindo apenas uma boxer quando eu cheguei de manhã? — Ela perguntou. Eu inevitavelmente corei.

A última vez que isso aconteceu, eu quase morri de vergonha.

— Nós meio que brigamos ontem — Eu disse, brincando com a caneta em minhas mãos.

— Meio que brigaram? Por que? — Ela perguntou.

— Isco estava com ciúmes dos clientes. Disse que eles provavelmente não queriam só doces, se é que me entende — Eu disse, vendo ela arregalar os olhos verdes.

— Eu não acredito que esse babaca disse isso. Eu vou matar ele — Ela disse.

— Clarice... Isco só estava estressado e chateado com o jogo... — Eu disse num suspiro.

— Não interessa, Maria. Isso não dá a ele motivos para falar isso pra você — Ela disse, realmente brava.

— Eu sei que ele me apoia, Cla. Ele só não se acostumou essa idéia ainda — Eu disse.

— Você teve que se adaptar ao mundo dele em uma semana, com o mundo inteiro falando de você e do namorado de vocês. Você praticamente se tornou uma figura pública por ele, e ele não pode simplesmente se adaptar ao seu mundo, apoiar o seu sonho? Maria, ele foi ridículo — Clarice disse.

— Eu sei, Clarice. Isso me magoou, mas nós vamos conversar depois. Pelo menos eu espero... — Eu disse.

Ela ia dizer algo, mas o seu celular vibrou. Ela leu rapidamente as mensagens que chegaram e suspirou se levantando.

— Eu preciso pegar os meninos com o Caio. E isso inclui o Marcelo. Você vai ficar bem? — Ela perguntou.

— É claro que vou, Cla. Obrigada pela ajuda — Eu me levantei também, pronta para lhe abraçar.

— De nada, qualquer coisa me liga. Fica bem — Ela disse.

— Pode deixar, igualmente — Eu sorri.

Levei Clarice até a porta e nós nos despedimos outra vez. Assim que a vi entrar no elevador, eu fechei a porta e me virei de novo, suspirando. Me sentei novamente no sofá, pegando o meu celular e olhando nas redes sociais sobre o a publicidade do meu trabalho.

Mas outro arquivo me chamou a atenção no Twitter. Mesmo que minhas mãos já estivessem levemente trêmulas, eu abri o jornal brasileiro.


"A filha mais nova dos Alancar é adotada!

De acordo com arquivos vazados nesta sexta-feita ( 22 ), o prefeito Fernando Alencar, instruído por seu advogada Marcos Conte, precisava de uma boa campanha para entrar, na época, como senador na Prefeitura. Vendo em uma das melhores opções, mesmo contrariado, Fernando Alencar decidiu adotar uma garota como uma boa ação para conseguir sua vaga na Câmara Estadual.

Maria Lúcia Alencar foi adotada quando ainda tinha apenas meses de vida, após a mãe legítima, por falta de condições, tê-la deixado no principal orfanato do centro do Rio de Janeiro. Funcionários antigos do local afirmam a insatisfação do prefeito e de sua esposa ao adotar a garota.

Questionado durante uma entrevista coletiva, o prefeito Fernando Alencar falou sobre o assunto:

— Era verdade, eu não queria adotar a Malu. Eu era muito novo, não queria ser pai tão cedo. Mas eu me apaixonei por Malu a cada segundo que passei com ela, nós temos uma garota brilhante, uma menina linda e que eu amo. Eu e Maria temos uma ótima relação, ela sabe sobre a adoção e toda essa história e realmente não se importa, até entende. Não há motivos para se tornar polêmica — O prefeito afirmou.

Além da adoção da filha, Fernando Alencar também..."


As minhas lágrimas já desciam pelo meu rosto de forma incontrolada, então eu saí da página, bloqueando a tela do celular em seguida e deixando-o o mais longe possível. Um pequeno soluço saiu da minha garganta, enquanto a dor em meu peito se intensificava.

Tudo finalmente fazia sentindo; ser ignorada naquela casa, a falta de amor, a falta de atenção ou carinho. Eu sempre soube que eles não me amavam de verdade, mas saber que me adotaram apenas por uma boa imagem para Fernando entrar na Câmara dos Deputados era demais. E saber que ele mentia sobre a nossa relação, doía ainda mais. Ele mal olhava na minha cara quando eu estava lá e ainda teve coragem de me falar todas aquelas coisas em Abu Dhabi.

Enquanto as lágrimas desciam pelo meu rosto e a dor quase sufocava, a campainha tocou. Eu limpei rapidamente todas elas, me levantando e abrindo a porta, sem fitar realmente a pessoa.

— Lu, amor, me desculpa por tudo que eu disse ontem mais cedo. Eu estava cego de ciúmes, estava estressado e... — Isco parou de falar, quando ouviu o meu pequeno soluço — Maria, o que houve?

Senti seus braços tomar o meu corpo em um abraço forte, então senti-o me empurrar para dentro e fechar a porta. As minhas lágrimas desciam novamente, molhando a sua camisa, mas ainda assim ele parecia não se importar. Meu rosto estava afundado em sua nuca, e eu apenas sabia que nós já estávamos sentados.

— Babe, me conta o que houve. Foi o que eu disse? Me desculpa, eu juro que não quis dizer aquilo — Ele disse, deixando carinhos em meu rosto — Maria, fala comigo.

— Não foi nada que você disse — Eu disse baixinho, me afastando de sua nuca.

— Então o que aconteceu, amor? — Ele perguntou, limpando as lágrimas do meu rosto — O que te deixou assim?

— Quer saber por que eu nunca fui bem-vinda naquela família?! — Eu soltei uma risada sem humor algum — Eu sou adotada, Isco. E eles nunca tiveram coragem de me falar isso. É um direito meu. E o idiota do meu "pai" tem coragem de dizer pro Brasil inteiro que a gente tem uma relação incrível, que nós somos muito grudados. Ele nem sabe onde eu estou, e quando estive lá ele mal olhava pra minha cara.

— Ei, calma — Ele me abraçou novamente, dessa vez mais forte.

Eu não disse mais nada, realmente acalmando o meu choro aos poucos. A raiva diminuía, dando lugar a curiosidade. Eu queria falar com eles, e queria conhecer a minha mãe de verdade. Esperava que ela ainda tivesse viva, e esperava poder conversar com ela. Mesmo que fosse para ela dizer que simplesmente não queria mais. Eu precisava entender. Precisava entender o meu passado, entender de onde vim. Eu já sabia que não tinha vindo daquela família, e mesmo que isso fosse um grande alívio, também era confuso. Eu sempre soube que não tinha nada a ver com eles, mesmo que a minha aparência lembrasse bastante a minha "mãe". Foi fácil de me enganar e enganar o resto do povo que acredita em meu pai.

Já com o rosto sem lágrima alguma, apenas com os pequenos soluços saindo pela minha garganta, eu afastei o meu rosto da nuca de Isco, me ajeitando em seu colo, com uma perna de cada lado de sua cintura. Ele passou a mão pelo meu rosto, me olhando preocupado e deixando uma mecha do meu cabelo liso atrás da orelha. Eu tentei sorrir de lado, mas acho que havia saído totalmente falso.

— Antes de qualquer coisa, você pode me perdoar pelo o que eu disse ontem? Não pense que eu não te apoio, por que o que eu mais quero é ver você sorrindo e fazendo o que gosta, Lu. Eu sei que errei falando aquilo pra você, eu não deveria ter descontado o meu estresse em você, mas realmente não vai acontecer mais. Eu te amo, Maria. E o ciúmes é só por medo de te perder pra outro cara — Ele disse calmo e devagar, o que me fez sorrir dessa vez verdadeiramente.

— Está tudo bem. Eu te amo — Eu disse baixinho com a voz ainda falha.

— Você já sabe o que fazer? — Ele perguntou, após longos segundos em silêncio.

— Eu não sei, tentar falar com eles, talvez. Tentar achar quem realmente me pôs no mundo. Eu não sei, Isco... Eu...

— Maria, calma — Ele murmurou me olhando cautelosamente — Você precisa digerir essa informação, babe. Precisa pensar quando estiver mais calma, não adianta fazer nada por impulso.

— Eu estou confusa — Eu disse abaixando a cabeça.

— Eu sei — Ele disse segurando em meu queixo, me fazendo fitá-lo — Mas eu sei uma coisa que você vai fazer agora.

— O que? — Eu perguntei curiosa.

— Vai ao seu quarto, se arrumar e ficar linda como sempre e depois nós vamos para Málaga passar o Natal com os meus pais — Ele disse sorrindo — Tudo bem pra você?

— Eu acho que sim. Mas e o Júnior?

— Victoria vai levar ele até a casa dos meus pais. Acredito que quando chegarmos ele já estará lá — O moreno disse.

— Ok.

— Lu, se você não quiser, nós podemos ficar aqui, meu amor — Isco disse.

Ele estava realmente preocupado, e aquilo aquecia o meu coração de uma forma que não me deixava ficar chateada com toda aquela situação.

— Está tudo bem, Isco. Nós vamos para Málaga. Apenas me espere — Eu disse — Assim eu pego as receitas espanholas com a sua mãe.

— Ah, nem me fale, eu vou ser trocado hoje! Ela já me ligou umas dez vezes perguntando se você iria — Ele disse dramaticamente, me fazendo rir.

— Olha o lado bom, pelo menos o seu pai vai estar com você — Eu disse, vendo Isco fechar a expressão e me causando outra risada.

— Jura, Maria? Eu vou ter que te acorrentar na minha cama! — Ele disse.

— Isso seria muito selvagem da sua parte — Eu disse erguendo as sobrancelhas sugestiva, ouvindo sua gargalhada.

— Eu não acredito que ouvi isso! — Isco disse rindo.

— Eu vou me arrumar, ok? — Eu ri levemente, fazendo menção de levantar do seu colo.

Antes que pudesse fazer isso, ele segurou em minha cintura, com o seu sorriso presente em seus lábios. Eu sorri também, me inclinando para colar meus lábios nos seus, percebendo o seu sorriso em meio ao beijo. Eu acabei sorrindo também. Isco me fazia um bem tão grande que ele provavelmente nem imaginava. Me afastei dele segundos depois, segurando seu rosto em minhas mãos e deixando alguns selinhos em seus lábios.

— Obrigada por estar comigo — Eu disse baixinho.

— Até você enjoar de mim e me mandar embora da sua vida — Ele respondeu sorrindo.

— Eu não acho que isso vá acontecer — Eu disse rindo leve e me levantando.

— Sendo assim, estarei com você até os últimos dias de nossas vidas.


Notas Finais


Preparem o coração para os próximos capítulos, hehehe 👀

Chegamos a 150 favoritos. Até mais do que isso. Muuuuuito obrigada, meus amores. Eu tô amando, e amando mais ainda os comentários que vocês deixam. Obrigada mesmo ❤❤

Já estamos na reta final da fic, então a partir daqui, teremos capítulo todos os dias. Amanhã eu volto antes do jogo do Mengão, ok? Comentemmmmm ❤




Ps: Through the Dark logo logo estará disponível pra vocês ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...