História Quédate. - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Francisco "Isco" Suárez, Marcelo Vieira, Marco Asensio
Personagens Personagens Originais
Tags Alarcon, Isco, Madrid, Real
Visualizações 534
Palavras 2.063
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi dnv amorecos :)


Desculpa os erros e boa leitura! ❤

Capítulo 20 - Veinte.


Fanfic / Fanfiction Quédate. - Capítulo 20 - Veinte.

Os dias seguiam se passando, mas a conversa que tive com a Victoria continuava na minha cabeça. Nós acabamos trocando nossos números e ela me contava como estava sendo o tratamento, ela era uma boa pessoa e estava mesmo se esforçando contra isso. Eu não havia falado com ninguém sobre isso, mas era como se eu tivesse carregando um grande peso e aquilo estava me sufocando. Eu me desconcentrava fácil.

E era exatamente por isso que eu precisava dos meus melhores amigos. Clarice ainda não havia chegado, havia ido buscar Enzo na escolinha do Real, então eu estava com o Marcelo.

tá estranha — Marcelo disse, depois de me fitar longos minutos.

— Eu tô normal — Eu rebati, vendo-o negar com a cabeça.

— Eu sei que isso não é verdade — Ele disse cruzando os braços — Me conta o que aconteceu, morena.

— Eu não posso — Eu disse, quase num sussurro.

— Como não pode? Pode sim — O moreno disse, e mesmo que fosse sério, eu ri da sua careta.

— Celo, é sério. Eu prometi a Victoria que não contaria — Eu disse. Mas ainda assim, havia falado demais.

— Victoria? Como assim, a ex do Isco? — Perguntei, então eu só assenti — Ela te ameaçou?

— Não! Não, Marcelo. Ela é uma boa pessoa — Eu disse e vi o moreno erguer as sobrancelhas.

— São amiguinhas agora? — Ele perguntou.

— Mais ou menos. Quer dizer... Quase isso — Eu bufei — A gente só troca mensagem.

— Não, Maria, me explica direito — Ele disse.

— Marcelo... — Eu murmurei suspirando — Você tem que prometer não contar nada. Eu nem poderia sonhar em te contar isso por que prometi a ela, mas isso está me sufocando.

— Você sabe que eu não contaria, morena. Pode falar comigo, desabafar é bom — Ele disse, agora sentando um pouco mais próximo de mim.

— Ok — Eu murmurei — Semana passada a Victoria apareceu lá em casa dizendo que precisava falar comigo.

— Hum... — O moreno me olhava atentamente.

— Ela tá doente, Marcelo. E é muito grave. Ela estava na Suíça fazendo tratamento, pediu que eu conversasse com o Júnior sobre isso, pra ele não ficar chateado igual da última vez. Ela tinha uma aparência tão cansada, abatida, ela estava péssima — Eu disse quase sussurrando, sentindo meus olhos lacrimejando — Ela me fez prometer que se algo acontecesse, eu seria como uma mãe pro Junior. Mas Marcelo... Eu não suporto essa pressão. Não essa pressão de ser uma mãe pro Júnior, mas pressão de guardar isso pra mim. Victoria está morrendo e eu tenho que suportar sozinha apenas imaginando como vai ser pro Júnior. Além do mais, eu não gosto de esconder coisas do Isco. Principalmente algo tão sério e...

— Maria, se acalma — Ele disse — Calma, ok? Nós nem sabemos o que pode acontecer. Victoria está lutando por isso e nós só temos que orar e mandar energias positivas. Não fique se machucando com isso, pensando em uma possibilidade que pode nem acontecer. Ela vai ficar bem, vai voltar pro filho dela e você ainda vai ser como uma mãe para o Júnior — Marcelo disse, enquanto eu sentia uma única lágrima descer — Eu sei que você tem um bom coração, mesmo não a conhecendo bem se preocupa com ela e prometeu não contar, mas isso pode prejudicar a sua relação com o Isco depois.

— É. E quando Victoria descobriu a doença, ainda estava com o Isco e não contou nada. E eu sei sobre isso agora, Marcelo. Esconder isso dele é perigoso demais para nós dois — Eu disse.

— Eu sei, e concordo. Maria, a única solução viável é contar para ele. Pedir que ele não comente nada, mas não esconda. Isso pode ser bem pior depois, ok? — O moreno disse, então eu assenti.

— Tudo bem, obrigada, Celo — Eu sorri e o abracei, sentindo ele beijar a lateral da minha cabeça.

— Limpa esse rosto e volta com o sorriso, eu gosto mais dele — Marcelo disse assim que nos afastamos — Agora me conta como tá a Dream Flavor.

Ele fez um gesto ao falar o nome da minha confeitaria, então eu precisei rir daquilo.

— Está melhor do que nunca. As encomendas não param, é incrível — Eu disse sorrindo, enquanto passava as costas das mãos pelo rosto.

— Você merece isso, morena. É muito talentosa — O moreno disse.

— Obrigada — Eu murmurei.

— E logo você consegue o seu espaço no centro. Vai ser fácil — Ele sorriu — Mas agora, eu te desafio em uma partida de FIFA. Você vai perder, mas ok.

— Não conte vitória antes, nego. Eu sempre ganho do Isco — Eu disse pegando a manete que ele estendia.

— Sempre nada. Deve ser uma vez na vida e outra na morte — Ele gargalhou, enquanto eu revirava os olhos — Além do mais, Isco é um pato no FIFA! Não cansa de perder.

— Não fala assim do meu namorado — Eu o olhei.

— Caguei pro seu namorado — Marcelo deu os ombros soltando uma risada alta — Ele é freguês mesmo.

— Eu desisto de você. Seleciona logo o seu time, cabeludo. Vou te ensinar a não falar do meu namorado — Eu disse.

— Nossa, mas que medo — Ele ironizou, então eu ri outra vez.

••••

Eu apertei outra vez a campainha da casa do Isco, ouvindo finalmente passos se aproximando. O moreno abriu a porta com um sorriso de lado, mas com o cabelo completamente bagunçado e o rosto inchado. Eu acabei rindo.

— Estava dormindo? — Eu perguntei.

— É. Eu fui colocar Júnior para dormir e acabei indo no mesmo caminho — Ele disse e rimos — Entra, babe.

Eu passei por ele, ouvindo-o fechar a porta atrás de mim e então me sentei no sofá da sala. Isco, que estava descalço e usava apenas uma bermuda beje, sentou ao meu lado, beijando a minha bochecha delicadamente. Ele me olhava de forma atenta, sabia que algo estava errado. Aliás, em tão pouco tempo, Isco me conhecia perfeitamente bem.

— O que aconteceu? Quer conversar? — Ele perguntou de forma carinhosa, laçando seus dedos aos meus.

— Quero — Eu tentei sorrir, mas provavelmente falhei.

— Não vai terminar comigo, né? — Ele perguntou, me forçando a rir.

— Como você é bobo. Óbvio que não, Francisco — Eu disse, vendo ele sorrir — Quero falar sobre outra coisa.

— Sou todo ouvidos — Ele disse, se ajeitando mais em minha frente.

— Eu só... Quero que você seja compreensivo e entenda o meu lado, tudo bem? — Eu disse, vendo ele assentir lentamente — Victoria foi lá em casa semana passada.

— Fazer o quê? — O moreno franziu levemente o cenho.

Eu tomei fôlego, então com Isco me olhando escutando atentamente cada palavra que eu dizia, eu contei o que havia acontecido na última semana lá em casa. Às vezes eu me perdia em minhas próprias palavras, mas sentia todo aquele peso de esconder algo tão grande dele sair das minhas costas, o que na verdade era um alívio enorme. Isco não tinha nenhuma expressão, então não tinha mesmo como eu saber o que ele estava pensando e nem o que falaria. Mas quando eu finalmente acabei de falar, ele continuou em silêncio, apenas me olhando.

— Não vai dizer nada? — Eu perguntou, mordendo levemente o lábio inferior.

— Primeiramente, mesmo que tenha demorado, eu te entendo e foi bom você confiar em mim para falar sobre isso. Eu jamais comentaria sobre isso com alguém, babe — Ele disse com um leve sorriso, passando seu polegar pelas costas da minha mão — Mas agora, eu estou em choque.

— Eu sei, eu também fiquei — Eu murmurei num suspiro — Eu só não aguentava mais guardar isso, sem poder comentar com alguém. Eu não aguentava mais pensar em como ela ficaria, como o futuro do Júnior pode ser e ao mesmo tempo esconder isso de você. Eu não estava mais suportando, Isco.

— Está tudo bem, Maria — Isco disse — Você não tem que ficar se torturando com isso, amor. Victoria é forte, ela pode lutar por isso e tenho certeza que não irá desistir. Eu também estou preocupado em como o meu filho pode ficar, eu nunca vou querer vê-lo mal e triste. Mas, Lu, nós precisamos viver um dia de cada vez, ok? Não pense no que pode acontecer, nem nós sabemos. Isso só irá fazê-la mal e eu não quero te ver assim. Vamos viver o agora e mandar energias positivas para ela, tudo bem?

— Ok — Eu assenti, me aproximando e deixando que ele me embulhasse em seus braços — Obrigada por entender e me ajudar com isso, amor. Não deixe Júnior perceber nada, pode ser?

— É claro — Ele concordou, selando os seus lábios nos meus diversas vezes — Mas nós podemos esquecer isso um pouquinho. Eu sugiro sorvete e Netflix, o que você acha?

— Perfeito — Eu disse num sorriso — Mas, Isco, você me empresta alguma coisa? Eu não aguento mais essa calça jeans me apertando.

— Pode subir e pegar no meu quarto, babe. Enquanto isso eu pego o sorvete — O moreno disse se levantando.

— Tudo bem — Eu concordei.

Subi as escadas rapidamente, entrando no quarto do meu namorado e indo diretamente para o closet. Eu não lembrava ter esquecido, mas tinha um pijama meu branco de bolinhas rosas ali. Eu ri leve e o vesti pegando um par de meias do Isco e colocando também em seguida sai do quarto. Antes de descer novamente, eu entrei no quarto de Júnior, vendo o pequeno dormir tranquilamente, com uma expressão serena e calma. Eu desejava que fosse assim sempre.

— Vai ficar tudo bem, meu amor. Eu te amo — Eu sussurrei, beijando sua testa em seguida.

Eu saí do seu quarto, agora finalmente descendo as escadas e encontrando Isco sentado no sofá. Duas taças de sorvete de chocolate com confetes estava em cima da mesinha de centro e o moreno estava com o controle na mão. Assim que me viu, estendeu sua mão e sorriu, então eu fui em sua direção. Me sentei do seu lado, sentindo ele me abraçar.

— Friends? — Perguntou.

— Friends! — Eu respondi sorrindo.

••••

Já estava tarde, e obviamente, Isco não me deixaria voltar para casa agora. Não que isso fosse um problema, eu amava dormir com ele. E já estava de pijama mesmo.

— Está com fome? — Ele perguntou, talvez pela quarta vez.

— Não, amor. Eu estou bem — Eu disse e ri levemente — É sério.

— Tudo bem — Ele assentiu — Então eu vou tomar banho. Me espera.

— Não vou sair daqui — Eu sorri pra ele, sentindo seu selinho em seguida.

Isco caminhou então até o banheiro do seu quarto, enquanto eu me ajeitava em sua cama. Peguei o meu celular, desbloqueando a tela e vendo que Victoria havia me respondido.


Me: Como estão as coisas por aí?

Victoria: Está tudo bem.

Victoria: Eu tenho ficado fraca com as terapias, mas o médico disse que é super normal.

Me: Vai dar tudo certo, você é forte.

Victoria: Obrigada :)

Victoria: Como está o meu bebê?

Me: Cada vez mais forte e bagunceiro haha.

Victoria: Sinto saudades dele.

Victoria: Não deixe ele me esquecer, por favor :(

Me: Nunca.

Me: Podemos fazer uma chamada de vídeo com ele amanhã, o que você acha?

Victoria: Ótimo! Obrigada, Maria.

Victoria: Eu preciso ir agora, boa noite!

Me: Por nada. Boa noite :)


Eu deixei o meu celular de lado, enquanto deixava os meus pensamentos vagarem e evitando pensar no pior que poderia acontecer. Eu precisava esquecer isso um pouco, mesmo que fosse praticamente impossível. Eu precisava estar forte e precisava deixar Júnior forte. E além de tudo, precisava acreditar que Victoria ficaria bem logo. Isso era fundamental. Então eu respirei fundo e me deitei, virando para o lado direito.

O barulho do chuveiro no banheiro ao lado parou logo, o que me fez suspirar aliviada. Eu estava com sono, mas não queria dormir antes que Isco voltasse. Eu gostava dele me dando boa noite, gostava de seus braços me passando proteção e gostava de como me sentia bem. Eu gostava de estar cada vez mais apaixonada por ele todos os dias.

Antes que o moreno pudesse sair do banheiro, o seu celular vibrou ao meu lado, fazendo a tela acender. Eu me inclinei para olhar se alguém ligava, mas um nome brilhava na tela com duas mensagens recebidas.

Sara. Quem era Sara? 


Notas Finais


Por favor, não me mateeeeem hahaha ai mds que medo

Alguém viu o jogo do Real hoje? Iscorrega tava maravilhoso demais, porém a minha atenção foi todinha pro Marcelo. Que saudade eu tava do meu nego. Em fim... CAMPEONES CAMPEONES OLE OLE hahahaha parei 💙💙

Muuuuito obrigada pelos comentários de mais cedo e muito obrigada pelos favoritos, meus amores! Amanhã tem att dupla de novo, ok? Espero que vocês comentem aqui pra me deixar animada :)


Comentem bastante, e até amanhã cedinho 💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...