História Queen College - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Queen
Personagens Brian May, Freddie Mercury, John Deacon, Roger Taylor
Tags Brian May, College Au, Freddie Mercury, Jim Hutton, Jimercury, John Deacon, Mary Austin, Maylor, Paul Prenter, Roger Taylor
Visualizações 23
Palavras 1.951
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi people
Vamos descobrir quem sobreviveu? Vamos q eu tou com sono ;-;
Preparem-se para chorar

Capítulo 7 - Love Me Like There Is No Tomorrow (Revenge Part 2)


Pov Freddie

Abri os olhos, veio um clarão de luz forte, jurei que aquilo fosse o céu, mas mudei de ideias quando vi a minha mãe, o meu pai e a minha irmã no canto da sala.

A minha mãe tinha os olhos inchados e vermelhos, de chorar provavelmente. A minha irmã, Kashmira estava a tentar acalmá-la junto com o meu pai, que também parecia abatido.

-Mãe?-disse com a voz fraca

Eles os três olharam para mim e a minha mãe mandou o meu pai chamar uma enfermeira enquanto Kash e ela se dirigiam a mim.

Jer:Farrokh, meu filho, estás vivo-ela disse com lágrimas nos olhos. 

-O que aconteceu?-disse tentando sentar-me, mas logo Kash me deitou outra vez.

Kash:Nem penses em levantares-te. Se não te lembras, levaste um tiro, na barriga.

Lembrei-me de tudo, o Paul, os tiros, o sangue... o Jim.

-O Jim! Onde é que ele está? Ele está bem?

A Kash olhou tristemente para mim.

Kash:Ele... ele sofreu um traumatismo craniano e perdeu muito sangue... não está oficialmente morto mas... as chances são mínimas.

Senti as lágrimas a descerem-me pelos olhos.

-A-A culpa é minha e-eu não o devia ter metido nisto, e-ele tem que ficar bem, n-não o posso deixar... morrer... por minha culpa

A minha mãe abraçou-me, segundos depois entraram várias enfermeiras que balbuciavam alguma coisa e me deitaram direito. Eu nem as ouvi. Só o pensamento do meu namorado estar... morto por minha causa.. eu...

A porta abriu-se com um estrondo, as enfermeiras assustaram-se, e é claro que tinha que ser o Roger, seguido de Brian e Deaky.

Enfermeira:Senhores só é permitido família aqui.

Roger:Não me venham com essa conversa de novo, aquele rapaz-apontou para mim-é quase nosso irmão por isso ou nos deixam estar aqui ou nos deixam estar aqui!

Enfermeira:A gente não pode...

Jer:Deixe-os estar aqui, menina, vai ajudar o Farrokh a acalmar-se.

A enfermeira cedeu e depois de me darem os cuidados posteriores os três rapazes aproximaram-se de mim.

Roger:Seu grande idiota, se fizeres isso outra vez eu juro que quem te mata sou eu-ele disse com lágrimas nos olhos do lado esquerdo da cama

Deaky:E nós não o vamos parar Freddie. Que susto que nos destes, assim quem morre de coração sou eu-disse do lado direito.

Brian:Obviamente não me podes deixar sozinho com estes os dois, Fred, tens que me ajudar a educá-los.

John e Roger olharam para Brian com caras de parvos e eu ri fracamente. Olhei para a minha barriga e só agora percebi a ligadura com sangue.

-Eu... já sei do Jim, mas o Paul?

Roger preparava-se para responder algo com raiva mas Brian o calou.

Brian:Ele também está no hospital, também corre risco de vida. Se sobreviver vai direto para a cadeia pelo resto da sua vida miserável.

-Qual cadeia?

Brian:Uma segura, que não seja fácil fugir. Ele é perigoso, não pode andar à solta.

-Isso é... bom acho eu...-as enfermeiras continuavam no canto da sala a falar com os meus pais

O meu pai olhou para mim e sorriu aliviado, eu devolvi o sorriso fracamente. 

-Desculpe, menina.

Uma enfermeira olhou para mim.

-Não há hipótese de eu ver o Jim Hutton?

Enfermeira:Desculpe Senhor Mercury, mas precisa de descansar, não pode sair do quarto.

-Por favor... eu preciso de o ver...-as lágrimas já começavam a descer pela minha cara outra vez.

Enfermeira:Eu... vou ver o que posso fazer...

Acenti e a enfermeira saiu do quarto.

Bomi:Farrokh, estou feliz que estejas bem, meu filho-disse ele aproximando-se de mim

A nossa relação era... estranha... mas ainda éramos pai e filho, eu amava-o (mesmo que nunca o admitiria em voz alta) e sei que ele também me ama.

-Eu também.-sorri e ele devolveu o sorriso.

A mesma enfermeira que saiu há uns segundos voltou a entrar.

Enfermeira:Boas notícias Senhor Mercury, pode ir visitar o Sr Hutton, mas eu tenho que o acompanhar.

-Tudo bem, vamos.

Ela entregou-me uma moleta para me ajudar a andar, mas sinceramente eu só conseguia pensar nele.

Entrámos no quarto dele. A visão dele deitado numa cama de hospital ligado a várias máquinas diferentes partiu-me o coração. A cabeça dele estava enfaixada e só se ouvia o som da sua respiração fraca junto com o "bip bip bip" lento dos seus batimentos cardíacos. Sentei-me numa cadeira perto da maca e a enfermeira ficou à porta, do lado de fora.

-Meu amor...-sussurrei-Desculpa ter-te metido nisto...

Comecei a chorar baixinho enquanto segurava a sua mão.

-Tomorrow who knows just what's in store for me

Anything can happen but we only have one more day together, yeah
Just one more day forever, so

Love me like there's no tomorrow
Hold me in your arms, tell me you mean it
This is our last goodbye and very soon it will be over

But today just love me like there's no tomorrow-entoei baixinho e voltei a chorar.

Agarrei a mão dele com mais força 

-This is our last goodbye, and very soon it will be over-fiz uma pausa-but today... just love me like there's no... tomorrow.

Os "bips" da máquina começaram a acelerar. E, não sei se por milagre ou por outra coisa, ele abriu os olhos fracamente. Fiquei boquiaberto com aquilo.

Jim:F-Fred?

Eu queria falar, mas as palavras não me saiam da boca.

-Jim... tu estás...

Jim:Onde é que eu estou?-disse baixo

-E-Estás no hospital meu amor, e-estás bem...

Levantei-me e chamei a enfermeira. Ela teve a mesma reação que eu, ficou boquiaberta, mas logo foi chamar as outras enfermeiras.

As outras enfermeiras chegaram, correram comigo dali para fora e pediram desculpas. Voltei para o meu quarto.

Quando entrei eles tinham caras preocupadas.

Roger:As enfermeiras saíram daqui a correr sem dizer nada... ele...?

-Não sua barbie idiota! Ele está vivo! Ele está acordado!-disse cheio de alegria

Eles ficaram logo mais felizes e abraçaram-me, só aí reparei que os meus pais e a Kash tinham ido embora.

-Onde é que eles foram?

Brian:Como viram que estavas bem voltaram para casa, eles passaram aqui muitas noites seguidas.

-Muitas? Mas quanto tempo estive inconsciente?

Brian:Mais ou menos 2 semanas.

-Duas semanas?!

Brian:Sim, o Paul ainda está inconsciente e o Jim estava até à bocado pelos vistos.

Depois das enfermeiras deixarem o pobre Jim respirar

Finalmente deixaram-me ver o Jim, ele já estava bem melhor, estava sentado na cama, com o soro ainda ligado ao braço, mas pelo menos estava a sorrir.

Jim:Freddie.-disse aumentando ainda mais o seu sorriso

-Jim!-corri para ele e o abracei-Desculpa desculpa desculpa! Não te devia ter metido nisto meu amor, podias ter morrido. Eu não ia conseguir viver com essa culpa. Eu não-

Jim:Calma amor, está tudo bem, eu estou aqui, estou bem, tu também estás estamos todos bem-disse puxando-me para um abraço apertado.

Chorei no ombro dele, eu estava tão feliz por ele estar bem, eu não conseguiria viver com a culpa dele morrer por minha causa.

-Eu amo-te tanto... desculpa...

Jim:Está tudo bem meu amor-ele deu um beijo na lateral da minha cabeça.

-Os teus pais...

Jim:Já foram informados, estão a caminho, aparentemente. 

Jim olhou para a minha barriga e pareceu preocupado.

Jim:O que aconteceu enquanto eu estive desmaiado?

-Já se passaram duas semanas, mas naquele dia o que se passou foi...

Assim eu contei-lhe tudo o que se passou naquela noite, e de seguida contei-lhe como ele acordou. 

Ele olhou para mim sério.

-O que foi?

Jim:Nada, só estou em dúvida se devia de acabar com a vida daquele miserável de uma vez por todas ou abraçar-te até ao fim da próxima semana.

Sorri fracamente e dei-lhe outro abraço.

-Quando é que recebemos alta?

Jim:As enfermeiras disseram que nos vão manter cá mais uma semana para nos vigiar. Mas que podemos ficar no mesmo quarto.

Abraçamo-nos mais um pouco até os pais dele chegarem, e eu voltei para os meninos, para lhes dar um tempo a sós. 

2 dias depois

Já estou no mesmo quarto que o Jim, as camas são separadas obviamente.

Não sei porquê mas as enfermeiras insistem sempre em ajudar o Jim a tomar banho, eu estaria bem se a intenção delas fosse ajudar, mas eu já vi como elas olham para o corpo dele... piranhas...

Jim:O que se passa amor? Estás com uma cara...

-Hm... nada...

Jim:Conta.

-Eu já vi como aquelas piranhas olham para ti... Não gosto da ideia que elas toquem o que é meu...

Ele riu

Jim:Estás com ciúmes das enfermeiras?-disse ainda rindo.

-Eu vi como elas olham para ti... 

Jim:Eu nem sei porque estás assim, é que caso te tenhas esquecido, eu sou gay, e namoro contigo.

De relance consegui ver uma das enfermeiras piranhas e tive um plano para as tirar do meu caminho. Eu e Jim já estávamos praticamente bem, as feridas ja começavam a sarar e conseguíamos andar perfeitamente bem, apenas estávamos a ser vigiados.

Levantei-me e caminhei até às janelas, fechei-as e tudo ficou escuro. Liguei a luz para pelo menos conseguir ver alguma coisa.

Rastejei até ao colo dele e beijei-o ferozmente.

Jim:Freddie! Aqui não! Estamos no hospital!

-É para essas piranhas saberem que és só meu.

Continuei a beijá-lo e de seguida desci beijos pelo seu pescoço até deixar uma mordida.

Jim:Au! Freddie!

-Prontinho, essa marca não vai sair por uns dias, pode ser que assim elas percebam que és meu.

Ele esfregou a marca com a mão e fez cara amuada.

Eu sorri. Lambi a marca e sussurrei no ouvido dele

-É só para garantir que elas sabem de quem é esse pau meu amor. Só para ter a certeza que elas não se atrevem a tentar tocar você, porque apenas eu posso fazer isso.-mordi o lóbulo da sua orelha-apenas eu posso saltar nesse pau e arrombar essa bundinha linda. 

Me afastei e olhei para ele, estava vermelho que nem um tomate e sinceramente foi adorável.

-E reza para elas não continuarem, porque se continuarem eu vou ter que tomar medidas mais drásticas.

Jim:Que seriam?

-Oh meu querido, não me desafies, cuidado, elas talvez vejam eu chupando seu pau ou algo do tipo.

Jim:És louco.

-Pois sou-ri e ele riu junto

Deitei-me no peito dele e adormeci.



Fui acordado por um doutor me chamando.

Doutor:Senhor Mercury, o agente Thomas Kaiser está aqui para falar consigo.

Ele estava muito vermelho e eu não percebi o porquê. Só aí é que eu percebi que eu estava só com uma bata de hospital, que era aberta a trás, e visto que eu estava com uma perna de cada lado de Jim eu estava com a minha bunda exposta para todo o mundo que lá entrasse conseguir ver. Corei e Jim (que também acordou por causa do médico) finalmente percebeu o que era e imediatamente levou as suas mãos para tapar o máximo que conseguia e olhou torto para o médico, que saiu depois de Jim olhar para ele como se o quisesse matar. Kaiser entrou.

Kaiser:Por amor de Deus Freddie, tapa-te.

Madei-lhe a lingua de fora e tapei-me

-Também é bom voltar a ver-te Kaiser.-disse irônico.

Kaiser:Eu só vim aqui para dizer que... o Paul também está vivo-senti Jim me apertar mais forte-assim que receber alta vai para a prisão e vamos garantir que ele não foge.

-Ok, obrigado Thomas. E agora, faz favor de sair?

Ele sorriu debochadamente e foi embora. Quando ele saiu me virei para Jim.

-Para quem estava me zuando por ter ciúmes das enfermeiras, também não agiste propriamente bem com o médico.-ri

Ele levou as mãos de volta para a minha bunda.

Jim:Aquele aproveitador olhou para a tua bunda vezes de mais.

-Quantas ele olhou?

Jim:Uma, e isso já é demais.-ri de novo

Ele capturou os meus lábios num beijo e passou a ponta dos dedos pelo meu buraco e eu estremeci.

Jim:Quando saírmos daqui, já sei qual é a primeira coisa que vou fazer.

-E o que é?-perguntei tentando parecer inocente 

Jim:Obviamente fazer-te meu, novamente.

Sorri e o beijei de novo. Passámos o resto da tarde trocando carícias e beijos.


Notas Finais


Pronto people.
Não tenho nada a dizer, só:
O Freddie ainda tem fogo no cu
E tou com sono por isso vou dormir.
Comentem e favoritem se gostaram.
Piece People ❤😴


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...