1. Spirit Fanfics >
  2. Queenshills >
  3. Capitulo XXX

História Queenshills - Capítulo 30


Escrita por:


Capítulo 30 - Capitulo XXX


Coni voltou para casa com o diário da ancestral de Grenda nos braços, segurava-o como se fosse um tesouro. Entrou e foi diretamente para seu quarto, queria ler e saber o que acontecia no passado quando uma mulher se apaixonava.

Quando desembrulhou o livro do pano, sentiu-se com tontura, cambaleou até a cama e ficou esperando a moleza passar, demorou alguns minutos até que pudesse sentar-se novamente. Ficou parada olhando o objeto de longe, podia sentir cada vibração contida ali. Não sabia se daquela forma conseguiria lê-lo. Foi até a cozinha e pegou um punhado generoso de sal grosso cor de rosa. Voltou ao livro e jogou o sal sobre ele, dizendo as palavras: sal da terra, sal do mar, purifica essa energia e a leve pelo ar. Está feito, está feito, está feito.

Deixaria o livro com o sal até o dia seguinte, e então, começaria a ler. Certamente os silfos limpariam as energias densas.

 

Iur teve uma despedida de Maira difícil dessa vez. Não queria mais cumprir suas obrigações, queria ser livre como Murack fora um dia. Sua vontade era colocar Maira no cavalo e partir para longe dali com ela e a criança. Ele havia ficado muito emocionado, nunca imaginaria sentir isso um dia.

Mas não foi capaz de concretizar seu desejo. Apenas abraçou Maira com força e disse que logo estaria de volta para participarem da Festa. Ela disse que o amava muito, e ficaria contando os dias para vê-lo novamente.

Adam estava animado, ele gostava muito do rapaz, e de Anne. Pensou como sentia-se preso em Queenshills por causa das pessoas que amava. Sua vida parecia estar crescendo, cada pessoa que chegava era um motivo a mais para Iur sentir que a vida deveria ser mais intensamente vivida.

Murack já estava pronto desde cedo para a viagem, o velho estava enjoado de ficar confinado. Percebeu que ele estava radiante com o convite, o velho adorava uma aventura, como ele sempre dizia, a adrenalina corria em suas veias. Murack ia na carroça, levando todo suprimento e Iur e Adam montados em cavalos. Estavam revisando tudo com cuidado, para não esquecerem de nada. A viagem dessa vez teria que ser bem calculada, pois deviam estar de volta em no máximo quatro dias para que a festividade ocorresse sem atrasos.

 

 

Uma das maiores festas do espaço teria inicio em breve. A Festa da Gratidão, durava sete dias no espaço Queenshills. Durante sete dias, as mulheres festejavam com muita dança, cantos, artes e agradeciam todas as benesses ao Universo. Coni sabia que era um momento esperado por todas, e que deveria durante essa semana manter-se firme em seus objetivos. O diário não poderia distrai-la mais do que já estava ultimamente.

A Festa já estava sendo organizada por Sandra, Grenda, Simona e mais meia dúzia de mulheres que sempre se encarregavam desse momento tão especial. Agradecer era uma das maneiras mais sutis das mulheres de continuarem recebendo uma vida cheia de liberdade e prosperidade. A Festa reunia todas as mulheres para tomarem sua parte no destino, para agradecer pelas bênçãos recebidas e para externarem a felicidade.

Cada uma se apresentava como era. Josy sempre agradecia seu dom com as plantas, e oferecia a todas as mulheres flores de presente, agradecia pela oportunidade de ensinar sobre as plantas e pelos lindos jardins que o espaço possuía. Todas eram convidadas a desfrutar de um lindo jardim, e em cada jardim do espaço, havia chás, bolos e iguarias, todas feitas com as próprias ervas, flores, frutos e raízes que a terra gerava. 

Anne distribuía energia curativa a todas e agradecia por ter o dom da cura. Oficinas de curas naturais eram mantidas em todo espaço, com macas espalhadas e varias curadoras. Cada qual, especialista em uma área, falava sobre seus trabalhos de cura e harmonização da Terra e dos seres viventes. Trabalhos em conjunto para todo o Planeta também aconteciam durante os sete dias.

A Grande Deusa, sempre envolvia a todas com uma palestra sobre a vida no espaço de Queenshills, mostrando a história das mulheres e como elas estavam mais fortes e sábias, unidas e felizes com essa vida que conquistaram graças às antepassadas. A Grande Deusa, fazia um ritual de honra as mulheres antepassadas, onde cada um agradecia por suas mães, avós e tataravós e dedicavam pensamentos de amor e cura a todas elas.   

Maira falava sobre a graciosidade. A graça é de fato, um dom concedido pelo Criador para as mulheres, e elas deviam agradecer por isso. Faz das mulheres seres especiais e elas não deveriam esquecer disso. Maira promovia oficinas de perfumes, xampus, sabonetes, maquiagens naturais e penteados com outras mulheres.

Cada mensagem acontecia em um momento, de forma que todas podiam participar de tudo se quisessem. Cada mãe, professora, artesã, curadora, cozinheira. Cada uma delas, oferecia parte de seus dons através de seus trabalhos voluntários e agradecia em conjunto com suas irmãs.

Em um dos dias, elas abriam a visitantes femininos todas as oficinas e vinham mulheres de toda parte para comprar e participar da vida de Queenshills. Grande parte vinha de Mirta, e elas providenciavam alojamentos para as visitantes.

No ultimo dia das festividades, os homens eram convidados a participar da ultima cerimônia noturna, e também deviam agradecer por suas vidas.

Nessa ultima noite, algumas mulheres conheceriam homens e estariam com eles pela primeira vez, os encontros eram livres essa noite. Geralmente, nem todos participavam, alguns continuavam na ronda, e as mulheres mais velhas geralmente não estavam presentes e ficavam com as menores. Esse ano, Coni pediria para Iur e Murack ficarem na ronda junto com os meninos, não os queria lá. Adam fora convocado por Guile, filha de Sandra. Coni teria que alertá-lo para não engravidar Guile.

Espero que Iur não se importe em não participar dessa vez, pensou Coni.

E ela foi entregar o comando dos homens a ele! Ah se ela soubesse, se ela tivesse dado ouvidos a sua amiga Cristine, a amiga foi bem clara:

_Coni, não transforme Iur no chefe dos homens, ele não é quem você pensa que é. _Como sabe disso Cris? perguntou Coni sorrindo

E ela respondeu: eu vi, o tarot me disse.

Coni sorriu e disse: Cris, o tarot apenas aconselha, talvez ele seja ainda melhor do que eu penso. Alem disso, estou grávida dele e preciso que ele continue aqui. Isso foi quando engravidou repentinamente de Adam. Ainda amamentava Anne e engravidou novamente. Uma gravidez secreta e escondida, bem diferente da gravidez de Anne.

Cristine havia morrido, pouco tempo depois dessa conversa. Ela não acreditou na amiga e hoje podia ver que ela estava certa, algo poderia acontecer. Agradeceu muito pela amizade de Cristine e acendeu uma vela para a amiga, que já estava em outro plano.

Cristine, eu te amo, sinto muito, me perdoe SOU GRATA. Repetia Coni enquanto a chama da vela violeta queimava e o cheiro de lavanda inundava o ambiente. 

Sua amiga adorava lavanda.

A vela começou a soltar faíscas pelo ar, o pavio estava imenso e luminoso. Coni pressentiu que algo estava prestes a pular para fora da vela, e no mesmo instante uma chama azul, se manifestou diante dela.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...