1. Spirit Fanfics >
  2. Quem são vocês? >
  3. Capítulo cinco. - Sentimentos loucos.

História Quem são vocês? - Capítulo 6


Escrita por: vivianuzumaki14

Notas do Autor


Demorei um pouco para postar, mas estou de volta.

Capítulo 6 - Capítulo cinco. - Sentimentos loucos.


Fanfic / Fanfiction Quem são vocês? - Capítulo 6 - Capítulo cinco. - Sentimentos loucos.

Capítulo cinco. - Sentimentos loucos.

 

 

- Jungkook pode vim amanhã para fazermos um trabalho da escola? - perguntou Lisa na hora do almoço.
 

Olhei para frente e a fitei, óbvio que o garoto podia vim, queria conhecê-lo e tal, mas ela tinha que perguntar quando seu pai ciumento e um irmão curioso estavam sentados à mesa?

- Quem é esse? - indagou obviamente o Jin com um tom amargo.

- Meu amigo... - sussurrou a pequena
.
 

Suspirei, já podia imaginar que o Taehyung iria começar suas perguntar sobre o menino para brincar com ele e junto dele o maior iria começar sua conversa de pai que não aguenta ver sua princesinha perto de um garoto. Antes de esses dois começarem a se manifestar eu suspirei e disse que Jungkook podia vim. Meu marido virou logo a cabeça na minha direção e me encarava como se odiasse minha resposta, óbvio que ele não gostava da ideia, não seria atingida por aquele olhar, eu já estava contente em ver a minha filhinha mexer os dedinhos das mãos tímida enquanto suas bochechas começavam a ter o tom avermelhado.

- Posso brincar com ele? Posso? - perguntava Taehyung pulando na cadeira ao meu lado.

- Quando eles terminarem de fazer o trabalho.


- Que não deve demorar muito. - acrescentou Jin.
 

Joguei um olhar mortal para repreender meu marido por ter dito aquilo, meu Deus, pais são tão ciumentos com suas filhas! O meu nem era tão assim, tinha um pouco, mas parece que nem chega perto da cara carrancuda que o homem que está sentado nessa mesa tem.
 

O almoço terminou e a rotina iria voltar, mas tentei mudar um pouco e fui em busca de livros para estudar, claro que tinha ainda esperanças que pudesse lembrar de tudo ainda, o médico disse que achava que eu não poderia, mas tentaria, preferia rezar para ter um milagre, mas enquanto isso pelo menos eu ocupava minha cabeça com os livros. E assim foi, repartir meu tempo em cuidar da casa, das crianças e de estudar, a minha tarde foi assim, até a noite chegar e perceber que meu marido havia chegado mais cedo. Para minha alegria ele disse que iria fazer o jantar e devo confessar que quase me derretida com as iguarias divinas que o Jin fazia. Acho que devia procurar um emprego e deixar aquele homem como cozinheiro da casa.

- Quero mais! - exclamou Taehyung levantando o prato.

- Eu também. - repeti o mesmo ato que meu filho.

 

Jin riu daquela cena e prontamente foi colocar mais uma porção de lasanha.

                                                                                          -----------------------
 

Após a janta, as crianças foram brincar e eu tratei de limpar os pratos. Meu marido foi para o nosso quarto para descansar do seu longo dia. Invejava um pouco ele, queria trabalhar naquilo que eu gostava, mas tinha que aguardar pacientemente, eu iria voltar a fazer meu ofício, era como uma promessa de mindinho que eu fazia para mim mesma.

- Mãe já vai começar mais um episódio do One Piece. - alertaram meus dois filhos vindos em minha direção e me puxando pela mão.
 

Assenti com a cabeça e fui com eles para a sala assistir o anime. Assistimos cinco episódios e logo vi que já estava na hora de colocar eles para dormir, contragosto e resmungos dos menores, eu os vesti e fui tentar colocar cada um para dormir.

- Mãe canta aquela música. - pediu Taehyung.
 

Arqueei uma sobrancelha em dúvida, que música? A criança ao perceber o meu silêncio, começou a cantar baixinho, devagar, eu processa as pequenas palavrinhas cantadas pelo pequeno. Eu havia escutado aquela música antes de abrir meus olhos e perceber que estava em uma sala branca de hospital. Seria a chave para fazer minhas memórias voltarem?
 

Querendo fazer nenhuma pergunta que pudesse sair estranha para ele, perguntei se ele gostava quando eu cantava aquela música. Taehyung sorriu e disse que adorava quando eu cantava na maioria das noites essa música antes de dormir, me pergunto se ele não havia pedido esses dias por hesitação, talvez por não querer pedir muito após eu sair do hospital, mas visto que eu já estava boa, ele deve ter pensado que agora poderia pedir.
Achei melhor não indagar muito sobre isso hoje, perguntaria mais amanhã e faria uma nota mental para procurar aquela música no you tube para aprender e cantar pro meu filho. Pedi para que só essa noite ele cantasse em vez de mim, pensando por um tempo, mas assentindo no final, Taehyung começou mais uma vez a cantar e eu escutava com os olhos fechados, deixando aquela melodia me envolver e fazendo meus músculos relaxarem. Passei minhas mãos pelo seu cabelo e desejei uma boa noite para ele. Sai do seu quarto respirando fundo e tentando manter meus pensamentos organizados.
 

Ao chegar ao meu quarto vi Jin terminado de se trocar, fiquei vermelha ao o ver trajando uma calça moletom e sem blusa! Sem falar do seu abdômen definido que só pode ter sido esculpido pelos deuses gregos. Acho que passei uns minutos o secando até perceber o que eu fazendo e tentar agir normalmente.

- Acabei não descendo e assistindo anime com vocês, desculpa... Acabei pegando em um cochilo. - divagou passando a mão nos seus cabelos.
 

Disse a ele que estava tudo bem e no meio daquela conversa eu me toquei de algo. Ele estava dormindo esses dias no sofá da sala e aquela mobília não havia sido feita para pessoas dormirem nela, seu corpo devia estar dolorido e por isso... Recebendo coragem de algum lugar que eu não sei - Quem me dera pudesse dizer que era por causa de alguma bebida- disse para ele dividir a cama comigo. Obviamente que Jin se surpreendeu, até eu mesma! Entretanto não queria estar tirando suas noites de sono, ele trabalhava e devia dormir bem e não era um sofá que iria lhe conceber isso.

- Tudo bem para você mesmo? Eu não me importo de dormir no sofá. - respondia ainda com os olhos arregalados pelo choque.

- Está sim, você dorme para a esquerda e eu para a direita... E nada de gracinhas.

- Claro, claro que não... Quer dizer sim, ahhh... Que seja eu não vou fazer nada! - falava todo envergonhado.
 

Tive que segurar um meu riso por ver ele todo abobalhado daquele jeito. Então tomei meu banho e me deitei na cama, Jin já havia colocado uma blusa, apesar de que meu interior queria que ele não estivesse para eu dar umas espiadas pelo canto do meu olho. Não estaria fazendo nada de errado né, ele é meu marido e tal... Não devia se sentir constrangido com um olhar malicioso como o meu.
 

Ahhhh o que eu estava pensando? Que pervertida! Mas quem podia me culpar? Tem um homem altamente gostoso que está dividindo uma cama comigo, sem falar que ele é meu marido. Será que a gente brincava a noite? Hummm a gente devia né, temos dois filhos... Já posso ver por aí... Ele deve beijar bem... Imaginar aquela boca descendo pelo meu corpo, indo até lugares indecentes...
 

PUTA QUE PARIU (S/N)! Se controle! Não sou mais nenhuma adolescente para estar com os hormônios à flor da pele. Seria então meu ciclo chegando? Eu costumava ficar bem excitada quando estava para entrar nele.
 

Peguei meu celular e chequei a data. Faltava ainda duas semanas para meu ciclo, então é só eu dando uma de pervertida mesmo. Meu Deus, péssima ideia essa minha de convida-lo para dormir comigo. Sua estúpida.


                                                                                               --------------
 

Depois daquela noite eu já podia admitir ser uma completa pervertida. Já não custava começar a gostar dele, como agora morria de tesão pelo Jin. Sentia-me uma pessoa suja, mas nem tanto, eu diminuía minha culpa com a desculpa que ele era meu marido e por isso era normal eu pensar ele daquele jeito. E dessa madeira às vezes tentava não pensar mais para não entrar em conflito comigo mesma novamente.
 

Escutei a campainha ser tocada e eu fui atender, quando abri a porta eu vi uma mulher de cabelos curtos e lisos escuros, altura mediana e um sorriso meigo nos lábios. Segurando sua mão, havia um menino de cabelos castanhos e olhos pretos e com os dois dentinhos da frente um pouquinho maiores, ele lembrava um coelhinho.

- Boa tarde, você deve ser o Jungkook não é mesmo?
 

O pequeno assentiu a cabeça e olhou para sua mãe. Nos duas discutimos o horário que ela viria pegar seu filho e logo após isso eu o puxei para a cozinha, onde Lisa já estava com o material para o trabalho espalhado pela mesa. Os dois se cumprimentaram dizendo um "oi" e fiz o menino se sentar ao lado da minha filha. Já podia enxergar saindo fumaça da cabeça dos dois de tão vermelho eles estavam, mas tentando descontrair aquele clima de vergonha eu tentei puxar o assunto sobre o trabalho para ver onde eu devia ajudá-los. Não tardou muito para avançarmos, era sobre história e jungkook gostava da matéria e se mostrava ser bem habilidoso na tarefa que lhe foi dada. Lisa não gostava tanto de história, mas se esforçava para o trabalho sair excelente, eu só dava suporte onde era preciso mesmo, deixava os dois discutirem suas ideias e colocar em prática.

- Acabamos! - falou jungkook olhando para Lisa com um sorriso vitorioso.

- Aleluia. - disse a menina.

 

Taehyung que até agora estava na sala assistindo, chegou a cozinha e perguntou se eles havia terminado. Lisa afirmou que já tinha sim e logo após isso seu irmão os puxou para o jardim para brincarem. Eu ri da cena, contudo antes de eu juntar a eles eu fui fazer um lanche para as crianças comerem. Preparei alguns sanduíches e ao chegar ao vasto jardim eu coloquei o lanche sobre a mesinha e me sentei ao lado da minha filha.

- Eu acho que estou gostando dele mesmo...
 

Olha aí, eu não disse! Fiquei feliz por ver que ela havia admito seus sentimentos. Olhei para os dois garotos que jogavam bola e depois voltei minha atenção para a pequena.

- E o que vai fazer?

- O que eu devo fazer? - perguntou na mesma hora.

- Se confesse para ele, diga que gosta dele.

 

A menina virou sua cabeça na minha direção com o rosto vermelho, ri de seu semblante e baguncei seus cabelos.

- Crie coragem e diga, eu sei que parece difícil, mas quando você falar vai se sentir melhor e pode ter certeza que ele também gosta de você. Mas se ele fizer você chorar lembrasse que o seu pai vai atrás daquele garoto para tirar satisfação.
 

Foi à vez de Lisa gargalhar, ela disse que iria pensar no assunto e fez questão de dizer que ainda lembrava que eu havia colocado limites que só chegaria a mãos dadas, caso começasse um namoro. Assenti orgulhosa dela e ofereci um sanduíche a ela, que prontamente o aceitou.

 

Não importa a idade, estamos sempre nos apaixonando.


                                                                                               ---------------

- Amanhã de quer horas no hospital? - perguntou Jin

- Vou de oito horas. - respondi.
 

E mais uma vez estávamos aqui, deitados na cama, de costas um pro outro. Já tinha admitido para mim mesma que quando chegava nessa parte da noite era impossível eu segurar meus sentimentos, o coração disparava, meu corpo pedia para ser explorado e ainda queria saber o sabor dos lábios dele. Não podia voltar mais na minha palavra e dizer para ir dormir no sofá só porque não controlava meus pensamentos sujos e coração descompassado! Eu não iria mais pro céu.

- Eu vou com você. - falou.

- E o trabalho? - indaguei me virando pro seu lado involuntariamente.

- Só vou pela tarde, vou estar com você na hora de ver os resultados dos exames. - divagou se virando na minha direção.

 

Arregalamos os olhos quando vimos que estávamos de frente um para o outro, eu já não sabia o que fazer, meu peito doía pelos batimentos frenéticos que só aumentavam e eu me sentia confortada com suas palavras. Então sussurrei um "obrigado" e depois sorri, Jin retribuiu meu gesto e com uma mão afagou minha cabeça. Só fui perceber que havia prendido a respiração quando ele recolheu sua mão, aquele quarto não estava totalmente escuro, mas ele não podia ver minhas bochechas vermelhas! Jin não disse mais nada, apenas se virou para seu lado de tratou de voltar a dormir.
 

Quando eu recuperar minhas memórias eu vou lembrar-me desses sentimentos incômodos no meu peito? Vou conseguir lembrar esses dias confusos, mas alegres? 


Notas Finais


Espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...