1. Spirit Fanfics >
  2. Queria ser ela - Chaelisa >
  3. Prólogo

História Queria ser ela - Chaelisa - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Roi... leitores né?
Céus, eu estou em completo surto pois finalmente vou conseguir publicar e dar início a esta fanfic, e devo confessar que estou bastante nervosa quanto a isso.
Depois de muito enrrolar eu finalmente consegui escrever e até que estou bastante satisfeita com esse prólogo, mesmo que não tenha tanta informação por justamente ser um prólogo, estou torcendo para que seja o suficiente para chamar a atenção de vocês e cativa-los a ler a fanfic.

Eu tenho muitos planos para o decorrer dela e espero conseguir criar um bom dessenrolar para a fic, desenvolve-la de forma correta também é um dos meus maiores objetivos no momento e eu darei meu máximo para tornar isso real, e também para conseguir escreve-la por completo!
Devo dizer também que parte dela foi inspirada na música "Heather" do Conan Gray e que, na maioria dos capítulos, haverão algumas referências a cultura indie.
Gostaria de avisar também que não terei uma data específica da semana para atualizar os capítulos pois, convenhamos, escrever é algo complicado e eu mesma acabo demorando um pouco quando estou com bloqueio criativo, por tal razão espero que vocês sejam compreensíveis caso eu demore um pouco mais que o comum para postar novos capítulos.

Enfim, deixando de lado a enrolação, espero de coração que vocês curtam a fanfiction e que ela não flope kkkkk, eu estou bastante animada para escreve-la e espero que vocês fiquem ainda mais animados para ler!!

Capítulo 1 - Prólogo


Fanfic / Fanfiction Queria ser ela - Chaelisa - Capítulo 1 - Prólogo


                         |  00 |

                    P R Ó L O G O




Não existia ar tão melancólico quanto o que pairava sobre a pequena rua localizada na rota 72 da também minúscula cidade de SilverWood. Talvez a razão de toda aquela tensão fosse uma das inúmeras consequências do clima frio que se impregnou nas ruas bem projetadas naquela mesma semana, alertando o início de mais um rigoroso inverno. O dia não estava em um dos seus melhores momentos, embora o horário vespertino costumasse deixar a cidade movimentada e calorosa, o céu nublado e de coloração cinzenta não era um dos mais bonitos de se observar e aproveitar. 

Mas a pessoa que mais aparentava estar incomodada com o clima pesado era, de fato, a jovem de cabelos coloridos que se encontrava parada em frente a casa número 103 da mesma rua, segurando com firmeza uma grande mala e lutando para não derrubar a mochila aparentemente pesada que estava maltratando suas costas. Os olhos castanhos de tom quase que amadeirado observavam com certo receio a casa a sua frente, ela estava tão imóvel que a única coisa se movimentando involuntariamente em si eram os fios rosados e desbotados que, juntos, formavam o conjunto de mechas onduladas de seu cabelo. Eram tão suaves e macios quanto algodão, mas movimentavam-se de forma agressiva como ondas se esbarrando no mar em sintonia com o vento. — Roseanne, tão doce quanto a sua aparência juvenil era com certeza o seu belo nome.

Seus dedos branquinhos e gelados como mármore criaram certa pressão ao envolto da alça escura da mala, fazendo-os ficarem ainda mais claros pela forma na qual ela segurava o objeto com uma firmeza desnecessária. A garota aparentava estar bastante tensa quanto ao estar naquele local, quem a visse provavelmente criaria a teoria de que a mesma houvesse a ter avistado uma assombração ali mesmo, era visível o seu desconforto, ela não desejava estar naquele local.

Sua atenção foi tirada de si quando algo bastante quente entrou em contato com seus dígitos que, agora tomando uma coloração avermelhada e ardendo instantaneamente como consequência da pressão feita no local, ficaram completamente livres do peso da mala preta de forma inesperada. Rosé virou seu rosto minimamente em direção a quem houvera a ter atrapalhado seu momento de pouca lucidez e aparentemente retirado a mala de si, com um olhar confuso marcado em seu semblante, e as íris escurecidas de seus olhos encontraram de imediato uma figura feminina, que exalava animação e espectava o casarão com um sorriso grotesco nos lábios. Sua mãe parecia tão feliz que a Park poderia sentir seu estômago se embrulhar só de pensar na possibilidade de chateá-la com sua negação em relação a aquela mudança. 

Seu olhar fugiu novamente para a casa, não queria deixar o seu desânimo tão óbvio.


— É muito maior do que eu imaginei! — A mulher comentou, o tom de voz repleto de felicidade denunciava sua satisfação quanto a paisagem a sua frente. 


Roseanne balançou sua cabeça minimamente em um pequeno e objetivo sinal de afirmação, a casa era realmente grande, um fator que, de longe, não era facilmente perceptível nas imagens que o corretor de imóveis mostrou a sua família, mas ainda sim o tamanho não a fazia desejar viver naquele lugar. Talvez nada fizesse. 


— Bem... Lar doce lar, querida! 







Do outro lado da cidade, em uma área vezes mais movimentada, se encontrava construída a grotesca e graciosa escola de Silverwood, com suas paredes perfeitamente bem pintadas e com o velho ar acadêmico que qualquer escola consegue transmitir. O local era tão vasto que se perder no meio dos corredores lotados e jardins esverdeados era algo bastante comum de se acontecer, até com os alunos mais antigos da escola ou professores. O estabelecimento era bastante conhecido por ser a única escola da cidade que nunca faliu ou se envolveu com algum tipo de escândalo absurdo, todos os pais da cidade queriam ver seus filhos estudando ali, mas poucos tinham a chance de fazer desse desejo algo real.

O horário escolar e início das aulas do dia era a única coisa que realmente conseguia deixar os extensos corredores vazios, nenhum aluno ousava ou tinha a coragem de quebrar as tão rigorosas regras da escola se retirando de suas salas antes do sinal soar, conseguir uma matrícula era complicado em demasia e por tal razão todos os alunos tentavam ser o mais cautelosos o possível, para não irem a detenção toda a semana e, sucessivamente, acabarem ganhando uma expulsão permanente. Bem, todos os estudantes exceto o pequeno grupo de adolescentes que se encontravam às escondidas na sala de música toda a semana, e colocavam em risco não só as suas notas como também suas vagas naquela escola tão renomada. O melhor de tudo era que nenhum deles dava a mínima para as consequências que teriam de sofrer faltando às aulas, eles só tinham um objetivo em específico a alcançar.

Ninguém de fora do grupo tinha ciência de que a pequena banda da escola fazia encontros secretos na antiga sala de música, que fora fechada há alguns anos para que uma nova pudesse ser aberta em seguida, mil vezes maior e mais útil. Aquele era o único local onde eles tinham a chance de ensaiar suas músicas sem que fossem descobertos ou perturbados e, embora a sala não aparentasse  ser nem um pouco acessível, era muito melhor e bem mais espaçosa que uma garagem velha ou algum terreno vazio. No entanto, para o azar daqueles jovens amantes de música, uma surpresa um tanto indesejada acabou abalando-os e atrapalhando os ensaios naquele dia em específico, dado ao fato da vocalista principal do grupo tê-los enviado uma mensagem de última hora alertando sua ausência nas próximas semanas de aula.


— Mas que inferno! — Em um murmúrio enraivecido e bastante alto, uma garota loira largou seu aparelho telefônico em cima de uma pequena mesa de carvalho escuro, cruzando seus braços de forma irritada e chamando a atenção de seus colegas para si com seu ato nem um pouco discreto. Ela balançou sua cabeça negativamente em alguns movimentos repetitivos, e a franja dourada e perfeitamente alinhada acima de seus olhos quase não se moveu ou se desfez. — Eu não acredito que isso está acontecendo...


O restante do grupo permaneceu em silêncio, observando de solsaio sua líder gesticular, completamente irada com a péssima notícia que recebera. Sabiam perfeitamente bem que organização era o nome do meio de Lalisa Manoban, e que quando as coisas saem do eixo não há quem consiga diminuir seu nervosismo. A jovem se levantou do banco desconfortável no qual estava até então sentada, produzindo um ruído com o arrastar do móvel no piso da sala e atraindo alguns olhares para si. Ela alinhou a jaqueta de couro preta em seu corpo e uma expressão pensativa se formou em seu semblante, deixando que o silêncio se impregnasse por alguns minutos na sala e que seus colegas ficassem um tanto curiosos no aguardo de qualquer reação ou solução sua, mas no final de contas, a jovem apenas deu de ombros e começou a caminhar em círculos.


— O que iremos fazer? — Baekhyun, um dos membros mais novos da banda e responsável por tocar teclado, questionou ansioso, quebrando aquele silêncio desconfortável que pairava entre eles e se contorcendo no pequeno sofá surrado que havia ali. Lisa parou assim que escutou a pergunta do garoto, seu olhar que antes se encontrava direcionado ao chão subiu de forma ligeira e ela rapidamente notou que todos olhavam para si esperando alguma resposta. — Não podemos nos apresentar sem uma vocalista. — Acrescentou.


Ela sabia perfeitamente bem aquilo, e o que mais a preocupava era não achar uma solução para aquele problema rapidamente, a idéia de ter os planos de seu grupo sendo jogados por água abaixo após tanto planejamento era assustadora, ela não queria que todo aquele esforço fosse em vão, não poderia de forma alguma permitir isso. Entretanto, no fundo, Lalisa sabia bem o que fazer, tinha uma solução nem tão rápida em mãos mas a achava uma péssima idéia a aquela altura do campeonato e, infelizmente, era o seu dever decidir usá-la ou não. A Manoban se permitiu soltar um longo suspiro e se aproximar calmamente de seus amigos, com um olhar indecifrável em seu semblante que, para os outros, poderia significar qualquer coisa.

Um sorriso mínimo se formou em seus lábios rosados e ela logo se pôs a falar de forma hesitante:




— Vamos encontrar uma nova vocalista! 


Notas Finais


Opa, se você chegou até aqui quero já agradecer por ter tirado um tempo da sua vida para ler e espero que tenha gostado!
O prólogo não diz muita coisa, mas eu espero que algumas dúvidas já tenham surgido na mente de vocês para serem esclarecidas futuramente com este pequeno começo. Caso erros, relevem.

Desejo a vocês um ótimo dia, até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...