História Querido diário - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 2
Palavras 1.269
Terminada Não
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi

Capítulo 2 - Chegando em Sillver Hill


Fanfic / Fanfiction Querido diário - Capítulo 2 - Chegando em Sillver Hill

Sara

5:30 

Assim que o despertador toca, eu me levanto e arrumo minhas malas.

Tem alguma coisa faltando...

Ah, o diário da dona Lídia!

Acho o mesmo em cima da minha escrivaninha e o coloco na mochila onde também havia guardado celular, carregador, fones de ouvido e uma caneta coberta com glitter dourado.

Peguei minhas malas e desci as escadas até a sala onde meu pai estava me esperando.

- pegou tudo de que precisa?

Aceno com a cabeça que sim e ele se levanta abrindo a porta.

Quando meu pai era criança, morou na Inglaterra por dois anos e me contou algumas coisas de como era naquela época. Assim que chegamos no estacionamento, ele para o carro e abre o porta-malas tirando as minhas malas de lá. 

Eu pego-as e coloco a mochila nas costas.

Conversamos sobre coisas aleatórias no caminho até que avisam que o meu avião estava para partir. Eu me despesso do meu pai e vou ao encontro da zona de embarque.

(...)

13:00 - aeroporto da Inglaterra

Assim que os passageiros são liberados, pego minha mochila e saio do avião. 

Já fora do aeroporto, peço um táxi e lhe mostro o panfleto da Sillver Hill, ele entende ( mesmo com o meu sotaque ) e abre a porta para que eu possa entrar.

Depois de atravessar boa parte da cidade chegando a passar do castelo real, ele entra em uma trilha feita de pedras com várias árvores em volta que vão ficando cada vez mais densas e altas.

Chegando a um enorme portão da onde já era possível ver a enorme estrutura, o motorista para o carro e desce para tirar as minhas malas, assim que eu  o pago (em euros lógico!)  ele da partida em seu carro e vai se afastando cada vez mais até ficar longe de vista, fazendo com que a minha atenção volte para o enorme portão dourado em minha frente.

Vendo que o portão nao iria abrir tão cedo, sento em um banco ali perto e começo a escrever no meu diário. 

" 1 de fevereiro - 14:20 " 

" já chegando no portão do meu novo colégio, senti uma enorme vontade de voltar para o Texas, que é o que eu poderia fazer se eu tivesse a quem perguntar no meio dessa enorme floresta ou se tivesse sinal para que eu usasse meu GPS mas já que não posso fazer nada disso, quer dizer que eu preciso ficar aqui custe o que custar! "

Depois de escrever isso, guardo-o dentro da minha bolsa e começo a esperar ansiosamente para que os portões sejam abertos.

Não demorou muito para que chegassem outros alunos em suas limosines ou carros importados. 

Em seguida os portões são abertos, maa nenhum aluno entra, parece que estão esperando alguém...

Me dirijo a uma aluna qualquer e a pergunto:

- licença, quem estamos esperando?

- ah, estamos esperando a nossa guia, todos os outros alunos aqui também são novatos, os veteranos já estão no internato faz tempo. 

- ah obrigada. 

- a proposito, eu sou Eliza, muito prazer! - diz a garota que era um pouco menor que eu com cabelos longos e negros e olhos vermelhos.  

- eu sou a Sara.- falei apertando sua mão. 

- quem sabe a gente tem a sorte de ficar no mesmo dormitório? - ela sorri simpática mostrando seus dentes perfeitos. 

- atenção calouros, eu sou a senhorita Kim e serei a guia de vocês e auxiliar desse ano letivo.- fala uma mulher asiática, alta e magra ( só pra variar, bateu uma invejinha do bem ).

Todos os alunos entram, eu e Eliza ficamos atrás prestando atenção. 

A senhorita Kim nos mostrou os dormitórios, as salas de aula, o ginásio, as salas de atividades extras, o auditório, a sala do diretor, a secretaria e a sala da psicóloga. 

Ou seja, como já era de se esperar, o colégio era ENORME! 

Como a senhorita Kim nos orientou, fomos até a secretaria onde descobririamos onde seriam os nossos dormitórios e com quem iríamos dividi-lo.

- Sara Cooper.

Assim que ouvi meu nome sendo chamado entrei na secretaria. 

(...)

- e então como foi? - perguntou Eliza que já havia tirado sua chave.

- vou ficar no quarto 105 da ala azul.- disse lendo as informações escritas no papel preso a minha chave por um chaveiro. 

- que ótimo! Vamos dividir o quarto! - diz ela empolgada.

- que alívio,  vou ficar com a única pessoa que conheço nessa escola! 

- eu não sabia que eu era sua unica conhecida no colégio, se não teria pedido uma licença especial para ficarmos juntas! 

- e tem como fazer isso? - indaguei surpresa.

- claro que tem! Está tudo nesse folheto de informações!  - diz ela me mostrando seu panfleto. 

- vou seguir seu conselho da próxima vez. 

Como já era de se esperar, conversamos durante o trajeto:

- Então, como funciona esse esquema de alas coloridas? - perguntei olhando para o meu panfleto sem entender nada.

- É simples, as alas são separadas por quantidade de dinheiro: A ala azul são os alunos com quantidade baixa de dinheiro. Como pessoas que não são pobres nem ricas entendeu? - perguntou. 

Aceno com a cabeça e ela continua.

- a ala amarela são pessoas ricas, como filhos de celebridades ou pessoas importantes. E ala branca é a elite, ou os filhos de gente da realeza.

- entendi. 

- mas não importa muito essa separação de classe, é porque as pessoas ricas e as da elite disseram que não suportariam conviver com gente da " ralé " por isso a alguns anos atrás criaram essas alas mas no final eles misturam as classes na hora das aulas.

Assim que chegamos ao nosso dormitório, Eliza abre a porta e avistamos camas com cabeceiras dde ferro ( estilo vintage ) , um armário na frente de cada cama, uma escrivaninha no meio deles e uma cômoda do lado esquerdo de cada cama.

Eliza ficou com a cama da esquerda e eu fiquei com a da direita, que era encostada na parede.

As nossas aulas já começam as 15:30

- Sara, meu celular está descarregado,  tem horas? - ela pergunta colocando seu celular para carregar. 

- são... 15 e 25!!! Nós estamos muito atrasadas! - falei saltando da minha cama e vestindo meu uniforme as pressas. Assim que Eliza ouviu as horas também colocou seu uniforme, pegando sua bolsa e a minha rapidamente.

Corremos até a sala onde estaria acontecendo a aula de ciências. 

Assim que chegamos paramos para arrumar nossos cabelos despenteados e abrimos a porta devagar. 

- com licença professor, podemos entrar? - perguntei. 

- claro, mas por conta do atraso, vou escolher seus lugares, você do cabelo preto sente do lado da loirinha lá no fundo. E você do cabelo branco, sente nessa mesa vazia da frente. 

Eu aceno com a cabeça e me sento no lugar indicado.

Quando o prefessor volta a explicar novamente alguem ba te na porta. 

- licença professor. - fala um garoto que eu particularmente achei bem bonitinho ( link nas notas finais ).

- O do topetinho, você vai sentar do lado dessa menina de cabelo branco. 

Bom, que eu saiba só eu tenho cabelo branco nessa sala. Não me culpem, é uma coisa genética...

Ele se senta do meu lado e aula corre bem, em quanto todos os alunos ainda faziam a lição que eu tinha terminado a um bom tempo aproveito para escrever no meu diário.

" 15:40 "

" logo no meu primeiro dia de aula eu consegui chegar atrasada! Mas nem tudo é tão ruim, um garoto muito bonito teve que sentar do meu lado..." 

Eu paro de escrever e percebo que o garoto que estava sentado do meu lado, estava me encarando atentamente. 

Quando eu o encaro de volta ele desvia o olhar... garoto estranho...




Notas Finais


https://goo.gl/images/fsL5vE
O " guri " misterioso


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...