1. Spirit Fanfics >
  2. Querido Diário >
  3. Capítulo 23.5 Meu Amor Eterno: Minhas 24h

História Querido Diário - Capítulo 29


Escrita por:


Notas do Autor


Olá pessoas desculpem a demora.
Perdoem os erros.
Boa leitura.

Capítulo 29 - Capítulo 23.5 Meu Amor Eterno: Minhas 24h


Clarissa estava em seu sono profundo, mas, como nem tudo que era bom durava ela acordou com o som de uma obra, que acontecia de frente a sua casa! Ela levantava: seus cabelos longos e ondulados se arrastavam pelo lençol da cama, bagunçando ainda mais o colchão. Ela foi até a janela e observou as escavadeiras e caminhões; engenheiros e pedreiros; cada um deles parecendo formigas em um formigueiro! Subindo e descendo com materiais de construção!

Clarissa: - A essa hora da manhã! Que porra! – ela suspirou...

- Volta para cama!

Clarissa: - Hein? – Clarissa se virou e percebeu que não estava sozinha, havia um homem bem atraente também estava ao seu lado e nem notara, pois sua noite foi tão intensa que acabou pegando no sono com tanta profundidade que simplesmente se esqueceu! – Ah você ainda está aqui, olha, já pode ir embora...

- O quê?

Clarissa: - É isso mesmo que ouviu! Pega suas coisas e dá o fora! Não tem mais nada aqui, no qual, posso servir de utilidades – o homem se sentiu tão ofendido que apenas fez aquilo que ela tinha falado: pegou suas coisas e foi embora dali! – Ah agora sim! Eu e apenas Eu! – Ela se espreguiçava, alongando seus braços e pernas, foi até o espelho e olhava-se, seu rosto precisava de uma boa água e sua camisola, vermelha, estava desbotando! – Nossa! Eu estou acabada! – ela olhou no relógio de parede, que se encontrava do seu espelho – Ah poxa, preciso me trocar para trabalhar, bom, se é que participar de reuniões de alta burguesia é trabalho! Eu só queria ter uma vida onde tenho um emprego co – um barulho ensurdecedor de furadeira se alastrou – Que inferno! Não tenho nem um pouco de paz para refletir na minha vida! Ah! – ela foi até a janela novamente, e a abriu e gritou: - Seus filhos da puta! – os operários apenas tinha uma visão de uma mulher esbravejando, mas, não compreendiam nada do que ela falava por conta do barulho! – Ah que merda! Eles não ouvem! Porque eu fui resolver morar aqui! Ah é! Eu queria independência financeira! Ótimo! – Ela cansada de se esforçar naquilo, foi logo tomar um banho: tirou sua camisola, ficou nua; ligou o registro e a água caiu sobre seu corpo, percorrendo cada parte, da cabeça aos pés! Ela passava o sabão pelo seu corpo e deixando a espuma escorrer, já foi colocando o xampu, esfregando seus cabelos, os fios se alinhavam em harmonia! E logo terminando o banho, cobriu-se com a toalha, de volta ao quarto escolheu as roupas que vestiria no dia: uma saia azul que ia até os joelhos, um blazer azul Marinho e uma camisa social branca, com listras pretas: um conjunto um tanto tentador, mas, era o que queria vestir além do mais, não era apenas uma Senhorita e sim fazia parte da corporação política que cuidava de alguns recursos do país! – Pronta estou! – ela terminou de se arrumar – Agora onde está minha bolsa?! – Ela se perguntou – Ah encontrei! Bem ao lado da cama, devo ter jogado aqui quando cheguei! – Ela saiu de casa foi até o elevador e enquanto esperava um vizinho vinha em sua direção, parou e esperou também, junto a ela.

- Está demorando!

Clarissa: - É! – Ah, como detesto diálogos!

- Então, você me parece muito familiar!

Clarissa: - Ah, sério? – Por favor, não me reconheça!

- Ah! Já sei!

Clarissa: - Sabe? – Meu desespero vai começar!

- Você mora do lado da senhora dos gatos!

Clarissa: - Senhora dos gatos? – Clarissa se surpreendeu!

- Sim! Ela mora ao seu lado, como eu disse! Eu te vejo poucas vezes também!

Clarissa: - Meu trabalho não permite eu ter uma vida social em alguns aspectos!

- Ah certo – o elevador chegara – Pode ir primeiro!

 Clarissa: - Ah obrigada! – esse cara me parece bem diferente dos outros! Não, foca Clarissa, sem relacionamentos! – Ah vou descer aqui –

- Quer uma carona? Eu vou de carro se –

Clarissa: - Não, obrigada, eu tenho alguém me esperando para me levar!

- Tudo bem!

Clarissa: - Então, obrigada! – o moço apenas assentiu, Clarissa saiu do prédio e indo de encontro a um carro preto, que a aguardava – Espero muito Otto?

Otto: - Não senhora –

Clarissa: - Certo qual é a agenda de hoje? - ela olhava para o senhor do lado que vestido de terno preto e luvas brancas tinha uma caderneta com várias folhas de planilha!

Otto: - Ah sim, senhora teremos uma reunião no centro e alguns encontros com a realeza britânica!

Clarissa: - Festa do chá ou algo do tipo?

Otto: - É apenas um encontro social!

Clarissa: - O senhor já pode dar partida – ela falava com o motorista – por gentileza! – O motorista então ligou o motor- Vamos acabar logo com tudo isso, estou cansada dessa rotina! – o carro seguiu rumo! Clarissa olhava para a janela sem nenhuma expectativa para aquele dia!

Otto: - Mas uma coisa senhora!

Clarissa: - O quê? – Ela arqueou as sobrancelhas.

Otto: - O senhor Christopher participará da nossa agenda hoje!

Clarissa: - Que ótimo! – o tom irônico soava pelo carro com muita agressividade!

Otto: - A senhora prefere desmarcar os compromissos?

Clarissa: - Não, tudo bem! – Enquanto passavam pelas ruas britânicas Clarissa se perdia em seus pensamentos, o que ela estaria fazendo de errado? Ou estaria tão conformado com as coisas que se acomodou a essa vida? Talvez a desistência do seu sonho de ser modelo a deixara muito estagnada? O que poderia ter acontecido para estar tudo tão monótono? Quem sabe encontrar um verdadeiro amor seria a solução! – Já chegamos! – ela nem notou tudo passar tão rápido! – Vamos – ela entrou no grande prédio junto a Otto que estava ao lado dela com sua caderneta! Eles foram de elevador até o andar o quinto andar, numa sala; onde se encontrava muitos homens vestido a caráter: terno preto!

- Vamos começar a reunião! – um senhor barbudo, gordinho e muito tradicional administrava o inicio daquela reunião política – Podemos começar com os projetos deste mês! Senhora Clarissa poderia averiguar com o decorrer da nossa reunião?

Clarissa: - Claro! Otto preparará os pros e contras! – Seguindo a reunião Clarissa novamente voltou aos seus pensamentos, era aquilo mesmo que ela queria? Que amor é esse que ela tanto precisava, ou pensava que precisava ou apenas estava colocando sonhos à frente de deveres? Bom, a reunião não se estendeu tanto, como ela mesma disse Otto preparou e organizou o que era para ser feito. Assim que a sua pronunciação sobre o assunto foi dada eles partiram para o encontro de Christopher que já esperava no andar a baixo.

Chris: - Oi, como está Clarissa?

Clarissa: - Apenas vamos seguir o cronograma, temos um chá social com a realeza e o resto dos nobres.

Chris: - Está bem focada no trabalho hoje!

Clarissa: É porque você está aqui, mas, vamos andando com isso! – Ela nem se importou em ser deselegante, enquanto Christopher só seguiu o fluxo!

...

Motorista: - Senhores, chegamos, os deixarei aqui – um lugar, mais como um campo privado da alta sociedade – Estacionarei o carro de antemão!

Clarissa: - Claro – a porta de trás era aberta por Otto, que logo abria a porta do outro lado para Christopher – Ah, que interessante temos várias pessoas conhecidas e nenhuma com de fato vontade de estar aqui!

Chris: - Não seja tão agressiva!

Clarissa: - Não deveria se importar comigo – ela não dava importância!

Chris: - Mas, eu me importo com você! – ele falou com os olhos brilhando!

Clarissa: - Sei... - ela respondia desconfiada.

- Ola Clarissa! – Uma mulher bem elegante vinha em sua direção

Clarissa: - Olá senhora como está? – ela perguntava de maneira sínica, mas, bem sutil.

- Eu estou bem, venha, venha, Chris você também. Estão todos se esbaldando – ela se referia aos burgueses que se reunião num grande chalé daquele vasto campo! Lá dentro, estavam todos o nobres desde o alto escalão até o menor, Clarissa que estava cansada de tomar café que estava sendo servido há meia hora foi dar uma volta pelos arredores do chalé. Enquanto caminhava mal percebia que havia alguém a seguindo!

Chris: - Clarissa!

Clarissa: - O que é Chris?

Chris: - Você me chamou pelo meu apelido?

Clarissa: - Algum problema?

Chris: - Sem problema nenhum! É só que costuma –

Clarissa: - Só enquanto não estamos a trabalho. Aquela “festa” está uma grande chatice!

Chris: - Também acho! E por isso venho caminhar?

Clarissa: - Sim! – ela respondia tranquila, mas, aquele bom momento acabou-se quando pingos d’água começaram atingi-la – Ah justo hoje! Eu lavei meu cabelo!

Chris: - Vamos entrar ali – ele apontava para uma cabana. Assim que chegaram, estavam um tanto molhados – Bom, pelo menos não ficamos encharcados!

Clarissa: - Diz só por você, porque eu me sinto encharcada!

Chris: - Por que você é tão assim?

Clarissa: - Assim como?

Chris: - Desse jeito – ele apontava com sua mão estendida – uma hora fala com mansidão outra hora é extremamente grossa!

Clarissa: - Mecanismo de defesa, todos temos, o seu é ser irritante! – ela falou tirando blazer molhado – E sendo honesta, não te julgo!

Chris: - Não estou julgando, só estou tentando me aproximar de você, sabe eu fiquei sabendo que gostava de mim e depois disso fiz de tudo para ficar perto de – ele foi interrompido por um impulso: um beijo de Clarissa – Vo –

Clarissa: - Cala a boca e aproveita!

Aquele beijo foi se intensificando mais, meus lábios colados ao dele, logo, vinha à sua língua dançando suavemente pelo espaço esse encontrando com a minha, ele me empurrou para a parede, começou a passar suavemente, mas com pressa a mão sobre minhas pernas e ele subia mais até que pressionou a em minhas nádegas, eu gemi em durante o beijo intenso e quente ficava todo meu corpo, logo ele passou a depositar beijos em meu pescoço e descendo começou a desabotoar minha camisa, tirando o sutiã me deixou com os seios expostos, ele ia mais longe, abaixando minha saia passando a língua nas extremidades do meu intimo, mesmo de calcinha eu pude sentir seus toques suaves, me deixava totalmente louca, fiquei em puro êxtase, estava regozijando de prazer naquele momento, suas caricias de suaves passaram a ser violentas: voltando com seus lábios para minha boca ele tirava seu blazer e camisa, expondo um grande peitoral suado, ele pegou no calo, me pressionando mais ainda contra a parede, eu já sentia seu membro latejar em cima da minha intimidade, ele me dava beijos ferozes que me causavam tremor em todo meu corpo, eu não sabia mais como prosseguir essa dança, ele apenas me conduzia, ele começou a beijar meus seios  e com uma de suas mãos a apertá-los intensamente! Minha respiração ficava cada vez mais ofegante, meus gemidos se tornavam cada vez mais altos! Ele me jogou sobre o tapete, estendia ele arrancou minha calcinha e chupou minha vagina que se derretia, eu já tinha perdido toda minha consciência, eu estava toda arrepiada, ele então desabotoou a calça e tirou seu membro enorme, e começou a roçar em mim, ele me tomou em seu colo enfiou tudo de uma vez! Eu gemi tão que ecoou o lugar! Ele metia com força, eu cavalgava em seu colo! Sem parar, nem sentia mais minha respiração! Eu estava completamente em transe, seu membro todo duro dentro de mim, me forçando a sentir todo aquele prazer, eu já estava gozando e molhando mais ainda aquele pênis! Ele ficava cada vez mais suado! E todo seu corpo molhado me deixava mais excitada! Minha ansiedade aumentava mais e mais! Até que eu senti seus fluidos regozijados em mim, eu o puxei pela nunca, e o beijei mais ainda! Ele correspondeu seu membro já acordava mais uma vez, ainda dentro de mim, novamente ele começou os mesmos movimentos de vai e vêm, nossos corpos se chocavam um contra o outro! Aquilo me deixava louca até que finalmente dentre os beijos e e chupões ele gozou mais uma vez e eu fiquei imersa sobre aquele corpo!

...

Chris: - Isso foi bom! – Ele abotoava sua camisa!

Clarissa: - Ah foi! Olha só a chuva passou! – Ela arrumava seus cabelos avoados!

Chris: - Então nós –

Clarissa: - Não, nós só tivemos um pouco de diversão!

Chris: - Como assim, você me beijou aquela hora, achei –

Clarissa: - Sério, eu não estou preparada para uma relação! Ok, eu já to acostumada a isso! Não é foi grande coisa – ela estava mentindo, seu coração ainda bombeava sentimentos por ele – Eu vou sair primeiro e depois você! Eu vou pedir para o Otto para meu motorista te levar pra casa!

Chris: - Está dizendo que isso não valeu de nada?

Clarissa: - Claro que sim – ela esbravejou! – Mas eu não quero, está bem – escorria lágrimas de seu rosto – eu estou farta de carregar esse fardo essa vida de costumes e prazeres materiais sem sentido, estou cansada!

Chris: - Mas nós dois podemos dar certo!

Clarissa: - Mas, não estou pronta! Não quero me acostumar com uma vida onde ficarei presa, principalmente nessa sociedade que vivo! Eu desisti de meus sonhos forçada, eu não queria estar aqui pra começo de conversa!

Chris: - Clarissa –

Clarissa: - Estou indo! – ela bateu a porta daquela cabana, saiu correndo com seus sapatos na mão foi em direção a avenida dali, e passando um táxi o parou – por favor, pode ir para o centro? - Ela percebeu que estava sem a bolsa! – Ah deixa pra lá! Eu vou a pé! – E ela seguiu sem rumo, descalça, atordoada e com os cabelos ainda avoados entrou num bar e foi pediu uma dose de conhaque! Mas, não satisfeita pediu mais uma, e mais uma, e mais uma vez até ficar bêbada. Saiu do bar cambaleando, mas seguiu em frente, até chegar ao prédio onde morava, pegando o elevador , assim que chegou em seu andar deu de encontro com Otto.

Otto: - Senhora!

Clarissa: - É você Otto? – ela se atrapalhava toda ao seguir na direção dele que a segurou; levando ela até seu apartamento, adentrando-o, colocou a no sofá, cuidou dela até ela retomar sua consciência – Ah! – ela acordava do seu cochilo – Otto!

Otto: - Está melhor senhora? – ele entregava uma xícara de chá.

Clarissa:- Sinto-me melhor sim!

Otto: - Então eu já vou senhora, é tarde da noite!

Clarissa; - Otto, obrigada!

Otto: - Sem problemas senhora – ele saia do apartamento tranquilo!  

Clarissa: - Ah que merda! Acabei de me lembrar de que transei duas vezes sem camisinha! – ela bateu mão na testa! – Porra! – ela foi até seu quarto e se jogou na cama – ah que se foda! – ela ligou para um amigo – Oi! Pode vir aqui! – E logo que o rapaz chegou à sua casa, eles começaram a se beijar e até estarem na cama juntos!

...

Mais uma vez Clarissa acordava com o barulho de escavadeiras e tratores! A construção em frente da sua casa na parava de fazer barulho!

Clarissa: - Que merda! – ela abriu a gaveta de sua cômoda e pegou um cigarro e ascendeu com o isqueiro do ursinho Pooh! – Ah isso é muito bom – ela baforava a fumaça.

- Volta pra cama!

Clarissa: - Não enche! Acho que já deve ir embora...

- Mas-

Clarissa: - Vaza! – o rapaz saia recolhendo suas roupas do chão! E mais uma vez ela ficava sozinha e surda com o barulho da construção! – Que caralho.

...


Notas Finais


Comentem se quiserem!
Até qualquer dia.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...