História Querido Eddie... - Reddie - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias It: A Coisa
Personagens Benjamin "Ben" Hanscom, Beverly "Bev" Marsh, Edward "Eddie" Kaspbrak, Henry Bowers, Michael "Mike" Hanlon, Richard "Richie" Tozier, Stanley "Stan" Uris, William "Bill" Denbrough
Tags A Coisa, Derry, Eddie Kaspbrak, It: A Coisa, Losers Club, Reddie, Richard Tozier, Romance Lgbt
Visualizações 117
Palavras 1.539
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, LGBT, Poesias, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Depois reviso! Bjs...

Capítulo 4 - Pinguins


Fanfic / Fanfiction Querido Eddie... - Reddie - Capítulo 4 - Pinguins

5.

 

 

Em Sydney, existe um casal de pinguins. Mas, não é qualquer casal de pinguins. É o casal de pinguins. São Sphen e Magic, dois pinguins-gentoo machos. E, pinguins ficam com seus parceiros para a vida toda, e era assim que Richie queria ficar com Eddie. Juntos para a vida toda, um apoiando o outro, felizes. Felizes como Sphen e Magic, que adotaram um ovo abandonado por outro casal de pinguins. Sphen e Magic são tão e felizes e normais como qualquer outro casal do mundo animal.

  Tozier acordou com essa vontade de formar um par com Eddie e viver feliz para todo o sempre como pinguins. Não era a primeira vez que ele acordava com essa vontade. Na verdade, desde que conheceu Eddie, ele tinha esse “amor platônico”, só não sabia que era tão forte. 

 – BOM DIA, MÃE! BOM DIA, PAI! – ele se sentou à mesa para o café da manhã. Seu apetite estava longe, mas apenas pensar que depois do café ele encontraria Eddie, seu corpo tremia de felicidade.  

 – Bom dias, dois amores da minha vida! – disse a mãe de Richie, colocando pratos na frente dele e de Went, que nem fez questão de olhar o sorriso de comida que a esposa havia feito com ovos e bacon. 

 – Um sorriso como o meu! – Richie pegou o garfo, espetou o bacon e mordeu, acabando com o sorriso de comida.

 – Qual o motivo da felicidade hoje, querido? Você até me animou um pouco... – Maggie disse, se sentando ao lado do filho, que logo sentiu seu perfume de lavandas.

 – Ah... nada demais... – Richie deu de ombros e começou a comer os ovos. A gema balançava para lá e para cá, mole e amarela. Richie lembrou de quando dormiu na casa de Eddie, e pela manhã, a sra. K fez ovos mexidos para o “Ursinho”. Richie riu tanto com o “Ursinho” que quase fez xixi nas calças. 

  Ele lembra que quando viu Eddie com o short curtinho meio bagunçado e a blusa curta, teve uma pequena ereção. Era como se estivesse vendo revistas da Playboy, só que ao invés de garotas sensualizando e entediando Richie, era Eddie todo fofo e pequeno. Isso causou uma pequena preocupação no Boca de Lixo. É normal ficar de pau duro pra um menino, né? 

  Richie riu e sorriu bobo ao lembrar dos momentos que passou com Eddie.

 – Hmm... Eu conheço essa carinha. Meu filhinho está apaixonado... – ela cutucou Richie com o cotovelo e sorriu de lado. – Posso saber quem é a sortuda? 

 – A pessoa mais fofa do mundo... – Richie falou com a boca cheia. 

 – Não pode falar com a boca cheia. Come primeiro, depois você fala... – disse Maggie calmamente e serenamente. – Sabe, quando eu tinha a sua idade eu era líder de torcida... quase todos os meninos gostavam de mim... – a mulher com longos cabelos castanhos sorriu e começou a se lembrar da melhor época da sua vida. 

 – E você tinha que escolher logo o Went? – Richie zombou com a boca cheia de novo. 

 – Richie! – Maggie olhou rapidamente para o marido à frente com preocupação, mas o jornal não se moveu. Ele estava mesmo concentrado. Ela se aproximou mais de Richie e sussurrou no ouvido dele: – Olha, só entre nós... Eu já fiquei com uma garota na faculdade... – Mag mordeu os lábios, esperando o espanto do filho que veio assim que ela terminou a frase. 

 – Sério? – Richie terminou o seu café da manhã e encarou a mãe, quase tão perplexo quanto ela. Não conseguia imaginar a mãe como líder de torcida, nem namorando uma garota. 

 – Sim, sim... – ela se afastou e olhou Richie séria. 

 – Me conta mais sobre essa história, mãe... – Richie desviou o olhar meio envergonhado ao se lembrar de Eddie. Se a própria mãe dele havia namorado uma garota, qual o problema de Richie namorar um garoto?

 – Outra hora, Richie. Agora eu quero saber quem é a sortuda que você se apaixonou... 

 – Ou sortudo... nunca se sabe... – ele falou despercebido. 

 – O quê disse? – Went baixou o jornal. Ele que se manteve calado durante todo o diálogo absoleto, finalmente resolveu se manifestar. 

  Richie pigarreou forçado e se levantou depressa. 

 – Olha o horário! Melhor eu ir se não vou me atrasar... – ele deu meia volta na cadeira e saiu correndo em direção à sala, pegando sua mochila. 

 – Richard! – exclamou Went, se esticando para ver Richie, que abriu a porta e saiu como um jato. 

 – Deixa ele, Went... – Maggie falou calmamente. 

Se perguntassem para Maggie, qual era seu maior orgulho, ela com certeza diria Richie. Richie conseguia ser único e especial do jeito dele, e ela amava isso. Todas as noites, o Boca de Lixo conseguia fazer Maggie rir tanto a ponto de sair lágrimas do canto dos olhos enquanto eles assistiam algum programa de televisão. Richie nunca foi uma criança “normal”. O sonho de Maggie era ter uma menininha delicada que usasse um vestido azul de renda branca com laços de fita azuis prendendo as Maria-chiquinha loiras enquanto brincasse de boneca e fizesse chá da tarde. Porém, ela ganhou Richie, que era quase uma garota, se não fosse pelo jeito desleixado e os costumes, ah, e as bolas no meio das pernas. 

No começo, Maggie teve que esconder que Richie queria usar rosa pra todo lado, e trocou o rosa por flores. Agora eram flores pra todo lado. Principalmente nas roupas de Tozier, seu guarda-roupa é tão florido quanto o jardim. Richie conseguia ser desleixado e bagunceiro com um toque afeminado que completava sua personalidade. Resumindo: Richie era aquela típica criança meio “viada”, que fazia os bonequinhos se beijarem e passava o batom da mãe.

 

 

6.

 

 

Quando um pinguim macho quer que uma fêmea seja sua parceira, ele oferece um seixo para ela, o seixo mais redondo e bonito que encontrar. Se ela aceitar o seixo dele, eles serão um casal pro resto da vida. 

  Seria simples se no mundo dos humanos as coisas fossem assim também. Seria tão simples se Eddie apenas aceitasse a oferenda de Richie e eles ficassem juntos a vida toda. Mas Eddie Ursinho era cabeça dura. 

 – Por que tá me dando isso, Richie? – perguntou Eddie, olhando o Boca de Lixo desconfiado. 

 – Vê se fica tranquilo, Eds – exclamou Richie, e Eddie pegou a oferenda dele. 

 – São... bonitas – disse Eddie. Ele enfiou o nariz no meio do “buquê” de flores e cheirou. Por um momento, Eddie achou que seria algum tipo de pegadinha, mas se surpreendeu ao sentir o agradável cheiro das rosas de diferentes cores. – Olha, Richie, eu nem sei o quê dizer... – Eddie corou como um tomate.

 – Não precisa dizer nada... – ele empurrou os óculos para cima – Sabe... Eu gosto bastante de flores, acho que você já percebeu – Richie apontou para o colete florido que vestia por cima da camisa e para a bermuda, também florida. – Aí eu resolvi fazer um jardim em casa, tá bem bonito. Você devia ir lá ver. 

 – Claro, eu vou sim... – Eddie sorriu e eles começaram a andar. Foi o sorriso mais brilhante que Richie já viu. As flores que Tozier colheu no jardim feito por ele mesmo, era só um modo de expressar um pouco o amor que sentia.

 

 

 

7.

 

 

Já na aula de geografia, Richie não conseguia mesmo se concentrar. Ele queria tanto conversar com Stan, mas o cacheado não ia à aula havia uma semana, e Stan quase nunca falta. Isso fez Richie presumir que algo estava errado. As únicas vezes que Stan faltou foi quando sua avó morreu e ele teve que viajar para o enterro, o que demorou 2 dias; e a outra vez foi quando a outra vó de Stan morreu e ele estava muito triste para ir à aula. Mas agora, não tinha mais avós pra morrer e não tinha porquê Stanley faltar, nem mesmo se estivesse doente. Esse era o raciocínio de Richie. 

 – Cadê você, seu judeu narigudo? – se perguntou Richie, desenhando anjos com chifres no caderno. 

 

 

  O sinal tocou e Richard saiu como um jato da sala, empurrando todos que tivessem o desprazer de estar em sua frente. Ele correu até seu armário e guardou seus caderno com uma raiva repentina. 

  Os Losers se reuniam sempre na mesma mesa perto da janela desde que entraram na escola, era fresco e eles tinham uma bela visão do gramado. 

 – Ensino médio é um saco! – disse Richie, jogando a bandeja de comida na mesa entre Ben e Bill e resmungando. 

 – Só agora foi p-p-perceber, Einstein? – disse Bill, mordendo uma maçã.

 – Eu acabei de ver o Arroto Huggins batendo em um garoto só porque ele estava de rosa. Só por isso! – Richie franziu o cenho e deu uma colherada no purê de batata.

 – Tenho uma novidade pra contar pra vocês! – Eddie se animou e todos olharam para ele. – A diretora me chamou na sala dela e perguntou se eu não queria ajudar na decoração do Baile... e eu disse que sim! 

 – Hmm... sério? Isso quer dizer que você pode tomar o tanto de refrigerante que quiser antes da festa! – falou Beverly, mordendo uma bolacha.

 – Grande merda, Eddie, meu amor. 

 – Melhor que essa sua cara de cu – Eddie jogou um pedaço de pão no óculos de Richie. 

 – Você vai ver a cara de cu já, já no banheiro, fofo... – Richie piscou para Eddie que revirou os olhos.

 – Bip-bip, Richie – falou Beverly. 


Notas Finais


Vou mandar a real
Eu era uma criança bem sapatona. Eu fazia as Barbie se beija, usava as roupas dos meus irmãos, brincava com os mlk na rua. E ainda tinha aquelas crush da TV. A Docinho das Meninas Super-Poderosas era minha crush suprema e a Velma do Scooby-Doo também kkk
Fazer o que, né?
Tá aí mais um capítulo. Ah, vdd. Já assistiram Shawdohunters? Tem um shipp lá que eu acho que quem gosta de Reddie vai amar, recomendo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...