1. Spirit Fanfics >
  2. Querido Professor >
  3. Está perdoada

História Querido Professor - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Oiee!! Bom, mais um capítulo. Espero que gostem! <3

Capítulo 4 - Está perdoada


Fanfic / Fanfiction Querido Professor - Capítulo 4 - Está perdoada

Leonard e eu estávamos tão próximos que comecei a pensar milhares de coisas com o mesmo, as quais mais quentes possíveis. Ele vai me comer aqui? Por céus O que se passa entre nós?

  — Eu? Você que não sabe se colocar em uma vaga.. — Murmurei olhando seu peito distraída.

  — E você não sabe controlar o fato de que está louca para ser comida. — O mesmo solta um sorrisinho de canto e aproxima seu rosto do meu me beijando agilmente. 

Não pude responder seu linguajar pois nossas línguas se enrolavam, sentia seu calor sobre mim, suas mãos começaram a deslizar meu corpo sob minha blusa e não pude me controlar, segurei firme suas madeixas enlaçando seu quadril com as pernas, o beijo era intenso e quente, ficamos horas trocando salivas e nos “pegando”. Sem fôlego o mesmo parou um beijo mordendo meu lábio inferior e desceu beijando meu pescoço com leves mordidas até chegar em meus seios.

  — Humm.. — Ofeguei respirando fundo e segurando em suas madeixas firme, sentindo seus beijos em meu colo.

Quando vi que ele era realmente capaz de querer transar naquele bendito capô segurei o mesmo respirando fundo.

  — Não está gostando? — Ele sussurrou sorrindo e apertando minha coxa firme. — Poderia fazer muito mais se quisesse. 

Não vou mentir, eu queria, eu quero mas estamos na faixa, tudo bem que isso poderia ser resolvido dentro do carro mas ainda sim, eu sou virgem. Ele vai rir de mim. Me acalmei por uns minutos mordendo o lábio.

  — Estamos..em uma faixa. — Sussurrei e mordi meu lábio olhando o mesmo com desejo.

  — Posso resolver isso, sei que tá louquinha pra cair em mim.. — O mesmo me ajuda a sentar no capô. — O que tanto morde esse lábio? No que pensa?.

  — Que você é o meu professor e quantas mulheres já deve ter transado.. — Deixei escapar a informação sobre as mulheres e desci do mesmo ajeitando minhas madeixas .

  — Então minhas transas interessam você? — Ele ri sarcasticamente. — Senhorita, eu fui casado, mas não sou pegador como pensa — Ele balança a cabeça ajeitando suas madeixas.

Mesmo depois do que rolou entre nós me sentia culpada, pois ele poderia ser preso e eu expulsa, ambos sairiam prejudicados. Coro levemente ajeitando minha blusa que havia manchado por causa do seu peito com graxa. 

  — Não, não me interessam.. — Balancei a cabeça e respirei fundo. — Obrigada pelo carro. — Murmurei.

  — Não me agradeça, porém eu te peço perdão pela blusa manchada. — Ele aponta sorrindo. — Mas sei que vai ter uma bela lembrança minha, na verdade duas.. — O mesmo veste sua camisa que usava em mim para não aparecer a mancha.

   —  Lembrança?.. O que? Vai ir embora sem camisa? —  Ergui a sobrancelha pro mesmo balançando a cabeça.

   —  Vou sim. Ah então quer mais?  — Ele solta uma risada baixa entrando em seu carro.  — E tranquila, pode me entregar os trabalhos na sexta.

   — Idiota.  — Balancei a cabeça entrando no carro disfarçando um sorriso, dei partida e fui para casa.

Estava com o perfume do mesmo pelo o meu corpo todo, não parava de lembrar da nossa “diversão na estrada” e quando iria acontecer novamente, era errado mas pensava. Como que vai ser na sala de aula?. Nossa relação não seria a mesma, pois tínhamos acabado de dar uns amassos no capô do meu carro.

 

[...]

 

Após o almoço fiquei em casa, estava deitada no tapete do meu quarto lendo um livro, usando meus óculos de leitura e estudando para os trabalhos que tinha que entregar, Leonard poderia mudar de ideia na mesma hora e se eu não tivesse feito iria acabar me reprovando em literatura, não sabia do que ele seria capaz de fazer comigo. Escutei meu celular tocar e era Francesca, a mesma havia me perguntado se Leonard teria me ajudado com o carro, apenas confirmei, não contei o fato da gente ter quase ido pra dentro do carro e ter transado lá mesmo. Francesca me ajudou com algumas dúvidas mas não eram o suficiente, mas logo ela teve que desligar pois estava trabalhando.

A mesma é muito ocupada, ela trabalha como garçonete para pagar a faculdade, pois seus pais não a ajudaram nunca. Não acredito que vou ter que mandar e-mail pra ele, olha as porra de perguntas que ele faz. Peguei meu notebook e escrevi : “ Caro professor Vargas, suas perguntam são muito detalhistas, me retorne o mais breve possível pois não entendi algumas”. Enviei para o mesmo e me levantei do chão me esticando, estalando meus ombros, sentei em minha cama e olhei sua camiseta na mesma. Tenho que devolver. Escutei meu e-mail e rapidamente peguei meu notebook conferindo, ele havia respondido : “Senhorita Castillo, as dúvidas que tiver ,guarde pois amanhã pode vir mais cedo para a faculdade e irei te ajudar”. Olhei para aquela mensagem um pouco desconfiada, ele iria me ajudar ou iria me ajudar a tirar a roupa?. Ele não seria tão baixo de fazer isso na sala de aula.

 

Cinco horas da tarde…

Já havia tomado um banho, me ajeitado com uma calça leggin preta, regata preta e uma bota me deixando mais “alta”, prendi minhas madeixas em um rabo de cavalo alto e duas mechas divididas na frente, peguei minha bolsa e desci para o carro. Odeio esperar, não queria esperar para fazer minhas coisas na manhã seguinte, só faltava as questões que havia ficado em dúvida, então se eu terminasse, no dia seguinte estaria livre. Tomara que ele não tenha ido embora. Sim eu iria procurar a ajuda do Senhor Vargas, como disse eu sou uma excelente aluna, talvez ter toc com minhas coisas seja um problema. Dei partida no mesmo e dirigi para a faculdade.

Poderia ser pelo fato de querer vê-lo mas também precisava finalizar essas coisas hoje. Chegando na mesma após uns minutos, estaciono e ando mais um pouco até chegar lá. Tomara que ele esteja.

Adentro a faculdade e vou para a minha sala, os corredores estavam vazios pois já teriam ido embora, vou em direção à minha sala, a mesma que fico durantes minhas aulas na parte da manhã, e lá estava ele sentado e corrigindo algumas coisas. Bati na mesma e entrei respirando fundo, seus olhos viraram para mim e o mesmo solta um sorriso de canto ao me ver.

   — Senhorita Castillo, não podia esperar por amanhã? Ou..Isso tudo é saudade?  — Ele sorri brincando com sua caneta entre os dedos.

Ah se eu fosse essa caneta. Balancei a cabeça voltando a me concentrar e ando em direção ao mesmo.

   — Não podia esperar, quero terminar hoje e logo entregar pois não brinco com meus trabalhos.  — Balancei a cabeça olhando o mesmo.

   — Perfeito, pode se sentar aqui e vou dar uma olhada no e-mail e já te respondo, as quais ficou em dúvida.  — Afirmou com a cabeça se ajeitando em sua cadeira.

Me sentei em sua mesa ao seu lado, de frente pro mesmo que estava mexendo em seu computador, cruzei os braços e fiquei esperando.

 


Notas Finais


Gostaram do capítulo? Me sigam no Insta, é uma conta de edits para o Rugge pois ele é meu neném (TO USANDO MAIS ESSA CONTA ) :https://www.instagram.com/inspirerugge/?igshid=1xds2yhpm84wr
E o meu normal é : https://www.instagram.com/nathy_stoessel_pasquarelli/
OBRIGADA PELA ATENÇÃO <3 BEIJOS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...